sábado, 25 de março de 2017

Estudo revela alimento ainda mais nocivo do que carne vermelha que todos comem

O consumo excessivo de carne vermelha está relacionado a diversos prejuízos à saúde e até mesmo a alguns tipos de cânceres, mas existe um outro ingrediente que é ainda mais nocivo e que está na mesa de praticamente todas as pessoas: o sal refinado.


De acordo com um recente estudo sobre alimentação divulgado pela rede CNN, o sal foi responsável por 9,5% das mortes precoces relacionadas à alimentação, em 2012. O alimento, rico em sódio, aumentam os riscos de óbito por doenças do coração, infartos e diabetes tipo 2.

Prejuízos que o sal traz para a saúde

  • Um dos efeitos imediatos que experimentamos com o consumo excessivo de sal é o inchaço provocado pela retenção de líquidos. O resultado é desconforto abdominal e excesso de toxinas no organismo.
  • Sódio em excesso ainda aumenta a pressão arterial, forçando a parede das artérias, prejudicando assim a saúde do coração.
  • E como a hipertensão está diretamente ligada ao risco de Acidente Vascular Cerebral (AVC), a condição pode aparecer se o consumo de sal for excessivo.
  • Sal em excesso pode até resultar em quadros de osteoporose, pois o sódio reduz a densidade óssea, fazendo com que os ossos percam força. Além disso, ele também interfere na habilidade do organismo de absorver cálcio, importante nutriente para a construção e manutenção de ossos saudáveis.
HandmadePictures/Shutterstock


  • Estudos apontam que um em cada sete casos de câncer gástrico poderia ter sido evitado se o consumo de sal fosse moderado e limitado à quantidade diária recomendada.
  • Insuficiência renal é outro prejuízo que pode ser provocado pelo consumo do sal. Como a função dos rins é filtrar o sangue, a alta ingestão de sódio pode fazer com que o órgão seja incapaz de realizar plenamente suas funções.
  • Por provocar retenção de líquidos, o sal também pode aumentar suas chances de sofrer com dores de cabeça frequente. A condição, aliás, também pode ser um reflexo de pressão alta.
  • Sua dieta também fica comprometida com o exagero na ingestão de sal. Além de causar inchaço, o alimento interfere nas funções renal e digestiva, levando ao aumento de peso.

Como diminuir o consumo de sal

Rodrigobark/Shutterstock


Medidas bastante simples podem evitar a ingestão excessiva de sal. O primeiro passo é substituir o alimento na preparação de pratos por especiarias e temperos de ervas frescas, que garantem sabor de forma bem mais saudável.

Procure colocar sal na comida apenas ao fim do preparo, pois alguns modos de cozimento "roubam" o sal dos alimentos e, na hora da refeição, não deixe o saleiro na mesa, já que muitas vezes adicionamos sal ao prato por hábito, sem mesmo provar antes a preparação.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o consumo de menos de 2 g de sódio por dia, o que equivale a 5 g de sal. No entanto, no Brasil, um adulto médio consome mais do que o dobro desta quantidade diariamente.


Fonte: VIX -Escrito por Paulo Nobuo

quinta-feira, 23 de março de 2017

Já ouviu falar em Síndrome do Pensamento Acelerado?

É fato que a evolução tecnológica nos permite encontrar informações com muito mais rapidez e facilidade. 


Em consequência dessa possibilidade, que na prática economiza tempo e dinheiro, podemos estar sujeitos a uma “sobrecarga” cerebral. Por exemplo, quando você faz uma pesquisa no Google, automaticamente acaba abrindo vários links em abas diferentes, ao passo de que, também está com Facebook, Twitter e Youtube aberto. Atualmente, isso pode soar como um simples hábito. Contudo, talvez seja por isso que não consigamos perceber o excesso de informação que consumimos e que podem afetar o modo como nosso cérebro trabalha.

Conforme relatado pelo Catraca Livre, a síndrome do pensamento acelerado é uma condição moderna, consequência do ritmo alucinante das grandes cidades. Essa “overdose” de informações diárias afeta diretamente a saúde emocional de uma pessoa. No entanto, essa síndrome não é considerada doença pelos especialistas. Na verdade, está vinculada a um quadro de transtorno de ansiedade.


