sábado, 30 de março de 2013

Óleo de amêndoas hidrata a pele e recupera o cabelo

Descubra por que ele continua um clássico, mesmo com tantas novidades em cosméticos


Seu perfume atravessa gerações, por mais que as novidades cosméticas não parem de chegar às prateleiras. Conhecido por fazer parte do enxoval das gestantes, o óleo de amêndoas tem alto poder de hidratação e ajuda a prevenir a formação de estrias quando a pele se distende demais. "Ele evita a perda de água na pele e todos os problemas relacionados a isso", afirma a dermatologista Cristiane Dal Magro, da Universidade Federal de Brasília. O cabelo também sai ganhando com essa solução simples e barata, como explicam os especialistas nas dicas que você lê a seguir.



Hidrata e previne estrias
Assim como outros óleos vegetais, o de amêndoas deixa a pele mais protegida contra a perda de água. Resultado: ela fica mais macia e hidratada, além de sofrer menos com as agressões externas (vento, frio e baixa umidade do ar ambiente).

A eficiência do óleo de amêndoas na prevenção de estrias e rugas explica-se graças à melhora na elasticidade da pele. "Mas não ache que o óleo acaba com estrias já formadas, essas cicatrizes só desaparecem com aplicação de laser", afirma a dermatologista.   


óleo de amêndoas - foto Getty Images Poder anti-inflamatório
Além de deixar a pele mais macia, o óleo de amêndoas tem propriedades que desinflamam acalmam irritações cutâneas. "Isso acontece devido à presença do zinco, mineral que atua no organismo diminuindo o processo inflamatório agudo", afirma o esteticista ortomolecular e cosmetologista Edjasto Brito, do Instituto Isa Prudome. A dermatologista de Brasília acrescenta que o óleo possui antioxidantes e vitamina E, úteis em processos de desinflamação. 



óleo de amêndoas - foto Getty Images Cabelo com menos volume
Os efeitos que o óleo proporciona a nossa pele também podem ser percebidos nos cabelos. "Há recuperação dos fios danificados e diminuição do volume", diz Edjasto. Mas o ideal, nesse caso, é buscar xampus e condicionadores que contenham óleo de amêndoas na fórmula. "O óleo se deposita no cabelo, que fica muito pesado e com aparência suja", afirma a dermatologista. Se for aplicar o óleo puro nos fios, deixe agir por cinco minutos e lave o cabelo como de costume. 



óleo de amêndoas - foto Getty Images Fim da descamação
O óleo de amêndoas tem efeito emoliente (ajuda a pele a recuperar sua oleosidade natural), por isso é uma boa opção quando o clima está muito seco ou após o sol. Mas, no caso de quem tem a pele seca como característica, o ideal é combinar o uso do óleo a hidratantes especiais. "O óleo favorece a absorção dos hidratantes, que penetram mais fundo na pele e agem mais rápido", afirma dermatologista. 



óleo de amêndoas - foto Getty Images Cuidados na hora da aplicação
O melhor momento para aplicação do óleo de amêndoas é após o banho. Os poros estão mais abertos e o produto consegue penetrar bem na pele. Prefira fazer isso durante a noite, quando o corpo está menos exposto a partículas de poeira e poluentes, que podem acumular na pele.

No caso de ressecamento intenso e para prevenção de estrias, aplique o óleo puro e faça uma massagem delicada durante dois minutos ou até que ele se espalhe de modo uniforme. Se achar incômoda a sensação oleosa, pode aplicar o produto antes do banho e retira-lo em seguida ? os ativos já terão penetrado. Prefira usar sabonetes com ativos hidratantes ou de pH neutro e evite a água quente, que resseca ainda mais a pele. 



óleo de amêndoas - foto Getty Images Uso diário
Nenhuma contraindicação impede que você aplique o óleo de amêndoas todos os dias na pele e no cabelo. "As regiões do corpo que são mais ressecadas, como os cotovelos, merecem uso diário", afirma a dermatologista. Evite usar óleo de amêndoas no rosto caso você tenha pele mista ou oleosa - o cuidado é para prevenir a formação de acne. 



Óleo para problemas intestinais
O óleo de amêndoas, em formulação específica para consumo oral, pode ser usado contra o intestino preguiçoso, porque tem ação laxativa. "O ideal é procurar um médico e decidir junto a ele a dosagem certa. Vale lembrar que a versão disponível para uso na pele pode conter resíduos tóxicos de solvente (usado para extrair o óleo da semente) e não pode ser ingerido", afirma a dermatologista. 

