segunda-feira, 31 de março de 2014

10 coisas sobre a saúde dos olhos

Conhecidos como “janelas da alma”, os olhos podem dizer muito mais sobre nossa saúde. Entenda mais sobre a visão


Texto: Letícia Maciel/ Foto: Shutterstock

Proteja os olhos usando óculos escuros e vá ao oftalmologista periodicamente 
Foto: Shutterstock 


01) Os "centros visuais" do cérebro estão realmente localizados na parte inferior traseira da cabeça? 

Oftalmologista Virgílio Centurion – Sim. É por isso que se uma pessoa cai e bate com força a parte de trás da cabeça é possível que ela fique cega temporariamente. A inervação visual começa na parte posterior do olho e, por meio de uma série de ligações, retransmite as imagens visuais para o córtex occipital na parte de trás da cabeça. 

2-Quem tem duas íris de cores diferentes, apresenta heterocromia iridis. O que é exatamente isso? 

Oftalmologista Sandra Alice Falvo – A heterocromia iridis é uma condição hereditária, o que significa que ocorre nos membros de uma mesma família. No entanto, se a pessoa cresceu com os olhos com as mesmas cores, mas depois percebeu, mais tarde, que um olho mudou de cor, esse pode ser um sinal de uma doença e que essa pessoa deve procurar um oftalmologista. É preciso lembrar que os bebês nascem com olhos de cores diferentes, mesmo não tendo nascido em famílias onde a heterocromia iridis é conhecida, mas mesmo nesses casos, o bebê também deve ser examinado para saber se a diferença na cor dos olhos é um sinal de doença. 
 

3-O globo ocular é capaz de se curar, depois de algum um tempo, de qualquer pancada, por mais forte que seja? É sempre necessário procurar um oftalmologista após um incidente como este?

Oftalmologista Meibal Junqueira – Algumas escoriações no globo ocular são curadas dentro de 24-48 horas. No entanto, a dor insuportável quando o olho é atingido tem uma função importante, evitar que a pessoa fique cega. Se alguém leva um arranhão no olho, por exemplo, esse arranhão infecciona, fazendo com que a pessoa tenha algum prejuízo na sua visão, o que a leva a consultar um oftalmologista, que prescreverá um antibiótico para combater a infecção. 


4-É possível ter uma queimadura ocular provocada pelo sol? 

Oftalmologista Eduardo de Lucca – Sim. É por isso que é tão importante usar óculos de sol que protejam efetivamente os olhos contra os raios UVA e UVB. A queimadura solar no olho não é a mesma coisa que uma queimadura solar na pele, onde os efeitos são imediatos: dor, vermelhidão e descamação. Quando ocorre a queimadura no olho, ela é decorrente de um período prolongado e gradual de exposição ao sol, que acabará por levar ao espessamento do tecido dentro do olho, o que pode exigir uma cirurgia ocular. 

5-É verdade que o comprimento do olho ajuda a determinar que tipo de problema de visão cada um tem? 

Sandra Falvo – Além do cristalino e da córnea, o comprimento do globo ocular tem relação com o fato de alguém ter miopia ou hipermetropia. As pessoas que são míopes têm um olho maior que o normal, enquanto as pessoas que são hipermétropes têm um globo ocular mais curto  que o normal. Basta uma mudança de milímetros de comprimento do olho para alterar a prescrição de lentes corretivas. 

6-Os olhos se tornam maiores à medida que crescemos? 

Meibal Junqueira – Quando o ser humano nasce, os olhos apresentam 16 milímetros de comprimento. Mas aos três anos de idade, eles já têm 23 milímetros. Os olhos vão alcançar seu tamanho máximo quando a pessoa atingir a puberdade, algo em torno de 24 milímetros.

7-Algumas pessoas têm olhos mais claros e as outras pessoas têm os olhos mais escuros graças a células chamadas melanócitos. Como explicamos essa diferenciação? 

Eduardo de Lucca – Os melanócitos, as células que produzem a cor da pele também são responsáveis pela produção da coloração da íris. Algumas pessoas têm mais melanócitos, o que significa que os olhos são mais escuros. O número de melanócitos que uma pessoa tem é codificado em sua genética.

8-Todo mundo nasce com os olhos pelo menos um pouco mais claros do que o que são agora? 

Sandra Falvo – Nós não nascemos com qualquer pigmentação especial, como sardas ou manchas, o mesmo conceito se aplica aos olhos. Isso significa que a pigmentação da íris não está totalmente desenvolvida ao nascer. Essa pigmentação ocorre no primeiro ano de vida, portanto, todos temos os olhos mais escuros do que quando éramos recém-nascidos. 

9-Olhar diretamente para o sol pode me deixar cego? 

Meibal Junqueira – Lembra quando você era criança e usou os raios do sol para queimar um pedaço de papel com uma lupa? O mesmo processo pode acontecer com seus olhos se você olhar diretamente para o sol. Isso porque a lente nos olhos focaliza os raios do sol sobre a retina, a gravação de um ponto na retina causa perda de visão permanente. O termo médico para isto é retinopatia solar. Em outras palavras: nunca faça isso! 

