terça-feira, 23 de maio de 2017

Beba água para que o seu cérebro possa dar o melhor de si

“Dois litros de água por dia mantêm o seu corpo hidratado”. Com certeza você já leu essa frase muitas vezes em diferentes lugares, e inclusive escutou na rádio ou viu na televisão. Mas o que essa afirmação não deixa claro é que a água também é boa para o cérebro.


Segundo várias pesquisas, existe uma relação entre a desidratação e a falta de concentração ou perda de memória. Como sabemos, a água não apenas é imprescindível para o funcionamento do nosso corpo, mas também para o desenvolvimento da nossa mente. Dessa maneira, a verdade é que você pode potencializar as capacidades cerebrais bebendo água todos os dias. Algo tão simples quanto indispensável!

A hidratação e a saúde mental

Beber água diariamente permite hidratar os órgãos, as células, os músculos… e também o cérebro. Os estudos publicados recentemente indicam que as pessoas que não consomem água suficiente aumentam suas probabilidades de sofrer de uma doença, especialmente na velhice.


Isso não quer dizer que a água nos torna “mais inteligentes” mas sim que nosso rendimento mental poderá atingir o máximo de sua capacidade de produção em função das nossas faculdades. Dessa maneira, a água atua como uma espécie de guardiã delas e, portanto, também de nós.


Não devemos esquecer essa máxima: “Quanto maior o nível de desidratação, menor a capacidade de alerta e concentração: mais sonolência, fadiga e cansaço”.

Um copo de água no deserto

Para poder entender como o líquido é vital em nosso corpo e cérebro, poderíamos analisar o caso de uma pessoa que se perde no Saara. Quando sua garrafa de água termina, as alucinações e miragens não demoram para aparecer. É verdade que existem outros fatores que influenciam, como as altas temperaturas, o sol e o desespero, mas a falta de água afeta imediatamente a coordenação motora, a atenção e a memória a curto prazo.


Segundo os médicos, quando alguém está desidratado apresenta uma menor quantidade de eletrólitos, e isso leva a uma alteração na atividade cerebral e nos outros sistemas que participam dos processos cognitivos (capacidade para processar informação). A perda do líquido no organismo tem como consequência uma maior produção de hormônios “do estresse” e uma diminuição do funcionamento da memória e da percepção.

Cérebro hidratado, cérebro “acordado”

Boca seca, dor de cabeça ou dificuldade para se expressar corretamente são apenas alguns dos sintomas que nos “avisam” da escassez de água no corpo e na mente. O mal-estar geral, a tontura e a desorientação são sinais de alerta num estado superior.


Não devemos esperar para sentir sede para beber água, já que nesse momento nos encontramos em um grau inicial de desidratação. Se isso acontece frequentemente, o cérebro começa a sofrer. A pouca ingestão de líquidos tem suas consequências em qualquer idade, mas sobretudo em crianças e em idosos, mais vulneráveis às mudanças.


Quando o cérebro está hidratado desaparecem os sinais de fadiga mental (tão habituais na atualidade) e não é necessário fazer um esforço superior para conseguir o mesmo resultado (você evitará horas extras no escritório). Ao beber água diariamente podemos melhorar nossas atividades cotidianas, sobretudo as relacionadas com o planejamento e o processamento visual-espacial.

Para sabermos se estamos bem hidratados ou não, além de beber esses dois litros que tanto nos aconselham, existem outros fatores interessantes. Por exemplo, analisar a cor da urina (se é escura e escassa pode ser porque nos falta líquido) e evitar as bebidas alcóolicas, os refrigerantes e o café (todos eles causam desidratação).


Quando faz calor ou praticamos exercício, é preciso aumentar a ingestão de líquidos e acrescentar sucos naturais à dieta. Se você não é “amante” da água ou se esquece de bebê-la, pode levar uma garrafa sempre consigo ou inclusive programar alarmes em diferentes momentos do dia. Seja inverno ou verão aconselhamos você a beber água, pelo bem do seu corpo e da sua mente.

 Fonte: A mente é maravilhosa

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Estresse desregula a saúde do seu intestino e pode causar azia e diarreia

5432action/istock
Insônia, irritabilidade, dificuldade em se concentrar e pressão arterial elevada são apenas alguns dos mais conhecidos sintomas do estresse. A condição ainda é capaz de provocar desconfortos gástricos por desregular a saúde do intestino e causar diarreia e azia.

