sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Facebook pode aumentar propensão a engordar, diz estudo

Pessoas perdem autocontrole e consomem lanches calóricos

 

                                        Imagem ilustrativa / Foto: Getty Images

 Por Renata Demôro

Passar horas no Facebook pode significar alguns quilos a mais. De acordo com estudo das Universidades de Columbia e Pittsburgh, quem conversa com amigos via redes sociais é mais propenso a fazer lanches nada saudáveis assim que desliga o computador ou deixa de acessar o aplicativo no smartphone.

A pesquisa sugere que usuários da rede social possuem níveis de autoestima mais elevados. E é este excesso de confiança em si mesmo que provoca um mergulho na falta de controle.

O mais intrigante é que os pesquisadores acreditavam ser o sedentarismo provocado por horas em frente ao computador o principal motivo do excesso de peso entre usuários de Facebook.

A pesquisa revela ainda que pessoas que mantêm conversas com amigos muito próximos tendem a engordar mais quando comparado a usuários que usam a rede para assuntos superficiais.

Para os pesquisadores, os dados são preocupantes, já que o Facebbok já concentra mais de um bilhão de usuários ativos. Eles ressaltam que o autocontrole é importante para manter o bem estar pessoal e este efeito, aparentemente sutil, pode ter impacto generalizado na saúde. 

Fonte: gnt

Cores para a calcinha de Ano Novo

Você já ouviu falar na superstição da calcinha colorida para o Ano Novo? Essa é uma prática comum entre as mulheres e para cada desejo, existe uma cor de calcinha específica. Por isso, de nada adianta apostar em um look arrasador para o Réveillon se a sua calcinha não simbolizar o seu maior desejo para o ano que se aproxima.

Como na virada do ano a tendência é apostar em roupas de tons claros, a dica é utilizar por cima da calcinha escolhida, um shorts da cor da pele para evitar que ela fique marcada. Escolha dentre as nove diferentes cores de calcinhas e seus significados, qual é a que mais combina com os seus desejos para o próximo ano.

Vermelha
De acordo com a superstição, a calcinha de cor vermelha é indicada para quem deseja um ano repleto de paixão, dinamismo, sexo e agitação.


Verde
A calcinha na cor verde, simboliza calma, proteção, frescor e esperança para o ano que se aproxima. 


Roxa
Já para as mulheres que desejam focar o ano que se aproxima na sua espiritualidade e intuição, a calcinha roxa é a melhor opção.


Rosa
A calcinha rosa é uma cor delicada, que sugere feminilidade e afeição. Para quem deseja um ano novo cheio de amor e romance essa é a sua cor. 


Preta
Para as mulheres que desejam um ano cheio de luxo, mistério e fantasia, a calcinha preta é a cor indicada. 


Laranja
As calcinhas em tons de laranja e coral, simbolizam desejo, vontade e entusiasmo para realizar os sonhos do ano que se aproxima. 


Azul
Para quem deseja um ano repleto de muita saúde, calma e paciência, a calcinha de cor azul é a escolha ideal.


Amarela
E para as mulheres que desejam ter um ano repleto de dinheiro e realizações financeiras, a calcinha amarela é a mais indicada.

Branca
A clássica calcinha branca – assim como a roupa de Réveillon – simboliza paz, calma, pureza e harmonia para o Ano Novo.

Por Danielle Bianchi
Dicasdemulher

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Papa caseira de banana verde combate acne inflamada

Papa caseira de banana verde age contra a acne e garante renovação celular
Foto: Shutterstock


Espinhas inflamadas podem se tornar um tormento na vida de qualquer pessoa, já que além de estimular a presença de bactérias na pele, a acne também traz problemas estéticos. É possível, porém, amenizar esse quadro por meio de uma máscara caseira à base de banana verde.

Rica em minerais como cálcio, magnésio, potássio e sódio, fundamentais para o processo de renovação celular, a papa caseira de banana verde elimina as células mortas da pele e deixa a cútis revigorada. Além disso, ainda tem efeito calmante, regulando a oleosidade e promovendo sua hidratação e maciez.

Para potencializar o efeito da receita caseira, ingredientes como amido de milho e hortelã são utilizados, conferindo à pele efeito cicatrizante e antisséptico. “Aliada à banana, o amido tem função de revitalizar e fechar os poros da cútis e a hortelã de aliviar o inchaço, a coceira e vermelhidão provocadas pela acne”, explica Flávia Marques, esteticista da Clínica Flávia Marques, de Salvador.

A pasta pode ser usada semanalmente. Para melhores resultados, ela deve estar fresquinha. Por isso, nunca faça em grande quantidade para guardar na geladeira porque a banana oxida, impossibilitando assim a aplicação da receita. Além disso, é importante associá-la ao protetor solar. Após o uso da papa caseira, o filtro deve ser aplicado de três em três horas para não manchar a cútis, mesmo em ambientes sem luz solar.

Confira, a seguir, como fazer a máscara de banana verde e diminua as espinhas inflamadas.

Máscara contra acne inflamada
 
Ingredientes
Uma banana verde
Uma colher (de chá) cheia de hortelã picada
Uma colher (de chá) cheia de amido de milho

Modo de fazer
Misture a banana, a hortelã e o amido de milho num recipiente até que a papa fique homogênea e cremosa.

