sábado, 4 de outubro de 2014

Entenda tudo sobre o glaucoma

50 milhões de brasileiros acima dos 16 anos nunca foi a um oftalmologista, e muitos desconhecem que a doença pode levar à cegueira. A única forma de preveni-la é marcar uma consulta
 

Se você está lendo este texto é porque se interessa por assuntos de saúde. Pode-se concluir também que, por ter tanto interesse nesse tema, você seja zeloso no cuidado com a sua incolumidade física e mental. Isso revela, no mínimo, uma maior atenção da sua parte com a dieta, alguma disciplina para a prática de atividades físicas e, claro, visitas periódicas ao médico. Mas e quanto a sua saúde ocular? Se não há necessidade do uso de lentes corretivas, é muito provável que você esteja equivocado: não precisar de óculos não justifica o pouco cuidado com uma das funções mais importantes do seu corpo, a sua visão.
 

A razão para isso é que a segunda maior causa da cegueira prevenível não apresenta sintomas. E, quando apresenta, revela que danos significativos já ocorreram. Estamos falando do glaucoma, um grupo de doenças que acomete o nervo encarregado de conectar a imagem ao cérebro. Caso não ocorra o diagnóstico precoce e o devido tratamento, as chances de perder a visão são grandes.
 

Larga incidência
De acordo com Cristiano Caixeta, médico do Departamento de Oftalmologia da Santa Casa de São Paulo e diretor da Sociedade Brasileira de Glaucoma (SBG), sabe-se que um em cada 40 adultos com mais de 40 anos tem glaucoma com algum grau de perda da função visual, e isso representa 2,5% da população mundial. “Dados estatísticos estimavam que, no ano de 2010, tivéssemos 60 milhões de pessoas acometidas pela doença em todo o mundo”, diz o especialista. “No ano de 2020 espera-se que tenhamos 79,6 milhões de portadores da doença, e destes, 11,5 milhões serão cegos dos dois olhos”, observa.
 
 
Caixeta afirma que não há dados precisos no Brasil, mas as progressões indicam que existem mais de 1 milhão de pessoas com este diagnóstico. “O grande problema são os indivíduos que ainda não foram examinados”, acrescenta. Caixeta se dedica ao glaucoma há mais de uma década e conta que sua inspiração foi um professor da faculdade, Geraldo Vicente de Almeida, também oftalmologista.
 

“Optar por essa especialidade foi uma escolha acertada, pois tenho uma recompensa diária: poder atuar na preservação e na qualidade visual de meus pacientes”, fala o médico. Embora a redução da incidência da doença seja uma meta impossível, o diretor da SBG acredita na diminuição do dano causado por ela. “Quanto mais cedo se identificar o problema, melhores serão as respostas às estratégias que impedem a sua progressão. Daí recomendarmos consultas regulares”.

Veja a seguir a entrevista exclusiva que Caixeta concedeu à VivaSaúde:

O que é exatamente esta doença?
O glaucoma é uma patologia ocular crônica e progressiva que provoca lesão no nervo óptico e alterações no campo visual. Nas fases iniciais, a doença é silenciosa, sem sintomas, o que retarda seu diagnóstico. Na maioria dos casos, sua manifestação é acompanhada do aumento da pressão intraocular. Mas encontramos casos em que não há essa característica. O portador de glaucoma, se não tratado adequadamente, começa a perder a visão periférica (lateral). Nos estágios mais avançados, a visão central também é atingida, podendo levar a uma irreversível cegueira. Quanto mais cedo a doença for diagnosticada e tratada, maiores serão as chances de se evitar essa perda. É importante ressaltar que não existe cura, mas controle da doença.
 

Se há tipos diferentes, qual deles é o mais comum?
Glaucoma é o primeiro nome dessa patologia e o oftalmogista é quem lhe dáum sobrenome. São vários os tipos e eles vão desde o Glaucoma Primário de Ângulo Aberto ou Fechado (variações de como um líquido próprio do olho é drenado na corrente sanguínea e que influencia na pressão ocular); o Congênito e o Juvenil. Há variações secundárias: o Glaucoma pós-trauma, o resultante ao uso de medicamentos (como o corticoide nas apresentações oral, tópica ou ocular). O mais comum é o Primário de Ângulo Aberto, que acomete cerca de 3/4 dos portadores da enfermidade no mundo.
 

Quem se encontra no grupo de risco?
Embora não seja possível explicar por que uma pessoa desenvolve glaucoma, ele é mais frequente em adultos com mais de 40 anos, na presença de histórico familiar, entre as pessoas afrodescendentes e portadores de miopia e pressão ocular elevadas, bem como em pacientes que tiveram trauma ou inflamação oculares, além dos usuários de corticoides.
 

Como é feito o diagnóstico?
Consultas regulares ao oftalmologista e exames complementares como o de fundo de olho, medida da pressão intraocular, gonioscopia (investiga o tipo de glaucoma) e exame de campo visual permitem o diagnóstico.
 

Qual é a reação dos pacientes?
Ninguém recebe bem a informação de que é portador de umadoença crônica, que não tem cura e pode ser transmitida a seus decendentes. Nesse momento, a relação médico-paciente é fundamental. O oftalmologista deve ser capaz de mostrar, com segurança, que a pessoa está diante de um doença grave, que pode trazer limitações, mas é controlável. Ademais disso, é possível minimizar os danos causados. O paciente precisa ser conscientizado sobre a importância do seu comprometimento em seguir as orientações médicas. O apoio da família é fundamental, tanto quanto as visitas regulares ao oftalmologista. Estes são os principais pilares para o sucesso da terapia. A família é essencial em um tratamento que deve durar por toda a vida.
 

O tratamento é tão difícil, assim?
Hoje dispomos de várias classes de medicamentos para o gerenciamento da doença. O ofalmologista deverá orientar o paciente sobre quando e como usá-los. Em geral, optamos por tratamentos com colírios, para começar. As cirurgias, incluídas as técnicas com laser, são reservadas para casos em que não há boa resposta aos remédios, ou para pacientes que não podem usar colírios. Como disse, o tratamento é para toda a vida e a adesão é difícil, pois os colírios devem ser usados todos dias, nos mesmos horários e, às vezes, são associados a outras medicações, que serão ministradas em diferentes horários do dia. E há ainda os efeitos colaterais, difíceis de serem tolerados (ardor, vermelhidão ocular e, em alguns casos, o crescimento dos cílios), já que a doença, em si, é assintomática na fase inicial.
 

O que o paciente deve esperar?
O impacto na qualidade de vida é diretamente proporcional ao grau do prejuízo da visão do paciente. Na fase inicial, o paciente não encontra limitações. Já nos estágios mais avançados, as pessoas passam a ter restrições do campo de visão e podem se tornar inseguros na execução de tarefas simples do cotidiano. Dificuldades para dirigir ou sair de casa sem acompanhante são comuns. Muitas vezes passam a esbarrar em objetos que não são vistos, tropeçam e caem com mais facilidade. Isso gera insegurança e pode levar aestados depressivos.

A visita é anual também para quem já foi diagnosticado?
Nesses casos, a periodicidade deve ser definida pelo médico que acompanha o paciente.

Fonte: Revista Viva Saúde - Texto: Cristina Almeida / Foto: Shutterstock / Adaptação: Clara Ribeiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário