terça-feira, 28 de abril de 2015

Entenda tudo sobre o autismo

Este distúrbio pode ser leve, moderado ou grave e é caracterizado pela dificuldade de interação social, por manias estereotipadas e problemas de comunicação

Texto: Priscila Pegatin / Adaptação: Clara Ribeiro

O conceito mais aceito é que existe um problema de
comunicação entre diversas partes do cérebro que
causamos sinais do transtorno. Veja partes afetadas.

O que é?
O autismo é um distúrbio cerebral complexo, com fundamento genético, que aparece durante a primeira infância. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), no Brasil, estima-se que 2 milhões de pessoas tenham o transtorno.
O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) americano aponta que a patologia é até cinco vezes mais comum em meninos e que uma em cada 68 pessoas tem o problema.


Sintomas
Os pacientes com o transtorno apresentam características peculiares, identificáveis até os 2 anos de idade. Entre elas, três se destacam: dificuldade de interação social, por isso as crianças não olham em seus olhos quando falam; manias estereotipadas, como alinhar brinquedos ou objetos; e dificuldade de comunicação, com retardo na fala e na linguagem.


Diagnóstico
Uma consulta clínica, feita por um neurologista infantil, neuropediatra ou psiquiatra infantil pode confirmar o quadro. Nenhum exame laboratorial aprova a situação. Mas há casos em que exames podem descartar outras patologias, como sífilis congênita. Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade e déficit intelectual podem se associar ao autismo.


Espectros do distúrbio
O transtorno pode ser leve, moderado ou grave. Em todos os casos, as características são as mesmas, mas há pacientes em que o grau de inteligência não é afetado. Sobre o espectro, se uma criança é autista, a chance de ter um irmão com a mesma patologia é 35 vezes maior, aponta estudos do CDC.


Tratamento
Não há um fármaco específico para o transtorno, mas, para melhorar os sintomas, o autista deve ser acompanhado por fonoaudiólogo, terapeuta ocupacional e psicólogo. Remédios são indicados nos casos de depressão, ansiedade e crise compulsiva.


FONTE: PAULO BREINIS, NEUROLOGISTA DO HOSPITAL SÃO LUIZ JABAQUARA (SP), E ROSA MAGALY CAMPÊLO BORBA DE MORAIS, PSIQUIATRA (SP). INFOGRÁFICO: SHUTTERSTOCK.


Por que dormimos mal? Nossos antepassados podem ter a resposta

São muitas as pessoas que acordam no meio da noite e têm dificuldade para voltar a pegar no sono. Às vezes, perdemos preciosas horas acordados, e só conseguimos dormir novamente quando já está quase na hora de acordar.



Ouvimos a vida inteira que devemos dormir cerca de 8 horas por dia para que nosso organismo possa funcionar de forma adequada, e por isso ficamos preocupados quando sofremos com este tipo de insônia. No entanto, uma linha de investigação diferente apresenta alguns estudos falando que, na verdade, dormir 8 horas seguidas durante a noite não é necessário. Parece difícil de acreditar, não é mesmo? Mas a resposta para esta questão pode estar no comportamento dos nossos antepassados.

Como dormiam os nossos antepassados?

Dormir
Na antiguidade, principalmente durante o inverno, a escuridão da noite durava cerca de 14 horas. Sem energia elétrica ou tecnologia, as pessoas não tinham como se distrair e acabavam dormindo muito cedo, já que sua única atividade durante a noite era olhar as velas queimarem.

No entanto, era comum que as pessoas dividissem o sono em dois blocos, com duração de 4 horas cada um. Entre os dois, elas acordavam naturalmente, e mantinham-se ativas durante 1 ou 2 horas.

Esse período era usado para ler, rezar, realizar práticas espirituais, refletir, meditar e até conversar com os familiares e os vizinhos. Depois de aproximadamente duas horas, todos voltavam a dormir por mais 4 horas.

Estudos sobre o tema

Dormir (1)
Roger Ekirch, um especialista do sono da Virginia Tech University, nos Estados Unidos, afirma que o padrão dominante de sono para os seres humanos é bifásico, ou seja, em dois blocos diferentes. Inclusive, em inúmeros documentos e na literatura do período anterior à Revolução Industrial, são encontradas menções ao “primeiro sono” ou “sono profundo” e “segundo sono” ou “sono da manhã”.


Com o tempo, essas nomenclaturas foram se perdendo. Com a chegada da luz e da energia elétrica, ficamos mais produtivos durante a noite, mesmo quando estava escuro, e começamos a alterar o nosso padrão de sono, transformando-o em apenas um longo período de 8 horas, sem interrupções. No entanto, essa pode não ser a maneira mais natural de dormir.