Aplicação
Faça a limpeza do rosto com água e sabonete neutro ou específico para o seu tipo de pele. A limpeza é essencial para o resultado da máscara, pois as impurezas e a oleosidade podem dificultar a penetração dos ingredientes e diminuir sua eficácia.

Depois, enxugue bem a pele e passe a mistura no rosto de forma uniforme com as pontas dos dedos, massageando levemente. Retire com água fria. Para a receita ter eficácia o ideal é deixar a pasta agir por 20 minutos. Em seguida, use o filtro solar e evite a exposição ao sol.


Agência Hélice -Terra
 

Melancia afasta infarto

                                         Foto: Dreamstime

 Para chegar a essa conclusão, pesquisadores das universidades do Kentucky e de Purdue, nos Estados Unidos, deram uma dieta rica em gordura saturada e colesterol a ratos. Depois, os animais foram divididos em dois grupos: um tomou suco de melancia e o outro recebeu água com carboidratos. Aqueles que ingeriram o sumo da fruta tiveram queda de 50% nos níveis de colesterol ruim e nas placas das artérias, além de um ganho de peso 30% menor. “A melancia é rica em licopeno, um poderoso antioxidante”, explica Sibu Saha, um dos pesquisadores.

Ainda não dá para dizer a quantidade da fruta que é preciso ingerir para obter benefícios, mas é fácil comer várias porções no verão, né?

Fonte: Revista Saúde

Abelhas podem mostrar como evitar o envelhecimento

Pesquisas mostram que abelhas mantêm mente jovem por meio de mudanças sociais
Foto: Getty Images


O segredo para uma vida mais longa pode estar na maneira em que as abelhas pensam. De acordo com estudo realizado por cientista da Arizona State University, nos Estados Unidos, e publicado pelo jornal Daily Mail, as abelhas podem reverter o envelhecimento quando assumem responsabilidades normalmente desenvolvidas pelas mais novas.

Como esses animais possuem o mesmo tipo de células cerebrais que os seres humanos, os pesquisadores sugerem que as pessoas também podem adaptar seus hábitos sociais para fazer suas mentes permanecerem jovens mesmo quando o corpo começa a envelhecer. “Sabemos por meio de estudos anteriores que quando as abelhas permanecem no ninho tomando conta das larvas, elas continuam mais competentes mentalmente. No entanto quando deixam o trabalho de enfermagem para sair e coletar alimentos elas passam a envelhecer rapidamente”, contou Gro Amdam, chefe da pesquisa, à publicação Live Science.

Segundo os cientistas, o processo de envelhecimento das abelhas se assemelha ao dos humanos. “Depois de apenas duas semanas, as abelhas que saem para buscar alimentos têm alterações nas asas, pelos e corpo e apresentam redução de funções cerebrais, perdendo a capacidade de aprender coisas novas”, explica Gro. Porém, segundo ele, quando elas têm a oportunidade de cuidar das larvas novamente, as abelhas melhoram suas habilidades mentais.
Ao comparar os cérebros das abelhas que melhoraram sua capacidade com as demais, os cientistas descobriram mudanças na proteína chamada Prx6, também encontrada nos humanos. Essa substancia já é conhecida por auxiliar no combate à demência, incluindo o mal de Alzheimer. “Talvez intervenções sociais, como mudanças em como você lida com os outros ao seu redor, seja algo que podemos fazer para ajudar o cérebro a permanecer jovem”, sugere Gro.
De acordo com o pesquisador, como a proteína estudada em pessoas é igual às que as que as abelhas possuem, elas podem ser uma resposta espontânea para essas experiências sociais específicas
Terra

sábado, 22 de dezembro de 2012

Mensagem: Ser especial é ...

Ter um sonho que se realiza no meio de muitas tormentas,
ter um encontro com a vida, quando ela está por te deixar,
ter um momento de luz no meio da escuridão,
ter humildade para voltar no caminho,
ter sabedoria para escolher a melhor hora para seguir.

Ser especial é...
Ser o encontro da eternidade com seu tempo,
ter o encontro das almas,
ter a essência jorrando em raios por todos os poros,
ser o encontro das águas turvas,
com toda a beleza do mar azul,
ser o poder das forças que une os corpos.

Ser especial é...
Ver que você pode seguir o caminho do meio,
o caminho que te leva ao encontro do equilíbrio,
o caminho que te deixa em paz com os teus,
o caminho que te faz voltar para dentro,
como se buscasse a luz,
que tantas vezes te deixou na escuridão.

Ser especial é...
Poder sentir o amor nas veias que pulsam,
sempre chamando e dizendo: Viva!
É a vida que te chama sempre,
aproveita esse momento e reflita.
Quanto você já fez por seus sonhos,
para encontrar a sua vida?
Quantas lágrimas já derramou no seu caminho?
Quantas vezes caminhou sozinho?

Especial é ter luz, sentir a calma,
deixar que a angústia não lhe derrube,
ter forças para lutar.

Ser especial é ser como você.
Puro, com sabedoria nas palavras,
força nos braços, lágrimas sem dor.
É saber sorrir da tristeza quando ela te angustia,
é saber caminhar sozinho,
sem muletas, é saber ouvir o silêncio,
é saber calar na multidão.
Refletir sempre...
Sentir infinitamente...
Viver eternamente, e sonhar... sempre!!!