Como o estresse afeta o sistema digestivo

Estudos científicos já comprovaram que estresse em excesso pode alterar as funções gastrointestinais através do sistema nervoso que, uma vez estimulado, atrapalha o movimento gástrico natural.


Além disso, o estresse também vai afetar a secreção de ácidos e enzimas digestivas que desregulam o funcionamento do intestino e provocam queimação no estômago. É comum, portanto, uma pessoa sentir azia e apresentar um quadro de diarreia quando está sob uma situação de estresse agudo.

Fonte: VIX - Escrito por Paulo Nobuo

Mulher acordou sem um pedaço do rosto, e a culpada estava logo ao lado!

Meghan Linsey da Louisiana, nos Estados Unido foi uma das finalistas da versão norte-americana do programa musical The Voice. 


Mas, após ela sumir por um tempo das redes sociais, seus fãs ficaram intrigados. Meghan ficou sabendo e resolveu mostrar o motivo. Ela escreveu e revelou o que aconteceu:

 Eu acordei com uma sensação de picada no rosto. Eu olhei, e na minha mão direita tinha uma aranha morta. De alguma maneira, enquanto eu dormia, uma aranha me picou e eu a matei. Este cenário está literalmente no topo da minha lista de pesadelos. A picada foi terrível e eu sabia que ela era venenosa. Eu coloquei a aranha em um saco e fui para a emergência.”


Após ser picada, ela teve espasmos musculares e seu corpo ficou com muitas erupções na pele, bem como a área afetada ficou preta e o tecido do local apodreceu. Ela foi indicada a fazer um tratamento onde em uma câmara hiperbárica, com nível de oxigênio mais alto para ajudar a pele a se regenerar.

Os médicos confirmaram que ela havia sido picada por um aranha-marrom da espécie Loxosceles, uma das aranhas mais venenosas dos Estados Unidos. Após 2 semanas Meghan se recuperou, e a cicatriz ficou quase imperceptível.

[ NCD ] [ Fotos: Reprodução / NCD ]  Via Jornal Ciência

sábado, 20 de maio de 2017

20 de Maio dia do Pedagogo(a)




Parabéns a todos os pedagogos(as) 👏👏


A educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo.

Nelson Mandela

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Qual impacto a música tem em seu cérebro?

A música nos cerca e nos inunda, faz a gente se emocionar, faz a gente viajar no tempo, nos dá força e nos preenche em momentos de paz. A música está em todos os lugares, em cada som, em cada ritmo e em cada voz. Contudo, o que realmente acontece com nossos cérebros quando ouvimos uma música? Por exemplo, com a música conseguimos e ativar os dois hemisférios do cérebro e criar mais conexões entre eles.

O cérebro humano é composto, como foi falado anteriormente, por dois hemisférios. O hemisfério esquerdo é responsável pela parte mais lógica, o raciocínio, os números, a linguagem, etc. Por outro lado, o hemisfério direito lida com funções mais intuitivas, imaginativas e criativas.


Desde o nosso nascimento já existem sons que ajudam no desenvolvimento do nosso cérebro. O bebê pode até mesmo reconhecer a voz de sua mãe antes de qualquer outro som. A verdade é que a audição é um dos primeiros sentidos que se desenvolve nas crianças.


O que acontece quando ouvimos música? O lado direito do nosso cérebro nos faz imaginar e deixa nossas emoções voarem, enquanto o lado esquerdo será ativado através da análise das obras e enfatizando a parte mais racional, como por exemplo o significado da letra, figuras musicais, ritmos …

Benefícios de aprender música

A plasticidade do cérebro na infância é enorme, e com a música é possível ativar ambos os lados do cérebro e fazer com que os hemisférios criem mais conexões. É algo que os adultos também podem trabalhar. Nesse sentido, embora as mudanças ocorram de maneira menos pronunciada e mais lenta (nossa plasticidade neuronal é menor), também conseguiremos enriquecer a arquitetura do nosso cérebro.