Essa síndrome é mais comum em pessoas adultas, devido as suas obrigações profissionais. Assim, muitas das vezes, elas são impedidas de se afastarem de suas atividades por sequer um minuto, com medo de comprometer o trabalho. Executivos, jornalistas, escritores, professores, publicitários e profissionais da saúde, são bons exemplos dessa vulnerabilidade.

Entre os sintomas mais conhecidos, está a sensação de ser “esmagado” pela rotina, quando a pessoa acha que 24 horas não são suficientes para cumprir todas as tarefas diárias; cansaço físico, falta de memória, déficit de atenção e alterações no padrão de sono. Além disso, são observadas alterações de humor e esgotamento mental – já que o córtex cerebral “rouba” toda a energia que deveria ser aplicada aos músculos e órgãos.

Para lidar com essa síndrome, é aconselhável tentar “driblar” a rotina e diminuir o ritmo frenético dela. Ao invés de computadores e celulares, tentar praticar um pouco mais de atividades ao ar livre, como caminhadas e ter mais contato com a natureza. Além disso, descobrir novos hobbies que não envolvam uma tela também pode ajudar.

[ Catraca Livre ] [ Fotos: Reprodução / Catraca Livre ] Via Jornal Ciência

Faça o teste da colher e comprove em 1 minuto se você corre o risco de ter uma doença.

Tudo que você precisa é de uma colher, um saco de plástico e 60 segundos para esse teste...
 

Este método para medir a saúde de seus órgãos internos é rápido, e o melhor de tudo, você pode fazer em casa. 

Você pode verificar o status do seu sistema respiratório, metabolismo, hormônios, intestinos, e até mesmo os seus rins, com este teste super simples.

 Saiba como funciona abaixo:

Procedimento

Primeiramente, basta raspar sua língua, de preferência a parte de trás da língua, perto da garganta, com a parte da frente da colher, até que você tenha recolhido uma boa quantidade de saliva. (Em jejum pela manhã).

Em seguida, coloque a colher no saco plástico .
Você vai manter a colher no saco durante 1minuto sob uma luz. Quanto mais forte a lâmpada, mais eficaz será os resultados. 

Após um minuto você vai dar uma olhada na colher.
Se a colher está limpa, sem cor, parabéns! Você esta bastante saudável.


Com a colher sob a luz, verifique:
  • Laranja, isto pode indicar problemas renais, até mesmo doença renal crônica.
  • Roxo,  pode indicar níveis elevados de colesterol, má circulação, ou até mesmo bronquite.
  • Branco, então você provavelmente tem uma infecção respiratória.
  • Espesso amarelo ou branco, isto pode indicar um problema da tiróide ou de um desequilíbrio na boca.
Lembrando que qualquer teste não substitui a avaliação de um médico, por isso procure sempre seu médico para que ele possa diagnosticar e indicar o tratamento ideal. 
Fonte: Mulheres com Estilo

Por que tomates são frutas e morangos não são?

Hdagli / Rinelle /Istock

Apesar de ser considerado um legume, o tomate é um fruto, segundo classificação da botânica, ciência que estuda os vegetais. a classificação é equivocada. E tem mais: de acordo com a mesma ciência, morangos não são frutas: o alimento é, na realidade, um pseudofruto, ou seja, tem uma estrutura suculenta, mas não é desenvolvido no ovário de uma planta.

Tomate é um fruto

O tomate não é um legume, e sim uma fruta. Isso porque é tecnicamente considerado fruto tudo aquilo que nasce a partir do ovário de uma planta, a região em que ficam as sementes. E este é o caso do tomate.

Normalmente achamos estranho colocar o tomate no grupo dos frutos porque imediatamente pensamos nas outras opções como alimentos adocicados ou mesmo azedinhos. Mas nem sempre o açúcar presente na composição tem grande destaque.

E saiba que o tomate não é o único fruto a ser chamado equivocadamente de legume. Pimentão, pepino, abobrinha e quiabo são outros exemplos de vegetais que fazem parte do mesmo grupo.

Morango não é fruta

Sabemos que você dificilmente deixará de chamar o morango de fruta, mesmo sabendo que, botanicamente falando, a classificação é equivocada.

Frutos são estruturas que resultam do amadurecimento do ovário e que surgem após a fecundação.

Morangos são, na verdade, pseudofrutos. Tudo por causa da parte suculenta do morango (aquela que nós consumimos), que não se desenvolve a partir do ovário da planta – como fazem as frutas reais - e sim de um tecido de outras partes florais.

