quarta-feira, 11 de setembro de 2019

Seis momentos em que jamais deve beber água

Sim, beber água faz bem. Mas, por vezes não faz assim tão 'bem'.


Todos sabemos – ou deviríamos saber – a importância de beber água regularmente, entre dois a três litros por dia. Porém, até mesmo o excesso de água pode fazer mal, sendo que em algumas situações é preferível abster-se. 

1. Exatamente antes de ir dormir
Se tiver que tomar um comprimido então beba, mas pouca. O consumo excessivo de água nesse momento pode atrapalhar o sono, fazendo com que acorde para ir à casa-de-banho várias vezes, mas, mais grave, é o facto de que em estado de repouso os nossos órgãos funcionam mais lentamente, inclusive os rins. Por isso, se exagerar na ingestão é normal que acorde com um inchaço mais aparente no rosto e nos membros. 

2. Durante um treino intenso
Quando a prática de exercício é intensa, o corpo acaba por libertar muita água na forma de suor, e a temperatura corporal torna-se mais elevada. Naturalmente, irá tender a ingerir muita água para tentar controlar a situação. Contudo, esse gesto pode afetar os eletrólitos, provocando tonturas, náuseas e dores de cabeça. Sem contar que líquido em demasia no organismo sobrecarrega o coração, que já está a trabalhar arduamente. Por isso, o ideal é repor o líquido depois de terminar o treino e de estar descansado.

3. Caso a sua urina esteja transparente
Quando o xixi tem uma coloração muito clara tal pode significar que está a beber água em excesso. Assim, pode estar consequentemente a expelir mais sódio do que o ideal, algo que pode nos casos mais extremos levar a um ataque cardíaco. 

4. Quando ingere pimenta
A pimentas contém o componente capsaicina, responsável pelo ardor que provoca. Para combater essa ardência, é ideal ingerir líquidos como o leite, que neutralizam os efeitos da capsaicina. Beber água só vai ajudar a espalhar ainda mais a substância na boca e no esófago.

5. Durante as refeições
A saliva contém substâncias essenciais para o começo da digestão. Pode ainda ajudar a combater substâncias nocivas que se acumulam nos dentes, por exemplo. Ao beber água às refeições, acaba por diluir a saliva e por sua vez dificultar o processo digestivo. 

6. Se for água do mar
Claro que ninguém decide espontaneamente beber água do mar, mas acidentes acontecem, certo? Cuspa o máximo possível se lhe entrar água salgada na boca, já que o mar contém inúmeros micro-organismos que podem ser prejudiciais para a saúde. De certeza que não quer contrair um rotavírus nas férias ou no fim-de-semana.
Sem esquecer que o sal da água do mar causa desidratação!

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com/lifestyle/1318658/seis-momentos-em-que-jamais-deve-beber-agua / por Liliana Lopes Monteiro

5 hábitos do dia a dia que ajudam a recuperar o bem-estar

Rotina agitada e estresse comprometem a saúde; veja como reverter este cenário

Uma boa nutrição não diz só respeito à saúde do corpo - também é sobre a alma. Este foi o tema de um encontro oferecido por Molico na última sexta-feira, 2 de agosto, em São Paulo, com a participação da coach de vida e carreira Ana Raia e Mônica Salgado, Rayza Nicácio, Lara Natacci e Fabiana Scaranzi.

O bate-papo trouxe dicas e muita inspiração para quem deseja conquistar uma vida mais plena, feliz e verdadeiramente nutrida. Autoconhecimento, relacionamentos verdadeiros e tranquilidade foram apontados como elementos-chave para recuperar o bem-estar.

1 - Praticar o autocuidado
Qual foi a última vez que você se colocou em primeiro lugar? Em meio à rotina agitada, muitas vezes acabamos nos esquecendo de praticar o autocuidado. Para a youtuber Rayza Nicácio, este é o primeiro e mais importante hábito do dia: cuidar de si, sem pressa e sem cobrança.
 