Fonte: MinhaVida-Por Carolina Gonçalves

Qual bebida é mais indicada para as refeições? Compare

Refrigerantes e sucos de caixinha devem ser evitados pela quantidade de açúcar


Você é do tipo que não dispensa líquidos durante o almoço e o jantar, espera terminar a refeição para virar um copo inteiro de uma bebida ou simplesmente não sente necessidade de beber nada durante as refeições ou próximo delas? Segundo especialistas, faz bem quem pertence ao terceiro grupo. Evitar a interação previne problemas como o refluxo gastroesofágico, a gastrite e até a ingestão excessiva de comida. "Quem não consegue se alimentar a seco, entretanto, deve limitar o consumo de líquidos a 150 ml", alerta o nutrólogo e endocrinologista João Cesar Castro Soares, da Unifesp. Nos intervalos entre as refeições, por outro lado, a hidratação constante é fundamental, ele lembra. A seguir, compare os diferentes tipos de bebidas que costumam acompanhar as refeições:







Água

"Água é sempre a melhor opção para matar a sede e hidratar o corpo", afirma o nutrólogo Roberto Navarro, da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN). Além disso, a água não tem nenhuma caloria, sendo a melhor opção para repor os líquidos perdidos por quem precisa controlar o peso


Sucos naturais - Foto Getty Images

Sucos naturais

Não é porque um alimento é natural que ele tem poucas calorias. "Sucos podem acompanhar as refeições sem problemas, mas, dependendo da fruta, podem ser bastante calóricos", afirma o nutrólogo João. Opções como suco de laranja, melancia e tangerina, por exemplo, são ricos em carboidratos, ou seja contém muito açúcar. Isso porque tratam-se de sucos concentrados, que usam muitas unidades da fruta para render um único copo. Por isso, quem precisa ficar atento às calorias ingeridas deve optar por sucos diluídos em água, como o de limão e o de abacaxi. Para se ter uma ideia, um copo (240 ml) de suco de laranja tem 140 calorias, enquanto que um copo de suco de abacaxi tem 64 calorias.


Refrigerante - Foto Getty Images

Refrigerante

Para o nutrólogo Roberto Navarro, refrigerantes não deveriam ser consumidos nem durante as refeições nem em qualquer outro momento do dia. "Eles são uma bomba de açúcar e calorias sem qualquer valor nutricional", alerta. Estudos têm apontado ainda que mesmo a versão light pode estar ligada ao desenvolvimento do diabetes.

Outro ponto negativo para o refrigerante é que o gás contido na bebida acaba dilatando o estômago, podendo favorecer a ingestão excessiva de comida. De acordo com o nutrólogo João Cesar, isso acontece porque o estômago envia uma mensagem para o cérebro avisando que ainda há espaço para mais alimentos. Isso atrasa a sensação de saciedade. A reação é semelhante quando a bebida é a água com gás ou qualquer outra que seja gaseificada.


Suco de caixinha - Foto Getty Images

Suco de caixinha

Alguns sucos de caixinha praticamente não têm suco. "A maioria possui muito açúcar, corante e conservantes", aponta o nutrólogo João. Por isso, antes de comprar, leia o rótulo do produto atentamente. Verifique ainda se a tabela nutricional do suco não optou por deixar de divulgar a quantidade de açúcar isoladamente, incluindo seu valor no item 'carboidratos totais'. Qualquer item com apontado com valor diário (vd) de mais de 20% se apresenta em alta quantidade. Outra dica é observar se na lista de ingredientes do produto o açúcar aparece como um dos primeiros itens. A lista é feita por ordem decrescente (maior para o menor) de quantidade. Se ele for o segundo item, por exemplo, prefira avaliar outra marca.


Suco de polpa - Foto Getty Images

Suco de polpa

O suco de polpa também é uma boa opção de bebida, mas, de acordo com o nutrólogo João, não é tão benéfico quanto o suco natural. No processamento, ele acaba perdendo alguns nutrientes, mas pode ser uma boa estratégia para incluir frutas no dia a dia.