10- Nem todas as moscas volantes são iguais... 

Eduardo de Lucca –  É verdade.  Moscas volantes no olho de uma pessoa nem sempre significam a mesma coisa que no olho de outrem. Para pessoas com mais de 55 anos de idade, por exemplo, moscas volantes são frequentemente causadas por descolamento do vítreo posterior, que é quando a retina e a membrana vítrea se separam. Mas moscas volantes também podem ser pigmentos, sangue ou inflamação na visão. Se você tem esse sintoma ocular, o melhor a fazer é procurar um oftalmologista para descobrir a causa real do problema.

Fonte: Revista Viva Saúde

Sete passos para deixar os seios mais bonitos sem precisar de silicone

Protetor solar e sutiã adequado são recomendações de especialistas


O efeito da gravidade, a genética, a exposição ao sol ou mesmo a idade são alguns dos fatores que podem interferir diretamente na estética dos seios. No entanto, é possível mantê-los firmes e bonitos mesmo com todos esses fatores pesando contra - basta adotar alguns cuidados simples e diários. Conversamos com especialistas que nos deram uma lista de hábitos que ajudam a evitar estrias, rugas e flacidez na área do colo:

Use protetor solar

"A radiação ultravioleta acelera o processo de degeneração das fibras colágenas da pele, podendo deixar os seios flácidos", alerta a dermatologista Juliana Andrade, de São Paulo. Além disso, a exposição ao sol sem protetor solar pode favorecer o aparecimento de manchas e rugas na região. "O ideal é evitar exposições muito longas e em horário de sol forte (das 10h às 16h), além de passar protetor solar diariamente nas partes expostas do corpo, incluindo o colo", completa a dermatologista Marcia Linhares, do Rio de Janeiro. O protetor solar para o colo pode ser o mesmo usado no rosto.  


mulher passando hidratante nos seios - Foto Getty Images

Mantenha a área hidratada

De acordo com as especialistas, a pele dos seios é naturalmente mais fina, e como tal deve receber os cuidados com cremes ou óleos hidratantes. "Procure na fórmula ingredientes hidratantes como ureia, vitamina E, ácido glicólico e ácido retinoico, todos componentes que ajudam na prevenção de estrias e protegem contra os danos do fotoenvelhecimento", diz o dermatologista Murilo Drummond, do Instituto de Pós-graduação Médica Carlos Chagas. Para as mulheres que tem a pele mais ressecada o ideal é optar pelos óleos, que protegem contra a perda de água, ou então produtos específicos para a área dos seios, que podem ser manipulados em laboratório com indicação de um especialista. Aplique o hidratante em movimento circulares, fazendo uma massagem - isso ajudará a manter sua forma e evitar a flacidez.  


sutiãs no varal - Foto: Getty Images

Escolha o sutiã adequado

Para escolher o sutiã adequado ao seu tipo de corpo e tamanho dos seios, é preciso ter em mente duas palavras: sustentação e conforto. Observe os tamanhos e certifique-se de que ele se encaixa tanto nos seios quanto nas costas - algumas marcas possuem, inclusive, tamanhos diferentes para as duas áreas, facilitando a compra para mulheres que tem costas largas e seios pequenos ou vice-versa. "Fique atenta aos aros metálicos de sustentação ou evite usá-los, pois eles podem romper a costura da peça e machucar a pele", diz a dermatologista Marcia. Dê preferência a modelos que possuem a faixa no tórax mais reforçada, pois é ela quem dá sustentação. "Procure evitar fechos, enfeites e bordados que traumatizem a pele", completa o dermatologista Murilo. 


mulher pisando em uma balança - Foto: Getty Images

Controle seu peso

Perder muito peso ou emagrecer e engordar a toda hora - o famoso "efeito sanfona" - pode prejudicar a elasticidade da pele. "Com isso, a pele não retrai mais e fica fina, frouxa e distendida, levando à flacidez", esclarece o cirurgião plástico Romeu Frisina Filho, de São Paulo. Além disso, o estiramento muito rápido da pele, resultado do ganho de peso, pode causar as temidas estrias. "Em alguns casos, as estrias podem surgir na adolescência, quando os seios começam a crescer, podendo ser evitadas no período ou então amenizadas com tratamentos estéticos", completa. 


mulher dormindo - Foto: Getty Images

Repense sua posição para dormir

Na hora de dormir, usar ou não sutiã é opcional, já que os seios não sofrem tanto com a ação da gravidade. No entanto, mulheres que dormem de lado estão mais sujeitas a terem rugas na região do colo, entre os seios. Segundo a dermatologista Marcia, as linhas que marcam durante a noite tendem a sumir ao longo do dia - mas se o processo se repetir diariamente, pode favorecer a formação dos vincos. Para evitar esse problema, o ideal é dormir com a barriga para cima. Caso não seja possível por costume ou mesmo orientação médica, existem no mercado sutiãs com uma manta acolchoada entre os seios, feitos justamente para evitar rugas na região.  