"Antes de começar a trabalhar, faço uma oração, coloco um podcast para tocar, com alguma palestra, e vou fazer a minha rotina de pele e beleza. Só começo meu dia assim", conta ela. É uma forma de começar um novo dia com mais calma e prazer, na medida certa.
 
Esta é a rotina de autocuidado da Rayza, mas cada um pode criar um momento só seu! Pode envolver skincare, atividades físicas, um hobbie ou qualquer outra atividade prazerosa e só sua.

2 - Ficar em "off"
Acordar, ir para o trabalho, almoçar, marcar reuniões, estudar, ir à academia, cuidar da família? Hoje em dia, cumprir diferentes papéis ao mesmo tempo é de praxe em nossa sociedade. Para recuperar o bem-estar, porém, é preciso colocar o pé no freio e aproveitar o momento presente. Pode ser de muitas formas: passando momentos com a família, uma tarde no parque ou mesmo durante a leitura de um livro.
 
"Tenho uma atividade mental intensa, e para me nutrir de verdade tenho que desligar um pouco, ficar sem fazer nada, nada mesmo. É me conectar com meu filho e meus cachorros. Descobri que eu era viciada em trabalho, saboreava as coisas com menos tempo", conta a jornalista Monica Salgado.

3 - Cultivar bons pensamentos
Parece fácil falar em bons pensamentos e sentimentos, não é mesmo? Na prática, nem sempre é assim. A coach de vida e carreira Ana Raia alerta para um vício muito comum a todos nós: "ficamos obcecados com algum pensamento negativo, e isso baixa a nossa frequência, a nossa energia", diz.
 
Por isso, a mentalização positiva é uma forma de combater o estresse e, consequentemente, garantir mais bem-estar ao dia a dia. Sempre que se sentir confrontado por uma emoção negativa, portanto, tente respirar fundo, meditar por alguns instantes e mudar a perspectiva para o que está dando certo em sua vida, tirando o foco dos pensamentos pessimistas.
 
Também vale a pena agradecer pelas pequenas conquistas. "Não precisamos de grandes vitórias. Basta celebrar algo simples, ou até mesmo a conquista de outra pessoa, ficar feliz por ela. Isso nutre a alma", comenta Fabiana Scaranzi.

4 - Nutrir relacionamentos
Estar com quem a gente gosta é algo que, de fato, pode nutrir a nossa alma. Para a jornalista e apresentadora Fabiana Scaranzi, este é um cuidado essencial que devemos trazer à nossa rotina. Em vez de ficarmos conectados apenas através das telas e redes sociais, Fabiana reforça a importância do encontro no dia a dia.
 
"Temos que nutrir os nossos relacionamentos e valorizar os encontros reais", acredita a jornalista. Por isso, não perca tempo e marque aquele jantar com as amigas ou mesmo com a sua cara-metade. Os relacionamentos beneficiam tanto a nossa saúde física como a emocional.

5 - Se alimentar com mais calma
Pode não parecer, mas a correria do dia a dia está presente em cada gesto nosso, mesmo os mais imperceptíveis e automáticos. Até na hora de comer, por exemplo, mastigamos com pressa e desatenção, o que prejudica a absorção de nutrientes, afetando a saúde como um todo. A correria também afeta as escolhas alimentares que fazemos, por isso, é fundamental pensar nas refeições com mais calma e tranquilidade.
 
Uma boa aliada é a meditação mindfulness, que estimula o mindful eating, o ato de comer com atenção e consciência. Nessas horas, é fundamental se sentar à mesa da refeição sem o celular ou outras distrações, aproveitando cada garfada. A dica é prestar atenção ao cheiro, temperatura e textura da comida, sem julgamentos e sem pressa.

Via Blog professor José Costa

Andar descalço em pedras ajuda a regular a pressão arterial

Andar descalço em pedras pode fazer maravilhas pela sua saúde.