Maçã, abacaxi e caju são outros exemplos de “frutas que não são frutas” de verdade.

Fonte: VIX - Escrito por Paulo Nobuo

Viúva sobre inventário de Chico Anysio: "Velório sem fim"

Instagram
Em lembrança aos 5 anos de morte de Chico Anysio, nesta quinta-feira (23), Malga Di Paula comentou a respeito da saudade do veterano. A viúva também revelou tristeza pelo fato de o inventário do antigo parceiro ainda estar na Justiça.


"Ainda batalho para 'me encontrar'. Se tudo relacionado ao inventário dele já tivesse sido resolvido, talvez fosse mais fácil tocar a vida adiante, mas essa pendência na Justiça é horrível. Parece que enquanto isso não se resolver, não dá para encerrar o ritual, o sepultamento, entende? É um velório sem fim", afirmou ao "Ego". 

A escritora, no entanto, fez questão de deixar claro que guarda os momentos alegres que passou junto ao artista. “Vivi um terço da minha vida ao lado do Chico. Peguei muitos hábitos, e toda hora me vejo fazendo coisas que ele fazia. Desde um filme que assisto, um livro que leio, uma comida que como. Até as superstições dele eu adotei. Não há um único dia em que não me lembre dele." 

Atualmente casada com o empresário Felipe Batista, de 32 anos - 14 a menos que ela - , Malga explicou que seu atual companheiro a salvou da depressão. "Fazia 13 meses que o Chico tinha partido, e eu estava profundamente deprimida. Achava que jamais voltaria a me relacionar com alguém. Foi rápido, mas providencial. O Felipe veio salvar minha vida."

E destacou: "Antes de me encontrar pessoalmente com o Felipe, falei muito sobre o Chico, sobre minha ligação eterna com ele. Só alguém muito especial entende isso, e o Felipe é assim. Tive o privilégio de tê-lo encontrado". 

Chico Anysio morreu aos 80 anos, vítima de uma parada cardiorrespiratória decorrente de uma infecção pulmonar - o que culminou na falência múltipla dos órgãos. 

Parabéns Apodi...182 anos de Emancipação Política !!


quarta-feira, 22 de março de 2017

Restauração do “túmulo de Jesus” é concluída

A obra contou com um orçamento inicial de 3 milhões de euros, sendo que a equipe restauradora teve um financiamento total de 6 milhões, 80% por doações vindas do exterior.

As obras de restauração da Edícula e da Cúpula que protegem o túmulo de Jesus Cristo foram concluídas e o resultado será apresentado nesta quarta-feira (22), confirmou nesta segunda-feira na Igreja do Santo Sepulcro de Jerusalém a encarregada do processo, Antonia Moropoulou.

“Agora é possível ver a cor e a textura, as inscrições, os afrescos”, disse Moropoulou próxima à estrutura centenária, onde os ortodoxos consideram que aconteceu o enterro e a ressurreição de Jesus. Foram dez meses de restauração com a limpeza das lâminas de mármore da armação. Houve também estabilização e reforço da estrutura.

Segundo o UOL, as lajes deterioradas foram trocadas, fissuras foram cobertas com cola e os suportes foram reforçados para um “monumento que durará para sempre”, segundo a chefe grega da restauração.

No final de mês passado, os andaimes colocados pelos britânicos em 1947 foram retirados. As lonas e tapumes que cercam a Edícula serão retirados nas próximas horas, para que o local fique livre de materiais de obra antes de 22 de março, data da exibição.

No alto da cúpula reluz uma cruz greco-ortodoxa, que não estava antes da restauração e que, segundo o franciscano e arqueólogo Eugeni Alliata, poderia pertencer ao projeto original da Edícula.

A obra contou com um orçamento inicial de 3 milhões de euros, sendo que a equipe restauradora teve um financiamento total de 6 milhões, 80% por doações vindas do exterior, declarou à Agência Efe Bonnie Burnham, ex-presidente do Fundo de Monumentos Mundiais (WMF, na sigla em inglês). Moropoulou se mostrou satisfeita com a restauração e pede agora à comunidade cristã “que o mantenha”.

Uma das tarefas mais difíceis foi drenar a água e os resíduos subterrâneos acumulados nos alicerces que estavam deteriorando o esqueleto da Edícula, um trabalho que terá que continuar para evitar uma deterioração no futuro.

