quarta-feira, 31 de julho de 2013

Cabelos secos: como lidar com a falta de brilho, ressecamento, frizz e outros problemas

Hidratantes, óleos essenciais e corte frequente são alguns dos recursos para tratar esse tipo de cabelo


Você confunde cabelo seco e cabelo ressecado? Eles são realmente parecidos, mas surgem por motivos diferentes. O cabelo seco é determinado por uma característica hereditária. "Eles não são sedosos e são opacos devido à produção reduzida de gordura pelas glândulas sebáceas do couro cabeludo", explica a dermatologista e tricologista Angélica Pimenta, da Sociedade Brasileira de Dermatologia. "Uma característica do cabelo seco é o fato das escamas que compõem a camada externa dos fios abrirem-se mais facilmente, deixando o cabelo mais vulnerável aos agentes externos, como poluição, vento, sol e processos químicos, como as tinturas e os permanentes". 


Já o ressecamento é um problema que pode afetar qualquer tipo de cabelo, do seco, misto, oleoso ao normal, é aquele que sofre os efeitos de agentes externos e em geral está recebendo pouca hidratação. O cabelo ressecado pode ter sido submetido a algum tipo de química ou pode estar saturado pelo uso constante de pranchas e secadores. No entanto, os dramas do cabelo seco e do ressecado são parecidas: volume fora de controle, com frizz, fios quebradiços, pouco brilho, pontas duplas e fios difíceis de pentear. Mas alguns cuidados básicos ajudam a domar as madeixas e torná-las bonitas e saudáveis. Confira a seguir. 


Hidratantes

Você pode até usar xampu e condicionador potentes, mas nem sempre isso é suficiente para ter cabelos saudáveis. Com tantas agressões externas, como sol, poluição e tratamentos químicos, a hidratação dos cabelos passou a ser fundamental na rotina de qualquer pessoa que deseje ter fios brilhantes e sedosos. Quem tem cabelo seco, deve usar e abusar das hidratações, já que a técnica ajuda a devolver aos fios secos a umidade que eles, por determinação genética, não tem. Angélica Pimenta explica que o procedimento deve ser feito com máscaras e soluções concentradas, nutritivas e umectantes. "Hoje existem produtos maravilhosos, enriquecidos com aminoácidos, ácidos graxos, proteína e queratina, o ideal é sempre usar produtos profissionais e com pH adequado".

"As hidratações podem ser feitas uma vez por semana ou a cada vinte dias, dependendo do estado dos fios", conta a cabeleireira Marília Kikuchi, técnica de beleza da Condor. Ela explica que o ideal é sempre ir a um profissional para aplicar a técnica, mas a hidratação caseira também pode ser uma excelente aliada, principalmente para quem vive na correria.

Clique aqui para saber como turbinar a hidratação dos cabelos em casa.

 
Ampolas de hidratação- foto: Getty Images

Ampolas de hidratação

A hidratação é realmente indispensável para ter cabelos lindos, mas quando falta tempo, as ampolas de hidratação, que agem em poucos minutos, podem ser uma boa solução. Elas são usadas durante o banho, substituindo o condicionador, e em cerca de três minutos a fórmula apresenta resultados parecidos com os da hidratação convencional. A dermatologista e tricologista Angélica explica que as ampolas de hidratação têm alta concentração de vitaminas e componentes hidratantes e por isso são eficientes. Elas podem ser usadas no lugar do condicionador uma vez por semana.

O tricologista Luciano Barsanti, diretor do Instituto do cabelo, de São Paulo, faz a ressalva: "quando o cabelo é muito ressecado ou possui muita química, o ideal é optar por máscaras de hidratação que ficam no cabelo por mais tempo, penetram nas camadas mais profundas do fio e são mais bem absorvidas".



Óleo de amêndoas - foto: Getty Images

Óleos essenciais

 Os óleos essenciais para os cabelos são a última aposta dos grandes fabricantes de cosmético. A promessa é de um cabelo mais nutrido e sedoso. A cabeleireira Marília Kikuchi explica que esses produtos conseguem de fato reter a umidade dos fios, ajudando na hidratação, mas que vale dar preferência aos óleos de coco e abacate, que são ricos em vitaminas e ácidos graxos, proporcionando uma maior hidratação. Além disso, os óleos essenciais também ajudam a tirar o frizz dos cabelos e disfarçam as pontas duplas.

Veja aqui como usar os óleos essenciais nos cabelos  



Corte de cabelo - foto: Getty Images

Corte mais frequente

Todo cabelo precisa de corte pelo menos a cada três meses, mas os cabelos secos provavelmente precisarão encarar as tesoura com frequência ainda maior. "O corte deve ser feito sempre que as pontas estiverem danificadas, independente do tipo, pois pontas duplas, enfraquecidas e quebradiças não podem ser recuperadas", explica Angélica Pimenta. Quem tem cabelo seco vai se deparar com o problema mais rápido, já que o cabelo seco tem maior propensão ao desenvolvimento de problemas estéticos. A cabeleireira Marília Kikuchi complementa: "pontas saudáveis otimizam a hidratação, pois permitem que os hidratantes sejam absorvido de maneira mais eficiente".