Na década de 90, um pesquisador do sono chamado Thomas Wehr realizou um estudo interessante sobre esse tema, para entender se o comportamento dos seres humanos de hoje seria afetado também pelas noites totalmente escuras.


Os participantes do estudo foram submetidos a dias com 10 horas de luz e noites com 14 horas de escuridão. Após um curto período de tempo, eles gradativamente começaram a alterar a rotina de sono de forma natural, passando a dormir em dois blocos de quatro horas com um intervalo de algumas horas entre eles, exatamente como nossos antepassados faziam.


Com isso, podemos concluir que dormir de forma bifásica é o padrão de sono mais natural para os seres humanos, e pode inclusive ser benéfico ao invés de prejudicial, como imaginávamos durante todos esses anos.


O sono na atualidade

Dormir-con-celular
Levando em conta tudo que foi descoberto sobre este tema, o ato de acordar durante a noite e não conseguir dormir durante algumas horas não seria, portanto, caracterizado como insônia, mas sim o padrão normal de sono que herdamos de nossos antepassados.


Walter Brown, psiquiatra da Brown Medical School, nos Estados Unidos, afirma que o melhor caminho para quem sofre com a insônia seria entender este comportamento como algo normal e inerente ao ser humano. Se pararmos de ver o fato de acordar no meio da noite como problemático, podemos inclusive utilizar esse tempo para fazer algo útil, e pegar no sono com mais facilidade após algumas horas.


No entanto, é importante lembrar que na antiguidade as pessoas iam dormir muito mais cedo do que hoje em dia. Se formos tentar dormir à meia noite, ainda olhando o celular, por exemplo, não teremos tempo para dormir dois blocos de 4 horas cada um com uma pausa de 2 horas no meio, já que poucos de nós têm o privilégio de poder acordar às 10 horas da manhã.


Dessa forma, se você sofrer de insônia, a melhor opção seria tentar dormir cedo. Assim, seria possível aproveitar as horas acordadas durante a madrugada e dormir novamente até de manhã. Ainda que possa soar estranho e diferente, alguns já defendem que essa seria a maneira “normal” de dormir.


Fonte: Melhor com Saúde

Está triste? Coloque em prática estes 8 conselhos

É perfeitamente normal nos sentirmos tristes em um momento ou em outro. Afinal, é impossível ser feliz o tempo todo, já que todos nós temos que lidar com diferentes tipos de problemas em nossas vidas.


No entanto, quando a sensação de tristeza nos invade, precisamos aprender a lidar com ela da melhor forma possível. Caso contrário, dependendo do que nos deixou triste, podemos ser inundados por pensamentos negativos que podem inclusive nos levar à depressão.

Neste artigo, iremos dar alguns conselhos para lidar com a tristeza. Ainda que eles não sejam capazes de acabar com os nossos problemas, podem nos ajudar a quebrar a corrente de negatividade e sensações ruins que nos deixam deprimidos.

1. Entenda o seu ciclo emocional

chorar
A vida é uma verdadeira montanha-russa emocional. Há dias em que acordamos super dispostos e confiantes, como se pudéssemos conquistar o mundo. No entanto, também há dias em que não queremos nem levantar da cama.
Precisamos entender que esse tipo de comportamento é normal, e todos nós passamos por ciclos emocionais que vêm e vão. Isso ocorre principalmente com as mulheres, devido aos hormônios associados ao ciclo menstrual. Por isso, se você estiver triste sem um motivo aparente, saiba que essa sensação logo irá embora.

2. Passe seu tempo com pessoas positivas

As pessoas com as quais você interage possuem uma influência enorme em seu estado de ânimo. Pensamentos positivos e negativos são contagiosos, por isso, se você se cercar de pessoas negativas, é normal que, com o tempo, comece a se sentir assim também.


Ao invés disso, passe seu tempo com pessoas positivas, daquelas que têm sempre um sorriso no rosto. Converse com elas e tente entender a forma como veem o mundo. Assim, você pode se contagiar com a energia positiva dessas pessoas e afastar a tristeza.

3. Reflita sobre seus sucessos do passado

escrever
Quando estamos em meio de um momento triste ou de um fracasso, é difícil refletir sobre os sucessos que já alcançamos na vida. Se você estiver triste, tente fazer esse exercício. Lembre-se de tudo que você já conquistou, pense nas suas forças e no quanto você ainda pode alcançar. Assim, podemos aumentar nossa autoconfiança, importante para nos livrarmos da tristeza.