mulher fazendo musculação - Foto: Getty Images

Pratique exercícios

O educador físico Ivaldo Larentis, de São Paulo, explica que não são exatamente os seios que enrijecem com a prática de exercícios, mas os músculos que ficam em volta deles. "Os seios são glândulas de gordura e não existe um jeito de firmar a gordura do corpo, mas é possível trabalhar a musculatura peitoral, mantendo a pele firme", diz. Ele recomenda séries de supino reto, supino inclinado e voador inclinado, bem como puxada dorsal e remada alta para melhorar a postura. Para todos os casos, peça ajuda do seu instrutor. "É importante se lembrar de usar tops bem justos ao praticar esportes, principalmente aeróbicos, evitando que o balanço dos seios favoreça a flacidez", diz Romeu Frisina. 


Não fume

Uma pesquisa feita pela Universidade de Kentucky, nos EUA, afirma que existem substâncias do tabaco que quebram a proteína elastina, que é responsável por deixar a pele firme e saudável. "Tanto o tabagismo como o álcool são prejudiciais, pois alteram a circulação sanguínea e os níveis de oxigênio que chega aos tecidos, o que faz com que o metabolismo das glândulas e da pele da mama fique prejudicado", conta Romeu Frisina. Além disso, o tabaco favorece o aparecimento de rugas e manchas, podendo afetar a região.  

Fonte: Minha Vida - Por Carolina Serpejante

sexta-feira, 28 de março de 2014

Corrimento amarelado: conheça as causas e tratamentos

Alterações na cor ou cheiro da secreção vaginal podem indicar infecções. Fique de olho!


                                         Foto: Thinkstock


Corrimento vaginal é um problema que incomoda muitas mulheres. Trata-se do nome popular para o aumento da secreção vaginal, que pode ou não ser o indício de um problema ginecológico. 


Primeiro, é preciso ter em mente que nem todo fluxo vaginal implica em uma doença. A secreção fisiológica é normal e pode variar de acordo com as influências hormonais, período do ciclo menstrual, orgânicas e até psicológicas. As glândulas do colo do útero produzem um muco transparente, fluido e sem cheiro, e estas secreções podem se tornar brancas ou amareladas em contato com o ar. 


Mas, se você percebeu alguma alteração na cor da secreção normal, este pode ser o indício de um problema ginecológico. Quando algum fator está em desequilíbrio, é comum ocorrerem processos inflamatórios, e o corrimento indica que há um processo infeccioso no local. 


Em geral, o corrimento vaginal amarelado aparece associado a outros sintomas, como coceira, ardor e sensação de desconforto. Se você perceber alguma alteração ou a presença destes sintomas, é importante procurar ajuda médica. 

Causas do corrimento

A Dra. Alessandra Bedin, do Hospital Albert Einstein explica que, se o corrimento for fisiológico (no período pré-menstrual, gravidez, clima quente), a secreção nada mais é do que uma defesa natural do organismo, por isso não precisa de tratamento. 


Há ainda a possibilidade de um trauma local (após a relação sexual, por exemplo). Neste caso, a necessidade de tratamento varia de acordo com o caso. Como cada situação é particular, é imprescindível consultar um médico ginecologista sempre que perceber qualquer alteração, seja na cor, cheiro ou fluxo de secreção vaginal. 


Se o problema for realmente patológico, várias podem ser as causas: transmissão através da relação sexual, baixa imunidade, roupas apertadas e falta de ventilação no local, entre outros fatores. 


Problemas mais comuns

No caso do corrimento amarelado, entre os problemas mais comuns estão a vaginose bacteriana. Trata-se de um desequilíbrio na flora vaginal normal, com diminuição na concentração de lactobacilos e predomínio de uma espécie de bactéria sobre as outras. O problema nem sempre apresenta sintomas, mas em geral é caracterizado por corrimento vaginal amarelado, branco ou cinza com odor desagradável, ardência ao urinar e coceira. Não se trata de uma infecção de transmissão sexual, mas pode ser desencadeada após a relação em mulheres predispostas. 


Outra causa bastante comum do corrimento amarelado é a Tricomoníase, uma infecção causada por um protozoário que tem o ser humano como único hospedeiro. Nos homens, o problema costuma ser assintomático, enquanto nas mulheres geralmente causa corrimento abundante amarelo ou amarelo-esverdeado, com odor desagradável. São comuns também sintomas inflamatórios na vagina, como vermelhidão e ardência. Sua transmissão acontece através da relação sexual desprotegida. 


Por fim, a candidíase vulvovaginal é outro problema bastante comum que pode apresentar corrimento amarelado ou esbranquiçado. A doença é uma infecção genital causada pelo aumento de um fungo que faz parte da flora normal da região íntima feminina. Os sintomas geralmente aparecem quando a imunidade baixa e, além do corrimento, entre os sintomas estão o coceira intensa, ardência e irritação dos órgãos genitais. 