Finalizador - foto: Getty Images

Os melhores finalizadores

"Produtos à base de ceramidas, tutano de boi, queratina, jaborandi, macadâmia, vitamina A e semi di lino, são ótimas opções para o tratamento de cabelos secos", explica Marília Kikuchi. "Eles são ótimos para devolver aos cabelos secos a umidade que não existe naturalmente". Ou seja, além de melhorar o aspecto dos fios, eles tratam as madeixas. A dica da dermatologista Angélica Pimenta é utilizar produtos em sérum. "Eles hidratam, diminuem os poros e aumentam o brilho dos fios, sem deixá-los com aspecto pesado", explica.


Protetor solar para o cabelo - foto: Getty Images

Protetor solar

Seja seu cabelo oleoso, seco ou normal, você precisará de um bom protetor solar. Você pode não notar, mas ele é um dos principais agressores do fio. O tricologista Valcinir Bedin, explica que o excesso de sol destrói as proteínas do fio de cabelo, detonando a cutícula do fio. O especialista recomenda o uso de leave-in que contenha o protetor contra a luz do sol. 


Xampu e condicionador específicos

Nada de pegar o xampu e o condicionador que estiverem mais à mão no chuveiro, a dupla precisa ser específica para o seu tipo de cabelo. "Os produtos para quem tem cabelo seco devem ter componentes umectantes cuja função é hidratar, dessa forma, o uso contínuo e correto ajudará a deixar as madeixas mais macias, brilhantes e com aparência mais saudável", conta Angélica Pimenta. 

Fonte: Minha Vida- Por Manuela Pagan

Sete alimentos para combater a gordura localizada

Faça a escolha certa e acelere os resultados no seu plano para secar a barriga

As calorias de sobra que foram consumidas durante anos não dão trégua: a gordura localizada no abdômen denuncia que faltou cuidado com a dieta e que os exercícios foram deixados de lado ou praticados com menos intensidade do que seu corpo merecia. "Na maioria das vezes, este acúmulo de gordura vem da ingestão de carboidratos simples, presentes em pães, massas, doces, refrigerantes, e bebidas alcoólicas", afirma a nutróloga Tamara Mazaracki, membro da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN). 


Além do incômodo estético, a barriga costuma ser um fator de risco para a saúde cardiovascular - reduzir medidas abdominais, portanto, não significa apenas caber num manequim menor. Colesterol, hipertensão e outros problemas de saúde também são benefícios que você passa a usufruir. Se esta meta está na sua lista, alguns alimentos podem ajudar: eles aceleram a queima de gordura e combatem o ganho de peso. Fique de olho nas opções que engordam seu prato, mas deixam sua cintura na medida. 

Peixes e frutos do mar

A inflamação é um dos principais responsáveis pelo ganho de peso. Peixes e frutos do mar, por serem ricos em ômega-3, um ácido graxo essencial, ajudam a desinflamar as células de gordura, atuando no controle do problema. Além disso, esses alimentos também aceleram a transformação da glicose em energia, impedindo que ela seja estocada sob a forma de gordura. A nutróloga Tamara orienta a inclusão desses alimentos no cardápio pelo menos três vezes por semana. 

 
Óleo de coco - foto: Getty Images

Óleos funcionais

Não é a toa que os óleos funcionais são tão conhecidos quando o assunto é emagrecimento. "Os óleos funcionais atuam no metabolismo das gorduras, aumentando a quebra da dos ácidos graxos para produção de energia e, consequentemente, diminuindo as reservas de gordura", afirma a nutricionista Raquel Maranhão, da clínica BeSlim, no Rio de Janeiro. Entre os mais famosos, estão o óleo de cártamo e o óleo de coco, que agem também na aceleração do metabolismo. Mas também vale destacar o óleo das sementes de gergelim, que previne o armazenamento de gordura corporal através da inibição de fosfodiesterase, uma enzima responsável pelo acúmulo de gorduras no organismo.  


Alimentos probióticos  - foto: Getty Images

Alimentos probióticos

A nutróloga Tamara explica que existem várias hipóteses para explicar como os alimentos probióticos auxiliam o emagrecimento. "Alguns lactobacilos produzem um tipo de gordura, o CLA (ácido linoléico conjugado), que é capaz de reduzir o porcentual de gordura", explica a especialista. Além disso, esse tipo de alimento tem como função básica equilibrar a flora intestinal. Um estudo publicado em 2006 pela revista científica Nature mostrou que as bactérias presentes na flora intestinal de pessoas com obesidade é muito diferente da de pessoas com peso adequado. A descoberta sugere que a absorção inadequada de gorduras no intestino, que ocorre nas pessoas com flora comprometida, pode estar relacionada ao ganho de peso.  


