terça-feira, 30 de abril de 2013

7 maneiras incríveis de usar o mel

Além de seu uso na culinária, o mel pode ser produto de beleza e até anti-séptico natural

                                            Foto: Thinkstock



O mel é um dos produtos naturais mais benéficos para a saúde humana. Fruto do trabalho das abelhas com o pólen de diversos tipos de flor, essa substância é, em geral, usada para substituir o açúcar na alimentação, mas o mel possui muitas outras aplicações. Há quem diga que Cleópatra, a mais famosa rainha do Egito Antigo, chegava mesmo a banhar-se com mel. Lendas à parte, que tal descobrir quais são os benefícios que você pode extrair dessa delícia?

1 – Dor de garganta e tosse

Esse uso é clássico. Muitas avós recomendam o mel para tratar a tosse e as dores de garganta e, seguindo estudos feitos acerca das propriedades do produto contra esses males, alguns remédios industrializados também contam com o mel em sua composição. Tal como nesses medicamentos, o poder curativo do mel é potencializado se você combiná-lo com o suco de um limão.

2 – Ressaca alcoólica

Para quem costuma passar do limite quando o assunto é álcool, o dia seguinte poderá ser menos sofrido se você utilizar o mel para ajudar a curar os efeitos da ressaca. Isso acontece porque a frutose – um tipo de açúcar contido no mel – acelera o metabolismo do corpo, o que faz com que o organismo elimine o álcool acumulado com maior rapidez.

3 – Banho de rainha

Caso você não seja a própria Cleópatra, fica complicado realizar o sonho de mergulhar em uma banheira de mel. Porém, nem tudo está perdido – e você pode se beneficiar das propriedades do mel para a pele usando apenas um pouco do produto no banho de banheira. Você vai precisar de uma xícara de água quente, duas colheres de sopa de mel e duas gotas de óleo essencial de lavanda. Misture todos os ingredientes e, quando seu banho estiver preparado, acrescente a mistura. O resultado é um banho muito mais relaxante.

4 – Acne

O mel tem efeito bactericida e auxilia na cicatrização, de acordo com estudos realizados pela Sociedade Alemã e Romena de Apiterapia. Para usá-lo em suas espinhas, basta aplicar um pouco sobre a acne e cobrir com um curativo adesivo. Depois de 30 minutos, retire o curativo. Ele ajuda a secar as espinhas inflamadas e também pode minimizar a vermelhidão das cicatrizes deixadas pela acne.

5 – Hidratação para a pele

Para hidratar pele seca, o mel é um dos produtos naturais mais poderosos. Basta aplicar sobre a região desejada – ele tem efeitos incríveis sobre áreas naturalmente ressecadas, como os cotovelos e calcanhares – e deixar agir por cerca de 30 minutos, retirando em seguida.

6 – Reconstrução para os cabelos

Para “fechar” os fios, usar mel é uma alternativa barata e eficaz. Misture uma colher de chá do produto ao xampu de sua preferência e utilize-o normalmente. Após algum tempo de uso, você vai perceber que o aspecto dos cabelos se torna mais saudável e menos ressecado.

7 – Cicatrizante

Devido ao seu já citado efeito bactericida, o mel também pode ser usado sobre feridas, cortes, arranhões e queimaduras. Nesse caso, o produto trabalha como um anti-séptico natural, eliminando as possibilidades de infecção no local e auxiliando na cicatrização.

Fonte: DicasdeMulher- Por Carolina Werneck 

Atraso da menstruação pode ser consequência de maus hábitos

Excesso de atividade física e má alimentação interferem diretamente no ciclo


O ciclo menstrual dura de 25 a 35 dias em média para a maioria das mulheres, e tende a ser mais desregulado nos primeiros dois anos de menstruação, tempo que demora para ele se corrigir completamente. No entanto, muitas mulheres já experimentaram pequenos atrasos ou até mesmo mudanças constantes de ciclo - que nunca devem ser encaradas como normais. "A primeira suspeita para atrasos na menstruação sempre deve ser a gravidez para casos de mulheres férteis e ativas sexualmente", explica o ginecologista Luciano Pompei, da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo. Excluída essa possibilidade, existe uma série de maus hábitos - e até mesmo doenças - que podem levar ao atraso da menstruação. Confira quais são as suspeitas:



Excesso de atividade física

Praticar exercícios pesados em grande frequência pode não só atrasar a menstruação, como fazer com ela pare completamente por um determinado período. "Isso acontece porque o corpo gasta muita energia com as atividades e, assim, não entra no período fértil", diz a ginecologista Paula Marcovici de São Paulo. A prática de atividade moderada estimula o organismo a liberar endorfina - substância relacionada ao bem-estar que reduz o estresse e ajuda a regularizar a menstruação. Um treino pesado favorece o aumento da prolactina - hormônio que prepara a mulher para a amamentação, provocando falhas na menstruação. "O excesso de atividade física pode levar até à falta da menstruação (amenorreia), que ocorre em 2% a 4% da população feminina geral, mas pode acometer de 3% até 66% das atletas", explica o ginecologista Joji Ueno, do Hospital Sírio Libanês e Diretor na Clínica Gera, em São Paulo. 