(Desconheço a autoria)

  Ótimo fim de semana a todos meus queridos leitores e um  Feliz Natal com muita Paz e Amor no coração !!
                    Beijos !! 

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Expert ensina como fazer para o cabelo crescer bonito

                                         Foto: Shutterstock 

 Qualquer fio cresce entre 1 cm e 1,5 cm a mais no fim do mês; o problema é que alguns crescem para baixo enquanto outros enrolam



Apesar de o cabelo da sua amiga parecer que cresce mais rápido do que o seu, é apenas uma ilusão de ótica. Os especialistas afirmam que qualquer fio cresce entre 0,5 mm a 1,3 mm por dia, o que dá entre 1 cm e 1,5 cm a mais no fim do mês. O problema é que alguns crescem para baixo enquanto outros enrolam ou, ainda, surgem bifurcações (pontas duplas) que exigem a tesoura. Para não correr esse risco, veja o que recomenda o cabeleireiro Daniel Camelo, do Studio Hans, no Rio de Janeiro: 

Terra - O que se deve fazer para evitar as pontas duplas e não ter que cortar o cabelo? 

Daniel Camelo - Realmente, as bifurcações são as piores inimigas de quem quer ter um cabelão. É que se elas não forem eliminadas com a tesoura, o fio quebra antes mesmo de chegar ao comprimento desejado, ou então, ele vai crescer, só que feio e com aspecto de mal cuidado, o que não vale a pena. Para quem sofre com as pontas duplas, recomendo usar em casa xampu, condicionador e creme de tratamento de qualidade e, a cada 15 dias, fazer um tratamento de nutrição capilar no salão. 

Terra - E o ressecamento, também exige tesoura? 

Daniel Camelo - Não necessariamente, pois o cabelo pode ser seco sem estar danificado. Geralmente, uma boa cauterização ou reposição de queratina no salão são suficientes para devolver o brilho aos fios.

Terra - Até mesmo o cabelo quebradiço tem solução? 

Daniel Camelo - Se a quebra não for tão acentuada, um tratamento à base de queratina pode devolver massa ao cabelo e diminuir a quebra. Agora, se o fio estiver arrebentando com facilidade na metade do comprimento, sugiro dar um bom corte para eliminar a parte danificada e deixá-lo crescer de forma saudável.

Terra - Usar produtos com filtro UV ajuda quem quer deixar o cabelo crescer? 

Daniel Camelo - Com certeza. Isso vai prevenir as quebras, que muitas vezes acontece só de passar o pente ou a mão no fio, e reforçar a proteção contra os agentes externos, como sol, mar e piscina, que podem trazer danos irreversíveis que só a tesoura dá jeito. Outros grandes aliados são os protetores térmicos ou produtos termoativados, aqueles que protegem contra o calor do secador, da chapinha e do babyliss. 

Terra - É possível acelerar o crescimento do fio? 

Daniel Camelo - Acelerar não, mas um cabelo bem tratado e saudável dificilmente precisa ser cortado, o que dá a impressão de um crescimento mais rápido. Mesmo assim, é sempre bom aparar as pontas a cada três meses, mesmo que só um tiquinho.

Fonte: Terra
 

Tamanho do espermatozoide pode interferir na fertilidade

Variações no tamanho do espermatozoide influenciam na fertilidade Foto: Getty Images


Muita diferença no tamanho dos espermatozoides pode interferir na fertilidade. Essa é a conclusão de uma pesquisa da Universidade de Brown, nos Estados Unidos. Os dados são do jornal Huffington Post.

 
Os pesquisadores examinaram sêmen fornecido por 103 homens que se inscreveram em um estudo de fertilidade em 2006. Descobriram uma ligação entre uma maior variação no comprimento de espermatozoides, particularmente a da cauda (flagelo) - responsável pela locomoção -, e uma menor concentração de espermatozoides que podem nadar bem. Voluntários com menor variação produziram espermatozoides com maior probabilidade de serem móveis.
 
“O interessante foi que encontramos que a variação era mais importante para a fertilidade do que o comprimento médio”, disse o cientista James Mossman. O profissional ressaltou a necessidade de mais pesquisas sobre o assunto e para entender quais fatores ambientais podem afetar os números de espermatozoides e sua qualidade.
 Ponto a Ponto Ideias

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

DSTs podem ser transmitidas por sexo oral?

                                          Dra. Debby Herbenick


A médica Debby Herbenick, codiretora do Centro para Promoção de Educação Sexual da Escola de Saúde Pública Bloomington (da Universidade de Indiana, EUA), afirmou recentemente que, sim, é possível contrair DSTs por meio de sexo oral.

“Muito do que pode ser passado durante o sexo vaginal também pode ser passado durante sexo oral”, alerta. “Herpes? Sim. Clamídia e gonorreia? Sim (ambas são bacterianas e podem ser curadas com antibióticos, mas há cada vez mais casos de gonorreia resistente a antibióticos, então não queira brincar com isso)”. A lista também inclui o HIV, embora o risco de transmissão seja menor do que na modalidade “convencional”.