Como evitar o problema

A Dra. Alessandra dá algumas dicas de como evitar o problema: 

  • Evite roupas muito justas e grossas no calor.
  • Dê preferência às calcinhas de algodão em vez das de tecido sintético.
  • Durma sem calcinha.
  • Evite usar muito sabonete no local.
  • Não faça duchas vaginais.
  • E o mais importante: sempre use camisinha. 

Tratamento

Se, mesmo com as medidas preventivas o corrimento amarelado aparecer, consulte seu médico. Como o problema pode surgir por diferentes motivos, é impossível precisar o tratamento adequado sem um diagnóstico médico.
Entre as formas mais comuns de tratamento estão medicações orais, cremes e pomadas antifúngicos e antibióticos. As doses e remédios são específicos para cada tipo de problema.

Fonte: DicasdeMulher - Por Juliana Prado

Desequilíbrio de bactérias intestinais pode causar diarreia e inflamações

Do G1, em São Paulo


A saúde intestinal depende de vários fatores, como manter uma alimentação adequada, uma ingestão suficiente de água, uma boa higiene corporal (nem demais, nem de menos) e também evitar o uso de antibióticos – que devem ser tomados apenas com prescrição e acompanhamento médicos.
 
 
Segundo o cirurgião do aparelho digestivo Fábio Atui e o nutrólogo Antonio Lancha Jr., para ter um intestino funcionando bem é indicado consumir alimentos chamados "prebióticos", que servem de comida para as "bactérias do bem". Naturalmente, eles podem ser encontrados em sementes e raízes de alguns vegetais, mas também podem ser ingeridos por meio de remédios. São exemplos de prebióticos: maçã, cebola, alho, trigo, alcachofra, aspargo, banana, tomate, aveia e cevada.
 
 
Com isso, a população de bactérias que vivem no nosso corpo – conhecida como "microbiota" – fica em harmonia. O desequilíbrio delas, porém, provoca um processo infeccioso que pode ou não ser grave. No intestino, esse processo causa diarreia, prisão de ventre e/ou inflamações. De acordo com Atui, estudos recentes apontam que essa desregulação no intestino está ligada a problemas de saúde como alergias, obesidade, doença inflamatória intestinal e síndrome do colo irritável.
 
 
Antibiótico: quando atrapalha
Ao tomarmos um antibiótico, é possível que ocorra um desequilíbrio das bactérias intestinais. Isso pode desencadear uma doença chamada colite pseudomembranosa, que pode ser tratada com outro antibiótico, mas nem todo mundo recebe bem esse tipo de tratamento.
 
 
Outro artifício para tratar o problema é trocar as bactérias do intestino da pessoa, e isso é feito por meio de um transplante de fezes.
 
 
Infarto do intestino
Não é só o coração que pode infartar: o intestino também. E esse problema grave pode matar se o socorro não for rápido.
 
Quando o intestino infarta, ele para de receber sangue e necrosa. Aí é preciso fazer uma cirurgia e passar por um período de recuperação.
 
Para entender como o problema ocorre, é preciso saber que a artéria sai do coração bem grossa e vai se estreitando até chegar ao intestino. Ao todo, existem três ramos principais que irrigam o aparelho digestivo. Quando a pessoa sofre uma doença arterial, ela corre o risco de uma veia entupir.
 
Se essa for uma das veias que irrigam o intestino, pode faltar sangue na área e bloquear a passagem de oxigênio e nutrientes daquela região, levando ao infarto do intestino, que vai ficando escuro, menos irrigado e perdendo sangue. Então vem uma dor abrupta no abdômen. Quanto maior o calibre da veia, maior a área atingida e pior o problema.
 
 
Reality 'Água para beber'
Após 50 dias de muito esforço, a coordenadora escolar Nilza Cardana, de 53 anos – que odiava água –, reclamou de sede.
 
A meta dela era aumentar a ingestão de água, após ter enfrentado vários problemas de saúde, alguns ligados a esse baixo consumo, como pedras na vesícula e no rim, anemias e resfriados frequentes.
 
 Nilza mudou completamente de hábitos: aumentou a ingestão de líquidos na dieta em 2 litros. Com isso, ela elevou em quase 10 vezes o volume de água que costumava beber por dia, e mais de 4 vezes o volume de líquidos totais.
 

A coordenadora nunca gostou de água e reparou que não bebia o suficiente depois de adulta. Quando o Bem Estar começou as gravações da série, ela não conseguia tomar nenhum copo de água de uma vez, dizia que tinha gosto de areia, que descia mal.
 
 
Foram necessários 50 dias para que Nilza mudasse de rotina e de opinião. Ela, que antes chegava a passar dois dias sem beber água, hoje chega a tomar 2 litros por dia.

A coordenadora recebeu apoio do nutrólogo Antônio Lancha Jr. e do fisiologista do esporte Paulo Correia. Além disso, teve dicas de um chefe de cozinha para fazer sucos com ingredientes que dizia não gostar, como água de coco, limão e melancia.
 