Chás - Foto Getty Images

Chás

Quanto mais escuro for o chá, mais tanino ele tem. O problema? "Esse polifenol diminui a absorção de ferro pelo organismo, o que pode ser um problema para quem sofre de anemia ferropriva", aponta o nutrólogo Roberto. Neste caso, prefira chás de cor mais clara, como o chá verde.


Suco em pó - Foto Getty Images

Suco em pó

Sucos em pó não são nada saudáveis. Mesmo os que divulgam serem fonte de vitaminas, não devem ser consumidos, pois a quantidade é pouco significativa. "Eles contêm muito corante, o que pode favorecer o desenvolvimento de alergias", explica o nutrólogo João. Chamados de refrescos, eles praticamente não contém suco (nem 10%), ao contrário dos integrais, que são 100% suco e os de néctar, que oferecem 50% de sua quantidade em suco. Além disso, sucos em pós são riquíssimos em açúcar e conservantes.


Água de coco - Foto Getty Images

Água de coco

"A água de coco natural hidrata, fornece nutrientes e é extremamente benéfica para o organismo", aponta o nutrólogo Roberto. Já as industrializadas podem conter açúcar e são ricas em conservantes. Prefira as que não contêm açúcar nos ingredientes.


Leite - Foto Getty Images

Leite

O leite é uma bebida que ganha destaque quando se fala em cálcio, mas tal qualidade pode ser prejudicial dependendo do prato que acompanha. "O cálcio compete com o ferro na absorção, sendo perigoso para quem sofre de anemia", afirma o nutrólogo João. Prefira as versões semidesnato ou desnatado, que contêm menos gordura.


Bebidas alcoólicas

Bebidas alcoólicas são ricas em calorias. Apenas 100 ml de cerveja, por exemplo, oferecem 92 calorias. A mesma quantidade de vinho, 88 calorias. Já 100 ml de caipirinha contém 144 calorias. Além disso, a ingestão de bebidas alcoólicas gera polêmica por si só. Se, por um lado, antioxidantes presentes no vinho, por exemplo, protegem contra doenças cardiovasculares, de outro o consumo em excesso de álcool pode favorecer o desenvolvimento de muitas doenças, como diabetes, hipertensão e até câncer. Desta maneira, o ideal é maneirar no consumo. Durante a refeição, fique atento ao fato de que a bebida pode distrair a atenção da comida, fazendo você consumir mais calorias.
Fonte: Minha Vida - Por Laura Tavares

quinta-feira, 28 de março de 2013

Os chás ajudam a emagrecer e relaxar

Além de muito saborosos, os chás possuem propriedades incríveis: ajudam a emagrecer, regulam a menstruação, auxiliam na digestão e ainda são ótimos calmantes


Aceita uma xicará?

Além de esquentar os corações mais gélidos, o chá tem lá suas vantagens medicinais. Se usados como medicamentos, devem ser preparados da maneira correta. São dois os processos de preparo: a infusão e a decocção. A infusão consiste em colocar a planta seca ou fresca em uma xícara e acrescentar água fervente. No processo de decocção você deve ferver a erva por cerca de 2 (flores e folhas) ou 7 minutos (raízes e caules). Foto: GETTY IMAGES


Branco, preto e verde

Os três são feitos com folhas de diferentes partes de uma mesma planta, a Camellia sinensis.

Indicações: aceleram o metabolismo e prometem um emagrecimento rápido, mas meio amargo.
Efeitos colaterais: são contraindicados para pessoas sensíveis à cafeína, hipertensas e com quadro de arritmia. Gestantes não devem consumir essas bebidas. Para elas, só o chá de bebê. Foto: DIVULGAÇÃO



Erva-cidreira

Esse nome popular serve tanto para referir-se à Melissa officinalis (nativa da Europa) como ao capim-cidreira (ou capim-santo, da Ásia).

Indicações: ambas são usadas como calmantes e indicadas para o alívio do estresse. Ainda têm ação antiinflamatória e diminuem a pressão.
Efeitos colaterais: devem ser usadas com cuidado por pessoas que tomam medicamentos hipnóticos, porque podem potencializar o efeito sedativo. 
 Foto: Fabio Mangabeira

 

Carqueja

Nativa dos Andes, a Baccharis trimera é uma planta resistente. Por causa disso, ela é facílima de achar, cresce como mato em qualquer lugar.