O HPV (que também pode ser transmitido via sexo oral), além dos sintomas próprios, pode trazer uma complicação a mais: o vírus foi vinculado com certos tipos de câncer da cabeça e do pescoço, o que aumenta a necessidade de prevenção.

Outra modalidade comentada pela médica é a anilíngua (em que a pessoa usa a língua para estimular o ânus do parceiro), igualmente arriscada se for feita sem proteção – tanto para quem realiza quanto para quem recebe, já que certas doenças podem ser transmitidas pela saliva. Para diminuir os riscos, Herbenick recomenda que a pessoa recorte e use um preservativo como barreira para evitar o contato direto com o ânus. Ela também reforça a realização de testes para detectar DSTs, especialmente no final de um relacionamento e no início de outro.[Gizmodo]

Fonte: hypescience.com

Apertar os seios pode parar crescimento do câncer de mama

 
 Com o passar do tempo, células malignas espremidas voltam a crescer de maneira normal
Foto: Getty Images



Um pequeno aperto nos seios pode impedir o desenvolvimento de células malignas na mama, que desencadeiam o câncer. De acordo com um estudo apresentado na Sociedade Americana de Biologia Celular, em São Francisco, aplicar pressão física pode fazer com que as células voltem a um padrão de crescimento normal. As informações são do Daily Mail.


"As pessoas já sabem há séculos que a força física pode influenciar nossos corpos", disse Gautham Venugopalan, um dos principais membros da equipe de pesquisa da Universidade da Califórnia em Berkeley, nos Estados Unidos. "Quando levantamos peso, nossos músculos ficam maiores. A força da gravidade é essencial para manter os ossos fortes. Aqui, mostramos que a força física pode desempenhar um papel no crescimento - e reversão das células cancerígenas”, justificou.


O estudo analisou o crescimento de células malignas dentro de um gel injetado em câmaras de silicone. Isso permitiu que os cientistas aplicassem pressão durante as primeiras fases de crescimento das células.


Com o passar do tempo, as células malignas espremidas começaram a crescer de modo normal e organizado. Por outro lado, células não comprimidas continuaram a crescer de forma desordenada e descontrolada, o que leva ao câncer. 

"As células malignas não esquecem completamente como é ser saudável, elas só precisam as pistas certas para orientá-las de volta a um padrão de crescimento normal” disse Venugopalan.

Terra

Antibióticos não funcionam contra tosse, diz estudo

Pesquisa mostra que efeitos entre pacientes tratados com remédios e outros que receberam placebos foram idênticos.

        Antibióticos não são eficazes contra tosse, diz
estudo (Foto: BBC)



 Antibióticos são ineficazes para tratar pacientes com tosse persistente causada por infecções pulmonares, segundo um estudo publicado pela revista especializada "Lancet".


O estudo, realizado com mais de 2 mil pacientes de 12 países europeus, verificou que a duração e a gravidade dos sintomas nos que foram tratados com antibióticos não foi diferente dos que foram tratados com placebos.


Mas especialistas advertem que em casos de suspeita de pneumonia, os antibióticos devem ainda assim ser usados, devido à gravidade da doença.
A pesquisa, realizada entre novembro de 2007 e abril de 2010 em países como Bélgica, Grã-Bretanha, França e Alemanha, contou com a participação de 2.061 pacientes que apresentavam uma tosse persistente por mais de 28 dias, com suspeita de infecções pulmonares, como bronquite.


Os participantes preencheram um ''diário da doença'' ao longo do tratamento e classificaram a gravidade de seus sintomas, que incluíam tosse, falta de ar, dores no peito e narizes entupidos ou coriza.

Paul Little, da Universidade de Southampton, que comandou a pesquisa, afirmou: "a receita do antibiótico amoxicilina no tratamento de infecções respiratórias em pacientes em que não há suspeitas de pneumonia não deve contribuir para a melhora do paciente e pode até provocar danos".

De acordo com o pesquisador, "a prescrição médica excessiva de antibióticos, especialmente quando eles são ineficazes, pode fazer com que estes pacientes desenvolvam resistência e sofram efeitos colaterais, como diarreia, alergias e vômitos".

"Nossas conclusões mostram que as pessoas estão melhores quando não tomam nada. Mas como um pequeno número de pacientes irá se beneficiar dos efeitos dos antibióticos, nosso desafio permanece sendo identificar esses indivíduos", afirma.

Michael Moore, do Colégio Real de Clínicos Gerais da Grã-Bretanha e co-autor do estudo, afirmou que "é importante que clínicos gerais tenham conhecimento claro sobre quando podem ou não prescrever antibióticos para pacientes de modo a reduzir a aparição de resistência bacteriana".
 Da BBC

Cuide da saúde dos seus rins

As doenças renais costumam ser silenciosas e só apresentam sintomas quando estão em estágio avançado, mas com alguns cuidados diários, é possível evitá-las

 

                                           Foto: Thinkstock


O bom funcionamento dos rins é essencial para a saúde e para o funcionamento do organismo como um todo, mas muitas vezes os cuidados com esss órgãos acabam sendo negligenciados.