4. Seja grato

Todos temos problemas, mas todos temos também vários motivos para sermos gratos. Temos a mania de nos compararmos aos outros, e de somente achar que estamos bem se estivermos melhor do que alguém. Precisamos parar com esse comportamento e agradecer pelo que temos, mesmo que pareça pouco.

5. Durma bem

O sono possui um impacto significativo em nosso estado de ânimo. Noites mal dormidas não nos deixam somente sem energia e disposição, elas também podem afetar nosso humor. O cansaço pode agravar a sensação de tristeza, e não adianta achar que podemos recuperar as horas de sono perdidas durante o final de semana, pois nosso organismo não funciona dessa forma.

Por isso, tente deitar cedo e dormir cerca de 8 horas por noite. Com mais disposição, fica muito mais fácil combater a tristeza.

6. Movimente-se

caminhada
Praticar atividade física pode ser a última coisa que algumas pessoas pensam em fazer quando estão tristes, mas os exercícios podem ser ótimos aliados para nos deixar mais animados. Eles provocam a liberação de endorfina, o hormônio do bem estar, que faz com que nos sintamos mais leves e felizes.

Não importa a atividade escolhida, o que importa é movimentar o corpo. Pode ser uma caminhada ao ar livre, uma aula de dança, ir à academia, o que for da sua preferência.

7. Pare de pensar no que lhe incomoda

Não adianta nada ficar remoendo o que aconteceu ou pensando em como tudo poderia ter sido diferente. Seja lá qual for o motivo da tristeza, o que passou já está no passado, e infelizmente não vai mudar.

Pare de pensar ininterruptamente no que lhe incomoda e faça algo para se distrair. Você pode ler um livro feliz, ver um filme de comédia do qual você goste ou sair para conversar com os amigos. Qualquer coisa que tire da sua mente o motivo da sua tristeza.

8. Quebre a rotina

presente
Fazer a mesma coisa monótona todos os dias pode tornar mais difícil lidar com a tristeza. Tente quebrar a rotina e mudar de cenário, pelo menos por um dia. Experimente fazer algo novo que você não faria normalmente. Além de se distrair e de se esquecer dos problemas, você pode até descobrir algo novo sobre si mesmo.





Fonte: Melhor com Saúde

segunda-feira, 27 de abril de 2015

10 mistérios fascinantes da vida que a ciência não pode explicar

A ciência com certeza melhorou o nosso entendimento do mundo enormemente, mas ainda existem muitas coisas que simplesmente não parecem ter explicação e continuam a intrigar estudiosos por décadas. Como…

10. Vacas sempre encaram norte ou sul enquanto comem

Quando uma equipe de cientistas analisou milhares de imagens de satélite do Google Earth de vacas (não me pergunte por quê), descobriram um detalhe que nos passou despercebido por milênios: os animais sempre se voltam para o polo magnético norte e sul enquanto comem ou descansam. O padrão se manteve consistente independentemente do vento ou outros fatores, e ninguém sabe por quê. Enquanto outros animais são conhecidos por conterem uma bússola interna, esta é a primeira vez que a orientação foi encontrada em um grande mamífero. Outra coisa estranha é que, quanto mais perto as vacas estão dos polos, menos precisas essa orientação é. Os cientistas não podem dizer se o fenômeno está relacionado com a navegação ou uma tentativa mal calculada de afastar predadores, embora deva ter um propósito (por causa da consistência com que foi observado em animais nos seis continentes). O fenômeno pode ter um efeito sobre a produção agrícola, uma vez que vacas obrigadas a ficar em uma orientação leste-oeste devem ser afetadas de alguma forma.
 

9. Por que alguns mamíferos voltaram para água
Sabemos que animais marinhos se mudaram da água para a terra muito tempo atrás, desenvolvendo membros para rastejar no chão. Foi a coisa mais sensata a se fazer, já que as regiões terrestres continham uma grande quantidade de recursos inexplorados, ideais para a evolução animal. Mas por que alguns desses animais, como os ancestrais imediatos de baleias e focas, mudaram-se de volta para a água? É evolutivamente muito mais difícil para os animais terrestres se mudarem para o mar do que vice-versa, uma vez que aprender a nadar para um animal que já anda leva muito mais energia. Mamíferos marinhos desenvolveram o método mais eficiente de navegar pelas caudas em vez de remar muito mais tarde no curso de sua evolução, o que nos leva a perguntar: por que passar por todo esse calvário, em primeiro lugar? Esse continua sendo um dos maiores mistérios da evolução que a ciência moderna enfrenta.
 