 
Ela também foi orientada pela nutricionista Luciana Lancha a fazer uma dieta mais rica em líquidos, para aumentar bastante a ingestão diária de líquidos.
 
Fonte: G1, Globo.com- Bem- Estar

quinta-feira, 27 de março de 2014

Acorde mais bonita com 8 cuidados antes de dormir

Evitar alimentos ricos em sódio e fazer compressas deixa a pele menos inchada


Dormir de seis a oito horas por dia traz ótimos efeitos para a pele e o cabelo. É à noite que eles se recuperam das agressões sofridas durante o dia por causa de sol, vento, poluição, frio, fumaça de cigarro e outros agentes. Enquanto dormimos, há maior renovação celular e melhora da oxigenação. O sono, portanto, é um dos melhores tratamentos para as famigeradas olheiras, por exemplo. "Sem contar que a pele fica mais susceptível à absorção de princípios ativos utilizados em cremes hidratantes e antienvelhecimento", conta a dermatologista Cibele Tokarski, do Centro de Longevidade Golden Spa, de Brasília (DF). Para potencializar esses efeitos positivos e acordar com uma aparência ainda mais bonita e radiante, siga as dicas abaixo de especialistas todos os dias antes de se deitar.  



Evite o sal antes de dormir

Alimentos ricos em sódio podem provocar um "efeito baiacu": você acorda mais inchada por causa da retenção de líquidos do corpo. O cardiologista Otávio Gebara, do Hospital Santa Paula, explica como ocorre o processo: normalmente, os rins têm capacidade de manipular a quantidade de sódio e regular a quantidade de líquidos que circulam no corpo. Quando ingerimos uma quantidade elevada de sódio, os rins não conseguem eliminar o excesso, provocando um edema (inchaço) no corpo.

Por isso, evite exagerar no consumo dos seguintes alimentos na hora da ceia: frios e embutidos, macarrão instantâneo, comidas congeladas prontas, molho de soja, salgadinhos de pacote, fast food, entre outros.  


Mulher coçando os olhos logo ao acordar - Getty Images

Evite a cara amassada e rugas

Se você acorda com linhas marcadas no rosto que demoram a sumir, evite se deitar de bruços. Nessa posição, todo o peso da cabeça faz uma pressão na sua pele contra o travesseiro, fazendo com que você acorde literalmente de "cara amassada", cheia de marcas de fronha. Mas esse é o problema passageiro. A longo prazo, dormir com a cara enfiada no travesseiro ou até mesmo de lado, comprimindo a lateral do rosto, pode favorecer a formação de linhas de expressão. "Passar oito horas por dia, por vários e vários anos, na mesma posição causa as chamadas rugas de travesseiro", explica a dermatologista Maria Paula Del Nero, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Deitar-se de lado provoca a formação de sulcos no queixo e bochecha. "Isso explica porque algumas pessoas têm mais rugas de um lado do rosto", lembra a especialista. A região do colo e pescoço também sofre com essa posição, pois também há a sobrecarga da musculatura. Já dormir de bruços predispõe às marcas na testa. Principalmente em quem já tem a pele e a musculatura do rosto mais flácidas.  



Mulher domindo com o corpo virado para cima - Getty Images

Dormir de barriga para cima também deixa os seios mais bonitos

Mulheres que dormem de lado também estão mais sujeitas a terem rugas na região do colo, entre os seios. Segundo a dermatologista Marcia Linhares, do Rio de Janeiro, as linhas que marcam durante a noite tendem a sumir ao longo do dia - mas se o processo se repetir diariamente, pode favorecer a formação dos vincos. Para evitar esse problema, o ideal é dormir com a barriga para cima. Caso não seja possível por costume ou mesmo orientação médica, existem no mercado sutiãs com uma manta acolchoada entre os seios, feitos justamente para evitar rugas na região.  


Mulher dormindo com saquinhos de chá nos olhos - Getty Images

Durma com compressa de chá de camomila

Usar um paninho com chá ou soro fisiológico ajuda a diminuir o inchaço das bolsas nos olhos. Já as receitas caseiras de rodelas de pepino e batata devem ser evitadas porque, segundo a dermatologista Cibele, podem causar irritações na pele. A médica também diz que não é necessário seguir a recomendação popular de deixar a cabeça mais elevada na hora de dormir para amenizar o inchaço no rosto. "É verdade que indicamos esse hábito no pós-operatório de cirurgia de pálpebras para não piorar o inchaço, mas no dia a dia a posição não é tão relevante", diz a profissional. 


Meias coloridas - Getty Images

Coloque meias nos pés

Passe um bom creme hidratante para os pés e vista meias. "Ao fazer isso, há uma melhor absorção dos princípios ativos do creme", explica Cibele Tokarski. A dermatologista sugere cremes à base de ureia, lactato de amônia, óleo de amêndoas ou semente de uva, pois são ativos com alto poder emoliente. 