GospelPrime / Via Josiel Dias

12 alimentos mais saudáveis do mundo: aveia, pimenta e mais

Bluedog studio/Shutterstock
Alimentos não são remédios e nem devem ser considerados como tais, mas inúmeros estudos já mostraram que comidas saudáveis são capazes de combater e evitar doenças, das mais simples às mais graves. Conheça uma seleção de alimentos que não devem faltar no seu cardápio cotidiano:

Alimentos que previnem doenças

Pimentas: tanto a vermelha, ardida, quanto a reino são associadas ao combate a bactérias, bom funcionamento do sistema digestivo, prevenção contra câncer, diabetes e obesidade.

Manjericão: tempero que dá aroma e sabor extra ao tradicional molho vermelho tem propriedades que combatem ansiedade e infecções bacterianas. Além disso, a erva ainda teria propriedades antioxidante, anti-inflamatória e analgésica.

Arroz preto: o alimento popular entre os brasileiros é excelente fonte de ferro e fibras, além de ser rico em vitamina E e antioxidantes.

Damasco: apesar de ainda pouco consumido no Brasil, o fruto é capaz, segundo estudos, reduzir os ricos de câncer de fígado graças ao alto teor de vitamina E, potássio, licopeno e fibras.

Alho: o tempero clássico de qualquer preparação combate câncer e doenças cardiovasculares, mas pesquisas indicam que o alimento deve ser consumido cru, já que o calor destruiria seus principais ativos.


Aveia: queridinho de quem faz dieta e pratica exercícios físicos, o grão integral pode aumentar a expectativa de vida por combater o colesterol e proteger contra doenças do coração.

Uva: pessoas em fase de pré-hipertensão podem ser beneficiadas pela fruta que, fonte de antioxidantes, também contribui para baixar a pressão.

Ovos: rico em proteínas e vitaminas, é fonte de tirosina, importante aminoácido que ajuda na formação do hormônio T4, contribuindo assim para o bom funcionamento da tireoide.

Couve: o alimento é fonte de glicosinolatos, que são fitoquímicos naturais que fortalecem o sistema imunológico, limpa o organismo e ajuda na dieta.


Mirtilo: também conhecida como blueberry, a fruta melhora a sensibilidade à insulina, possui baixo teor de açúcar, além de ser rica em fibras e antioxidantes que combatem o envelhecimento e beneficiam a saúde do coração.

Couve-flor: por possuir substâncias relacionadas à prevenção de câncer de pulmão, cólon, ovário e próstata, o alimento ainda atua no combate de problemas cardiovasculares, devido às suas propriedades associadas à diminuição do aminoácido homocisteína.

Cogumelos: atua na síntese de hormônios, produção de energia, funcionamento do sistema nervoso, gastrointestinal e imunológico. O alimento ainda pode combater os radicais livres e ser um bom aliado na prevenção do câncer de mama.

Fonte: VIX-  Escrito por Paulo Nobuo

Conheça 4 sinais de pré-diabetes

Apesar de ser perigoso, o pré-diabetes pode ser revertido se identificado rapidamente. Confira 4 sinais que podem te ajudar a indicar este quadro!

Antes de serem diagnosticadas com diabetes, muitas pessoas apresentam o chamado pré-diabetes, quando a glicose, elevada, fica entre 100 mg/dl e 125 mg/dl em jejum (na diabetes, esse número é acima de 126 mg/dl). Apesar de perigoso, esse quadro é capaz de ser revertido. O problema é que se trata de um mal silencioso. “Com o tempo e sem diagnóstico, a pré-diabetes pode acarretar doenças renais e cardíacas, danos aos olhos, aos nervos periféricos e ao intestino, que pode ficar preso ou solto, e, claro, evoluir para diabetes do tipo 2”, explica a endocrinologista Mariana Farage, do Rio de Janeiro.

Segundo a profissional, há alguns sinais que podem ajudar a indicar o quadro de pré-diabetes. Confira abaixo!

1. Visão borrada: após a alimentação, o nível de glicose aumenta e isto pode alterar a refração da luz de dentro dos olhos. Isto pode deixar a vista embaçada por até 2 horas depois da refeição.