Sabe aquele calçamento que encontramos em ruas de cidades históricas como Olinda e Ouro Preto?

Parece bobagem, mas pode acreditar: andar descalço nessas pedras irregulares pode fazer maravilhas pela sua saúde.  

Muito mais que a sensação agradável que a caminhada a pé pode proporcionar, andar descalço nas pedras movimenta os músculos do seu corpo, revigora e acalma a mente. 

E para quem não sabe, andar em caminhos irregulares feitos com essas pedras d faz parte da antiga tradição chinesa, provavelmente porque os chineses sabiam que esse exercício tem o efeito de acupressão nos pés.

É que, quando você anda descalço nas pedras, os pontos de acupressão de seus pés são estimulados.

E mais: suas solas abrigam as terminações nervosas que se interligam a muitos órgãos, resultando em alívio da dor e melhora no sono, por exemplo. 

É por isso que muitos spas atualmente utilizam os paralelepípedos para realizar a terapia de reflexologia podal, técnica de massagem que utiliza a pressão em pontos específicos dos pés e das mãos, correspondentes a órgãos e outras regiões do organismo.

Os principais benefícios proporcionados pela caminhada sem sapatos sobre paralelepípedos são:  

Regula a pressão arterial 

Em uma pesquisa publicada no Journal of American Geriatrics Society, os participantes do estudo (adultos mais velhos) começaram a caminhar regularmente em cima de paralelepípedos.

Após dois meses, com 3-4 horas desse exercício a cada semana, a pressão arterial deles foi menor do que daqueles que percorriam em superfícies regulares ou não praticavam nenhuma atividade física.

Melhora o condicionamento físico

Quando você anda descalço sobre paralelepípedos, acaba empregando todo o conjunto de músculos envolvidos em um passo humano.

Isso dá um melhor treino aos seus pés.
O mesmo estudo observou que a atividade melhora o equilíbrio, a estabilidade e a velocidade, diminuindo o efeito do envelhecimento.

Veja aqui a maneira correta de andar descalço sobre pedras: 

  • Firme seus calcanhares primeiro enquanto anda.
  • Dê passos curtos e suaves para reduzir o impacto nas suas articulações e solas.
  • Depois de colocar os calcanhares no chão, certifique-se de que seu peso corporal vai para o dedinho e depois para o dedão dos pés. Isso fortalecerá a base da sua caminhada, apoiando os joelhos e os músculos.
  • Não force muito no início. Não tem problema se você andar devagar sem seus sapatos. Se sentir dor, use compressas de gelo.

Fonte: Cura pela Natureza

terça-feira, 3 de setembro de 2019

Sentir a mão formigar com frequência pode ser sinal de 7 doenças

                                                 CHAjAMP/Shutterstock
Nosso corpo é sábio e, por isso, devemos sempre ficar atentos a seus sinais que, muitas vezes, indicam que algo não vai bem com nossa saúde.

Um desses sinais é o formigamento das mãos. Se você notou uma sensação frequente e estranha de formigamento e dormência em suas mãos, pode ser devido a um dos motivos listados a seguir:

Síndrome de Saída do Tórax

A Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos explica que essa síndrome ocorre quando os nervos ou vasos sanguíneos sob o pescoço estão comprimidos ou sob muita pressão. Isso causa dor nos ombros, braços e pescoço, bem como queimação, formigamento e dormência ao longo do braço, mão e dedos.


É comum em mulheres e pode ocorrer entre 20 e 50 anos. Um médico e um fisioterapeuta são os mais aconselhados para aliviar o problema, que pode ser tratado através de medicação, terapia e relaxamento.

Doença de Raynaud

Segundo a Mayo Clinic , essa doença surge quando as pequenas artérias que irrigam a pele se estreitam e limitam a circulação do sangue em determinadas áreas, principalmente nos dedos e nas mãos. É mais comum em mulheres jovens, mas homens, crianças e adultos mais velhos também podem sofrer.