Indicações: auxilia na digestão, ajuda a conter piriri, além de ter função diurética.
Efeitos colaterais: se tomada em excesso, pode causar queda de pressão e problemas no fígado. Foto: Fabio Mangabeira



Camomila

Diz a lenda que o melhor método para espantar olho gordo é plantar mudas de Matricaria recutita em volta da casa.

Indicações: tem efeito calmante, reduz gases, purifica o sangue, ajuda na digestão, trata inflamações da pele como a acne (basta aplicar o chá na área afetada) e regula o ciclo menstrual. Ufa!.
Efeitos colaterais: deve ser evitada por quem sofre de refluxo gastroesofágico. Pode causar sonolência, mas ninguém acordou pra confirmar essa informação. Foto: DIVULGAÇÃO



Erva-doce

Conhecida há mais de 5 mil anos, a Pimpinella anisum vem do norte da África. Algumas "primas" suas, como a estrela de anis, têm aroma semelhante e também são usadas nos chás. Já foi tão valiosa que a Inglaterra vitoriana pagava impostos sobre sua importação.

Indicações: elimina gases, é laxativa e tem efeito expectorante. Em mães que estão amamentando, ajuda na produção de leite.
Efeitos colaterais: mantenha fora do alcance de crianças - pode causar convulsão.
Foto: Marcelo Spatafona




Hortelã

O nome serve para definir mais de 20 espécies do gênero Mentha. Citado até no livro As Mil e Uma Noites. Contam que Sherazade narrava suas histórias bebericando esse chá.

Indicações: reduz gases estomacais ou intestinais, regula o ciclo menstrual, combate febres. Além disso, o mentol, que é o aroma de hortelã, é absorvido pelo sistema respiratório, aliviando sintomas do resfriado.
Efeitos colaterais: pessoas com refluxo gastroesofágico devem passar longe. 
 Foto: Sergio de Divitüs



Boldo

O único que tem efeitos cientificamente comprovados é o Peumus boldus, do Chile.

Indicações: santo remédio pós-ressaca-monstro (é o que dizem), protege o fígado contra os danos causados por substâncias tóxicas e radicais livres. Ele diminui a acidez no estômago e digere as gorduras no intestino.
Efeitos colaterais: se ingerido em excesso, pode causar problemas neurológicos, já que possui uma substância que age no sistema nervoso central. Foto: Marcelo Zocchio

 Por Ricky Hiraoka/ Edição MdeMulher
  Conteúdo GLOSS

90% das pessoas que estão prestes a se tornarem diabéticas não sabem disso

Quem tem níveis de açúcar no sangue elevados, mas não a ponto de ser considerado diabético, tem a chamada pré-diabetes e, se não tomar providências, tem de 15 a 30% de chances de desenvolver diabetes tipo II.
Em estudo realizado nos Estados Unidos pelo CDC (“Centro de Controle e Prevenção de Doenças”), quase 90% dos participantes que tinham a condição sequer sabiam que tinham.

De 2005 a 2006, apenas 7% das pessoas com pré-diabetes que foram entrevistadas pelo CDC tinham consciência da sua condição. De 2009 a 2010, um estudo similar mostrou que a situação evoluiu de forma modesta: apenas 11% dos participantes (adultos com 20 anos ou mais) que tinham pré-diabetes sabiam.


Medidas como alimentação saudável, rotina de exercícios e perda de peso podem evitar que o quadro evolua para diabetes tipo II. No Brasil, estima-se que a pré-diabetes afete cerca de 12% da população.
O estudo foi publicado no relatório Morbidity and Mortality Weekly Report do CDC.[LiveScience, CDC]

Fonte: http://hypescience.com  - Por Guilherme de Souza

Vício: a doença da nossa era

A lista de compulsões não para de crescer em nossa sociedade. Os vícios mais comuns são de comida, jogos, compras, sexo, exercícios físicos, trabalho e pequenos furtos. Saiba como evitar essas dependências


Para dar a volta por cima, é necessário reconhecer o custo da dependência
Foto: Getty Images



Beber e se divertir em excesso, apostar alto, navegar na Internet, fazer sexo, comer e comprar além do necessário. A lista de compulsões não para de crescer em nossa sociedade, em que o prazer intenso e instantâneo é valorizado. Saiba como se proteger:

Sistema de recompensa

 