Abacate - foto: Getty Images

Abacate

A bioquímica e os estudos científicos explicam: justamente pela sua alta concentração de gorduras benéficas, que promovem a saciedade por mais tempo, o abacate pode ajudar a reduzir o peso. Apesar da alta concentração de calorias, elas provêm da gordura monoinsaturada, que ajuda a reduzir o pico de insulina, hormônio que desencadeia o armazenamento das calorias extras sob a forma de gordura localizada. Além disso, o ômega-9 presente ativa outro hormônio, a adiponectina, que induz o corpo a produzir energia a partir dos depósitos de gordura, ou seja, derretendo o que sobra no abdômen. A nutricionista Renata Fidelis, do Spa Sorocaba, recomenda comer três colheres de sopa em dias alternados. "Cem gramas (cerca de três colheres de sopa) de abacate têm 182 calorias, então, quem quer emagrecer não deve abusar do alimento. Comê-lo três vezes por semana é o ideal." 

Frutas vermelhas  - foto: Getty Images

Frutas vermelhas

As frutinhas vermelho-arroxeadas (framboesa, amora, morango, cereja, jabuticaba, mirtilo, melancia e uva roxa) são poderosas aliadas no combate à gordura localizada. A nutricionista Renata explica que existem, nas cascas dessas frutas, substâncias fitoquímicas com ação antioxidante, como a antocianina, que mantém o sistema circulatório eficiente, melhorando a irrigação dos tecidos e ajudando na queima de gordura abdominal. A especialista recomenda o consumo de uma ou duas xícaras por dia, sem adição de açúcar. 


Chá verde - foto: Getty Images

Chá verde

Além de atuarem no sistema nervoso central acelerando o metabolismo e aumentando a temperatura corporal, as xantinas (cafeína, teofilina e teobromina) presentes no café, chá verde e preto, mate e chocolate aumentam a mobilização de gorduras estocadas. Os polifenóis, também presentes no chá verde, eliminam radicais livres, o que diminui a oxidação de gorduras. A nutricionista Renata orienta tomar uma xícara de chá de 30 a 40 minutos após almoço e jantar, com cuidado especial para não consumi-lo antes de dormir (o que pode atrapalhar o sono) e se você for hipertenso, porque essas substâncias aumentam a pressão arterial.  


Azeite

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Salud Carlos III, da Espanha, em parceria com a Universidade de Cambridge, da Inglaterra, aponta que a ingestão diária de azeite evita a formação de gorduras na região da cintura. O estudo foi publicado na revista Diabetes Care e afirma que as gorduras monoinsaturadas presentes do azeite previne o acúmulo de gordura na região. 


Renata Fidelis enfatiza que o azeite é um excelente alimento para prevenir doenças cardiovasculares, já que tem componentes anti-inflamatórios que atuam nos vasos, diminuindo a agregação de placas de gordura. Três colheres de sopa por dia do alimento cru (o cozimento transforma a gordura saudável em vilã) são suficientes para colher os benefícios.  

Fonte: Minha Vida - Por Manuela Pagan

segunda-feira, 29 de julho de 2013

10 alimentos que parecem saudáveis mas não são


Conheça a lista de itens que parecem saudáveis, mas que podem atrapalhar o emagrecimento e prejudicar a saúde

                                              Foto: Thinkstock


Fazer trocas inteligentes na alimentação é uma ótima maneira de perder peso de forma saudável. Mas o mundo “light” pode ter algumas armadilhas que merecem atenção na hora de fazer suas escolhas. 


É preciso observar se essas trocas estão mesmo sendo positivas para a sua dieta. Por exemplo, trocar refrigerante por suco de caixinha é mais saudável? Depende. Alguns sucos industrializados podem conter a mesma quantidade de açúcar presente nos refrigerantes, ou até mais! E as barrinhas de cereais entre as refeições? Elas nem sempre são boas opções de lanche. 


Muitos alimentos parecem bons, mas contêm diversas substâncias prejudiciais à saúde. Com o processo de industrialização, eles ganharam açúcar, sal e aditivos em excesso, e podem não ser tão saudáveis quanto você pensa. 


A nutricionista Marina Donadi elaborou uma lista com 10 alimentos que parecem saudáveis, mas nem sempre são. E ela orienta: não é preciso deixar de consumir esses itens, apenas ficar mais atenta aos rótulos. Confira: 

1. Barra de cereais

Elas são práticas e saborosas, por isso prometem ser uma ótima opção de lanche. E, de fato, há barrinhas de cereal que contêm baixas calorias, são fonte de fibras, dão energia, aumentam a sensação de saciedade e ajudam no funcionamento do intestino. Mas não é sempre assim. Algumas são compostas basicamente de chocolate, estão cheias de gordura, açúcar, calorias e não possuem fibras. A nutricionista Marina Donadi dá a dica: para escolher boas opções, fique de olho no rótulo. O primeiro ingrediente da lista é o que está presente em maior quantidade no produto, então procure marcas em que a fibra esteja no começo da lista. É importante olhar também a quantidade de gordura saturada (gordura ruim) e sódio presentes no produto. Mesmo buscando boas opções, não é recomendado comer este alimento com muita freqüência, já que contêm conservantes e grãos processados ao invés de integrais. 