Os sintomas são resfriamento dos dedos dos pés e das mãos, alterações na cor da pele em resposta ao frio ou estresse e dormência, além de sensação de queimação e formigamento quando a região é aquecida.

Ainda não se sabe o que causa esta doença, mas se estes sintomas ocorrem, é necessário consultar um médico, pois esta condição é frequentemente associada a outras, como lúpus, problemas cardiovasculares, entre outros.

Doença degenerativa do disco cervical

Quando envelhecemos, é comum que haja alterações nos discos vertebrais, estruturas que estão localizados na coluna e cuja função é nos permitir girar e flexionar.

Quando eles se deterioram, a doença degenerativa do disco cervical geralmente aparece. A deterioração pode ser devido a uma perda de fluido nos discos, o que os torna menos flexíveis, explica o NorthShore University Hospital .


A condição é mais comum em pessoas com obesidade, fumantes ou aqueles que constantemente aumentam de peso. Deve ser tratado com um ortopedista, que indicará o tratamento mais adequado.

Lúpus

De acordo com a organização Lupus Research Alliance, o lúpus é uma doença autoimune em que o sistema imunológico, equivocadamente, ataca órgãos e tecidos.

Os sintomas incluem fadiga constante, dor, sensação de dormência nas articulações, bem como febre e erupções cutâneas. O diagnóstico pode ser iniciado por um clínico geral, que pode encaminhar o paciente para outros especialistas.

Neuropatia diabética

É um tipo de dano nervoso que pode ocorrer se você tem diabetes. Um alto nível de glicose no sangue pode afetar principalmente os nervos das pernas e pés, embora também possa aparecer nos braços, segundo informações da Mayo Clinic.

Além da dormência das extremidades, pode haver dor intensa que impede as atividades diárias. Há também ardor, fraqueza muscular, perda de reflexos e equilíbrio, úlceras ou infecções nos pés.


Síndrome do túnel do carpo

O Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Acidentes Vasculares Cerebrais esclarece que esta síndrome ocorre quando o nervo mediano é comprimido. Esse nervo vai do antebraço à mão e sua função é controlar as sensações da palma e dos dedos da mão.

Entre os sintomas mais comuns da síndrome do túnel do carpo está a queimação e formigamento frequente na palma da mão e dos dedos. A condição pode ser avaliada por um médico ortopedista e tratada sem a necessidade de cirurgia na maioria dos casos.

Derrame cerebral

O Hospital da Universidade de Illinois explica que um derrame ocorre quando o fluxo sanguíneo para o cérebro é interrompido, o que faz com que as células desse órgão comecem a morrer e causem danos a longo prazo.

Entre os sinais estão perda de consciência, fraqueza ou dormência do rosto, braço ou perna, especialmente em um lado do corpo. Há também dificuldade em falar, confusão ou dificuldade de compreensão, tontura e problemas de coordenação. Se um ou mais sintomas estiverem presentes, você deve ir imediatamente para o hospital.

Fonte: VIX- Por Paulo Nobuo

Como usar óleo de coco para ter cílios longos e bonitos

O maravilhoso óleo de coco tem mais uma virtude: ele pode lhe proporcionar cílios longos e volumosos, deixando você muito mais bonita.

Quem é não gostaria de exibir cílios longos, fartos e maravilhosos?  

Pois em vez de se entupir de rímel ou até mesmo precisar passar por um  alongamento de cílios, você pode lançar mão de uma alternativa muito saudável, segura e natural: o óleo de coco.
É isso mesmo.

Sabemos que o óleo de coco é bastante utilizado em práticas de culinária e de cuidados com a pele e cabelos.

E a beleza dos cílios não fica de fora da lista de benefícios proporcionados pelo óleo.  

Ao contrário do que pode acontecer com o uso de outros óleos nos olhos,  o óleo de coco é realmente  seguro para ser usado dentro e ao redor dos olhos.