8. Alcaloides nas plantas
Alcaloides são substâncias que ocorrem naturalmente nas plantas, sendo que um dos mais populares é a morfina. Cerca de 7.000 diferentes tipos de alcaloides foram identificados em plantas e, embora tenhamos sido capazes de estudar os produtos químicos extensivamente, ainda não estamos muito certos do porquê eles estão lá. Essas substâncias fortes provocam uma variedade de respostas quando consumidas por outros animais. No caso da planta papoula, que produz morfina, alguns especialistas acreditam que é útil para manter os predadores afastados. Como consegue esse efeito, uma vez que é uma substância muito eficaz na redução da dor, é uma incógnita. Alguns acreditam que, em vez de razões externas, os alcaloides podem ser úteis para a regulação do metabolismo das próprias plantas.
 

7. Por que flores estão por toda parte

As plantas com flores formam uma classe chamada de angiospermas. Como você deve ter notado, elas estão por toda parte. O que é uma surpresa, no entanto, é que esse não foi sempre o caso. As plantas floridas superaram outros tipos de plantas em um período de tempo muito rápido cerca de 400 milhões de anos de atrás, e como resultado constituem cerca de 90% de todas as espécies de plantas hoje. O problema preocupava Charles Darwin, que o chamou de “um mistério abominável”. A rápida evolução de flores logo após sua origem ocorreu diretamente contra sua teoria da evolução lenta através da seleção natural. E não há nada evolutivamente benéfico sobre produzir flores. A planta poderia investir seus nutrientes em crescimento ou outras coisas que poderiam colocá-las em um lugar mais alto na escada evolutiva. Como as plantas não deixam quaisquer registros fósseis quando morrem, tem sido difícil determinar como esta espécie veio do nada e tão rapidamente conquistou todo o resto.
 

6. Por que há tanta diversidade perto do equador
Cerca de 200 anos atrás, um explorador prussiano chamado Alexander von Humboldt percebeu pela primeira vez que a biodiversidade aumenta conforme nos aproximamos da linha do Equador. A vida natural e a cultura humana se tornam mais diversificadas e vibrantes, assim como as doenças. Sempre que você ouve falar sobre epidemias mortais na África ou na América do Sul, não é apenas por causa dos cuidados de saúde ruins dos países subdesenvolvidos – os vírus e as bactérias que causam essas doenças são simplesmente muito mais ativos e diversificados nesses locais do que mais ao norte. Existem mais de 30 teorias para responder à grande questão de por que isso acontece, mas tem sido quase impossível conciliar todas essas hipóteses em uma única conclusão.
 

5. Paradoxo do fitoplâncton
Fitoplâncton é uma classe de organismos encontrados em grandes corpos de água. Eles são, essencialmente, plantas que flutuam, e têm sido descobertos em todo o mundo. É um grupo extremamente diversificado, e é essa grande diversidade que parece zoar com a cara da evolução e da seleção natural. A falta de recursos faz com que seja impossível que um grande número de diferentes organismos sobreviva em um ecossistema sem matar uns aos outros. Mas, de alguma forma, isso acontece. O problema não é restrito apenas ao fitoplâncton, aliás. Corpos d’água abundantes em nutrientes têm geralmente uma menor diversidade de espécies do que os que carecem deles. Isso é conhecido como o “paradoxo do enriquecimento”, já que nutrientes mais elevados deveriam significar maior diversidade.

4. Como formigas argentinas sustentam colônias em todos os continentes
Formigas argentinas são, possivelmente, a única espécie além da humana que conseguiu colonizar três continentes. Todos as três supercolônias de formigas argentinas na Europa, América do Sul e Ásia consistem de animais que compartilham as mesmas características genéticas e são essencialmente a mesma população. Como a distribuição geográfica dessas colônias é assustadoramente grande, sua estrutura social também confunde a ciência. Esses insetos reconhecem imediatamente seus irmãos, mas são agressivos com formigas de outras espécies. Além disso, o código genético das formigas argentinas não mudou muito durante milhares de anos. Isso é estranho porque, geralmente, organismos fora do seu ambiente nativo evoluem rapidamente, o que não foi o caso com esses bichinhos.
 