2. Produtos diet

Se você apostava nos alimentos “diet” como uma boa opção para a perda de peso, se enganou! Este tipo de produto é recomendado apenas para pessoas que têm restrições alimentares, como diabéticos, que não podem ingerir açúcar. Muitas vezes, para que o alimento diet mantenha a consistência e o sabor, a falta de açúcar é compensada com gordura, o que pode torná-lo ainda mais calóricos do que a versão normal. Para quem quer emagrecer, os produtos light são mais indicados, já que têm quantidade de calorias reduzida. Ainda assim, não é bom consumir em excesso, pois costumam ser cheios de sódio e adoçantes, também nocivos à saúde. 

3. Refrigerante zero

Os refrigerantes zero, apesar de não terem calorias, contêm uma série de produtos químicos em sua fórmula que são nocivos à saúde, como corantes, acidulantes, conservantes e adoçantes, sem falar nas altas taxas de sódio, que aumentam a pressão arterial e retêm líquido. O ideal é eliminá-los de vez de sua rotina! 

4. Suco de caixinha

Muitas pessoas substituem refrigerantes por sucos de caixinha, mas eles não são tão saudáveis quanto parecem. Esses sucos, de forma geral, contêm grande quantidade de açúcar. E, mesmo as nas versões light, estão presentes em sua composição muitos aditivos químicos, como corantes, conservantes e sódio. Além disso, as propriedades encontradas nas frutas, como fibras e vitaminas, são perdidas no processo de industrialização. O ideal é mesmo fazer sucos naturais! Os de polpa também são opções melhores que os de caixinha. 

5. Chás em lata

Os chás em lata também possuem grandes quantidades de açúcar ou adoçante, assim como os refrigerantes diet. Alguns chás ainda são ricos em cafeína, substância que pode causar insônia e ansiedade. Mais uma vez, os chás preparados em casa são opções muito melhores. 

6. Sopas de saquinho

Como se pode perceber nessa lista, os grandes vilões desses alimentos são os aditivos químicos colocados no processo de industrialização. As sopas em pó possuem corantes, conservantes e principalmente muito sódio. Algumas ultrapassam o valor recomendado para o dia todo. Apesar de serem muito práticas, elas não têm fibras nem nutrientes bons. A sugestão da nutricionista, neste caso, é fazer uma sopa caseira e congelar pequenas porções. 

7. Peito de peru

O peito de peru fatiado é muito prático no preparo de lanches, portanto pode ser uma boa opção de proteína magra. No entanto, é um alimento embutido e, por isso, carregado de sódio. Algumas marcas contêm quase a quantidade diária recomendada. Ele ainda pode conter nitritos e nitratos, que são substâncias químicas cancerígenas. Por isso, é melhor optar por marcas com menos sódio e evitar o consumo freqüente deste alimento. 

8. “Falsos” pães integrais

Alguns pães “multigrãos” atraem o consumidor por parecerem saudáveis, mas nem sempre são. Muitos são preparados com grãos refinados, e não trazem os benefícios dos pães integrais. Mais uma vez, observe o rótulo e a lista de ingredientes: a farinha integral deve ser o primeiro item da lista e, portanto, o que está presente em maior quantidade. Segundo a nutricionista, os pães 100% integrais são os mais indicados. 

9. Molhos para salada

Para dar um gostinho especial à salada, nada melhor que um molho pronto. Certo? Errado! É preciso ficar de olho na hora de encher sua salada de molho industrializado, pois eles podem comprometer a dieta. A nutricionista alerta que esses molhos têm muitas calorias, além de produtos químicos e quantidade excessiva de sal. Por isso, na hora de temperar sua salada, opte por temperos caseiros, como ervas, azeite de oliva, vinagre, limão e sal (mas não em excesso). 

10. Shakes para substituir refeições

Os shakes nem sempre têm a quantidade de nutrientes equilibrada para substituir uma refeição. Além disso, uma refeição liquida traz menos saciedade, fazendo com que se coma mais “lanchinhos” fora de hora. Para Marina Donadi, o ideal é manter uma dieta equilibrada, que contenha frutas e vegetais, carnes magras e carboidratos complexos (como os integrais). Assim, é possível obter um emagrecimento muito mais saudável! 

 Fonte: Dicas de Mulher -Por Juliana Prado

Dicas para remover manchas de roupas

                                                          
                                                        Foto Divulgação


Sabe aquela roupa que você adora, mas deixou de usar por causa de uma mancha de comida?  Nessas horas sempre nos perguntamos se a peça vai voltar a ficar limpinha como era antes. Agora não há mais motivos para se preocupar. Veja as dicas da especialista Anelise Pineli Amara, do Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento da marca Omo.