Mulher loira balançando o cabelo ondulado - Getty Images

Dê mais volume e balanço natural aos cabelos

Quer uma leve ondulação e um volume digno de cabelo feito no salão? Durma com um coque no topo da cabeça, sem apertar demais. Mas evite prender os fios se eles estiverem úmidos. "Dormir com os cabelos molhados aumenta o risco da proliferação de fungos e bactérias, piorando ou desencadeando seborreia e caspa", explica a dermatologista Cibele. Além disso, os fios molhados ficam mais frágeis e podem quebrar e cair com mais facilidade. 


Caipirinha de limão - Getty Images

Maneire no álcool

Se você já acordou com ressaca alguma vez, deve ter reparado que a pele perde o brilho e fica mais inflamada. "O álcool tem ação vasodilatadora e aumenta a liberação de agentes inflamatórios, podendo piorar a flacidez da pele e inibir a absorção de vitaminas e sais minerais", explica Cibele Tokarski. Além disso, pode causar manchas, deixar as unhas mais fracas e favorecer a queda de cabelo. Portanto, em nome da beleza (além da saúde, óbvio), modere no consumo de álcool ao sair para festas e eventos à noite. 


Maquiagem nunca!

A pele precisa estar sempre limpa antes de dormir. "A maquiagem cria uma cobertura a mais na pele, podendo elevar a oleosidade local", conta a dermatologista Gabriela Casabona, de São Paulo. As impurezas também favorecem o surgimento de cravos e espinhas. Ela lembra que água e sabão não são suficientes - também é preciso usar demaquilante líquido ou na forma de toalhinhas, para livrar qualquer tipo de resquício provocado pela maquiagem. 


Depois que a pele estiver limpinha, aproveite para passar cremes hidratantes ou de antienvelhecimento noturnos. Eles são ótimos para acordar com uma pele mais viçosa e saudável. 


Fonte: Minha Vida - Por Letícia Gonçalves

Evite sete fatores que favorecem as varizes

Entenda a relação do problema com a pílula, horas na posição sentada


Elas lembram uma pequena teia de aranha e costumam aparecer clarinhas e discretas, mas vão se espalhando com o tempo e podem se sobressair na pele. O efeito estético da svarizes é péssimo e ainda há riscos para a saúde, já que essas veias dilatadas perdem sua função, ou seja, deixam de levar o sangue de volta para o coração.


As varizes podem aparecer em diversas partes do corpo, mas são comuns nos membros inferiores, uma vez que o esforço para fazer o sangue subir nesta região é maior. "O problema é mais comum em mulheres e é favorecido pela predisposição genética, mas hábitos, como ficar muito tempo sentado, também aumentam o risco do aparecimento e agravamento delas", afirma o angiologista Ivanésio Merlo, diretor de publicações da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular. Com a ajuda dele e de outros especialistas, você descobre como fazer para se manter longe desse problema.



Anticoncepcional
A proporção de mulheres e homens com varizes é de três pacientes do sexo feminino para um masculino. Segundo o cirurgião vascular Jorge Kalil, do Hospital São Luiz, isso acontece pela alta concentração de progesterona e estrógeno na mulher, hormônios que favorecem o aparecimento de veias doentes.

O problema é que esses hormônios também são a principal composição de métodos contraceptivos, como a pílula. Assim, seu uso regular aumenta o risco do aparecimento de varizes. O especialista ressalta ainda que o anticoncepcional via oral é o que mais contribui para o problema, já que a absorção dos hormônios se dá de maneira mais intensa do pelo adesivo, por exemplo. 


Gestante na balança - Foto Getty Images Gravidez
"Quanto maior o número de gestações de uma mulher, maior o risco de desenvolver ou agravar as varizes", afirma Ivanésio. Ele explica que, com o aumento do volume uterino, há compressão das veias dos membros inferiores, o que eleva a pressão e deixa as veias dilatadas. Por isso, nesse período é fundamental realizar repousos com as pernas elevadas e usar as conhecidas meias elásticas, que também ajudam a prevenir o problema.



Homem sentado no sofá - Foto Getty Images Sedentarismo
Segundo o cirurgião vascular Hilton Waskman, do Hospital Israelita Albert Einstein, o sedentarismo favorece o aparecimento das varizes porque não estimula os músculos da panturrilha e da planta dos pés, que funcionam como um segundo coração que bombeia o sangue para cima. Por isso, ele recomenda atividades, como uma caminhada, corrida leve e hidroginástica, para melhorar a circulação sanguínea. "Evite atividades muito pesadas, como a musculação, pois elas podem exercer sobrecarga nos membros inferiores, favorecendo a deterioração das veias", alerta.



Homem se espreguiçando no trabalho - Foto Getty Images Ficar muito tempo parado
A posição que mais contribui com a volta do sangue dos membros inferiores é a horizontal. Ficar em pé ou sentado, por outro lado, dificulta a o fluxo sanguíneo, o que contribui com o aparecimento ou agravamento das varizes. "Por isso, pessoas que trabalham em uma mesma posição por muito tempo devem fazer pequenas pausas para se alongar e andar", afirma o cirurgião vascular Cesar Iaccino, do Hospital 9 de Julho. Segundo o médico, cruzar as pernas aumenta ainda mais a compressão das veias.