Passar horas no computador libera dopamina (um neurotransmissor) e ativa os mesmos circuitos cerebrais que as drogas. Esse neuro-hormônio que integra o sistema de recompensa estimula a repetição de ações vitais, como comer, fazer sexo e se abrigar do frio. O circuito media também outras relações com o prazer, como ouvir música e tomar uma taça de vinho. Certos casos acabam em dependência, segundo esta explicação: a dopamina faz com que se associe o estímulo externo (usar drogas, apostar em jogos, atacar a geladeira) a um bem-estar extremo. Predisposição genética, fatores socioculturais ou transtornos psiquiátricos podem levar à liberação do neurotransmissor em maior quantidade. Na repetição seguida do uso da substância psicoativa ou do comportamento, a ação da dopamina se esgota. A pessoa se sente mal e precisa recorrer com maior frequência ao estímulo externo para manter os níveis do neuro-hormônio no sistema.
 


Estudos confrontam a dependência química com a causada por apostas em cavalo, carteado, jogos virtuais, máquinas de bingo e caça-níqueis. Segundo o psiquiatra Hermano Tavares, coordenador do Ambulatório do Jogo do Instituto de Psiquiatria da USP, o sinal de que a atividade deixou de ser lazer para se tornar problema é jogar para recuperar o dinheiro gasto nas apostas anteriores ou para afogar as mágoas e aliviar as angústias. Essas justificativas são apresentadas, sobretudo, pelas mulheres, as principais vítimas entre os 4% da população brasileira que está envolvida com jogos.

 


Motivos semelhantes levam as mulheres a tentar resolver a solidão e o abandono por meio de compras compulsivas: 80% dos dependentes pertencem ao sexo feminino. “Abusos como estourar o cartão de crédito e adquirir supérfluos ocorrem quando estão mais deprimidas ou ansiosas”, diz Daniel Spritzer. Durante a compra, experimentam uma sensação de excitação semelhante à vivida pelos usuários de drogas. Apesar dos prejuízos financeiros e do arrependimento, elas não conseguem resistir ao novo impulso para gastar mais. Comprar uma coisinha qualquer é como o primeiro gole para o alcoólico.

 


No caso da compulsão por exercício físico, a vigorexia, os rapazes são os protagonistas. Eles exageram nos treinos para ficar sarados, ignorando as advertências de treinadores. O sexo masculino também abusa mais do corpo e da mente no quesito trabalho. Para os workaholics, o trabalho assume tamanha importância que eles não conseguem estabelecer relacionamentos de qualidade, ir ao cinema, passear, viajar.


O peso da culpa

O descontrole e a culpa são características dos comportamentos compulsivos. Loucos por comida, por exemplo, apresentam pelo menos dois episódios de assalto à geladeira por semana. “Nada escapa, nem pratos congelados. Eles comem sozinhos, rapidamente, em grande quantidade, sem sentir fome”, descreve o psiquiatra Táki Cordás, coordenador-geral do Ambulatório de Bulimia e Transtornos Alimentares do Instituto de Psiquiatria da USP. Depois, sentem-se culpados e podem adotar medidas drásticas para evitar ganho de peso, como provocar o vômito ou recorrer a laxantes e diuréticos, o que configura a bulimia nervosa.
 


O arrependimento é maior quando a compulsão se dá por ações mais condenadas socialmente, como a cleptomania (impulso para furtar objetos, geralmente de baixo valor) e a dependência de sexo (superexposição e seleção inadequada de parceiros). Esta última passa a ser a única forma de estabelecer contato humano.


Busca de ajuda

Para dar a volta por cima, é necessário reconhecer o custo da dependência (conflitos no trabalho, na família, rombos no orçamento), sem falar nas questões éticas, já que se mente para ocultar os excessos. O objetivo pode ser alcançado por meio de psicoterapia. Medicamentos são prescritos em casos severos de impulsividade; para alguns dependentes de álcool; e quando há depressão e transtornos psiquiátricos associados. A psiquiatra Maria Thereza de Aquino recomenda procurar auxílio especializado: “Ninguém se livra sozinho. É fundamental o apoio do outro para administrar o vazio interior e reconstituir a vida”.

Características comuns

Nas dependências químicas ou comportamentais ocorrem:
   
Tolerância
Com o tempo, é preciso maior exposição para obter a mesma sensação prazerosa do início. No caso da bebida, aumentar as doses; no do jogo, subir o valor das apostas ou dedicar mais tempo à atividade.