Sorvete de chocolate: antes de lavar a roupa, retire o excesso de sorvete que está causando a mancha (o ideal é fazer isso enquanto o respingo ainda está escorrendo e não aderiu ao tecido) e aplique um pouco de detergente líquido no local onde ficou manchado. Lave a peça normalmente. Se possível use água na temperatura ambiente para a remoção mais fácil.


Óleo de cozinha: Se a mancha for pequena e recente você pode aplicar um pouco de talco ou amido no tecido. Assim que possível, lave normalmente na máquina.
 
Se a mancha persistir – ou no caso de manchas muito fortes – retire o excesso do talco na hora que for lavar, aplique o detergente líquido diretamente sobre a mancha e lave normalmente a peça.


Molho de Tomate: para manchas de catchup ou molho de tomate, a sugestão é, antes de tudo, tirar o excesso com um papel-toalha. Procure lavar a peça assim que possível e use água morna, que pode acelerar a remoção da mancha.


Tintas para pintura à base de água: enxágue o tecido em água morna enquanto a mancha ainda estiver fresca. Depois aplique detergente líquido nos locais onde existem os pontos de manchas e lave normalmente. Atenção: depois que a tinta seca, é muito difícil removê-la.


Manchas de frutas: o primeiro passo é absorver o excesso do caldo com um guardanapo ou lenço de papel. Apenas pressione-o sobre o local. Umedeça um pano limpo e passe na parte suja para ajudar a remover a pigmentação da fruta. Faça esse processo o quanto antes. Não deixe que o tecido seque! Manchas secas são mais resistentes e difíceis de serem removidas.

Fonte: Blog da Karlinha

Pessoas alegres correm menor risco de infarto


Pessoas descontraídas, alegres, cheias de energia e satisfeitas com a vida são significativamente menos propensas a ter um ataque cardíaco do que pessoas tristes e infelizes.

 
Segundo estudo do Johns Hopkins Hospital, nos Estados Unidos, que envolveu 1.483 pessoas saudáveis, mas que apresentaram eventos coronarianos antes dos 60 anos de idade, que foram monitoradas dos cinco aos 25 anos de idade.


Publicado no American Journal of Cardiology, o estudo mostrou que depois de uma média de 12 anos de acompanhamento, foram documentados 208 eventos coronarianos (ataques cardíacos, morte súbita cardíaca, síndrome coronariana aguda, necessidade de implantação de stents ou de cirurgia de bypass.


Os pesquisadores descobriram que o bem-estar positivo dos participantes foi associado com uma redução de um terço em eventos coronarianos, mas entre aqueles que apresentam maior risco de um evento coronário, houve uma redução de quase 50%.

Fonte: Blog de Boa Saúde - Por Natália Barbosa

Música acelera o aprendizado das crianças

Além de divertir, a musicalidade é importante para a memorização e incentiva a criatividade

A música, parte integrante das manifestações culturais de todos os povos, ajuda as pessoas a expressarem seus sentimentos e emoções e é capaz de facilitar a comunicação interpessoal até entre quem não fala o mesmo idioma. Para as crianças, a música pode ser uma grande aliada no processo de aprendizado, ajudando-as a fixar o conhecimento com mais facilidade e rapidez. A música na educação infantil é uma verdadeira fonte de diversão, descontração e estímulos sensoriais.

Segundo a educadora Norma Viscardi, profissional da rede FasTracKids, a melodia e a ordem rítmica de uma música fazem o cérebro registrar a informação de várias maneiras e em diferentes áreas, o que estimula a fixação e a memorização e incentiva a criatividade. “É por isso que cada vez mais instituições de ensino infantil apostam no uso da música como uma ferramenta educacional“, diz.

Ela explica que a música é capaz de estimular também a percepção das crianças, aumentar a capacidade de diferenciação auditiva, a criatividade, a memória, e a maneira de expressar suas emoções. “Criar ou acompanhar e curtir uma sequência de sons harmoniosos é uma das atividades mais relaxantes e prazerosas para o cérebro humano. 

Se uma informação a ser aprendida está sintonizada com a música, as habilidades de decodificação e recodificação necessárias para o aprendizado tornam-se mais rápidas e eficazes. A memória é uma das funções cerebrais mais estimuladas pela música”, afirma.


O professor de música Robson Menezes, do Colégio Itatiaia, diz que a música é uma ferramenta que pode ser utilizada em qualquer tema ou matéria, aumentando a atenção e a concentração da criança. “Acredito que ajuda tanto no lógico como no humano. Para uma criança que tem dificuldades lógicas, a música irá ajudar este aspecto, pois seu lado humano está mais ‘tranquilo’, e vice-versa. Mas pensando na maioria das crianças, a música irá ser um componente muito importante para o desenvolvimento global”, explica.