Algumas doenças não apresentam sintomas aparentes em um primeiro momento e o diagnóstico só é feito quando já estão em estado avançado, o que complica o tratamento e compromete a cura. É o caso das Doenças Renais Crônicas, também conhecidas como DRC, termo que se refere às doenças que acometem os rins por um período superior a 3 meses.


No organismo, os rins são vitais e têm a função de filtrar o sangue, controlar os níveis de água e sal do corpo elimando as toxinas e quaisquer substâncias tóxicas e resíduos do organismo através da urina, além de ajudar a controlar a hipertensão arterial, os sais minerais, os hormônios, os nutrientes e estimular a produção de glóbulos vermelhos.

Com graus de gravidade diferentes, as principais doenças renais são a nefrite, a infecção urinária, o cálculo renal, a obstrução urinária, a insuficiência renal aguda e a crônica, os tumores renais, as doenças multissistêmicas, congênitas e hereditárias e as nefropatias tóxicas. Fatores como histórico de doenças renais, hipertensão e a diabetes, tanto da própria pessoa como de alguém de família, são considerados de risco e podem aumentar as chances de desenvolver uma doença renal.

Quem faz parte desse grupo, deve redobrar os cuidados para controlar a pressão, a glicemia, observar alterações típicas das doenças renais como o aumento nos níveis de cálcio e fósforo e, principalmente fazer um acompanhamento com um médico nefrologista. Através de exames laboratoriais realizados periodicamente, é possível observar a regularidade do funcionamento dos rins e fazer um diagnóstico precoce, caso surjam problemas.


Sintomas como inchaços nas pernas, no rosto, cólica renal, infecção urinária, urina escura, com espuma ou sangue, podem estar relacionadas aos problemas renais e devem ser analisados.

Se os exames clínicos certificarem de que os rins não estão funcionando corretamente e já não conseguem filtrar a sujeira do organismo, as alternativas são o transplante e a hemodiálise.

Para realizar um transplante, é necessário encontrar um doador compatível, o que nem sempre é fácil e obriga a maioria dos pacientes a se submeterem a hemodiálise, um processo no qual uma máquina realiza o processo de filtragem.

Entretanto, algumas medidas simples podem ajudar a preservar a saúde dos seus rins por um longo período.

Beba água

 

A ingestão de pelo menos 2 litros de água por dia ajuda a filtrar e purificar os rins, além de colaborar no processo de eliminação do sal. Quem bebe pouca água, sobrecarrega os rins afetando esse processo de filtração.


Controle o peso

 

O sobrepeso também faz com que os rins, assim como todos os órgãos do corpo fiquem sobrecarregados, além de poder desencadear a hipertensão e o diabetes, que danificam os rins.

Alimente-se bem

Uma boa alimentação, pobre em gorduras e rica em vitaminas e fibras colabora com a preservação das funções renais, sobretudo o consumo de alimentos ricos em vitamina K, presente no limão, no brócolis, no boldo, no espinafre, na couve-flor e nas folhas verde-escuras, que ajudam a prevenir o surgimento de pedras nos rins e cálculos renais.

Não abuse do álcool

Em pequenas proporções, o álcool pode ter função duirética ajudando o trabalho dos rins, mas em excesso, a ingestão de álcool tem o efeito contrário e causa danos aos rins, além de favorecer o desenvolvimento de problemas como a hipertensão e comprometer a saúde do fígado.

Cuidado com o cigarro

Não é só o pulmão que se prejudica com o cigarro, ele também afeta os rins formando pequenos bloqueios nos tubos por onde o sangue corre, contribuindo para o surgimento dos problemas de pressão e de doenças renais.

Não abuse dos remédios

Quem abusa do uso dos remédios, desde os controlados, até um simples analgésico pode acabar comprometendo o funcionamento dos rins a longo prazo, por isso, evite a automedicação e não abuse dos remédios.

Se você perceber alterações na urina, cansaço excessivo, inchaços e principalmente se tiver problemas como pressão alta e diabetes, ou histórico familiar, procure um especialista e cuide-se.


Por Daniela Azevedo
Dicasdemulher

 

O que devo fazer para ter uma vida mais longa?

Tem pessoas que vivem facilmente através de oito ou nove décadas, não parecendo estar um ano mais velhas conforme o tempo passa.

Embora envelhecer bem seja parcialmente controlado por bons genes, não é tão difícil levar um estilo de vida para viver mais tempo, em boas condições.

Segundo especialistas em envelhecimento, e de acordo com as últimas descobertas sobre o assunto, as pessoas podem melhorar a maneira como envelhecem – mesmo que já pareça tarde demais.


 O que nos faz envelhecer
Sem contar a aparência enrugada (causada pelo sol), nós não vivemos para sempre por um monte de fatores.


O problema está em nossas células, onde o envelhecimento começa. A maioria dos processos celulares que levam o corpo a deteriorar gradualmente com a idade são afetados pela dieta, estilo de vida, exercício físico, estresse e outras influências externas.


Por exemplo, os alimentos que comemos influenciam a produção de radicais livres no nosso metabolismo. Radicais livres são elétrons desemparelhados instáveis que causam enormes danos conforme “andam” dentro das células. A pesquisa sobre os males dos radicais livres ainda não é definitiva (chamada de estresse oxidativo), mas eles são amplamente considerados um dos fatores que fazem as células envelhecerem ou mal funcionarem.