Relevância
A droga - ou a ação compulsiva - passa a ser a coisa mais importante, fonte exclusiva de prazer.



Abstinência
Ao ser privada da substância química ou abandonar o comportamento, a pessoa sente irritação, inquietação, tremores, suor frio.



Recaída
Está ligada à vontade incontrolável de usar a droga ou de repetir o comportamento após a abstinência. Mesmo depois de uma ou mais recaídas, é possível superar a dependência.



Reportagem: Cristina Nabuco - Edição: MdeMulher
Conteúdo CLAUDIA

terça-feira, 26 de março de 2013

Tratamentos caseiros para estrias

                                     Foto: Thinkstock




As estrias aparecem quando há um estiramento excessivo da pele, causando seu rompimento, mas é possível tratá-las mesmo em casa

Quem já passou por isso sabe o quanto é desagradável descobrir aquela marquinha na pele. Pode ser no bumbum, nos seios, nas pernas, na barriga e até nos braços – nossa inimiga não faz distinção de lugar para aparecer sem ter sido convidada. Embora seja um problema comum a muitas mulheres, as estrias normalmente são motivo de irritação e até mesmo preocupação para nós. Mas não se desespere, preparamos um guia completo para entender as causas, conhecer os tratamentos e ajudar a evitar essa chatice.

O que são estrias?

Estrias são consequências de um estiramento excessivo da pele. Elas são marcas causadas pelo rompimento da pele em determinada área em que tenha sido muito “esticada”.

“A estria aparece quando a pele se estica e, mesmo podendo ser esticada, há um limite. Caso a pressão seja maior do que a pele possa aguentar, ela se rompe. A estria nada mais é do que esse rompimento da pele”, explica a dermatologista Daniela Hueb.

Por que e quando aparecem as estrias?

Há diversos fatores que podem ser responsáveis pelo aparecimento de estrias. Ganhar e perder peso com frequência, por exemplo, pode causar estrias. De acordo com Daniela, isso acontece porque “com o aumento de peso, as células da epiderme não têm tempo de se duplicar na proporção que as novas células de gordura exigem”.

Do mesmo modo, durante a gravidez, elas podem aparecer devido ao aumento de peso e à inúmera quantidade de hormônios produzidos pelo organismo. Adolescentes também podem apresentar o problema, já que o corpo nem sempre tem tempo de se adaptar ao crescimento acelerado dos órgãos.

Segundo Daniela, mesmo o ganho de músculos de forma muito rápida pode causar as indesejadas estrias. Ela explica que “quando os músculos aparecem de forma muito rápida, acabam esticando demais a pele e rompendo suas fibras”. Não vale a pena, portanto, optar pelos suplementos sem orientação médica. “Se você quer aumento de músculos, o melhor é consultar a dupla treinador físico e nutricionista”, diz.

Por último, uma pele ressecada ou muito exposta aos raios solares também pode favorecer o aparecimento de estrias, já que o sol enfraquece as fibras da pele.

Como prevenir o aparecimento de estrias?

Manter a pele hidratada é a maneira mais eficaz de garantir que ela não se rompa, causando estrias. Daniela recomenda “hidratantes e óleos com propriedades hidratantes (aquelas à base de uréia, óleo de semente de uva e de amêndoas são os que mais tem poder hidratante) após o banho, porque é quando a pele absorve de forma mais fácil o produto”.

Naturalmente, uma dieta para controlar o ganho de peso também é fundamental para quem pretende diminuir o problema e, assim que notar as primeiras marquinhas, é melhor marcar uma consulta com um bom dermatologista.

Tratamentos caseiros eficazes para estrias

Atualmente há diversos tratamentos disponíveis para amenizar as marcas de estrias na pele. Laser, luz pulsada e peeling são apenas alguns exemplos do que a medicina pode fazer por você. Nenhum deles, porém, deve ser iniciado sem a orientação de um profissional, uma vez que o tratamento errado pode mesmo agravar o problema.

Em casa, há algumas atitudes que você pode tomar para diminuir esse mal. Mesmo assim, não é aconselhável iniciar nenhum tipo de tratamento antes de consultar seu médico.