 
mulher comendo muito pouco - Foto: Getty Images

Dietas muito restritivas

São dois os mecanismos que podem explicar o atraso da menstruação por conta de dietas muito restritivas, afirmam os especialistas. "Se você começa a fazer uma dieta muito restritiva para perder peso, o corpo entende que está havendo alguma dificuldade e corta funções menos vitais para se preservar, como a atividade reprodutiva, buscando os nutrientes que faltam no sangue", explica o ginecologista Luciano Pompei, da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo. Mudanças no ciclo ou mesmo a amenorreia são comuns em mulheres com anorexia nervosa, por exemplo. "As dietas muito restritivas também podem alterar o sistema responsável pelo equilíbrio hormonal reprodutivo, causando diminuição da ovulação e liberação exagerada da progesterona, inibindo a menstruação", afirma o ginecologista Joji. Os hormônios responsáveis pela ovulação são comandados pela hipófise, que por sua vez é orientada pelo hipotálamo - ambas áreas do nosso cérebro.

  
mulher estressada  - Foto: Getty Images

Estresse

Se você estiver sob um estresse muito grande, seu corpo irá inibir a sua ovulação, pois ele entende que você não está em condições de perpetuar a espécie. "Uma mulher sujeita a um estresse muito grande não irá ovular, e portanto não irá menstruar", explica o ginecologista Luciano. Alguns episódios que podem levar a falta de ovulação são acidentes de carro, mortes na família ou receber uma notícia ruim. "O simples estresse mais prolongado também pode causar alterações na ovulação, mas é mais difícil de medir e identificar, ao contrário dos eventos mais traumáticos", afirma Luciano. "Se a pessoa estiver com graves problemas emocionais, é importante que ela procure um psicólogo para ajudá-la a manter o nervosismo sob controle", afirma a ginecologista Paula.


mulher roendo as unhas - Foto: Getty Images

Ansiedade

O nervosismo causado pela espera de um evento importante ou acontecimento muito esperado também pode levar ao atraso da menstruação. "Essa ansiedade irá afetar o hipotálamo e a hipófise, que mandará mensagens de alerta para o ovário, impedindo a ovulação", diz a ginecologista e obstetra Lucia Marinaro Colon, do Hospital e Maternidade Rede D?Or São Luiz. "O estresse e a ansiedade podem causar a amenorreia hipolâmica, causada por alterações hormonais inclusive do cortisol", explica o ginecologista Joji. "A eliminação do estresse faz a atividade hormonal retornar ao normal."


mulher com excesso de peso - Foto: Getty Images

Excesso de peso

A obesidade interfere no ciclo menstrual devido a grande quantidade de gordura nos tecidos. "Os hormônios femininos são metabolizados e armazenados no tecido adiposo", diz a ginecologista Lucia. "O excesso de tecido adiposo pode interferir no funcionamento da hipófise, desregulando o ciclo", completa o ginecologista Luciano. Muitas dessas pessoas com obesidade mórbida com a presença ou não de doenças conjuntas acabam corrigindo esse problema com uma cirurgia bariátrica. 


mulher com insônia na cama - Foto: Getty Images

Sono insuficiente

Alterações abruptas do sono, como mudanças repetidas de fuso horário ou insônia, podem causar um desequilíbrio hormonal e alterar o ciclo menstrual, principalmente se a falta de sono estiver acompanhada de estresse e ansiedade. "Essa, no entanto, não é uma das causas mais comuns de alteração do ciclo menstrual, devendo ser investigada após a exclusão de outras possibilidades", declara o ginecologista Luciano.


Alerta para doenças

Se você apresenta alterações constantes no ciclo menstrual - pelo menos três ciclos - e seu teste de gravidez deu negativo, o melhor a fazer é procurar um ginecologista. Problemas na tireoide, ovários policísticos, mioma uterino e endometriose são algumas doenças relacionadas à falta de menstruação. Todas as alterações significativas do ciclo menstrual devem ser comunicadas ao ginecologista "Deve-se ter em mente que toda mulher tem que menstruar normalmente, e se isto não estiver ocorrendo, deve-se diagnosticar a causa", alerta Joji Ueno. "É importante lembrar que a menstruação pode apontar alguma doença, quando apresenta sinais de anormalidade, que vão desde o aumento, diminuição ou aparência do fluxo", completa Lucia Marinaro.  

Fonte: Minha Vida- Por Carolina Gonçalves

domingo, 28 de abril de 2013

Mensagem: A Aranha !!








Uma vez um homem estava sendo perseguido por vários malfeitores que queriam matá-lo. O homem, correndo, virou em um atalho que saía da estrada e entrava pelo meio do mato e, no desespero, elevou uma oração a Deus da seguinte maneira: 

- "Deus Todo Poderoso fazei com que dois anjos
venham do céu e tapem a entrada da trilha
para que os bandidos não me matem!!!"