No Brasil, a utilização da música em sala de aula tornou-se obrigatório em escolas públicas e privadas desde 2008, de acordo com a lei nº 11.769. O objetivo de incentivar e acelerar o desenvolvimento das crianças. Mas na maioria das escolas essa lei ainda não é cumprida.

Fonte: Via professor José Costa

sábado, 27 de julho de 2013

Oito respostas sobre o uso de produtos para higiene íntima

Ginecologista esclarece os prós e contras no uso dos produtos para região íntima


Sabonetes líquidos, absorventes diários e lenços umedecidos para o cuidado da região íntima fazem parte da rotina de higiene de muitas mulheres. De diversas marcas, cores, fragrâncias e formatos, eles são compra certa da ala feminina, mas ainda geram dúvidas em relação à funcionalidade. Para esclarecer os prós e os contras, conversamos com o ginecologista Paulo César Giraldo, da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo). 


Posso lavar a região íntima só com água?

Não. A lavagem simples com água não garante que a região íntima seja devidamente higienizada. A água remove apenas cerca de 60% das impurezas acumuladas na região. Lavar a região com água apenas não garante, portanto, a remoção de partículas sólidas e, menos ainda, a remoção de gorduras. No entanto, o médico ressalta que em casos, raros, de mulheres que sofrem de hipersensibilidade na região íntima, somente água é aconselhado.  



Sabonete íntimo - Getty Images Os sabonetes íntimos alteram o pH da região vaginal?

Muito pelo contrário. Os sabonetes líquidos íntimos são produtos a base de ácido láctico, que é um componente natural da pele. Como o pH da região externa vaginal é entre 5 e 5,5, esses sabonetes específicos têm o atributo de mantê-lo o mais próximo do ideal para o desenvolvimento e manutenção das células da pele. O pH da pele é afetado por muitos fatores, como, por exemplo, a transpiração, falta de ventilação e predisposição genética. O uso desses sabonetes específicos são importantes para que o pH seja devidamente controlado e a região permaneça higienizada e protegida por mais tempo. 



Sabonetes comuns - Getty Images Os sabonetes comuns ou neutros são eficazes para a limpeza da região íntima?

A composição dos sabonetes em barra tem pH muito alcalino e, por isso, podem remover a acidez natural da região da genitália feminina, causando ressecamento e irritações. Os sabonetes neutros também não são indicados, pois são mais alcalinos ainda, já que possuem pH 7. Na falta de sabonetes íntimos, o especialista recomenda o uso de produtos fisiológicos, leves e sem perfume.  



Período menstrual - Getty Images Deve-se interromper o uso dos sabonetes íntimos no período menstrual?

Não. No período menstrual a higiene precisa ser até mais frequente em razão da quantidade de resíduos e secreções que se acumulam na região íntima. O mais indicado é que as genitálias sejam higienizadas, em média 3 vezes por dia em dias de calor e 1 vez por dia em dias de frio, em que os banhos são menos frequentes. 



Uso do sabonete íntimo - Getty Images Como deve ser a aplicação correta desses produtos?

O ideal é que a aplicação dos sabonetes de higiene íntima seja feita apenas na região externa da genitália, não sendo recomendado o uso dos produtos para fazer duchas vaginais ou tratar de infecções ou inflamações da região. 



Absorventes diários - Getty Images O uso de absorventes diários é recomendado?

Não há necessidade de usar absorventes diários. O ideal é que se use somente a calcinha, que não dever ser apertada ou de tecidos sintéticos para facilitar a ventilação da região e a livre circulação sanguínea. No entanto, mulheres que se sentem inseguras por ter algum tipo de problema, como corrimento vaginal, ou que estão próximas do período menstrual encontram nesses produtos uma opção para evitar constrangimentos. Nesses casos os absorventes diários devem ser porosos, ou seja, não abafam a região, favorecendo a umidade, calor e a proliferação de micro-organismos causadores de infecções. 



Lenços umedecidos - Getty Images Em quais ocasiões os lenços umedecidos devem ser usados?

Os lenços umedecidos são ótimos para se carregar na bolsa e usados ao longo do dia e em situações de emergência, como viagens. São muito eficientes para a higiene em momentos em que não se pode ter acesso à lavagem adequada. O uso de lenços umedecidos, desde que eles sejam específicos para a região íntima, é preferível em relação ao papel higiênico, pois o papel pode se desfazer no momento do uso, deixando resíduos na região. 



Crianças podem fazer uso desses produtos?

É importante perceber que o uso de produtos de higiene íntima são uma necessidade e não um tratamento. As crianças também precisam que a área genital seja devidamente higienizadas, por isso não há restrições. No entanto, o pH infantil é um pouco mais baixo do que o de mulheres adultas e, por isso, é importante que se procure produtos infantis, em que a concentração e a diluição sejam menores. 