2. Cortes e machucados demoram a cicatrizar: a microcirculação fica comprometida, havendo diminuição de chegada de nutrientes nesta região. Logo, há dificuldades com a comunicação desta área e as veias e artérias menores.

3. Neuropatia: causa dormência, formigamento ou dor nas mãos e nos pés.

4. Nefropatia: é uma lesão renal inicial e que, com o tempo, pode gerar uma insuficiência do órgão. 


Fonte: http://corpoacorpo.uol.com.br//blogs/mulher-de-corpo/conheca-4-sinais-de-prediabetes/10900 - Texto Amábile Reis | Adaptação Ana Paula Ferreira - Foto Shutterstock / Via professor José Costa

Especialistas explicam por que casar-se pela segunda vez dificilmente dá certo

beijersbergen/shutterstock
Apesar da esperança de, finalmente, constituir uma união estável até que a morte provoque a separação, a segunda tentativa de casamento dificilmente dá certo, segundo estatísticas reunidas em pesquisas. Mas por que isso acontece?


Em uma recente reportagem do site Huffington Post, especialistas listam os principais motivos pelos quais o segundo casamento falha e dão dicas de como evitar e superar os problemas mais comuns em uniões que ocorreram após um divórcio.

Como fazer o segundo casamento dar certo

De acordo com um dos especialistas ouvidos pela matéria, um dos motivos clássicos pelos quais o segundo casamento dá errado é quando um dos parceiros ainda segue preso ao relacionamento anterior, independentemente do motivo. O fato costuma gerar desconfianças que minam a nova relação.

Manter constante contato com o antigo companheiro nas redes sociais ou mesmo pessoalmente, sem motivos razoáveis, pode provocar insegurança no atual parceiro e criar um ambiente propício a discussões e brigas frequentes que resultaram em um inevitável término.

Outro ponto bastante importante levantado pelos especialistas é a questão financeira. No segundo casamento, as pessoas normalmente são mais velhas e possuem maior independência profissional e econômica.


Conversar sobre a divisão de despesas e determinar responsabilidades é essencial para evitar desencontros futuros. Além disso, planos estabelecidos anteriormente ao relacionamento não devem ser abandonados em nome do casamento por imposição do parceiro para não provocar sentimento de frustração e decepção que custarão caro ao longo dos anos.

Para que o segundo casamento dê certo é importante também que um parceiro respeite a vida anterior do outro, especialmente se filhos de um antigo casamento sejam uma realidade. Entender que a pessoa deve exercer o papel de pai e mãe em sua plenitude e que o bem-estar das crianças é prioridade ajuda a evitar desentendimentos.

Por fim, é preciso ainda ter em mente que um novo casamento significa a construção de uma nova história, sem se esquecer do que viveu anteriormente para não cometer os mesmos erros. Casais que falam abertamente sobre seus passados têm maiores chances de compreender um ao outro e resolver pendências como culpa, medo e ciúmes que invariavelmente abalam a vida a dois.

Fonte: VIX-  Escrito por Paulo Nobuo

Afinal, o que são os sonhos? Conheça as teorias mais aceitas atualmente

Pretty Vectors/Shutterstock
Sonhos intrigam a humanidade há séculos e já foram definidos com bases religiosas, filosóficas, místicas, psicológicas e da neurociência. Apesar dos estudos e reflexões, eles ainda permanecem misteriosos, mas possuem teorias aceitas que ajudam a entender um pouco melhor o que representam para o homem.

Para jogar luz ao tema, um artigo publicado no site Science of Us reuniu estudos e pesquisas de variadas origens e listou como os sonhos podem ser encarados, de acordo com cada corrente diferente.

Significado dos sonhos: teorias mais aceitas

Sonhos como profecias: alguns estudiosos indicam que os sonhos funcionariam como premonições que nos deixariam preparados para determinados fatos do futuro. De acordo com a psicologia evolutiva, por exemplo, a mente pode visualizar as ameaças potenciais do mundo durante o sono para que fiquemos em alerta quando acordados.


Sonhos como comunicação inconsciente: na virada do século XX, Sigmund Freud, o pai da psicanálise, pensava que os sonhos eram mensagens do inconsciente. "A interpretação dos sonhos é o caminho real para o conhecimento das atividades inconscientes da mente", escreveu. A finalidade dos sonhos seria a de realizar desejos reprimidos, por exemplo. Os sonhos então poderiam fazer com que a consciência se expanda, entendendo algo mais sobre si mesmo.