Nesse momento escutou que os homens se aproximavam da trilha onde ele se escondia e viu que na entrada da trilha apareceu uma minúscula aranha. A aranha começou a tecer uma teia na entrada da trilha. O homem se pôs a fazer outra oração cada vez mais angustiado: 

- "Senhor, eu vos pedi anjos, não uma aranha."
- "Senhor, por favor, com tua mão poderosa coloca um muro forte na entrada desta trilha, para que os homens não possam entrar e me matar..."

Abriu os olhos esperando ver um muro tapando a entrada e viu apenas a aranha tecendo a teia. Estavam os malfeitores entrando na trilha, na qual ele se encontrava esperando apenas a morte. Quando passaram em frente da trilha o homem escutou: 

- "Vamos, entremos nesta trilha!"
- "Não, não está vendo que tem até teia de aranha!? Nada entrou por aqui. Continuemos procurando nas próximas trilhas..."

Fé é crer no que não se vê, é perseverar diante do impossível. Às vezes pedimos muros para estarmos seguros, mas Deus pede que tenhamos confiança n'Ele para deixar que sua glória se manifeste e faça algo como uma teia, que nos dá a mesma proteção de uma muralha.

(Desconheço a autoria) 

 Feliz semana a todos !!!

10 piores alimentos para o ser humano

Confira quais são os alimentos perigosos para a saúde humana e os motivos que os levaram a ser classificados assim


                                        Foto: Thinkstock


Manter uma alimentação que contenha elementos de todos os grupos alimentares é fundamental para ter saúde e o corpo em forma. Porém, o que não falta nos supermecados são alimentos que são tentadoramente saborosos, mas que fazem muito mal ao organismo se consumidos indiscriminadamente


 A cozinheira, mestre em ciências, PhD, consultora nutricional registrada e médica ortomolecular registrada, Michelle Schoffro, em seu livro The Vitality Diet, ainda sem versão em português, elaborou uma lista com os piores alimentos para o ser humano com o objetivo de que a conscientização das pessoas pudesse dissuadi-las a reduzir ou abolir o consumo destes. Veja a seguir quais são estes alimentos perigosos e os porquês dos males que cada um causa: 

10º lugar – Sorvete

O sorvete não contém apenas açúcar em excesso, mas também gorduras trans e os perigosos corantes e saborizantes artificiais, que são conhecidos na comunidade científica como neurotoxinas, pois estas substâncias químicas causam danos ao cérebro e ao sistema nervoso. Para fugir dos danos que o sorvete pode causar à saúde consuma-o esporadicamente, leia o rótulo do produto para selecionar um que contenha menos substâncias maléficas à saúde e dê preferência ao consumo de frozen natural de frutas. 

9º lugar – Biscoitos de farinha de milho

Os biscoitos de farinha de milho de todos os tipos e sabores, conhecidos como salgadinhos, são ruins para o corpo humano, pois são feitos com milho geneticamente modificado e fritos em óleo rançosos.
Os principais males destes biscoitos são a rápida elevação dos níveis de açúcar no sangue, que pode provocar alterações de humor e ganho de peso; e a propensão a inflamações. Substituir os salgadinhos de milho, por biscoitos assados de farinha integral é a melhor solução. 

8º lugar – Pizzas congeladas

Comer pizza semanalmente às sextas feiras é um hábito muito comum entre os brasileiros, porém deve-se cuidar para que esta seja feita com ingredientes frescos e saudáveis, pois a maioria das pizzas congeladas vêm com substâncias conservantes que fazem mal. Além disso, estas pizzas são feitas de farinhas branqueadas que ao reagir com o organismo causa desregulação do equilíbrio do açúcar no sangue. 

7º lugar – Batata frita

As batatas fritas não só são ricas em gorduras trans, como também contém uma das mais potentes substâncias cancerígenas: a acrilamida. A acrilamida é produzida quando há a reação da batata com altíssimas temperaturas. Se ainda por cima as batatas forem fritas em um óleo rançoso, o risco é aumentado pela possibilidade de desenvolver também doenças do coração e artrite. 

6º lugar – Batata Chips

Segundo o órgão governamental responsável por regular os assuntos relativos à saúde no Canada, as batatas chips, ou seja, salgadinhos de batata assados, são mais prejudiciais que a batata frita, pois seu processo de fabricação implica em submeter as batatas a altíssimas temperaturas, favorecendo a formação de grandes índices da substância cancerígena acrilamida. 

5º lugar – Bacon

De acordo com pesquisas recentes do jornal norte americano Circulation, criado pela American Heart Association, o consumo de carnes processadas, como o bacon, diariamente aumenta o risco de doenças cardíacas em 42% e diabetes em 19%. Além disso, um estudo da Universidade de Columbia descobriu que o consumo de bacon 14 vezes no mês pode causar danos nas funções do pulmão e aumentar o risco de doenças neste órgão. 