Alguns dos benefícios que podemos obter a partir da aprendizagem musical relacionados com o hemisfério esquerdo do nosso cérebro:

  • Melhorar a memória.
  • As habilidades motoras finas ou grossas, dependendo do tipo de instrumento que tocamos.
  • O ritmo.
  • Coordenação corporal.
Se, por outro lado, olharmos paro o lado direito, algumas das melhorias que podemos ter seriam:

  • Desenvolver a imaginação.
  • A criatividade.
  • A harmonia.
Se nos concentrarmos no plano das emoções, também poderemos mudá-las dependendo de qual parte do cérebro for ativada. E então, como podemos nos ajudar com a música no âmbito social? Se pudermos ativar emoções que unam ou promovam a empatia para nos aproximar dos outros, faremos com que nosso cérebro crie novas conexões e novas rotas, ativando as novas emoções com melodias.

Música e emoções

É extraordinário que todas as emoções aqui descritas possam ser ativadas com apenas um sentido, a audição.

Podemos ouvir uma música e relaxar, como também podemos ouvir uma melodia que pode ativar-nos ou colocar-nos em um bom humor ou recarregar nossas baterias. Como podemos aproveitar ao máximo as possibilidades que a música nos dá?

Cada música tem a capacidade de ativar uma emoção. A musicoterapia é um exemplo de tudo que foi discutido. Trata-se de utilizar a música e todos os seus elementos a seu favor; levando em consideração que cada um teria que usá-la de sua forma particular.


A musicoterapia permite desenvolver a nós mesmos em um novo contexto, conhecer uns aos outros através da música e explorar emoções que às vezes nos acompanham como melodia de fundo, sem chamar a atenção da nossa consciência.

Lembre-se de que podemos nos comunicar de uma maneira diferente (com ou sem linguagem), melhorar as relações, o movimento, a organização, deixar-nos levar e nos libertarmos para explorar um novo mundo com os olhos fechados. Tudo isso para melhorar a integração dos hemisférios e o bem-estar pessoal. Então te propomos… vamos apertar o play e nos deixar levar? Atreva-se a descobrir a si mesmo e a voar com a música.

Fonte: A mente é maravilhosa
 

Usar sabão e esfregar são alguns dos erros mais comuns na hora de tirar manchas

Truques e soluções caseiras para acabar com manchas em peças de roupas realmente podem ser mais eficientes do que muitos produtos caros à venda no mercado. Mas como as dicas normalmente passam de geração para geração, elas podem esbarrar em ruídos e piorando ainda mais a sujeira.

Erros ao tentar tirar manchas

No momento em que uma peça de roupa é manchada é comum pensar que aplicar sabão diretamente sobre a sujeira pode solucionar o problema, mas a verdade é que o produto de limpeza pode justamente fazer com que a mancha se torne permanente, especialmente no caso de respingos de café, vinho e chá.


O ideal é colocar a mancha sob água fria antes de utilizar o sabão. No caso de manchas de café que já estão secas, uma boa solução é misturar bicarbonato de sódio com um pouco de água e esfregar suavemente sobre a peça.

Erro semelhante pode ser cometido com produtos específicos para remoção de manchas. Não exagere na quantidade e apenas aplique a solução aos poucos até que a sujeira desapareça ou diminua de tamanho, principalmente em móveis ou tapetes, que demoram mais para secar.

O uso de água quente para retirar sujeiras também deve ser evitado. No caso de manchas de sangue ou vômito, por exemplo, a alta temperatura pode piorar ainda mais a situação. A água fria ainda é a melhor saída para realizar a limpeza.

Esfregar a mancha com força é um hábito comum na tentativa de eliminar a sujeira, mas ao contrário do que se possa imaginar, a atitude não somente piora o problema como também aumenta o risco de danificar a peça. O recomendável é sempre procurar remover a mancha com movimentos suaves e delicados.

Fonte: VIX-  Escrito por Paulo Nobuo

Delicie-se com estas 7 curiosidades interessantes sobre o beijo

Quando o assunto é beijo, é raro encontrar alguém que não se interesse. Nós aqui do Mega Curioso já mostramos pra você, por exemplo, um beijo visto do lado de dentro da boca – bizarro! – e, inclusive, falamos a respeito daquele vídeo feito com um monte de gente estranha que nunca tinha se visto e que, de repente, estava se beijando. Se beijo é um assunto do seu interesse, confira a lista a seguir, cheia de historinhas envolvendo beijos, bitocas e beijoqueiros:


1 – 10% do mundo simplesmente não beija

Pois é. A gente sabe que parece errado isso aí, mas é verdade. Vamos aos fatos: a Ilha de Mangaia, que também é a ilha mais antiga do Oceano Pacífico, só foi saber o que era beijar em 1700, quando os ingleses chegaram com a novidade.