1 – Tratamento caseiro para estrias com cosméticos
A combinação entre cremes hidratantes e vitaminas para a pele é bastante eficaz no combate às estrias. Após misturar os ingredientes abaixo, armazene-os em um pote limpo com tampa e mantenha-o na geladeira, utilizando a mistura todos os dias, em todas as áreas da pele afetadas pelas estrias.
1 lata de creme Nívea (aquele da latinha azul)
1 tubo de Hipoglós
1 ampola de Aerovit (vitamina A)
1 vidro de óleo de amêndoas

2 – Tratamento caseiro para estrias com máscara de azeite
Quase meia xícara de azeite
1/4 de xícara de aloe vera em gel
6 cápsulas de vitamina E
4 cápsulas de vitamina A
Bata tudo no liquidificador e mantenha a pasta na geladeira. Aplique diariamente sobre as áreas afetadas. Esse tratamento é mais indicado para as estrias que ainda estão vermelhas e, portanto, não são definitivas.

Tratamento caseiro para disfarçar estrias vermelhas e escuras

Como qualquer tratamento para estrias apresenta resultados progressivos e não imediatos, algumas pessoas podem sentir a necessidade de disfarçar as estrias enquanto aguardam que os tratamentos façam efeito.

Se esse é seu caso, você pode usar maquiagem para cobrir os sinais deixados na pele pelas estrias. Caso elas estejam avermelhadas, use um corretivo de cor verde antes do corretivo com o mesmo tom da pele. Se já forem estrias brancas, apenas o corretivo na mesma tonalidade da pele é o suficiente.

Fonte: DicasdeMulher - Por Carolina Werneck 

Marca lança calcinha que é absorvente e remédio para cólica

Os modelos prometem impedir o vazamento de fluxos indesejáveis (Foto: Divulgação)


 Calcinha, absorvente e remédio para cólicas, tudo em um "pacote" só. Este é o último lançamento da Thinx, com a intenção de "facilitar a vida das mulheres". Os criadores são os empresários Miki Agrawal, Radha Agrawal, e Antonia Dunbar.

Calcinha, absorvente e remédio para cólicas, tudo em um "pacote" só 
Os modelos prometem impedir o vazamento de fluxos indesejáveis, além de evitarem cheiros e micróbios que são problemas frequentes no período menstrual.
A calcinha também pode ser usada inúmeras vezes. Um dos modelos também inclui pequenos enchimentos aquecedores na parte que fica na barriga, responsável para aliviar as dores da cólica.

A marca investiu cerca de US$ 65 mil, o equivalente a R$ 130 mil, para criarem os modelos.

Pimenta vermelha ajuda a queimar quilinhos indesejados

Alguns especialistas dizem que as pimentas aumentam a capacidade do organismo de queimar gorduras vinte minutos após a refeição. Outros afirmam que o gosto picante nos faz comer mais lentamente, ou que o sabor enriquecido faz com que os alimentos saciem mais. Seja qual for a razão, adicionar essas pimentas picantes aos seus pratos no dia a dia parece ajudar a controlar o peso. Além disso, amenizam a indigestão e eliminam as bactérias que provocam úlcera estomacal. Mas lembre-se: o consumo exagerado pode levar ao câncer de estômago.

Nutrientes da pimenta vermelha:
Vitamina C
Betacaroteno
Ferro
Potássio
Fibras
Mais infomações sobre o poder das pimentas para sua dieta? Clique aqui.
fonte: 100 Receitas de Saúde – Alimentos Funcionais, Publifolha

Gusttavo Lima ameaça abandonar a carreira em show em São Paulo

Ele disse que “não está aguentando mais”


O sonho de muitas pessoas é ter dinheiro, sucesso  na carreira e, em alguns casos, fama. Gusttavo Lima é dessas pessoas que tem tudo isso e mais um pouco, porém, segundo declarações do cantor em um show em São Paulo, ele não está mais tão feliz de estar no mundo da música.
 
 
Gusttavo Lima ameaçou deixar a carreira, durante show realizado no Iperó Fest, no interior de São Paulo, na última sexta-feira (22). "Talvez esse seja um dos últimos shows que vou fazer na minha vida. Eu já não aguento mais, eu já não suporto mais", disse.
 
 
Porém, segundo a coluna Olá, do jornal Agora São Paulo, a assessoria do cantor afirma que Gusttavo não vai parar de cantar. Ele se apresentou em Vitória no dia seguinte e em Jundiaí, em São Paulo no domingo.
 