4º lugar – Cachorro-quente

Um estudo da Universidade do Hawaii revelou que o consume de cachorro quente e outros pratos feitos com embutidos aumentam em 67% o risco de câncer no pâncreas.
Um dos ingrediemtes encontrados tanto na salsicha do cachorro quente quanto no bacon, e possivelmente em outros embutidos é o nitrito de sódio, que é associado a leucemia e tumores no cérebro em crianças e ao câncer de intestino e reto. 

3º lugar – Rosquinhas açucaradas

As roquinhas açucaradas, conhecidas como donuts nos Estados Unidos, e no Brasil equivalentes a doces como carolinas glaceadas e sonhos, têm de 35% a 40% da perigosa gordura trans. Esta quantidade excessiva de gorduras trans pode causar tanto doenças no cérebro e no coração, quanto diversos tipos de câncer. 

2º lugar – Refrigerante

De acordo com pesquisas do Dr. Joseph Mercola, “Uma latinha de refigerante tem em media 10 colheres de chá de açucar, 150 calorias, de 30 a 55miligramas de cafeína e é repleta de corantes artificiais e sulfitos.”.
Esta informação por si só deveria fazer as pessoas repensar o consume de refrigerantes, mas além disto, sabe-se que o refrigerante, principalmente os de cola, são ácidos e dificilmente trabalhados pelos rins e que para o organismo equilibrar a acidez deste líquido ele utiliza de minerais alcalinos como o cálcio, o que promove o enfraquecimento dos ossos. Refrigerantes são vinculados em diversos estudos à osteoporose, obesidade, perda de dentes e doenças dos rins e coração. 

1º lugar – Refrigerante diet

Consumir refrigerantes diet é uma alternativa para quem quer reduzir o consumo de açúcar, mas esta bebida é considerada a pior dentre todos os alimentos maléficos ao organismo humano, pois contém o adoçante aspartame. 

De acordo com uma pesquisa da Lynne Melcombe, autora do livro, ainda sem versão em português, Health Hazards of White Sugar, o aspartame é causador de problemas como: ataques de ansiedade, compulsão alimentar e por açúcar, defeitos de nascimento, cegueira, tumores cerebrais, dor torácica, depressão, tonturas, epilepsia, fadiga, dores de cabeça e enxaquecas, perda auditiva, palpitações cardíacas, hiperatividade, insônia, dor nas articulações, dificuldades de aprendizagem, TPM, cãibras musculares, problemas reprodutivos, e até mesmo a morte. 


Portanto, fuja deste tipo de adoçante, pois pesquisas mostram que seu consumo exagerado tem efeitos tão severos que podem ser confundidos com doenças graves como mal de Alzheimer, síndrome de fadiga crônica, epilepsia, vírus Epstein-Barr, doença de Huntington, hipotireoidismo, doença de Lou Gehrig, doença de Lyme, doença de Ménière, esclerose múltipla e síndrome pós-pólio. 

Fonte: dicasdemulher - Por Giselle Coutinho

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Como tirar manchas do rosto

Com causas variadas, as manchas na pele incomodam e devem ser tratadas com cuidado

                                            Foto: Thinkstock


Muitas mulheres sofrem com as manchas que aparecem na pele sem um motivo específico. As manchas típicas do período de gestação, por exemplo, estão entre as mais comuns e se devem principalmente a alterações hormonais que ocorrem devido à própria gravidez. Mas elas estão longe de serem as únicas, e há diversas outras causas para o aparecimento de manchas na pele. A dermatologista Daniela Hueb explica melhor o tema e os possíveis tratamentos.

O que são manchas e por que elas aparecem?

Daniela explica que as manchas de pele são caracterizadas por uma tonalidade distinta da pele do paciente. “Manchas possuem cores diferentes do resto da pele, podendo ser mais claras ou escuras. Elas aparecem pelos mais variados motivos: sol sem proteção, cicatrizes, senis, fatores genéticos e alterações hormonais. As manchas se classificam em vários tipos, como as melanoses, melasmas, hipocrômicas, câncer de pele, nevus, entre outros. O bronzeado e as manchas são reações inflamatórias decorrentes da agressão das radiações solares”, diz a dermatologista.

3 métodos caseiros para tirar manchas do rosto

1 – A máscara de leite de magnésia e clara de ovo, por exemplo, é uma das mais difundidas. Os ingredientes são uma colher de sopa de leite de magnésia e uma clara de ovo. Misture tudo em um recipiente e, após lavar o rosto com água e sabonete neutro, aplique a máscara com um algodão, deixando agir por 20 minutos e retirando com água fria em seguida.

2 – Para manchas causadas pela acne, uma receita conhecida é bater água mineral com aveia em flocos até obter uma pasta, que deve ser aplicada no rosto até que seque completamente. Depois, remove-se a máscara com água fria.