Fonte: Minha Vida - Por Andressa Basilio

sexta-feira, 26 de julho de 2013

6 alimentos saudáveis que podem causar acne

Conheça os ingredientes que provocam sensibilidade e podem ser prejudiciais à saúde da sua pele


                                            Foto: Thinkstock


Que alimentos como frituras, açúcar e álcool fazem mal e prejudicam a pele, isso você está cansada de saber. O que pode parecer surpreendente é que alguns itens considerados saudáveis também podem ser a causa do aparecimento da indesejada acne. 


Se você segue uma dieta saudável, talvez os alimentos listados abaixo façam parte da sua rotina. São itens que, apesar de contarem com bons nutrientes e terem benefícios à saúde, se consumidos em excesso podem prejudicar a saúde da sua pele. 


Isso não quer dizer que você precisa eliminá-los de vez da sua alimentação, apenas é preciso ficar atenta e adicioná-los à dieta de forma moderada.
Conheça abaixo os 6 alimentos aparentemente saudáveis que você nem imagina que podem ser a causa das suas espinhas! 


1. Iogurte grego

Quem não gosta de iogurte grego? Além de ser delicioso, ele é rico em proteínas, cálcio, potássio, magnésio, vitamina B6 e vitamina B12. É, portanto, um alimento muito saudável. O problema é que ele também é fonte de leite. Quaisquer laticínios, não importa o quão saudável sejam, podem causar acnes, já que estão ligados aos hormônios do corpo e são ricos em estrogênio. Para algumas pessoas eles não fazem mal algum, mas, se você sofre com acne, faça o teste e reduza o consumo. 


2. Algas

Algas, assim como outros vegetais do mar, são uma rica fonte de iodo. O iodo é importante para o bom funcionamento da tireoide, e as algas também podem ser um ótimo alimento para quem tem pele clara. No entanto, quando uma fonte rica em iodo é consumida em excesso, pode piorar o problema de acne. Não há mal em consumir este alimento, apenas evite comer com frequência. 


3. Camarão

Os frutos do mar estão entre os alimentos que mais causam alergia, mas muitas pessoas não percebem que são sensíveis a eles. Caso você seja uma delas, alimentos como camarão, caranguejo e outros frutos do mar podem causar acne. Além disso, eles também são fonte de iodo. Ao contrário desses alimentos, os peixes ricos em Ômega 3, como salmão, truta e linguado, ajudam a melhorar os problemas de pele, portanto são mais recomendados. 


4. Pão integral

Este é um alimento sempre presente no dia a dia de quem segue uma boa alimentação. Mas, se as espinhas estão teimando em aparecer, considere que ele pode ser a causa. Isso porque pães integrais são fonte de glúten, um ingrediente que causa sensibilidade em muitas pessoas, e a acne pode ser um sinal de intolerância a ele. Quando as toxinas não conseguem ser excretadas do corpo através dos intestinos, elas vão para a corrente sanguínea e procuram um jeito de sair, que pode ser através da pele. E, mesmo que você não tenha intolerância, o glúten, ao longo do tempo, pode causar problemas na pele e má digestão. Pode, ainda, causar dores no estômago e inchaço, ambos também sinais de intolerância. Se você costuma comer e não vê efeitos colaterais, então não precisa se preocupar. Mas, se está notando muitas espinhas, experimente substituí-lo por um pão sem glúten. 


5. Morangos

Eles são deliciosos, e podem ser muito saudáveis. Mas essas frutas são uma das melhores fontes de vitamina C, que, apesar de prevenir rugas, pode ser a causa do problema com acne. Frutas ácidas, como o morango ou o tomate, podem desenvolver problemas na pele, assim como comprimidos de vitamina C. Fique de olho! 


6. Pasta de amendoim

A pasta de amendoim é deliciosa, mas também pode provocar espinhas. Isso acontece por várias razões. Para alguns, os óleos e gorduras naturais do amendoim podem obstruir os poros. Para outros, pode ser por conta das substâncias do amendoim, que causam alergias em muitas pessoas e promovem inflamação em indivíduos sensíveis a elas. Seja qual for o motivo, mais uma vez isso não significa que você deve cortar de vez este alimento, apenas reduza o consumo. Você também pode procurar alternativas, como manteigas feitas à base de semente de girassol, que contêm vitamina E, mais fibras e menos gordura saturada do que a manteiga de amendoim. 


Agora que você leu essas dicas, já sabe: o importante é manter o equilíbrio. Ninguém melhor do que você mesma para observar o que tem comido e descobrir o que pode estar causando as incômodas espinhas. Boa sorte! 


Fonte: DicasdeMulher - Por Juliana Prado

11 razões surpreendentes para você beber mais água

Beber uma boa quantidade de água por dia ajuda a diminuir dores e até a aliviar o estresse


                                             
                                          Foto: Thinkstock


Água é sinônimo de saúde. Isso todos nós devemos saber! Mas será que tomar oito copos por dia é realmente o suficiente?


Abaixo você confere 11 boas razões para beber mais água do que está acostumada. Afinal, este líquido é extremamente importante na sua vida. E após ler esta matéria, você não terá mais dúvidas sobre isso!