3. O ancestral humano misterioso
A linhagem de seres humanos modernos foi bem estudada ao longo dos anos, e parecia que tínhamos uma boa ideia sobre as nossas origens – até que os cientistas descobriram vestígios de um ancestral humano desconhecido no DNA de uma espécie extinta, a Denisova hominins, uma espécie de hominídeo estreitamente relacionada com os Neandertais e nomeada em homenagem às cavernas em que seus membros foram encontrados. A análise dos Denisovans indicou que eles cruzaram com uma espécie desconhecida cerca de 30.000 anos atrás, que deixou no seu DNA uma marca distinta: um conjunto estranho de dentes não encontrados em qualquer lugar outra parte do mundo vivo. Não sabemos nada sobre essa possível espécie hominídea ancestral.
 

2. Os animais que podem viver sem oxigênio
Quase todos os organismos da Terra precisam de oxigênio para viver, seja consumindo-o ou produzindo-o. Por isso, todos ficaram chocados quando os primeiros animais que não precisavam de oxigênio foram encontrados no fundo do Mar Mediterrâneo. Enquanto algumas bactérias e outros organismos simples podem viver sem oxigênio, o fenômeno era inédito entre animais multicelulares complexos. As criaturas recém-descobertas são do filo Loricifera, uma classe de pequenos animais que viviam com oxigênio, mas, eventualmente, se adaptaram a um novo ambiente com níveis muito baixos do gás, que eventualmente foi substituído por sais. Nenhum organismo complexo previamente conhecido vivia em ambientes sem oxigênio, então não temos nenhuma ideia sobre sua história evolutiva. Mais pesquisas poderiam oferecer-nos um novo olhar sobre a vida marinha antes dos oceanos terem qualquer oxigênio, cerca de 600 milhões de anos atrás.
 

1. Reprodução sexual
Além de alguns micróbios e plantas, quase todos os seres vivos do mundo se reproduzem sexualmente. Parece algo tão comum e normal que não percebemos que o sexo, na verdade, pode ser uma anomalia evolucionária. Metade de toda uma espécie – os machos – são incapazes de produzir qualquer descendência, enquanto usam os mesmos recursos do ambiente que a outra metade – as fêmeas. Por que passar por tanto esforço para desenvolver um mecanismo que é uma clara desvantagem no longo prazo? Por que não existe apenas a reprodução assexuada, que só depende de um único ser? Uma das teorias era que o sexo ajuda a eliminar mutações prejudiciais, mas esse não parece ser o caso. Quando os cientistas estudaram 700 genes de diversos organismos, eles descobriram que o número de mutações prejudiciais ainda gira em torno de 0,5 por indivíduo por geração, o que é MUITO. Somando os vários inconvenientes do sexo, não há nada suficiente para justificar a reprodução sexual. Mistério. [Listverse]

Via Blog do professor José Costa 

Montanhista cearense é resgatado no monte Everest após terremoto

Rosier, ao chegar no campo base no início da missão (Foto: Rosier.com / Divulgação)


O montanhista cearense Rosier Alexandre foi resgatado na madrugada desta segunda-feira (27) no monte Everest, após um terremoto de 7,8 graus atingir o Nepal. O tremor já é considerado o mais violento dos últimos 80 anos no país e provocou vários tremores secundários e deslizamentos no monte Everest. Até esta segunda, o país já contabilizada mais de 3.700 mortes.

Rosier estava a mil metros de altitude quando o terremoto aconteceu. Um helicóptero foi enviado para retirá-lo da montanha. A médica da equipe do montanhista morreu no tremor. O filho de Rosier, Davi Saravia, também estava no Nepal esperando o fim da escalada do pai. Davi foi resgatado no sábado (25) do campo base da montanha.

  Segundo informações da mulher do montanhista, Danúbia Pereira, os dois agora devem seguir para um vilarejo próximo, onde vão ficar pelos próximos dias. Danúbia não soube informar se a expedição vai continuar.

Um ano após avalanche
Rosier embarcou em 30 de março deste ano para retornar ao Monte Everest cerca de um ano depois de presenciar uma avalanche que matou 16 pessoas em abril de 2014. Na época,  a missão de escalada foi interrompida.

“Em nenhum segundo eu pensei em desistir. Naquele momento, diante daquela tragédia que nos fez desistir da expedição, eu já marquei uma data em que eu voltaria no ano seguinte”, disse Rosier, antes de viajar.

A chegada ao topo do Monte Everest é a sétima e última etapa do projeto Sete Cumes, em que o montanhista escala as montanhas mais altas do mundo.

Rosier já chegou ao topo de seis: Aconcágua (6.962m), Kilimanjaro (5881m), El Brus (5.642m), Vinson (4.892m), McKinley (6.198m) e Carstensz (4.884m).