3 – Outra receita simples é lavar o rosto diariamente com água de flores de camomila.
No entanto, Daniela não recomenda nenhuma dessas receitas caseiras, uma vez que as causas da mancha podem ser variadas. “É complicado usar métodos caseiros, uma vez que não se sabe exatamente a causa. Remédios caseiros podem piorar a mancha. o ideal é consultar seu dermatologista pra avaliar a causa de sua mancha”, explica.

Métodos profissionais para tirar mancha do rosto

Segundo Daniela, o tratamento deverá ser escolhido de acordo com a mancha em questão. “Depende muito da mancha. Existem peelings variados, químicos ou físicos, tratamentos com diversos tipos de laser e luz pulsada e também é possível eliminá-las com ácidos recomendados por seu dermatologista”, explica.

Mesmo depois de escolher o tratamento ideal, é preciso estar ciente de que alguns sacrifícios precisarão ser feitos. “O tratamento contra manchas pede empenho: você precisa esquecer o sol (praia e piscina) e usar protetor sempre que sair de casa. Alguns tipos de manchas, como melasmas, não têm cura, somente controle. O tratamento é para sempre e as visitas ao dermatologista deverão ocorrer a cada seis meses”, diz Daniela, que também recomenda manter-se afastada do sol, para que as manchas não reapareçam.

Cuidados básicos para evitar novas manchas

”O ideal é hidratar bem a pele com produtos apropriados e usar protetor solar até mesmo em dias nublados ou chuvosos, pois as nuvens não filtram os raios solares. Evite o sol das 10h às 16h, que é o período em que ele é mais problemático”, recomenda a especialista.

Cuidar da sua pele é muito importante. Não só pelo fator estético, mas também porque estas manchas podem representar um problema maior. Nunca deixe de consultar seu dermatologista periodicamente.
Fonte: DicasdeMulher- Por Carolina Werneck

Pesquisadores ligam obesidade à maior incidência de câncer de próstata

Homens muito acima do peso tem 57% mais chances de apresentar a doença



A obesidade afeta a saúde do corpo inteiro. E homens obesos, além do maior risco de doenças cardíacas, diabetes, hipertensão e outros problemas, podem adicionar um novo perigo a sua lista: o câncer de próstata. Pelo menos foi o que concluiu um estudo publicado dia 23 de abril no periódico Cancer Epidemiology, Biomarkers & Prevention.


Os estudiosos, da Columbia University Mailman School of Public Health em Nova York (Estados Unidos), acompanharam mais de 494 homens por 14 anos, selecionados após terem acabado de fazer uma biopsia da próstata com resultado benigno, ou seja, não cancerígeno. Ao longo do tempo de observação, 11% desses homens apresentaram alguma anormalidade na próstata.


Os cientistas então pesquisaram o histórico familiar de câncer de próstata nos candidatos e concluíram que a obesidade no tempo da biopsia inicial estava associada em 57% de chances de apresentar o problema durante o tempo de acompanhamento, principalmente nos casos em que o câncer apareceu cedo.


Ainda assim, não é uma certeza absoluta de causa e efeito, como os próprios pesquisadores salientam. Afinal, uma maior massa corporal pode indicar também uma área maior da próstata. Porém, o estudo indica que a obesidade deve ser um fator que requer acompanhamento médico em longo prazo, em caso de biopsias na próstata com resultados benignos.


Alimentos podem prevenir esse problema
A dieta auxilia não só na perda de peso, como também os nutrientes que você ingere podem influenciar no aparecimento do câncer de próstata. Conheça alguns dos alimentos que ajudam a evitar o aparecimento desses tumores, principalmente em que já tem uma predisposição.





Leite

O leite é uma ótima fonte de vitamina D e cálcio, substâncias que ajudam no processo de apoptose (autodestruição de células que não estão funcionando bem, característica das células cancerígenas). Além disso, essas sustâncias melhoram o funcionamento do sistema imunológico, ajudando a combater doenças. "Consumir até 500 ml de leite por dia realmente ajuda a afastar o câncer de próstata", diz o nutrólogo Roberto Navarro. 


Mas, se consumidos em excesso, o leite e seus derivados podem ter o efeito contrário, aumentando as chances desse tipo de câncer. De acordo com um estudo feito pela Universidade de Harvard, consumir mais do que meio litro de leite por dia pode aumentar em até 20% as chances de câncer de mama e de próstata. "O cálcio em excesso diminui a absorção de vitamina D no organismo, essencial no processo de proteção contra câncer de próstata", alerta o especialista.  


Alho e cebola - Foto Getty Images Alho e cebola

O consumo de alho e cebola pode diminuir em até 30% as chances de câncer de próstata, de acordo com estudo publicado pelo Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos (NCI). Compostos sulfurosos, nutrientes antioxidantes que impedem a ação dos radicais livres, assinam a boa notícia. "Meia cebola ou dois dentes de alho por dia já diminuem as chances desse tipo de câncer", diz o nutrólogo.  