A verdade é que mesmo agora há 10% da população mundial que simplesmente não beija. Há muitos motivos para isso: em algumas áreas do Sudão, por exemplo, as pessoas não beijam porque acreditam que a boca é a janela da alma. Beijar seria, portanto, uma forma de ter suas almas roubadas.

2 – Como o beijo se espalhou pelo mundo

A ciência ainda não tem certeza a respeito de como começou essa história de beijo. Não se sabe nem mesmo se foi uma coisa de instinto ou se foi algo que se aprendeu com o passar do tempo. Há, contudo, algumas teorias a respeito.

A primeira delas não tem muito a ver com romance, já que alguns cientistas acreditam que o beijo foi inventado por mamães que, na tentativa de ajudar seus filhos, mastigavam a comida e a repassavam a eles.

O beijo romântico foi citado pela primeira vez na Suméria, a civilização mais antiga do mundo. O beijo também está presente na poesia do Egito Antigo e até mesmo o livro de Gênesis, na Bíblia, menciona um beijo.

3 – Não somos os únicos

Outros animais além de nós, humanos, também costumam trocar beijos. É o caso dos chimpanzés, que trocam beijinhos depois de uma briga. Há diversos estudos que já comprovaram que outros primatas têm o costume de beijar. E, além deles, vale falar das suricatas e dos elefantes, que também beijam e demonstram afeto.

4 – Benefícios

Que beijar é bom, você já sabe, mas o ato em si traz muitos benefícios à saúde de quem beija. Se por um lado é meio nojentinho imaginar a troca de bactérias que acontece durante o beijo, vale saber que isso melhora seu sistema imunológico. Então tudo bem. Sem crise.


Além disso, beijar ajuda a manter a limpeza dos dentes, já que a saliva extra que fica na sua boca acaba ajudando a matar algumas bactérias desnecessárias. É hipertenso? Pois então beije na boca, afinal o ato diminui a pressão arterial.

5 – A primeira impressão...

É aquela história: só há uma chance para causar uma boa primeira impressão. E o mesmo vale para o beijo. Estudos comprovam que quando o primeiro beijo não é bom, 59% dos homens e 66% das mulheres perdem o interesse logo de cara.


Outro estudo, feito agora com mais de mil estudantes, revelou que as mulheres querem beijar mais do que os homens, especialmente antes da hora H. E você sabe por que beijar é fisicamente bom? Acontece que nossos lábios têm muitas terminações nervosas que acabam nos causando a sensação de bem-estar quando beijamos.

6 – Recordes

Atualmente o casal que mais passou tempo se beijando no mundo foram os tailandeses Ekkachai e Laksana Tiranarat. Os dois ficaram aos beijos por longas 58 horas, 35 minutos e 58 segundos! Haja fôlego, hein!

O recorde anterior pertencia a Andrea Sarti e Anna Chen, que ficaram grudados por 31 horas e 18 minutos. Eles pararam de se beijar porque estavam quase desmaiando. Anna acabou a prova com uma máscara de oxigênio, mas os dois ganharam US$ 12.700, dinheiro que foi usado no casório dos pombinhos.

Uma pessoa normal, que não fica mais de 30 horas beijando o namorado, beija o equivalente a duas semanas durante a vida. É bastante, hein! E tem mais: uma hora de beijo queima 1.560 calorias.

7 – A química da coisa

Quando uma pessoa diz que “tem que rolar química”, ela está certa. Tem mesmo. Quando você está beijando, seu cérebro libera uma substância chamada dopamina, que nada mais é do que um hormônio poderoso que afeta a mesma área do cérebro estimulada pelo uso de cocaína. A dopamina pode provocar sensações extremas de desejo e ânsia. Sem falar nos outros sintomas, como falta de sono, falta de apetite e aumento nos níveis de energia.

Quando você beija alguém que está com você há muito mais tempo, seu cérebro passa a liberar oxitocina, uma substância que tem a ver com a sensação de relaxamento.