Na verdade, ele é comumente usado como um tratamento natural para olhos secos.
 
Mas preste atenção!
É muito importante que você use somente óleo de coco puro, orgânico e não refinado para qualquer tratamento de saúde ou beleza.


Principalmente quando for aplicar ao redor dos olhos.
Mas como o óleo de coco atua na beleza dos cílios?
É simples:   

O óleo de coco é um ótimo hidratante e condicionador, o que significa que ele pode ajudar a destacar cada fio, fazendo-o parecer mais longo e muito mais grosso. 

Assim, ele pode atuar como um substituto natural do rímel e pode até ser usado nas sobrancelhas para resultados semelhantes.

 Veja duas maneiras muito simples de usar o óleo de coco nos cílios:

 

 1. Óleo de coco sozinho

Este é um tratamento muito simples e pode ser muito eficaz para quem procura cílios mais bonitos e mais cheios.

Modo de preparo

  1. Mergulhe um cotonete em seu óleo de coco extravirgem.
  2. Coloque um pouco do óleo nos cílios.
  3. Massageie o óleo nos cílios com o dedo. Feche os olhos para que não entre óleo neles.
  4. Deixe o óleo trabalhar por uma hora ou duas e depois enxágue com água limpa.
  5. Repita o tratamento três ou quatro vezes por semana.

 2. Óleo de coco e óleo de rícino

Outro ótimo tratamento que você pode fazer em casa para garantir cílios cheios e bonitos é combinar o óleo de coco com óleo de rícino. 

Vale dizer que o óleo de rícino é outro óleo nutritivo que pode ser usado sozinho para tratar os cílios, mas, quando misturado com óleo de coco, você potencializa ainda mais os benefícios. 

Modo de preparo 

  1. Misture uma colher (chá) de óleo de coco extravirgem com duas ou três gotas de óleo de rícino puro.
  2. Mexa bem.
  3. Aplique nos cílios com um cotonete, certificando-se de não aplicar muito ou deixá-lo escorrer em seus olhos.
  4. Deixe o óleo descansar por algumas horas antes de enxaguar com água limpa.
  5. Repita o tratamento todos os dias até obter o resultado desejado.

ASSISTA AO VÍDEO ABAIXO

Fonte: Cura pela Natureza - Por Pati Levy

Pessoas otimistas dormem mais e melhor

Sono e otimismo

Pessoas que são mais otimistas tendem a dormir melhor e por mais tempo a cada noite.

A equipe da professora Rosalba Hernandez, da Universidade de Illinois (EUA), estudou 3.500 adultos jovens e de meia-idade (idades entre 32 e 51 anos) de diferentes regiões do país, para levar em consideração diferenças culturais e ambientais.

Os voluntários tiveram o sono monitorado por meio de aparelhos duas vezes, com cinco anos de intervalo, o que permitiu classificar a qualidade e a duração do sono durante um mês em cada ocasião. A pesquisa também avaliou os sintomas de insônia, dificuldade em adormecer e o número de horas de sono real que cada um obteve a cada noite.

Os níveis de otimismo, por sua vez, foram medidos usando uma pesquisa de 10 itens, que pedia que cada um classificasse, em uma escala de cinco pontos, o quanto concordavam com declarações positivas, como "Estou sempre otimista sobre o meu futuro", e com frases negativas, como "Eu dificilmente espero que as coisas saiam do jeito que quero". As pontuações na pesquisa variaram de seis (menos otimistas) a 30 (as mais otimistas).

Associação entre otimismo e sono

"Os resultados deste estudo revelaram associações significativas entre o otimismo e várias características do sono autorrelatado após o ajuste para uma ampla gama de variáveis, incluindo características sociodemográficas, condições de saúde e sintomas depressivos," disse Hernandez.

Mais especificamente, com cada aumento do desvio padrão - a distância típica entre os pontos de dados - na pontuação de otimismo dos participantes, eles tinham 78% mais chances de relatar uma qualidade de sono muito boa.