Os telômeros também tem um papel crucial no envelhecimento. Eles são as “pontas” das fitas de DNA que protegem o material genético de uma célula quando ela se divide. Eles ficam um pouco mais curtos a cada divisão. Uma vez que encurtam demais, a célula já não pode funcionar normalmente. Pessoas mais velhas têm telômeros mais curtos, assim como pessoas estressadas ou com maus hábitos de sono.
Conclusão: seu estilo de vida pode afetar os processos microscópicos que acontecem dentro das suas células.


Quer dizer então que não há mais solução? Se você sempre comeu mal, dormiu mal, não se exercitou, está ferrado? Não.


Segundo os cientistas, mesmo pequenos passos no quesito “comportamento saudável” podem retardar esses processos, de modo que você envelhece mais lentamente.


Mas você tem que manter esses pequenos passos. Não precisa começar uma nova dieta e não comer mais nada gorduroso para sempre, por exemplo. Mas você precisa ter atitudes que, mesmo pequenas, sejam constantes.
Sabendo que mesmo um pequeno esforço pode ter um grande impacto, confira seis dicas simples para melhorar suas chances de envelhecer de forma saudável:


Saiba como cozinhar seus alimentos
Alimentos cozinhados com calor elevado desenvolvem compostos tóxicos chamados produtos de glicação avançada, ou AGEs, que aceleram o envelhecimento. AGEs geram grandes números de radicais livres que se acumulam no sangue e nos tecidos, ativando o sistema imunológico e causando inflamação crônica. Consequentemente, contribuem para o endurecimento das artérias, das articulações, para formação rugas e muito mais.

AGEs são encontrados em grandes quantidades em alimentos processados, como queijo americano, fast food e refrigerantes escuros. Escolha alimentos alternativos, como queijo branco, frutas secas, suco de frutas. Além disso, cozinhe seus alimentos em temperaturas mais baixas: um ovo frito tem 10 vezes mais AGEs do que um ovo mexido, por exemplo. Um bife tem 10 vezes mais AGEs do que um guisado de carne, e assim por diante.


Coma menos
Estudos têm mostrado que roedores prolongam dramaticamente a expectativa de vida ao cortar o consumo de alimentos em cerca de 30%. Grandes pesquisas com macacos não mostraram um aumento na longevidade, mas alguns apontaram que a adoção de uma dieta de baixa caloria melhora a saúde de primatas mais velhos.


Se você não consegue comer menos do que já come, muitos benefícios podem ser alcançados por simplesmente limitar a ingestão de alimentos de forma intermitente – por várias horas em um dia, talvez. Especialistas em envelhecimento descobriram que curtos períodos com pouca ou nenhuma comida parecem iniciar mecanismos de proteção dentro das nossas células que “têm o potencial de reduzir o risco de doenças relacionadas à idade”, conforme explica Mark Mattson, pesquisador do Instituto Nacional do Envelhecimento (EUA) e especialista em jejum. O principal benefício do jejum parece ser para o cérebro, ou seja, para a saúde mental.


Os cientistas ainda não chegaram a um acordo quanto ao melhor roteiro de jejum para as pessoas, no entanto. Estudos têm utilizado uma variedade de métodos, como limitar a ingestão a 600 calorias por dia, duas vezes por semana. Outros estudos sugerem pular uma refeição de vez em quando, ou restringir as horas para comer. De qualquer maneira,jejum parece ser bom para a saúde. Verifique com um médico, porém, antes de tentar ficar sem comer.


Caminhe
Não é preciso se exercitar intensamente por horas por dia para melhorar dramaticamente a saúde. Mesmo exercício moderado ajuda a neutralizar os radicais livres, estimular o sistema imunológico e até mesmo crescer novas células.


Um estudo publicado no jornal online PLoS Medicine analisou dados de 650.000 adultos (incluindo alguns obesos) e descobriu que caminhar apenas 15 minutos por dia estava associado a um aumento de dois anos na expectativa de vida. Em indivíduos com peso ideal, os dados mostram que caminhar 30 minutos por dia cinco dias por semana estava associado com um aumento na expectativa de vida de mais de sete anos.


“Quando as pessoas falam em atividade física, pensam em correr ou fazer atividade intensa”, disse Luigi Ferrucci, diretor científico do Instituto Nacional de Envelhecimento. “Mas você ganha muito por levantar a bunda do sofá apenas para andar 10 minutos por dia. É uma diferença enorme”.


Durma bem
Embora os cientistas ainda não entendam o que acontece no nosso corpo quando estamos dormindo, estudo atrás de estudo mostra quão prejudicial é não dormir o suficiente. “As pessoas que dormem menos de seis horas por noite têm maior risco de doenças cardiovasculares, mais chances de desenvolver diabetes e mais chances de morrer mais cedo“, explicou Aric Prather, psicólogo e pesquisador da Universidade da Califórnia em San Francisco (EUA).