Por outro lado, com o passar do tempo, o cérebro deixa de liberar tanta dopamina. Alguns cientistas acreditam que é por isso que muitas pessoas traem seus parceiros, pela falta dessa substância. Será?

Bônus

Você sabia que tem gente com fobia de beijar? A filemafobia, como também é conhecida, é o medo extremo de beijar ou ser beijado. Há muitas explicações para isso: desde o medo excessivo de bactérias até traumas mais sérios envolvendo abusos.

Geralmente as pessoas com filemafobia lutam para entender por que sentem aversão ao beijo, afinal beijar é visto como uma atitude tão normal que não gostar disso pode gerar desconforto psicológico e social.

Fonte: Mega Curioso

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Esse líquido vermelho que tem em toda carne não é sangue, e nós podemos te contar o que é

E quantas vezes vocês comeram um belo pedaço de carne repleta de um líquido vermelho que as pessoas falam que é sangue? Bom, se a vida inteira você achou que esse tal líquido era sangue, caro amigo, saiba que você está completamente enganado. Não é nada diferente o que ocorre em outras carnes, como o salmão, por exemplo. Aquela “gosma” branca que fica em cima do salmão não é gordura, mas sim uma proteína solúvel.


Todo mundo que vai na churrascaria vê aquele pedaço de picanha com esse líquido e diz coisas como: “adora carne berrando”, “essa tá mugindo” ou “odeio carne com sangue”. A verdade é, caros amigos, que aquilo lá jamais será sangue. Se quase todo o sangue que corre nas vacas jamais chega no açougue, vocês acham que ele realmente iria chegar no seu prato?

 Quando o animal é abatido, eles escoam o seu sangue, e sobre pouquíssimo sangue no coração e pulmões, partes da vaca que ninguém, ou quase ninguém, come. Mas qual a explicação para esse líquido vermelho que engana as pessoas há tantos anos? Aquele líquido na verdade não vem da hemoglobina, mas sim da mioglobina. Quando alguém cozinha a carne, ela fica muda de cor e fica marrom, enquanto o carne mal passada fica vermelha, certo?




Em entrevista ao G1, a bióloga de Arraial do Cabo, Leonizia Valdeci de Melo, especialista no gerenciamento socioambiental costeiro e lecenciada em biologia pela Ferlagos, explica o seguinte:

“Filé mignon, contra-filé, alcatra, picanha, fraldinha, tudo isto é músculo. Músculo não tem hemoglobina, mas tem mioglobina, que também dá a coloração vermelha à carne. A hemoglobina é uma proteína presente no sangue e que define sua cor, contém ferro e leva do pulmão o oxigênio necessário aos movimentos para os tecidos musculares. Nos músculos, também há outra proteína, chamada mioglobina, que ajuda a manter o oxigênio, sendo esta proteína responsável pela cor vermelha da carne.”



Mas então, porque quando comemos carne de porco o mesmo não acontece? A explicação para isso é que o porco tem menos mioglobina do que o boi, e isso faz com que a carne do porco seja mais rosada. Os peixes, pela coloração da carne, tem menos mioglobina ainda.

Essa mioglobina é uma proteína globular dos vertebrados, e no homem é uma das proteínas mais simples que transporta oxigênio molecular, sendo o principal transportador intracelular de oxigênio nos tecidos musculares, além de estocar oxigênio nos músculos.


Leonizia ainda explica o seguinte: “os animais que têm uma maior movimentação dos seus músculos tendem a ter a carne mais vermelha, portanto, armazenam uma maior quantidade de oxigênio, enquanto os animais mais lentos armazenam uma menor quantidade, apresentando o aspecto da carne mais rosada, como é o caso dos suínos (porco). Essa atividade muscular dos animais varia de espécie para espécie. Os peixes possuem ainda menos mioglobina, por isso, a carne é branca. Devido à grande movimentação do atum, sua carne é avermelhada. Nas aves, já ocorre uma variação da cor da carne em algumas partes: o peito é branco, mas, na parte de coxas, pernas e pescoço, a carne se mostra mais escura, ou seja, estruturas de maior movimentação do corpo do animal.”

Fonte(s) Buzzfeed  -G1
Imagens Lol Esporte -Maceió -Banquinho Publicações -Blog Erickson -Culture Connection
Via Fatos Desconhecidos

Marido dormiu com cadáver de esposa por seis dias

A britânica Wendy Davison, de 50 anos de idade morreu após lutar por 10 anos contra um câncer cervical.