Tomate- Foto Getty Images Tomate

Talvez o mais famoso amigo da próstata, o tomate é rico em licopeno, substância de alto poder antioxidante. Essa proteção pode diminuir em até 33% as chances de desenvolvimento de tumores na próstata, segundo estudo feito pela Universidade de Harvard. Mas atenção: o organismo só consegue absorver o licopeno de alimentos cozidos - o estudo americano mostrou que homens com mais de 50 anos, habituados a consumir molho de tomate ou catchup mais de 10 vezes por semana, podem diminuir em até 50% as chances da doença.



Soja - Foto Getty Images Soja

Conhecida por ser um alimento bastante versátil, a soja também desempenha um papel importante na hora de prevenir câncer de próstata. "A revisão de vários estudos indica que a genisteína, um tipo de isoflavona, aumenta a capacidade de autodestruição (apoptose) das células cancerígenas", diz o nutrólogo Roberto Navarro. 



Oleaginosas - Foto Getty images Oleaginosas

As oleaginosas, como nozes, amêndoas, avelã e amendoim, são ricas em selênio, mineral com ação antioxidante e que ajuda na renovação das células. "Duas nozes por dia, por exemplo, já suprem as quantidades diárias recomentadas de selênio", diz Roberto Navarro.Além disso, as oleaginosas contêm vitamina E, nutriente que melhora o funcionamento do sistema imunológico. 



Brócolis - Foto Getty Images Vegetais verde-escuros

Vegetais como brócolis couve flor e espinafre diminuem os casos de câncer de próstata. Isso acontece porque esses alimentos são ricos em ácido fólico, nutriente que combate o efeito dos radicais livres nas células. O estudo, publicado na revista especializada Cancer Prevention Research, dos Estados Unidos, recomenda o consumo de pelo menos um vegetal verde por dia para garantir o efeito preventivo. 



Chá verde - Foto Getty Images Chá-verde

Beber cinco xícaras de chá verde diariamente pode ajudar a diminuir em 50% o risco de desenvolvimento do câncer de próstata, segundo estudo do Centro Nacional Epidemiológico de Prevenção contra o Câncer, no Japão. O estudo avaliou cerca de 50 mil pessoas, com idades entre 40 e 69 anos para descobrir que a catequina, substância encontrada em abundância na bebida, além de inibir o crescimento das células cancerígenas, também pode reduzir a quantidade de testosterona presente no corpo ? hormônio relacionado ao desenvolvimento do tumor. 


Fonte: Minha Vida

Conheça 10 fatores que encurtam a expectativa de vida

Tabagismo, sobrepeso e problemas financeiros são pontos negativos na busca da longevidade


Todo mundo quer viver muitos anos, mas você já se questionou se está somando mais pontos contra do que a favor na busca pela longevidade? Por isso mesmo, um estudo da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, divulgado no Journal of American Medical Association (JAMA) este ano elencou uma série de fatores que podem aumentar as chances de morte nos próximos 10 anos. De acordo com os pesquisadores, quanto mais deles constarem em sua lista, maiores são as chances de ter a vida encurtada, pois cada um acrescenta pontos às estatísticas. Listamos aqui quais são eles, explicando sua relação e o que dá para fazer para prevenir esses problemas. Confira!





Idade, ela pesa

Infelizmente, essa não dá para evitar, o tempo traz mudanças implacáveis no nosso organismo. "O envelhecimento é um fato, as células envelhecem, elas são datadas a viver 120 anos no máximo. O processo de envelhecimento celular ajuda a desencadear diversos problemas, afinal as artérias e o cérebro, entre outras estruturas, também ficam mais velhos e perdem funções", ensina o cardiologista Otávio Gebara, professor da Faculdade de Medicina da USP e diretor de Cardiologia do Hospital Santa Paula.


Além disso, as deficiências que o nosso corpo vai adquirindo com a idade, como reparação dos tecidos e de combate a infecções e câncer, podem mascarar outros problemas de saúde. "Muitas doenças são diagnosticadas mais tardiamente, pois muitos sintomas são confundidos como processos relacionados ao envelhecimento e, quando a doença de base é diagnosticada, ela já se encontra mais avançada", salienta Luciano Giacaglia, endocrinologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Portanto, quanto maior a idade, mais pontos na ficha. 


Conflito entre homem e mulher - Foto: Getty Images

Os homens correm mais riscos

Esse quesito dá dois pontos aos homens, o que no caso é negativo, já que quanto mais elevada a pontuação, maiores os riscos de morte nos próximo 10 anos. Isso porque é comprovado que as mulheres vivem mais do que os homens. "Até a menopausa, elas têm o hormônio estrogênio que protege o sistema vascular", ressalta o cardiologista Otávio Gebara. Como se não bastasse, a mulher vai ao médico com mais frequência fazer check-up e relatar suas queixas, o que lhe dá a vantagem de diagnosticar doenças mais cedo.