O quadro é muito diferente para as pessoas que dormem sete horas por dia ou mais: elas têm sistemas imunológicos melhores, menos estresse e menor peso corporal, entre outros benefícios. Por exemplo, um estudo com gêmeos publicado na revista Sleep descobriu que um irmão gêmeo que dormia menos de sete horas por noite era mais propenso a ter um IMC (índice de massa corporal) maior que seu irmão ou irmã que dormia mais (e como os participantes do estudo são gêmeos, isso não podia ter a ver com genes ou ambiente). Os estudos sobre sono têm consistentemente mostrado que, para a maioria das pessoas, dormir sete a oito horas por dia faz uma grande diferença para a saúde.


Se estresse menos
Estresse envelhece. Telômeros mais curtos são uma das razões para tanto. Cientistas descobriram que a forma como as pessoas lidam com o estresse é fundamental. As pessoas que lidam com o estresse bem fazem mais coisas que os estressados não fazem: comem bem, dormem o suficiente e, sobretudo, se exercitam. E essas pessoas tendem a ter telômeros mais longos do que as pessoas estressadas que não fazem nada disso.


É claro, o estresse pode fazer você se sentir menos motivado para cuidar da saúde. Mas você pode experimentar técnicas para desestressar, como praticar meditação, que tem sido associada a uma maior atividade de uma enzima que controla e protege o comprimento dos telômeros.


Um estudo de ressonância magnética mostrou que, após um programa de meditação de oito semanas, a densidade de massa cinzenta dos participantes tinha aumentado emregiões do cérebro que controlam, entre outras coisas, a regulação da emoção e perspectiva. Essas novas ligações no cérebro tornam a área mais potente e eficaz. É semelhante ao fortalecimento e crescimento de um músculo, só que, neste caso, é um músculo para o controle do estresse.
Neuropsicólogos dizem que, mesmo sentado em sua mesa, você pode afastar o estresse, ao respirar longa e profundamente regularmente, e ao imaginar-se na natureza, prestando atenção em cheiros e sensações.

 

Tenha um hobbie
Pesquisadores já estudaram a ligação entre uma melhor saúde e a participação de uma pessoa em um hobbie ou atividade. Um estudo realizado no Japão com quase 2.000 pessoas de idades entre 65 a 84 anos descobriu que, em comparação com pessoas que não têm passatempos, aqueles que tinham um hobbie tinham uma mortalidade significativamente menor e uma menor probabilidade de ficar doente durante o período do estudo.


Em um estudo de 2010 na Sérvia, cientistas descobriram que ter um hobby estava ligado a um menor risco de hipertensão em médicas de salas de emergência, talvez porque isso as ajudava a liberar a tensão e, portanto, a evitar comportamentos nocivos, como fumar e beber. Outros estudos têm relacionado passatempos com manter o cérebro ativo e com mais conexões sociais, o que tende a tornar as pessoas mais felizes – outro fator ligado a uma maior saúde e longevidade.[WashingtonPost]


Fonte:hypescience

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Laranja reduz o estresse

Que a laranja tem vitamina C e previne gripes e resfriados, todo mundo sabe. Mas você sabia que a laranja ainda reduz o estresse em até 67% e também ajuda a melhorar o humor?

Todo mundo já sabe que o estresse mata. 

 
Infarto do miocárdio, AVC, hipertensão, diabetes, câncer, obesidade e depressão são apenas algumas das doenças que podem estar relacionadas ao estresse crônico. 
E não é só isso. Uma pessoa estressada tende a se alimentar mal, nunca tem tempo para se exercitar e ainda tende a ter problemas em seus relacionamentos afetivos e profissionais. 

Pensando nisso, cientistas franceses desenvolveram um novo extrato de laranja-doce, popularmente conhecida como laranja-lima. "Os estudos comprovaram que ela tem a capacidade de reduzir o estresse em 67%, reduzir a resposta a dor em 50% e ainda melhorar significativamente o humor após três horas da ingestão do extrato", comenta Maurício Pupo, consultor técnico da Almaderma. 

E, ainda segundo os cientistas, a sensação de bem estar é tão grande que os pacientes tiveram sua curiosidade aumentada em 144% e a execução de atividades espontâneas aumentada em 37%. Então, além de reduzir o estresse, este extrato ainda ajuda a combater alguns sinais da depressão.

O novo extrato de laranja-doce é capaz de trazer uma marcante melhora no humor e uma sensação de tranquilidade logo após três horas do uso. Portanto o ideal é tomar uma cápsula do produto sempre que se sentir nervoso, ou então sempre num determinado horário do dia. Pela manhã para passar o dia bem, tome antes de uma situação tensa como reuniões, provas, entrevistas e vestibular, ou ainda após o jantar, para ter uma tranquila noite de sono.

Por Jessica Moraes
VilaMulher

Para a boa forma, dormir pode ser mais eficaz do que malhar

                                           (Foto: Reprodução/Patrick Demarchelier)


Foi dormir depois da meia-noite e vai ter de acordar às 6h para correr? Se o objetivo for a boa forma, especialistas dizem que o melhor é ficar na cama, como você lê na matéria Melhor do que malhar, da edição de dezembro da Vogue Brasil. Entenda os mecanismos do corpo que justificam a escolha, na sequência.
 