Escalada ainda nos planos
Rosier Alexandre e o filho aguardam a avaliação do Ministério do Turismo local para saber se poderão ou não dar continuidade à escalada até o topo da montanha mais alta da Terra. "Eles aguardam o sobrevooo de um helicóptero que vai observar o local e avaliar se os sherpas têm condições de reconstruir a trilha para dar continuidade à subida", diz Danúbia Saraiva, que recebeu informações da empresa contratada por um grupo de alpinistas.



O sobrevoo estava programado para ocorrer na noite deste sábado (manhã de domingo, 26, no Nepal), mas foi suspenso devido a uma forte nevasca. Segundo informações de autoridades à família de Rosier, a nevasca também impedia a comunicação com os alpinistas por telefone via satélite.


Tragédia
Neste domingo (26), um forte terremoto atingiu a Índia e Nepal balançando edifícios em Nova Delhi e provocando uma avalanche no Himalaia, de acordo com a agência Reuters.



Ainda de acordo com Danúbia, o filho de Rosier foi levado até um vilarejo próximo ao Everest, região que está energia e sinal de telefonia. “Um acampamento foi destruído com a avalanche, conseguiram levar os feridos até o vilarejo Gorak shep, onde eles recebem atendimento, mas segundo a empresa responsável eles estão sem telefone, sem energia e sem contato”, diz.

Na manhã de sábado (25), Danúbia recebeu uma ligação de Rosier por telefone via satélite. "Ele falou muito rapidamente, disse que está bem, mas não sabe como está a via de escalada", relata a mulher.

A poucos dias de embarcar para o Nepal, o montanhista mostrou ao G1 o que levaria na mochila: mais de 200 itens de equipamentos individuais, entre roupas, botas, piquetas e bastões, estavam espalhados prontos para serem colocados nas duas malas que devem seguir com Rosier até o campo base dos montanhistas.

FONTE- Do G1 CE
Via Lucineide Medeiros

Um cálice de vinho equivale a uma hora de exercício

Em várias ocasiões, ouvimos falar dos grandes benefícios de tomar um cálice de vinho ao dia, e isso nos dá mais motivos para considerar consumir essa deliciosa bebida que há séculos deleita o nosso paladar. Se por acaso você ainda não estiver convencido das razões para beber vinho com mais frequência, hoje trazemos uma muito importante, que certamente vai captar toda a sua atenção e vai fazer você querer ir comprar uma garrafa agora mesmo.

Um cálice de vinho tinto pode ser equivalente a uma hora de exercício

De acordo com um recente estudo realizado por uma equipe da Universidade da Alberta (Canadá), o vinho tinto é rico em um componente chamado resveratrol, que pode  aumentar a frequência cardíaca e o rendimento muscular. Segundo essa pesquisa, o consumo de uma taça de vinho tinto por dia pode ter os mesmos efeitos no corpo do que realizar uma hora de exercícios.


exercicio-500x333
Os cientistas descobriram que uma boa dose do componente resveratrol melhora o rendimento físico, a função cardíaca e a força muscular, por isso uma taça de vinho tinto por dia pode chegar a equivaler a uma hora de exercício. É claro que, o consumo de vinho tinto ou resveratrol combinado com outros alimentos, como algumas frutas e nozes, também incrementa o rendimento daquelas pessoas que realizam exercício com frequência, dando um “plus” nos resultados.


Com essa descoberta, os pesquisadores irão começar a testar os efeitos do resveratrol em pessoas diabéticas com problemas de coração, para determinar se ele pode contribuir para uma melhora cardíaca.

Outros benefícios do vinho tinto que vale a pena lembrar

Beber-vinho
Em relação aos benefícios de beber uma taça de vinho tinto por dia, vale a pena lembrar como é bom para a saúde e tudo que pode fornecer ao nosso organismo. Seus principais benefícios são:



  • Reduz o risco de sofrer doenças coronárias e acidentes cerebrovasculares isquêmicos (obstrução de uma artéria do cérebro), e também a aterosclerose (endurecimento das artérias).
  • Por seus conteúdos de antioxidantes também ajuda a combater o colesterol ruim e estimula a produção do colesterol bom.
  • Ajuda a fortalecer o sistema imunológico, nos tornando mais resistentes contra as infecções ou alergias.
  • Seus altos conteúdos de vitaminas e antioxidantes convertem o vinho tinto em um alimento muito saudável para a pele. Seu consumo diário pode prevenir as aparições precoces de sinais do envelhecimento.
  • Tem um efeito anticoagulante no organismo que melhora a circulação do sangue e diminui as inflamações.
  • É uma fonte significativa de minerais e oligoelementos como o: magnésio, zinco, lítio, cálcio, ferro e potássio.
  • Reduz o risco de formação de cálculos renais e também é útil no combate às infecções urinárias.
  • Reduz o risco de sofrer hipertensão arterial e diabetes.
  • Melhora a saúde dental graças aos antioxidantes naturais que contém. Eles são capazes de desacelerar o crescimento da flora bacteriana que se aloja nos dentes e gengivas.
  • Por seus conteúdos de resveratrol, um cálice de vinho tinto por dia também é bom para proteger a memória.
  • O vinho tinto também pode ajudar às pessoas com Alzheimer e em risco de sofrer dessa doença. Isso se deve aos seus conteúdos de antioxidantes, que lutam contra o envelhecimento e combatem essa doença.
  • O consumo diário de vinho tinto também pode ter uma ação anticancerígena no corpo. Vários estudos determinaram que os flavonoides que se encontram no vinho tinto podem ser cruciais na prevenção do câncer de próstata.
  • Os antioxidantes presentes no vinho tinto e nas uvas também protegem de doenças oculares, como a degeneração macular e a retinopatia diabética.

Importante!

Taça-de-vinho
O fato de que o vinho tinto seja saudável não quer dizer que podemos bebê-lo em excesso. Para aproveitar todos os benefícios dessa bebida é muito importante respeitar a dose recomendada. O mais indicado, em geral, é um, ou no máximo dois cálices de vinho tinto por dia. Exceder essa quantidade pode causar sérios problemas hepáticos e outros problemas de saúde.



Fonte: Melhor com Saúde

sábado, 25 de abril de 2015

Cuidados ao dançar com salto alto

Para especialista, os saltos altos não dão sustentabilidade às pernas e podem causar o encurtamento dos músculos do calcanhar e da panturrilha. Saiba como evitar esses e outros problemas

Texto: Clara Ribeiro / Foto: Shutterstock


O amor feminino pelo calçado de salto alto está invadindo, além das festas, as academias de ginástica. Febre nas unidades de todo o país, o Stiletto está mexendo com a cabeça das mulheres que sonham dançar com a desenvoltura e sensualidade de divas, como: Beyoncé e as integrantes da Pussycat Dolls. O estilo mistura jazz, hip hop e música pop, todos dançados com salto alto. 


No entanto, ficar sobre os saltos, em pé e dançando por várias horas, explica o médico ortopedista Mauricio Mod, membro da SBOT (Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia) e da SBJC (Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho), que atua nas clínicas Ápice, de Sorocaba (SP) e Centro Médico São José, de Cerquilho (SP), pode ocasionar, ao longo do tempo, danos em diversas partes do corpo. “Praticar exercícios físicos com calçados desapropriados, no caso os saltos altos, aumenta, consideravelmente, a pressão sobre os pés, joelhos e a coluna lombar. Com o tempo, esta sobrecarga pode acarretar em tendinites, principalmente, na região do tendão de Aquiles”, explica. 


Os saltos altos, ressalta o especialista, não dão sustentabilidade, deixando o centro de gravidade concentrado apenas na parte da frente dos pés e repassando todo o peso do corpo para os dedos. O correto, explica Maurício, é, durante as passadas, dividir o peso entre calcanhar e dedos. “O salto transfere até 90% da pressão da pisada para os dedos, podendo, com o tempo, causar joanetes”, fala. 


O uso constante do acessório ainda pode levar ao encurtamento dos músculos do calcanhar e da panturrilha, causados pela compressão dos músculos, deixando-os menos flexíveis. “Por isto que muitas mulheres reclamam que as pernas doem, quando estão sem salto alto”, frisa o médico. Mas, se o amor pelo salto alto faz a mulher deixar de lado todos esses riscos, o especialista recomenda não usar este tipo de calçado todos os dias, intercalando com outros modelos e praticando alongamentos. “Fazer exercícios físicos para fortalecer a região das pernas pode ajudar a minimizar os riscos do uso de salto alto”, finaliza Dr. Maurício.

Fonte: Revista Viva Saúde

O que a acne pode revelar sobre nossa saúde?

A acne é uma enfermidade da pele que se produz quando as glândulas sebáceas que temos na pele produzem mais gordura que o normal, obstruindo os poros e retendo dentro deles sebo e células mortas. Quando isso ocorre se formam o que conhecemos comumente como cravos e espinhas, que podem ser leves ou severos. 


acne é provocada normalmente por mudanças hormonais relacionadas com a puberdade, o período menstrual, a gravidez, o uso de pílulas anticoncepcionais, o estresse, entre outros. Na medicina chinesa acredita-se que a acne em diferentes partes do rosto pode indicar algum problema de saúde em diferentes partes do corpo. Para determinar que tipo de doença estamos sofrendo, basta identificar o tipo de acne é e em qual parte do rosto está.