Atualmente, o cantor está produzindo seu novo CD com a ajuda de Zezé Di Camargo.
 
  Fuxico | Foto: Ag.News

sexta-feira, 22 de março de 2013

Saiba como reconhecer os sintomas e se proteger do AVC

O AVC, popularmente chamado de derrame, já não é mais uma doença só de idosos - hoje, também atinge muitos jovens. Para se prevenir é importante adotar hábitos saudáveis e saber identificar seus sintomas.


                                           Foto: Thinkstock


 O acidente vascular cerebral (AVC, popularmente chamado de derrame) deixou de ser uma doença só dos idosos - hoje, também atinge muitos jovens. Para combatê-la, é importante adotar hábitos saudáveis e saber identificar os sintomas. "A população jovem está no alvo da doença devido à maior exposição aos fatores de risco", explica Antonio De Salles, professor de medicina da Universidade da Califórnia (EUA) e neurologista do Hospital do Coração (SP).

Existem dois tipos de AVC: o isquêmico, que é o mais comum e corresponde a cerca de 85% dos casos, e o hemorrágico, que responde por 15% do total. "Em ambos, os neurônios da região afetada morrem, causando sequelas que vão depender da extensão da lesão e das áreas envolvidas. Podem ocorrer paralisias, perda ou dificuldade nos sentidos e problemas de memória e cognição, por exemplo. Nos casos mais severos o AVC leva à morte", diz Gisele Sampaio, neurologista do Hospital Israelita Albert Einstein (SP).


Conheça cada tipo:
 
ISQUÊMICO nesse caso, a obstrução de uma artéria, causada por um coágulo, bloqueia o fluxo de sangue que deveria irrigar determinada região do cérebro. Pode ocorrer também por causa de uma falha do coração, que deixa de bombear o sangue adequadamente e gera um fluxo insuficiente na massa cinzenta.

 
HEMORRÁGICO é decorrente de uma ruptura nos vasos sanguíneos intracranianos, que causa derramamento de sangue entre o cérebro e o crânio ou em alguma outra área. Esse tipo de derrame pode ser consequência de um aneurisma cerebral (doença que dilata as artérias), de lesões nos vasos sanguíneos e de rompimentos associados à pressão arterial elevada.

 
Como se proteger?
Mantenha uma dieta saudável e pratique exercícios regularmente. Assim o colesterol fica controlado - em níveis altos, ele se fixa nas veias e artérias, prejudicando a circulação.

Cuide da pressão arterial. Quem tem hipertensos na família deve consultar um médico com frequência. Em alguns casos, a medicação é indispensável. Em outros, reduzir a ingestão de sódio e exercitar-se é suficiente.

Não fume. O cigarro reduz a oxigenação do sangue e lesiona os vasos, facilitando a formação de coágulos.

Controle as doenças que facilitam a incidência de AVC. É o caso do diabetes e das arritmias cardíacas. A primeira eleva as chances de formação de placas nos vasos sanguíneos e a segunda, de coágulos. Uma pesquisa americana também apontou que o risco de AVC é 50% maior em mulheres que sofrem de enxaqueca com alterações na visão. A ligação entre os problemas ainda é desconhecida.

Se você tem fatores de risco, evite os contraceptivos orais. As pílulas aumentam a capacidade de coagulação do sangue e o risco de trombose, o que pode levar ao AVC. Mas, por si só, ela não representa perigo. O problema é associá-la a hábitos nocivos ou predisposições.
Use fio dental. A má higiene bucal abre espaço para que bactérias nocivas entrem no corpo e contribuam para o afunilamento das artérias.
 
Sinais de alerta
Reconhecer os sintomas do acidente vascular cerebral é essencial para minimizar os seus prejuízos. Abaixo, você confere os principais indicativos de que algo não vai bem e fica preparada para agir rapidamente:
Cegueira fugaz ou alterações na visão.

Formigamento nos membros superiores, inferiores ou no rosto.
Paralisias e dificuldades para realizar movimentos, até mesmo os mais simples, como engolir.

Dor de cabeça intensa e repentina.
Dificuldades para caminhar ou manter o equilíbrio.
Problemas para falar ou entender o que os outros dizem.

Patrícia Affonso - Edição: Mdemulher
 Conteúdo MÁXIMA