Mas, seu marido, Russell Davison, não superou tão facilmente a morte da amada e resolveu deixar o cadáver na cama do casal, ficando 6 dias ao seu lado. Davison afirmou que estava devastado e de “coração partido”, então recusou mandar o corpo de sua esposa para o necrotério.

A morte é um tabu em nossa sociedade, ninguém parece querer falar sobre isso. Eu não queria vê-la em um funeral. Queria cuidar dela em nossa casa e tê-la em meu quarto, para que eu pudesse dormir com ela”, disse. Wendy foi diagnosticada com câncer cervical em 2006, após completar 40 anos.


Nós não estávamos preparados para entregar sua vida aos médicos. Queríamos fazer nossa própria pesquisa e realizar o melhor trabalho possível para mantê-la viva” disse Russel, que recusou submeter a mulher à radioterapia e quimioterapia “por muito tempo”.

Wendy chegou a ser internada no Hospital Royan Derby Em setembro do ano passado, mas a família a tirou do hospital e levou-a para ser cuidada em casa, onde seu corpo ficaria até quando fosse cremado. Ela morreu pacificamente (no dia 21 de abril), totalmente sedada, sem dor, nos meus braços e com o nosso cachorro, Elvis, aconchegado perto dela. Foi uma experiência bonita e reconfortante.”, finalizou Russel.

[ The Guardian ] [ Fotos: Reprodução / The Guardian ]  Via Jornal Ciência

Gripe aumenta risco de infarto por até 1 mês após sintomas iniciais. Qual é a relação?

Lars Neumann/iStock
Um estudo australiano recentemente publicado pelo periódico científico "Internal Medicine Journal" confirma uma relação já há algum tempo suspeita: infecções respiratórias, como gripe e pneumonia, aumentam o risco de infarto. Mas qual é a relação? Explicamos a seguir.

Relação entre infecção respiratória e infarto

Os pesquisadores da Universidade de Sidney analisaram 578 pacientes que, confirmadamente, sofreram infarto do miocárdio e descobriram que 21% dos pacientes que tiveram o ataque cardíaco apresentaram sintomas de doenças respiratórias nos primeiros 30 dias antes do mal súbito.

Essa ligação tem motivo: segundo os estudiosos, a formação de coágulos no sangue tende a aumentar após as infecções respiratórias e inflamações e toxinas danosas aos vasos sanguíneos também ficam com graus elevados.

Bluebay/shutterstock

De acordo com os autores da pesquisa, anteriormente, outros estudos realizavam essa correlação sem a confirmação angiográfica do infarto. A angiografia é um exame que analisa o estado dos vasos sanguíneos através de uma inserção de uma pequena câmera nas artérias. É justamente por isso que essa nova descoberta - feita através desse exame - é tão importante.

“Estas conclusões confirmam que a infecção respiratória pode desencadear infartos. Estudos adicionais são indicados para identificar estratégias de tratamento para diminuir esse risco, particularmente em indivíduos que podem ter maior susceptibilidade”, conclui a pesquisa.

Período de risco para infarto

Outra questão descoberta é que o risco de infarto após gripe ou pneumonia não aumenta imediatamente após a infeção. Isso pode durar até os primeiros sete dias depois do surgimento de sintomas de doenças respiratórias. “Apesar de uma redução paulatina, o risco se mantém elevado durante um mês”.


Fonte: VIX - Escrito por Guilherme Athaide

quarta-feira, 17 de maio de 2017

4 provérbios árabes para refletir

Os provérbios sempre nos deixam algum ensinamento ou reflexão que vale a pena analisar a fundo. Desta vez trazemos alguns provérbios árabes que podemos adotar como parte de nossa vida.

Seja pela importância que esta cultura teve em nossa história ou porque simplesmente trazem um grande ensinamento, vale a pena prestar atenção. Tome nota e não se esqueça destes provérbios árabes em seu dia a dia.

1. “Não fale se o que for dizer não for mais belo que o silêncio”

Este é o meu favorito dos provérbios árabes e a quantidade de vezes em que nos arrependemos logo depois de dizer algo é imensa. Nem sequer precisamos ter o desejo latente de machucar a outra pessoa. Muitas vezes sai algum comentário pouco amigável que não passou pelo filtro do coração.