Da mesma forma, indivíduos com maiores níveis de otimismo eram mais propensos a relatar que dormiam adequadamente, dormindo de seis a nove horas por noite. E tinham 74% mais chances de não apresentar sintomas de insônia, além de relatar menos sonolência diurna.

Positividade

Embora os cientistas não saibam exatamente o mecanismo pelo qual o otimismo influencia os padrões de sono, eles levantam a hipótese de que a positividade pode amortecer os efeitos do estresse, promovendo o enfrentamento adaptativo, o que permite que os otimistas durmam em paz.

"Os otimistas são mais propensos a se envolver no enfrentamento ativo focado no problema e a interpretar eventos estressantes de maneiras mais positivas, reduzindo preocupações e pensamentos ruminantes quando estão dormindo e durante todo o seu ciclo de sono," disse Hernandez.

Os resultados, publicadas na revista Behavioral Medicine, reforçam as conclusões de um estudo anterior, no qual a mesma equipe constatou que as pessoas otimistas têm um coração mais saudável.

Fonte: https://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=pessoas-otimistas-dormem-mais-melhor&id=13589 - Redação do Diário da Saúde - Imagem: L. Brian Stauffer
Via Blog professor José Costa

Queda de cabelo: causas, dicas e remédios caseiros

A queda de cabelo é um dos problemas mais comuns que podemos sofrer. Mas também é verdade que se tratada cedo pode ser evitada.

A queda de cabelo é um dos problemas mais comuns entre as pessoas. No entanto, se tratada cedo pode ser solucionada. Alguns remédios naturais para a queda de cabelo podem ser úteis, se você está sofrendo desse problema.

Causas

As causas para esse problemas são diversas. No entanto, se a queda de cabelo é um problema frequente, que vêm acontecendo a mais de duas semanas e se intensificando, o melhor é procurar por um profissional que possa investigar a fundo o motivo.

Pesquisamos algumas das causas comuns para o problema, fique atento (a):

Genética e fatores hormonais

Os dois fatores podem levar à alopecia androgenética, a conhecida calvície. Dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia de Restauração Capilar apontam que cerca de 25% das brasileiras entre 35 e 40 anos apresentam ou vão apresentar algum grau de calvície.

Nesse caso, os fios vão rareando na parte de cima da cabeça, na região da testa. Além disso, dependendo do estágio, chega a dar para ver o couro cabeludo.

Estresse, anemia, alterações na tireoide, dieta pobre em proteína

Esses problemas representam a segunda maior causa de queda capilar. Os fios pulam da fase de crescimento para a de repouso, assim antecipam a queda.

Alisamento ou clareamento

Se forem bem feitos e respeitarem o intervalo dos retoques, o único prejuízo é o ressecamento. No entanto, como o alisamento rompe as pontes de hidrogênio e de cisteína do fio para mudar a textura dele, qualquer imprudência pode deixá-lo quebradiço.

Penteados

Quaisquer penteados, quando muito apertados podem danificar a fibra capilar e, dessa forma, causam a queda de cabelo.

Doença autoimune

Faz o cabelo cair de repente, deixando pelada uma área do tamanho de uma moeda de 1 real. Ela ocorre pois o organismo desenvolve anticorpos contra o bulbo capilar, que deixa de produzir fios. As vítimas preferenciais têm entre 15 e 29 anos.

Dieta pobre em carne vermelha

Na falta do alimento, há o risco de você absorver menos ferro, o que compromete a chegada de oxigênio ao bulbo capilar. Assim, o fio nasce fraco.

Excesso de gordura, açúcar, cafeína e álcool

Ao aumentar a chance de ter caspa e produzir mais radicais livres, esses fatores em conjunto aceleram o envelhecimento do cabelo, deixando-o quebradiço.