Todos os dias, quando o sol se põe, os níveis de melatonina, neurotransmissor que dispara o sono, começam a aumentar, enquanto a concentração de cortisol, hormônio associado ao estado de alerta e ao estresse, cai paulatinamente. A liberação de serotonina, outro neurotransmissor que regula, além do sono, o apetite e o ritmo circadiano (mecanismo que ajusta o relógio biológico), também diminui, preparando o corpo para o repouso restaurador. O que nem todo mundo sabe, no entanto, é que além de reparador, o tempo que passamos dormindo tem enorme influência no ponteiro da balança. O organismo recupera tecidos e sintetiza vários hormônios durante as oito horas de sono (recomendação média para um adulto). A atividade é tão intensa nesse período que o corpo usa a maior parte das calorias que ingerimos durante o dia na chamada taxa metabólica de repouso, responsável por cerca de 70% de nosso gasto calórico.
 
"Diversas pesquisas indicam que quem dorme menos de cinco horas, a longo prazo, ganha um sobrepeso de 36% em comparação com quem dorme duas ou três horas a mais", afirma Eduardo Nunes Salles, diretor da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. De acordo com Luciana Palombini, especialista no assunto pelo Instituto do Sono da Unifesp, isso acontece porque dormir menos aumenta os níveis de grelina e diminui os de leptina, e a consequência é maior apetite. A leptina é um hormônio que estimula o gasto calórico, atuando no metabolismo da glicose e promovendo sensação de saciedade. Já a grenalina estimula o apetite.

                                           (Foto: Reprodução/Vogue Paris)


Há dois anos, uma pesquisa realizada pelo Women's Hospital, em Boston, comprovou que dormir pouco também pode desregular o mteabolismo da glicose. No estudo, os participantes que dormiram apenas cinco a seis horas por noite, por uma semana, desenvolveram resistência à insulina, o que resultou em maior quantidade de glicose no sangue, em níveis próximos ao dos diabéticos. E não é só: "Dormir pouco eleva a concentração de cortisol, que estimula o acúmulo de gordura, especialmente a abdominal, podendo levar à obesidade", alerta Luciana. É por essas e outras que especialistas defendem que, às evzes, é melhor dormir algumas horas a mais que madrugar para malhar, já que os benefícios do exercício não vão compensar esse desequilíbrio hormonal.
 
Se o seu problema é pegar no sono, a alimentação certa pode ajudar – e, aqui, carboidratos não são vilões: grãos, mandioca, batata e cevada contêm triptofano, um precursos da serotonina que ajuda a embalar a noite. "Evite comer em excesso, especialmente gordura", ensina Heloisa Guarita, nutricionista e mestre em psicobiologia no Instituto do Sono da Unifesp. E pare de achar que um copo de vinho vai ajudar a dormir mais rápido: "Apesar da moleza que causa, o álcool vai itnerferir na qualidade do sono depois". Novos estudos apontam que a temperatura também tem papel importante no processo – o ideal é que o quarto esteja entre 15,5° e 20°. E não se esqueça do poder relaxante de terapias como acupuntura, meditação e massagem. (FLAVIA GALEMBECK)
 Fonte: Vogue Brasil

Comer demais já mata mais do que fome no mundo

                                           Imagem ilustrativa


O maior estudo já feito sobre o "peso" global das doenças revelou algo absolutamente inusitado.

Pela primeira vez, o número de anos de vida saudável perdidos porque as pessoas comem demais superou o número de anos perdidos pelas pessoas que comem de menos.

A conclusão é do Global Burden of Disease Report, Relatório sobre o Fardo Global das Doenças, em tradução livre.

O relatório, elaborado por mais de 500 cientistas em 50 países, revela em números claros que o mundo não tem carência de comida, apenas má distribuição.


Vida doente
O relatório tem outras duas conclusões, uma positiva e outra negativa.
A primeira é que o mundo está finalmente começando a lidar bem com algumas doenças infecciosas, ajudando a salvar a vida de milhões de crianças.
A segunda é que estamos vivendo mais tempo - mais tempo doentes. Isso confirma pesquisas estudos que mostraram que as pessoas estão vivendo mais, mas passam mais anos doentes.

"O Global Burden of Disease Report é a mais completa avaliação da saúde humana na história da medicina," disse Richard Horton, editor da revista médica The Lancet, onde o relatório será publicado.
O levantamento está sendo comparado, em importância, ao sequenciamento do genoma humano.

Obesidade mata mais que fome

Os pesquisadores usaram dados sobre a prevalência de doenças e causas de morte em 2010 e compararam-nos com os dados de 1990 para identificar tendências.

Pela primeira vez em uma escala global, o excesso de peso tornou-se um problema de saúde mais grave do que a desnutrição.

Em 1990, a subnutrição teve o maior peso na "fardo" representado pelas doenças, medido pelo número de anos de vida saudável que uma pessoa média poderia esperar perder como resultado de doença ou morte precoce.
Naquela época, um elevado índice de massa corporal, ou IMC, característica da obesidade, ficou em décimo.

Agora, a desnutrição caiu para o oitavo lugar, enquanto que o IMC elevado se tornou a sexta maior causa de incidência de doenças.

Ficar acima do peso pode elevar a pressão sanguínea e causar acidente vascular cerebral e doenças cardíacas - em conjunto, estas duas condições são responsáveis por um quarto de todas as mortes no mundo.

Fonte: Diário da Saúde