Temos que passar os comentários pelo filtro do coração, o qual lhe dirá se é uma mensagem útil emocionalmente para quem a escuta. Inclusive, às vezes, passar cada palavra que dizemos pelo filtro da cabeça nos mostrará se ela é lógica ou não. Assim como guardar rancores não é saudável, também não devemos seguir pela vida dizendo coisas que ferem.

2. “A primeira vez em que você me enganar será culpa sua. A segunda será culpa minha”

Este é um dos provérbios árabes dos quais tento lembrar a todo momento, principalmente quando se refere aos relacionamentos. É verdade que nos relacionamentos não existe nada escrito e que cada casal deve tomar suas próprias decisões. Mas se você já foi vítima de uma infidelidade por parte de seu parceiro e segue perdoando e aceitando-o uma e outra vez, já não pode culpá-lo. 

A mensagem que enviamos ao perdoar infidelidade atrás de infidelidade é que você mesmo, seja homem ou mulher, não se valoriza. Se não é capaz de ver o quanto você vale e mostrar seu lugar, como espera que o outro faça?

Não estou dizendo para nunca perdoar porque isto também é necessário, em algumas situações, para seguir em frente. Mas devemos aprender a colocar limites. Quando a outra pessoa demonstra falta de respeito com você, o melhor é deixá-la ir para que busque o que lhe faz falta sem te machucar.

3. “O homem que não sabe sorrir não deve abrir uma loja”

Sou uma fiel crente de seguir seus sonhos e metas e acredito que este é um dos provérbios árabes que melhor descreve esta crença. O que este provérbio quer dizer é: sempre faça aquilo que deixe um sorriso nos seus lábios.

O dia a dia sempre será mais tolerável quando você faz as coisas que ama. Também existirão problemas e dificuldades, e inclusive tarefas que não gosta de fazer, mas se sobrepor a tudo isso é mais simples quando você ama a atividade principal.

Não há nada pior do que lidar com pessoas que o dia inteiro apresentam uma cara de poucos amigos e um tratamento grosseiro. Não se converta em uma dessas pessoas.


4. “Castigue os que te invejam fazendo-lhes o bem”

Em algum momento da vida todos nós lidamos com pessoas que estão mais do que dispostas a nos fazer sentir mal. Na grande maioria das vezes isso se deve ao fato de que elas invejam algum aspecto seu e tentam sabotá-lo emocionalmente.

Você pode ficar tentado a se irritar e fazer a mesma coisa. O último destes provérbios árabes nos lembra algo bem verdadeiro: o pior castigo para estas pessoas é que você as trate bem. Não se trata de ser hipócrita e tratá-los como se fossem seus melhores amigos.

A simples gentileza costuma doer mais do que qualquer coisa. Se você agora está lidando com uma pessoa tóxica deste tipo e tem tentado evitá-la sem sucesso, tente a gentileza. Verá como ela desaparece de sua vida tão rápido que você nem se dará conta. E cuidado, estou falando de ser gentil e cordial, não de se colocar à disposição para tudo. Se esta pessoa pedir algo que você não quer ou não pode fazer, diga “não”.

Estou certa de que estes provérbios árabes serão muito úteis para enfrentar os desafios de seu dia a dia. Talvez você já até conhecesse alguns, mas nem sempre os aplica porque se esquece. Preste mais atenção e reflita sobre eles.

Fonte: A mente é maravilhosa

Como identificar os sinais de insuficiência renal

Em todos os estágios da vida, ou seja, da infância à terceira idade é necessário ficar atento aos cuidados para que os rins e a bexiga funcionem normalmente. Embora nem sempre seja o que acontece, por isso, saiba como identificar os sinais de insuficiência renal


  Alteração na cor da urina (a urina adquire uma coloração escura, quase sanguinolenta);

- Dor ou queimação ao urinar;

- Mudança no hábito de urinar (passa a urinar com mais frequência e, principalmente, à noite);

- Urina com muita espuma;

- Inchaço nas pernas e ao redor dos olhos;

- Dor lombar;

- Pressão arterial elevada;

- Anemia ou palidez fora do habitual;

- Fraqueza e desânimo constantes;

- Sensação de náusea e vômito pela manhã.