Redução calórica

Os fios são tão sensíveis que um corte de 100 calorias, o que equivale a um copo de suco de laranja ou uma barra de cereais com chocolate, pode acentuar a queda.
A queda de cabelo, embora seja comum, pode ser muito incômoda. Felizmente, podemos contar com remédios caseiros para amenizá-la.


Dicas contra a queda de cabelo

Há também vitaminas para evitar a queda de cabelo que são de extrema importância pois o fortalecem. Entre elas estão a H, B5 (levedura de cerveja, gérmen de trigo), A (peixe, vegetais verdes) e E (soja, nozes).

É importante consumir suplementos vitamínicos ou alimentos que as contêm. Uma dieta saudável é a chave para manter o cabelo forte, na maioria dos casos.

 Por isso, nada melhor do que comer vegetais, frutas e nozes todos os dias se possível. Além disso, as sementes também são muito boas para evitar a queda de cabelo.

A queda de cabelo é algo que afeta muitas pessoas depois de uma certa idade. A verdade é que é algo que deve-se começar a tratar cedo, pois pode-se evitar. Além disso, nem sempre é preciso usar tratamentos mais custosos.


Remédios caseiros para queda de cabelo

Uma loção de manjericão é geralmente um dos bons remédios caseiros para queda de cabelo em geral. Esta erva pode ser eficaz para este tipo de problema.

Além dessa, outra opção é aplicar uma máscara de urtiga. Ela pode ser aplicada durante o banho e permanecer por algum tempo antes do enxague. É melhor se aplicamos alguns minutos antes de deitar, para que possa reagir durante a noite.

Os truques caseiros e a sabedoria popular também dizem muito a respeito. Um remédio natural clássico para queda de cabelo é uma receita de quina.

Você pode fazê-la misturando cachaça, sal e casca de quina, ingredientes muito simples de encontrarmos em lojas. Coloque diretamente no couro cabeludo, faça uma massagem, então deixe agir por alguns minutos e pronto… Basta enxaguar com água morna e esperar os resultados.

Imagens oferecidas por: Mike Baird, Laura Ma.

 Fonte: Melhor com Saúde

segunda-feira, 2 de setembro de 2019

Não usar calcinha pode fazer mal se você usar saia curta ou calça justa: entenda

                                          Viktoria Minkova/shutterstock


Abandonar o uso da calcinha no dia a dia não é exatamente algo prejudicial, ao contrário do que muita mulher imagina. Deixar a peça de lado não provoca problemas de saúde e pode, inclusive, favorecer a região íntima.


Em alguns casos, a calcinha pode causar abafamento da região íntima e ser agravante para problemas de saúde, afirma a ginecologista e obstetra Ana Carolina Lúcio Pereira. Se houver tendência à proliferação fúngica, ela tornará o meio favorável.

É por isso também que os especialistas recomendam o uso de peças íntimas feitas com algodão, pois o tecido não impede a transpiração natural da região.
No entanto, a médica explica que ficar sem calcinha pode fazer mal para a saúde, em duas situações específicas: ao usar saia curta ou vestir calças apertadas e/ou jeans.

Quando ficar sem calcinha faz mal

A mulher não deve sair de casa sem calcinha se vestir uma saia curta porque, ao se sentar, a região íntima pode entrar em contato com uma superfície contaminada. O uso da calcinha, neste caso, funcionaria como uma barreira que evita a entrada de corpos estranhos na vagina.

A ginecologista ainda diz que o uso de calças muito apertadas, de jeans ou tecidos rígidos não é recomendável se a mulher está sem calcinha. As peças podem favorecer o atrito local e lesionar a região íntima.

O ideal, portanto, é usar roupas soltas e largas que, além de não entrarem em atrito com a pele sensível da região, também criam uma barreira entre a vulva e o ambiente.

 O uso da calcinha na hora de dormir é dispensável e até mesmo um recomendável, explica a médica. O hábito deixa a região arejada sem riscos, pois a mulher está em um ambiente confortável e menos agressivo aos genitais.

Fonte: VIX- por - Paulo Nobuo