Mulher vestindo sapato de salto alto - Foto Getty Images Salto alto
Uns dizem que o uso de sapatos com salto alto facilita o retorno do sangue pelas veias, diminuindo, assim, o risco de aparecer ou agravar as varizes. Outros afirmam o contrário, pontuando que eles causam problemas vasculares, porque impedem a movimentação adequada da panturrilha. Seja como for, ainda não há consenso sobre a influência desse tipo de calçado sobre as veias. "O que se sabe, entretanto, é que o uso constante de sapatos de salto pode causar problemas ortopédicos, como o encurtamento do tendão, tecido que liga o osso do calcanhar ao músculo da panturrilha", diz Hilton Waskman.



Homem com obesidade - Foto Getty Images Obesidade
"Pessoas com sobrepeso ou obesidade sobrecarregam demais os membros inferiores, o que dificulta a volta do sangue venoso", explica Jorge. Segundo ele, o fator não é tão agravante quanto ficar muito tempo na mesma posição, mas contribui para o aparecimento das varizes. Assim, o risco é ainda maior para aqueles que, além dessa característica, ainda são submetidos a atividades com pouca movimentação.



Roupas justas
Algumas pessoas usam roupas tão justas que, no fim do dia, acabam ficando com dores nas coxas e panturrilhas, o que levou originou a ideia de que roupas apertadas podem causar varizes. Entretanto, segundo o cirurgião vascular Cesar, a influência é baixíssima, pois ela não chega a criar uma pressão tão grande quanto a do sobrepeso ou a de ficar muito tempo sentado, por exemplo. Ainda assim, ele recomenda priorizar roupas confortáveis e que não limitem a movimentação para evitar o desconforto muscular.


Fonte: Minha Vida -Por Laura Tavares

Saltos altos podem causar problemas de circulação e varizes

Esse tipo de sapato faz com que o músculo da panturrilha trabalhe menos, prejudicando o retorno do sangue


                                         


A suposta associação entre o uso prolongado de sapatos de salto alto e queixas vasculares, tais como edemas (inchaços), dores ou o aparecimento de varizes é antiga e frequentemente volta a ser motivo de questionamentos por parte das mulheres. 


Primeiramente, é necessário apresentar dois fatos para que se possa entender por que o uso de sapatos de salto alto poderia interferir na circulação das veias das pernas: 


Fato 1: A contração dos músculos das pernas, particularmente os das panturrilhas, é o principal mecanismo responsável por deslocar o sangue das pernas para as veias maiores do abdome, e daí de volta ao coração. 


Fato 2: O salto alto modifica o caminhar de suas usuárias, fazendo com que a musculatura das panturrilhas seja menos utilizada, o que certamente resulta em congestionamento do sangue nas veias da perna e aumento focal da pressão sanguínea nestas veias. 


Dito isto, fica mais fácil compreender por que os sapatos de salto alto interferem na fisiologia da caminhada e da circulação. Além dos efeitos circulatórios, ao andar com saltos a mulher altera os grupos musculares normalmente requisitados, diminuindo a atividade dos músculos das pernas e aumentando-a nos músculos das coxas. Ainda o centro de gravidade do corpo fica alterado, podendo influenciar na postura. Algumas pacientes que usam salto continuamente chegam a apresentar encurtamento dos tendões de Aquiles (localizados nos calcanhares). 


Um estudo realizado na Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto pesquisou o impacto do uso de sapatos de salto (salto agulha e plataforma) da circulação de voluntárias jovens e evidenciou que nestes casos o sangue apresentava maior tendência a se acumular nas veias das pernas, o que em longo prazo poderia repercutir na saúde destes vasos. O efeito também ocorre em saltos menores, mas com menor intensidade. 


Apesar das evidências científicas, até hoje não se comprovou de forma definitiva que mulheres que usam sapatos de salto alto apresentem maior incidência de varizes de membros inferiores que as que utilizam sapatos baixos. É importante lembrar que as doenças venosas das pernas são de caráter multifatorial, isto é, causadas por diversas variáveis, tais como fatores genéticos, tipo de ocupação profissional e outros. 


Naturalmente, mulheres que usam o salto ocasionalmente estão menos expostas a problemas do que aquelas que, por opção pessoal ou necessidade profissional e/ou social, usam o salto diariamente por longos períodos. 