*Por André Bernardo | Ilustração Sandra Tir | Adaptação Kelly Miyazzato.

Revista Viva Saúde

7 coisas que os ginecologista querem que as mulheres saibam

Para os desinformados, a ginecologia é a prática da medicina que lida diretamente com a saúde do aparelho reprodutor feminino (útero, vagina, ovários) e mamas. Seu significado literal é “a ciência da mulher”. Mesmo sendo algo completamente normal, muitas mulheres morrem de vergonha quando vão a um ginecologista, ainda mais na primeira vez, mas mal sabem elas o que os médicos pensam sobre essa tal vergonha.


Bom, como todo mundo sabe, existem algumas coisas que os ginecologistas sempre querem dizer para as mulheres, mas raramente tem essa chance, e pensando nisso, nós criamos essa matéria com as 7 coisas que os ginecologistas querem que as mulheres saibam:

1 – Eles não vão julgar os seus hábitos de higiene

Quando você vai em um ginecologista, cara leitora, eles não estão nem aí se você está depilada ou não, eles simplesmente não prestam atenção nisso. Bom, se você tomou banho, se depilou ou não, isso é problema seu, certo? Mas também não precisa chegar depois da academia, não será nada agradável.

2 – Sim, eles querem saber da sua vida sexual

Claro que você não precisa contar com todos os detalhes sobre a sua vida sexual, mas é bom falar se você está tendo relações, se o seu parceiro é um homem ou mulher, se você não sabe se seu parceiro tem DST’s ou simplesmente se você tem relações sexuais com várias pessoas. Essas são informações básicas para que um ginecologista possa te ajudar a fazer um teste ou fazer um tratamento. Então, quando ele te fizer esse tipo de pergunta, não fique acanhada e responda normalmente.

3 – Coceira

Se você sente uma coceira no órgão genital que te deixa incomodada, o ginecologista precisa saber disso. Quando isso acontece, pode ser sintomas de um desequilíbrio, mas a causa pode variar entre falta de higienização até uma doença.

Normalmente, a causa mais comum do incômodo é a limpeza inadequada da vagina, seja por excesso ou falta de higienização. As vezes ela pode ficar ressecada e causar tal coceira, bastante comum em mulheres que estão na menopausa. Mas também essa coceira pode ser por causa de uma alergia, absorvente, protetor diário, sabonete, entre outras coisas. Portanto, qualquer incômodo que você sinta, é necessário que você seja clara e sincera com o ginecologista para que ela possa passar o tratamento ideal.

4 – Candidíase

Para as mulheres que ainda não sabem, a infecção vulvovaginal é causada por um fungo que, normalmente provoca coceira e pode acontecer inúmeras vezes durante a vida. A candidíase também pode causar dor pélvica e incômodo durante a relação sexual, além de ter o corrimento. Essa doença pode ser facilmente tratada por um antifúngico, e no caso de suspeita de outra doença, é preciso fazer coleta de material para fazer uma biópsia.

5 – Corrimento

Toda mulher tem corrimentos que, normalmente, constituem por bactérias e células mortas decorrentes da degradação natural do meio vaginal e é responsável pela autorregulação da região. A cada ciclo menstrual, o aspecto muda, e para evitar com que a secreção natural seja confundida com doenças, as mulheres precisam aprender a identificá-las. Claro que é natural o corrimento durante o ciclo, mas dois tipos de corrimentos podem indicar doenças, principalmente as secreções amareladas ou esverdeadas.

6 – O seu ginecologista deve ser alguém que você realmente gosta e confia

As consultas com o ginecologista, como já citamos, podem ser invasivas, e você precisa se sentir segura e protegida com essa pessoa. Caso você sinta desconfortável, talvez seja a hora de procurar um novo ginecologista. Recomendações das amigas muitas vezes pode ser útil.

7 – Eles querem ver você pelo menos uma vez por ano

 Sim, é crucial que as mulheres vão ao ginecologista ao menos uma vez por ano, mesmo que você ache que está tudo bem. O exame ginecológico de rotina se chama teste papanicolau, que detecta qualquer problema de células cervicais que podem ser pré-cancerosas ou cancerosas.  Então, mesmo que você ache que está tudo bem, mulher, vá há um ginecologista mesmo assim.

Fonte: Fatos Desconhecidos