Sonhos como dados: o sonho começou a ser avaliado pela ciência na década de 1950, com a descoberta da fase de sono chamada de movimento rápido do olho (REM). Hoje, análises estão começando a detectar sonhos por algoritmos para reconhecer como que a atividade cerebral acontece no período.

Sonhos como memórias em ação: neurocientistas hoje estão cada vez mais próximos de entender como os sonhos são um subproduto do processo de memória e aprendizagem. Estudos científicos mostram que as lembranças estão ligadas às memórias e que as imagens geradas no cérebro durante o sono contribuem também para fixação de conteúdos aprendidos em momentos de vigília.

Fonte: VIX-  Escrito por Paulo Nobuo

quarta-feira, 8 de março de 2017

Parabéns Mulheres!!



Blog: Até breve !
Bye,bye 💋💋

Por que o Dia da Mulher é em 8 de março? Data é mais revelante do que parece; veja

Irina Levitskaya/shutterstock
Por que o Dia Internacional da Mulher é comemorado em 8 de março? Segundo a socióloga e professora Eva Alterman Blay, e fundadora do Centro de Estudos de Gênero e dos Direitos da Mulher da Universidade de São Paulo (USP), “no dia 8 de março pelo calendário gregoriano um fato marcou o mundo: trabalhadoras russas do setor de tecelagem entraram em greve.”

“Esta teria sido uma greve espontânea, não organizada, e representou o primeiro momento da Revolução de Outubro”, diz Eva, em seu artigo científico sobre o Dia da Mulher. Essa foi a famosa Revolução Russa, Bolchevique ou Vermelha de 1917, que fez o país sair da Primeira Guerra Mundial e adotar o regime comunista, que mais tarde originou a criação da União Soviética (URSS).

Adotado oficialmente em 1975, pela Organização das Nações Unidas (ONU), o Dia da Mulher “simboliza a busca da igualdade social entre homens e mulheres, em que as diferenças biológicas sejam respeitadas, mas não sirvam de pretexto para subordinar e inferiorizar a mulher”, explica a socióloga.

Dia internacional da mulher: origem e história

 
International Ladies' Garment Workers' Union Archives/Kheel Center/Cornell University

A origem da data foi marcada por fortes movimentos de reivindicação política, trabalhista, greves, passeatas e perseguição policial, em que mulheres lutavam pelo mesmo salário para homens e mulheres, por melhores condições de trabalho e por direitos iguais no início do século 20.

No último domingo de fevereiro de 1908, nos Estados Unidos, aconteceu uma manifestação que foi chamada de Dia da Mulher. Aconteceu de novo no ano seguinte, e reuniu cerca de 2 mil mulheres. Em 22 de novembro de 1909, começou uma greve geral. Cerca de 15 mil aderiram, mais de 500 fábricas fecharam, durando 13 semanas, até fevereiro de 1910.

No ano seguinte, outro acontecimento viria chamar a atenção do mundo de novo para as condições da vida das mulheres. Em 25 de março de 1911, 125 mulheres e 21 homens, na maioria judeus, perderam suas vidas no incêndio da companhia Triangle Shirtwaist Company, grande atuante nas reivindicações e greves. A fábrica empregava 600 trabalhadores, maioria mulher imigrante, judia e italiana, de 13 a 23 anos.
Movimentos construtores de uma nova consciência do papel da mulher como trabalhadora e como cidadã e grandes nomes da luta feminista no mundo, como Alexandra Kollontai, Clara Lemlich, Emma Goldman, Simone Weil e outros, evidenciavam cada vez mais os direitos femininos e a necessidade da mulher modificar a sua própria consciência.

Todos esses fatos se incorporaram ao “imaginário coletivo da luta das mulheres”, e integraram um processo que já estava em elaboração pela luta das mulheres, com iniciativa de Clara Zetkin (foto abaixo), membro do Partido Comunista Alemão, que também teve aderência e expressão do Brasil.

Vitaly Raduntsev/shutterstock


Participação do Brasil

De acordo com Eva, o Brasil começou a luta em busca do direito de voto feminino, que só foi concedido nos anos 30. Mas as condições de trabalho aqui eram tão ruins quanto em outros países. Mais de 12 horas de trabalho, salários menores que os dos homens, assédio sexual, más condições das fábricas, dentre outros abusos.