1. Seu sangue precisa de água. Seu sangue é composto em mais de 80% por água, e precisa ainda de mais água para fazer novas células sanguíneas saudáveis.


2. Seus ossos precisam de água. Seus ossos também são compostos em mais de 50% por água e precisam de água para produzir novas células ósseas saudáveis.

3. Ajuda a diminuir dores. Beber bastante água ajuda a diminuir a dor em seu corpo, já que mantém seu sistema linfático funcionando corretamente.


4. Ajuda a eliminar resíduos e toxinas. A água ajuda a eliminar resíduos e toxinas do seu corpo através do sistema linfático, rins e intestinos.


5. Ajuda a reduzir dores articulares. Água lubrifica as articulações e ajuda a reduzir a dor articular e proteger contra o desgaste.


6. Ajuda a perder peso. A água regula o metabolismo. Por isso é tão essencial na dieta de quem busca emagrecer.


7. Equilibra a temperatura no organismo. Não importa se está morna ou gelada, o ato de beber água vai mantê-la quente num dia frio e refrescá-la num dia quente.


8. Ajuda no bom funcionamento do cérebro. A água ajuda a garantir o funcionamento elétrico adequado do seu cérebro e as funções do sistema nervoso.


9. Alivia a desidratação. A água alivia a desidratação. E, por mais incrível que pareça – em tempos em que se fala muito da importância de consumir água -, pesquisadores estimam que metade da população do mundo esteja cronicamente desidratada. Nos Estados Unidos, o nível de desidratação é ainda maior, chegando a 75%.


10. Faz nosso corpo funcionar corretamente. Cada célula e órgão do seu corpo necessita de bastante água para funcionar corretamente.


11. Alivia o estresse. Beber uma boa quantidade de água ao longo de um dia de estresse alivia sintomas como dores de cabeça, tensão muscular, pensamentos confusos, ritmo cardíaco acelerado e falta de energia. Afinal, o estresse mexe com todos os nossos sistemas corporais básicos e quando estamos desidratados os efeitos são amplificados.


A lista de razões mostrando que você precisa de água é tão extensa como as funções do seu corpo. Mas com essas dicas já é possível notar que uma das maneiras mais rápidas e fáceis de melhorar sua saúde e o seu bem-estar é beber mais água todos os dias! Então, comece hoje mesmo!

 
Fonte: DicasdeMulher -Por Tais Romanelli

terça-feira, 23 de julho de 2013

Beber água pode ajudar o cérebro?

Um novo estudo sugere que beber água pode ajudar a melhorar o desempenho mental, pelo menos em certos tipos de testes.

Na pesquisa, participantes que consumiram cerca de três xícaras de água (775 mililitros) antes de fazer uma bateria de testes cognitivos tiveram melhor desempenho em uma avaliação que mediu o tempo de reação das pessoas, em comparação com aqueles que não beberam água. Nos demais testes, nenhuma diferença foi vista.

A pesquisa

34 adultos foram convidados a abster-se de comida ou bebida a partir das 21:00, e ir a um laboratório no dia seguinte para fazer alguns testes. Os participantes visitaram o laboratório duas vezes: em uma ocasião, os cientistas ofereceram-lhes uma barra de cereal e água, e em outro dia, apenas uma barra de cereais.

Para o teste de reação, os participantes tinham que pressionar um botão assim que viam um objeto na tela do computador. Os tempos de reação dos que tinham bebido água foram 14% mais rápidos do que do grupo sem água.

O consumo de água não afetou significativamente o desempenho em outros testes de cognição, como memória de palavras.

Ajuda ou não ajuda?

Os pesquisadores especulam que a sensação de sede pode tirar um pouco da atenção do trabalho em mãos, e, assim, prejudicar o tempo de resposta das pessoas.

Os resultados sugerem que matar a sede “libera recursos de atenção” para que as pessoas se saiam melhor em tarefas que exigem concentração.

No entanto, o consumo de água nem sempre pode melhorar a cognição. Em um teste em separado de aprendizagem de regras, os participantes se saíram melhor quando não tinham bebido água antes.

Pesquisas futuras devem tentar explicar por que a água potável parece ter efeitos benéficos em alguns casos, mas negativos em outros.

“Pode ser que os processos fisiológicos [de beber ou não beber água] afetam o desempenho em tarefas diferentes de formas diferentes”, disse a pesquisadora Caroline Edmonds, da Universidade de East London, na Inglaterra. “Sede pode levar a um melhor desempenho em algumas tarefas porque o hormônio vasopressina, que ativa a resposta de sede, também tem sido associado à atenção e excitação”.

Estudos anteriores em adultos sugerem que a desidratação pode diminuir o desempenho mental, e estudos em crianças têm sugerido que o consumo de água pode melhorar a memória.

Mais pesquisas são necessárias para esclarecer esses links. [LiveScience]

Fonte: http://hypescience.com -por Natasha Romanzoti