Além disso, os homens têm algumas desvantagens em seu organismo. "Eles têm uma taxa metabólica maior que as mulheres e o desgaste das células é mais intenso, razão pela qual o homem tende a gerar mais calor, transpirar mais, ter um intestino mais acelerado, ter mais força... E quanto mais se utiliza a máquina do corpo humano, mais precoce é seu desgaste", ensina o endocrinologista Luciano Giacaglia. 



Cigarro - Foto: Getty Images

Tabagismo

Pois é, o cigarro não poderia faltar nessa lista. O tabagismo é fator de risco para doenças como infarto, derrame, câncer, entre outras. O clínico geral Eduardo Finger, imunologista e chefe do departamento de Pesquisa e Desenvolvimento do SalomãoZoppi Diagnósticos, acredita que nosso corpo tem uma reserva de energia que acumulamos até os 35 anos e depois começa a ser gasta. "Fumar cria problemas (a inflamação e divisão celular) que, para serem resolvidos, exigem um consumo de energia. Isso demanda um movimento ativo do seu corpo, que não vai sobrar depois", ensina o médico.


Tanto que os danos do cigarro para a saúde só são realmente zerados se o indivíduo parar antes dos 30 anos. "Após isso, existe sempre prejuízo em relação aos que nunca fumaram, mas é menor do que se a pessoa continuar a fumar", ensina o endocrinologista Giacaglia. Até porque, sempre fica algum dano nos pulmões ou no coração, causados pelo mau-hábito, e por mais que a genética influencie na saúde também, 80% das causas de doenças são creditadas ao estilo de vida que a pessoa cria para si mesma. Portanto, mais dois pontos para os fumantes.



Balança - Foto: Getty Images

Índice de Massa Corporal (IMC)

Ter o IMC acima de 25, ou seja, com sobrepeso, resulta em mais um ponto na estatística. E alguém pode até pensar, mas qual a diferença de alguns quilinhos a mais? "A gordura produz substâncias chamadas adipocinas, que são tóxicas. Elas aumentam as chances de se apresentar hipertensão, diabetes, problemas cardíacos e câncer, entre outros", ensina o cardiologista Gebara. Mas aqui os especialistas pedem cautela, já que o IMC nem sempre leva tanto em consideração onde está concentrada essa gordura.



Inclusive, na contramão dessa pesquisa, alguns estudos demonstram que pessoas com sobrepeso têm mostrado uma maior expectativa de vida. "Em conclusão, mais que o peso ou IMC, é o percentual de gordura corporal que reflete os riscos para a saúde. A gordura localizada, principalmente na região do abdômen, é considerada a mais nociva, pois promove um quadro inflamatório que agride nossos vasos sanguíneos, propiciando infarto e AVC. Também sobrecarrega de gordura o fígado, que em alguns casos evolui para cirrose, e o pâncreas, levando ao diabetes", ensina o endocrinologista Giacaglia. 



Diabetes - Foto: Getty Images

Diabetes

Nesse quadro há alta taxa de açúcar no sangue, já que a insulina, hormônio que leva a glicose para dentro das células, está em falta ou não funciona mais tão bem. Isso danifica o corpo todo. "O excesso de glicose eleva a parede da artéria e produz os chamados produtos avançados glicosilados, que são tóxicos e enrijecem as artérias e favorecem o aparecimento de placas de colesterol", explica o cardiologista Otávio. Isso causa danos em diversas estruturas do organismo, como o cérebro, o coração e os rins. Por isso, o diabetes aumenta um ponto na lista.


Médico e coração - Foto: Getty Images

Doenças cardiovasculares

Já as doenças cardiovasculares, que podem ser consequentes da diabetes ou não, representam a maior causa de mortes no Brasil, cerca de 800 mil pessoas ao ano. "A doença cardiovascular promove obstrução da parede dos vasos, que, quando mais severa, leva a falta de circulação e morte das células que são irrigadas por esta artéria", ensina o endocrinologista Giacaglia. Sendo assim, já ter tido alguma falência cardíaca e ter diabetes adiciona outros dois pontos negativos a lista. 


Câncer - Foto: Getty Images

Câncer

O câncer também drena energia do corpo, que poderia estar sendo enviada para outros processos metabólicos. "O tumor promove perda importante de massa muscular e óssea, ainda que determinada a cura. Além disso, libera substâncias na circulação que inibem o apetite, agravando o estado de desnutrição", ressalta o endocrinologista Giacaglia. O tratamento também é arriscado, afinal a quimio ou a radioterapia acabam afetando não só as células cancerígenas, como também as normais.



De acordo com o estudo, quem já teve câncer tem muito mais chances de reapresentar a doença. "A pessoa apresenta um defeito de uma proteína que controla as mutações genéticas na célula, a chamada P-53, que por mais que o tumor seja erradicado, o problema continua", ensina o clínico geral Eduardo Finger. Ou seja, mais dois pontos no risco de morte nos próximos 10 anos.