E foi só nos anos 60 e 70 que as reivindicações tomaram grandes proporções a ponto de afetar o governo: em 8 de março, mulheres se reuniram contra a ditadura militar, em favor da democracia, e pelo fortalecimento do gênero feminino na sociedade. E foi só em 1975 que as manifestações públicas foram reconhecidas internacionalmente, quando a ONU consagrou o Dia Internacional da Mulher.


Direitos das mulheres

Fonte: VIX - Escrito por Patrícia Beloni

Dor no peito: o que pode ser? Conheça 6 causas além do infarto

Decade3d - anatomy online/Shutterstock
Uma dor súbita no peito gera um sinal de alerta que logo é relacionado a um infarto. Nem sempre, porém, o incômodo indica um problema de saúde grave. Consultar um médico é importante para descartar condições arriscadas, mas antes de se correr para o hospital, conheça algumas causas comuns de dor no peito que vão além do infarto:

Sintomas que podem ser confundidos com infarto

Azia: uma condição bastante simples realmente pode realmente ser confundida com um infarto, já que a sensação de queimação no estômago pode subir para o esôfago, causando dores e desconfortos na região do peito.


Tensão muscular: dores no músculo torácico também podem ser confundidas com um ataque cardíaco, mas não indicam um quadro grave. Uma boa maneira de tirar a prova é pressionar a região do peito e, se sentir incômodo mais forte, provavelmente trata-se apenas de uma lesão momentânea causada por excesso de exercício.

Costocondrite: por também provocar dor torácica, a inflamação caracterizada pelo encontro de um osso da costela com a cartilagem pode gerar incômodo no peito, sem ser indício de uma condição mais grave. Normalmente, o paciente sente um tipo de pressão na parede torácica e certo alívio quando pressionam a área.

Pericardite: se você está tratando uma infecção viral e de repente sente uma dor aguda, como se fosse uma pontada no peito, pode ter desenvolvido pericardite, uma inflamação nas camadas de tecido que cercam o coração, mas que não possui relação com infarto.


Pancreatite: trata-se de uma inflamação súbita do pâncreas, que gera dor abdominal intensa e profunda que irradia até o tórax. Apesar de não ser grave como um infarto, o problema exige cuidados médicos o mais rápido possível.
Doença coronariana: doença cardíaca causada por um acúmulo de placa nas artérias que fornecem sangue ao coração. Ao longo do tempo, os depósitos de colesterol se alojam nas paredes dessas artérias, o que pode bloquear o fluxo sanguíneo e causar dor no peito.

Sintomas de infarto que você precisa conhecer

Se por um lado as dores no peito nem sempre apontam para um infarto, outros sintomas que parecem banais podem ser os sinais iniciais da condição mais grave. Saiba quais são alguns dos sintomas que você pode não conhecer como indício de que está sofrendo um infarto:
  • Dores nas costas
  • Suor frio
  • Náuseas e vômitos
  • Queimação no estômago sem relação com alimentos.
  • Cansaço excessivo
  • Falta de ar
  • Incômodo no peito que aparece após a prática de exercícios e desaparece ao descansar
  • Dor no peito que se irradia para o pescoço ou para os braços

Fonte: VIX-  Escrito por Paulo Nobuo

terça-feira, 7 de março de 2017

A dor neuropática: uma incômoda companheira noturna

O problema da dor neuropática é que não há duas pessoas que a sintam da mesma forma, por isso os tratamentos devem ser individualizados e de acordo com nossas necessidades particulares.

Pode ser que a expressão dor neuropática soe um tanto quanto estranha. Porém, se falamos dessa dor, coceira ou adormecimento das mãos e pés que se intensifica à noite, é possível que o tema seja muito familiar para várias pessoas.

Este tipo de transtorno se parece muito com uma descarga elétrica. Em instantes nos faz sentir queimação, formigamento e, ainda que possa desaparecer por algumas semanas, volta pouco tempo depois com mais força, até o ponto de nos impedir de conciliar um sono profundo e reparador.

A dor neuropática afeta 10% da população. Tira qualidade de vida e, por sua vez, vale dizer também que não há um tratamento efetivo que faça este problema desaparecer por completo.

Ainda, pode vir acompanhada de outro tipo de sintomatologia que vale a pena considerar.
Se é seu caso, recomendamos que procure um bom especialista. Há diversos tipos de enfoques terapêuticos e, o mais adequado, é provar aqueles que mais se ajustem às nossas características.