Uma forma de amenizar o impacto circulatório do uso do salto é realizar exercícios físicos simples, que podem inclusive ser feitos no trabalho, de maneira discreta. Movimentos de flexão e extensão dos pés (feitos na posição sentada, como se estivesse pisando intermitentemente no pedal do acelerador do carro) utilizam a musculatura das panturrilhas e, assim, melhoram o retorno do sangue para o coração. O uso de meias elásticas, desde que devidamente orientado por um cirurgião vascular, também pode aliviar sintomas em algumas pacientes. 






terça-feira, 25 de março de 2014

Mitos e verdades sobre a água

Veja quais são as verdades e os mitos sobre o consumo de água e saiba qual a maneira correta de beber

Texto: Luciana Fuoco e Yara Achôa/ Foto: Shutterstock/ Adaptação: Letícia Maciel

Os médicos afirmam que é necessário beber água antes, durante e depois de praticar  atividades físicas
Foto: Shutterstock 

Beber água durante as refeições faz mal?

Ingerir um pouco de líquido durante as refeições não faz tão mal quanto se prega desde que não seja um hábito freqüente ou, se for, que não ultrapasse a quantidade de 200 ml. Porém, quem costuma ingerir muitas fibras deve evitar, pois a fibra vai passar mais rapidamente pelo intestino, diminuindo sua função.

Em quais casos a ingestão de líquido e sólido, juntos, é prejudicial?

Quem possui problemas como refluxo, esofagite, gastrite, hérnia de hiato e outros problemas na mucosa gástrica não deve ingerir líquidos durante as refeições. “O ideal mesmo é que se consumam líquidos uns 30 minutos após o término da refeição”, afirma a nutricionista Milana Dan.


Posso beber água ao praticar exercícios físicos?

No caso da prática de atividade física, o mais correto é consumir água antes, durante e depois do exercício. “Beber água apenas após o término do exercício não é recomendado, uma vez que durante a prática há muita perda de líquido e seu organismo ficará debilitado até que o exercício termine”, recomenda Milana.

Muitas pessoas alegam nunca sentir sede. O que elas devem fazer?

Os médicos afirmam que todo mundo sente sede, sim, e isso acontece quando o organismo precisa repor a água perdida. Algumas pessoas têm a idéia de não sentir sede porque, muitas vezes, não estão acostumadas a tomar água pura. Mas, toda vez que tomam qualquer outro líquido como refrigerante, suco, chá ou café, estão repondo o líquido de que o corpo precisa, e a “vontade” de ingerir essas bebidas é a manifestação da sede.

Melancia para controlar a fome

Saiba quais são os mitos e verdades da fruta rica em água que ajuda a controlar a fome

Texto: Marcela Carlini/ Foto: Danilo Tanaka/ Adaptação: Letícia Maciel


 A fruta é rica em nutrientes como carboidratos, betacaroteno, vitaminas do complexo B, ferro, fósforo e cálcio, que são importantes para a regulação do metabolismo     Foto: Danilo Tanaka

Como é formada só por água, não engorda 

Falso. Em primeiro lugar, a melancia não é formada “só” por água. Em sua composição também há carboidratos, vitaminas, minerais e fibras. Por isso, não se pode dizer que ela não colabore com a oferta de calorias para o dia. Uma fatia (100 g) possui 31 calorias. É pouco, mas é claro que, se for associada a outros alimentos, ou ingerida em grandes quantidades, colabora para a soma de calorias e para o aumento de peso.

É proibido comê-la à noite 

Falso. Embora exista esse mito, não faz mal ingerir melancia no período noturno. O único inconveniente é que, se ela for consumida em excesso, pode promover estimulação urinária, por conta do seu alto teor de água. Basta dosar a quantidade ingerida, para não comprometer o sono – devido ao aumento das micções.


Provoca saciedade 

Verdadeiro. Essa sensação é basicamente provocada pelo teor de fibras que o alimento possui. No estômago, e em presença de água, a molécula de fibra incha, dilatando o órgão e proporcionando saciedade. Mas, no caso da melancia, está mais relacionada ao alto teor de água da fruta, que dilata o estômago.

Faz mal engolir os caroços 

Falso. A semente da melancia é composta pela fibra da fruta, e esse é outro mito que a envolve. Entretanto, por serem muito fibrosas – e o nutriente tem a característica de passar intacto pelo  ingeridas em excesso, as sementes podem causar “empachamento”, que é a sensação de estômago cheio, mesmo com pouca quantidade de alimentos.

Não pode ser misturada com leite 

Falso. Não há nada que comprometa sua mistura com o leite. Existem inúmeras preparações com essa combinação. Por exemplo: sorvete de melancia, mousse de melancia, pudins etc.

Faz bem para o organismo 

Verdadeiro. A fruta é rica em nutrientes como carboidratos, betacaroteno, vitaminas do complexo B, ferro, fósforo e cálcio, que são importantes para a regulação do metabolismo. Ela também se destaca pela presença de licopeno e glutationa, compostos antioxidantes que inibem os radicais livres, protegendo o organismo de doenças infecciosas e até mesmo do câncer.

Diabético não pode comer a fruta 

Falso. A pessoa diabética pode ingerir, dentro das quantidades permitidas, qualquer fruta. Acontece que algumas delas, por possuírem alto teor de frutose, não devem ser consumidas em jejum, uma vez que alteram a glicemia (taxa de açúcar no sangue).