Falta de ar e tosse - Foto: Getty Images

Doença pulmonar

A doença crônica mais comum dos pulmões é o DPOC, que pode se apresentar como bronquite crônica, causando uma inflamação nos brônquios, ou como enfisema pulmonar, que resulta em destruição dos pulmões ao longo do tempo. Em ambos os casos, a passagem de ar para os pulmões, e consequentemente a entrega de oxigênio para o corpo, é comprometida. E isso causa ainda outros problemas, além da redução de energia que é fornecida ao corpo. "Toda inflamação crônica acarreta a liberação de substâncias denominadas citoquinas, que agridem as células, como a das paredes arteriais e dos rins. Além disso, a falta crônica de oxigênio leva à geração de radicais livres que atacam o DNA das células, acelerando assim o envelhecimento precoce", ensina Giacaglia. O DPOC adiciona mais dois pontos à lista. 


Finanças pessoas - Foto: Getty Images

Dificuldades ao lidar com as finanças

Depois de tantos problemas de saúde, parece estranho ver um fator do dia a dia nessa lista. Mas se uma pessoa que lidava bem com seu dinheiro começa a ter dificuldades nessa tarefa, ainda mais com o passar do tempo, isso só pode significar algum problema cognitivo, que tende a se agravar no futuro e até se manifestar na forma de doenças como o Alzheimer. "Esse é um sinal, uma ponta de iceberg. Ao aplicar um teste cognitivo numa dessas pessoas, percebe-se muitos outros aspectos, como falhas de memória, que a pessoa consegue disfarçar no dia a dia", ressalta Otávio Gebara.


Esses males da mente podem se relacionar de diversas formas a comprometimento da expectativa de vida. "Pessoas com distúrbios cognitivos e de comportamento estão mais sujeitas a acidentes de toda espécie. Em alguns casos elas se tornam muito dependentes dos familiares, que se não tiverem boa estrutura psicológica acabam abandonando o idoso, que fica mais sujeito a desidratação, desnutrição e piora de seu cuidado higiênico", conclui Giacaglia. Este item adiciona mais um ponto à lista.



Dificuldade de andar - Foto: Getty Images

Dificuldades de locomoção, banho e manuseio de objetos

 São itens que representam o mesmo problema para a expectativa de vida, mas são contabilizados em separado na lista. Em primeiro lugar, essas dificuldades com atividades motoras representam dependência e podem aparecer em decorrência de alguma limitação físicas ou de doenças como AVC, paralisia ou Alzheimer. "São pessoas que se tornam dependentes de outras para cuidados básicos, como alimentação, higiene, lazer, e nem sempre podem estar sendo bem atendidas", acredita Gebara. Além disso, normalmente esses problemas estão ligados a uma redução da massa muscular também. "Ela é nosso reservatório de proteínas em casos de desnutrição, por exemplo. Portanto, quem tem maior reserva muscular tem maior capacidade para enfrentar doenças que exijam mais proteínas, lembrando também que os anticorpos são proteicos, ou seja, a capacidade de se defenderem de infecções fica reduzida", assinala Giacaglia. Por isso, cada um desses três problemas acrescenta um ponto à lista.

Fonte: Minha Vida - Por Nathalie Ayres

terça-feira, 23 de abril de 2013

Escovar os dentes evita impotência



Foto: Shutterstock
 
Estudos mostram que metade dos homens na faixa etária entre 40 e 70 anos sofrem de algum grau de disfunção erétil que é classificada em leve, moderada ou severa. “O estudo MMAS realizado nos Estados Unidos mostrou uma incidência de 52%, sendo que a ocorrência aumenta com a idade e também está relacionada a fatores de risco”, diz o médico Geraldo Eduardo Faria, chefe do departamento de Sexualidade Humana da Sociedade Brasileira de Urologia.


A ereção é um fenômeno circulatório mediado por componentes psicológicos, neurológicos, hormonais e metabólicos. Assim, a impotência tem os mesmos fatores de risco das doenças circulatórias, como hipertensão arterial, diabetes, níveis elevados de colesterol e triglicérides, obesidade, sedentarismo e tabagismo. 


Gengivite e impotência
Difícil relacionar uma doença da gengiva com disfunção erétil. Ocorre que as bactérias que ficam na boca podem entrar na corrente sanguínea pela gengiva e criar placas nos vasos sanguíneos, entupindo-os. Assim, a ereção fica mais difícil. A periodontite também bloqueia uma enzima chamada eNOS, que ajuda os homens a conseguir uma ereção.


Um estudo feito pela Universidade Inonu, na Turquia, concluiu que pessoas com gengivas inflamadas são três vezes mais propensas a ter problemas de ereção. Participaram da pesquisa 80 homens com disfunção erétil, entre 30 e 40 anos, e 82 homens sem problemas de impotência. No grupo dos que tinham a disfunção, 53% apresentavam gengivas inflamadas, contra 23% no grupo de controle.

 
Beta - Terra