Por nosso lado, explicamos a seguir alguns segredos básicos e explicamos também porque essa doença se intensifica no período da noite. Não deixe de conferir!

O que causa a dor neuropática?

A dor neuropática se origina por uma pequena alteração do sistema nervoso. Associa-se, além disso, àquelas pessoas que sofrem dor crônica.

Em ocasiões, podem ser encontradas algumas lesões na medula espinhal que derivam nestas descargas incômodas.

Ainda, a dor neuropática pode se relacionar também com transtornos imunológicos ou com problemas nos nervos periféricos.

Tanto é assim, que em muitas ocasiões o incômodo se localiza no nervo trigêmeo do rosto ou no nervo intercostal.

É um tipo de doença muito complexa; tanto, que vai muito além do clássico adormecimento das mãos e dos pés.

Sempre serão os especialistas quem nos oferecerão um diagnóstico adequado segundo a nossa sintomatologia.

Quais sintomas posso ter?

A dor neuropática é crônica. Tal e como assinalamos no início, vai e vem, por temporadas. Porém, os pacientes sempre se queixam do fato de a dor se tornar insuportável durante a noite.

Ao incômodo localizado nos pés e nas mãos também costuma-se adicionar diversas alterações sensitivas em todo o corpo, ou seja, só de esfregarmos podemos sentir dor.

Porque o incômodo é mais intenso à noite?

Os especialistas nos dizem que a dor neuropática está infradiagnosticada. Se for assim, deve-se a diversas razões:

  • Esta dor não está relacionada com os ossos ou as articulações. Falamos de nervos e neuroglias, ou seja, um tipo de sensibilização central localizada nas células gliais.
  • A dor neuropática não se vai com uma aspirina. De fato, é comum que os pacientes se mostrem desesperados ao não encontrar alívio.
Pouco a pouco, e em caso de não obter uma solução, podemos sentir certo abatimento.
Por sua parte, se a noite a dor se intensificar é porque estamos muito “quietos”. Enquanto estamos em movimento nosso corpo aplaca, em certo modo, essa alteração nos nervos.


Agora, ao permanecer em repouso as descargas elétricas são mais intensas. Os músculos já não se exercitam e agora a tensão se concentra em maior grau nas extremidades, como são os pés e as mãos.

Ainda, a hipersensibilidade também se intensifica durante a noite. É como ter alfinetes por todo o corpo.

Existe alguma terapia efetiva para a dor neuropática?

Estamos diante de uma dor crônica. Isso requer, antes de tudo, uma concentração. Esse incômodo, essas dores que, em ocasiões, nos incapacitam e que nos tiram o sono, vão nos acompanhar sempre.

Agora, a chave não está na rendição, mas sim na busca contínua por conseguir uma qualidade de vida adequada.

Esta batalha é muito pessoal. Isso quer dizer que, enquanto para alguém determinado tratamento pode dar certo, pode ser que para você seja necessário um diferente.
Assim as coisas, é importante que tenhamos em conta diversas alternativas:

  • A medicação. Tal e como indicamos antes, os fármacos não garantem que a dor neuropática desapareça 100%. Porém, é preciso provar diversos medicamentos, como os esteroides, os anti-inflamatórios ou outros que nosso médico nos recomende.
  • A fisioterapia passiva, como massagens ou aplicação de calor/frio, pode nos aliviar. Ainda, as terapias ativas como o exercício moderado também podem nos ajudar.
  • A cirurgia. Será o especialista que trata o caso que informará sobre a possibilidade ou não desta opção com a qual encontrar esse foco que causa a dor e corrigi-lo.


Os neuroestimuladores. Este tipo de técnicas clínicas também costumam oferecer uma boa qualidade de vida. Trata-se de enviar pequenos impulsos elétricos muito suaves ao espaço peridural próximo à coluna vertebral.


Deste modo, se alivia a percepção da dor intensa substituindo-a por uma sensação de formigamento quase imperceptível.

Para concluir, diremos que a dor neuropática é uma realidade muito delicada para a qual existem muitos tipos de tratamentos.


É adequado que provemos todos para ver qual se ajusta a nós para fazer as atividades normalmente e reduzirmos assim o impacto da dor.

Fonte: Melhor com Saúde