Acne na testa

Acne nesta área do rosto pode estar refletindo problemas no sistema digestivo e na bexiga.


O que fazer a respeito?

  • Beber água ajuda a eliminar as toxinas do corpo, por isso é sempre bom aumentar o consumo de água e também analisar os alimentos que vem consumindo.
  • Reduzir ao máximo a ingestão de bebidas gasosas e bebidas com alto teor de cafeína. Em seu lugar, procure beber mais chás de ervas, especialmente o chá verde.
  • Consumir menos chocolate, tortas e refrescos, e em seu lugar beba mais água mineral sem gás. Aumente o consumo de alimentos que ajudam a eliminar toxinas do corpo, tais como repolho cozido e maçãs assadas.
  • Descansar pelo menos 8 horas diárias sem interrupções.
  • Fazer de 20 a 30 minutos de exercícios todos os dias, especialmente ao ar livre.
  • Praticar técnicas de relaxamento para preocupar-se menos.
  • Manter melhores hábitos de higiene no cabelo e na pele.

Acne abaixo da testa

estresse
Pode indicar problemas do coração. O coração é um órgão massivo que bombeia o sangue para todo o corpo. Se você estiver estressado devido à má alimentação, sedentarismo, fatores de estresse físico e mental, então não só estará propenso a desenvolver espinhas abaixo da testa, mas seu corpo todo também poderá ser afetado. Ter um coração saudável significa praticar exercícios regularmente para fortalecer o coração, tal como possuir uma dieta saudável e liberar-se das tensões do dia a dia.

O que fazer a respeito?

  • Faça exercícios com regularidade.
  • Beba pelo menos 8 copos de água por dia.
  • Consuma comidas saudáveis, preferentemente sem gordura e seguindo uma dieta rica em fibras.
  • Pare de fumar.

Acne nas orelhas

Pode indicar problemas nos rins. Quando os rins não são cuidados, podemos notar espinhas grandes e dolorosas nas orelhas.

O que fazer a respeito?

  • Aumente a ingestão de água.
  • Evite os excessos de sal e cafeína.
  • Limpe seus rins com diuréticos, como a salsa e água.

Acne nos olhos, zona orbital e entre as sobrancelhas

Cuidar-naturalmente-do-fígado
Pode indicar problemas do fígado. Oleosidade, vermelhidão, descamação e espinhas nesta região podem indicar que seu fígado está trabalhando em excesso e necessita de uma limpeza.

O que fazer a respeito?

  • Coma frutas e verduras com alto teor de vitamina C (kiwi, pimentão doce, laranja).
  • Evite comer tarde de noite, especialmente próximo ao horário de deitar, já que seu corpo não irá digerir os alimentos com a máxima eficácia, o que levará a um acúmulo de toxinas.
  • Reduza o consumo de gorduras, doces, alimentos gordurosos, álcool e produtos lácteos, sobretudo se não for tolerante à lactose.
  • Alguns dos melhores alimentos para limpar o seu fígado incluem alho, uva, chá verde, cenoura, beterraba, vegetais de folhas verdes, limão e lima.

Acne nas bochechas

Pode revelar problemas nos pulmões e do sistema respiratório. As erupções de espinhas nas bochechas podem estar relacionadas ao estresse, tabagismo, asma, alergias e infecções pulmonares.

O que fazer a respeito?

  • Evite fumar e o tabagismo passivo.
  • Pratique algum exercício.
  • Evite áreas contaminadas.
  • Os alimentos considerados ideais para manter os pulmões saudáveis são a couve, o repolho e abóbora.
  • Inclua verduras frescas, aveia e arroz em sua dieta.
  • Coma mais alimentos como abóbora, melões e feijões verdes.
  • Não coma em excesso.
  • Evite o fast food, petiscos, refrigerantes e adoçantes artificiais.
  • Evite comer manga, inhame, tomar vinho e consumir mariscos ou outros alimentos que possam ser irritantes.
  • Coma menos açúcar.

Acne aos lados do queixo

enxaqueca-menstrual
Pode indicar problemas hormonais. Quando os lados do queixo apresentam acnes é um sinal de desequilíbrio hormonal, geralmente ocasionado pela menstruação. Às vezes, até o estresse emocional ou físico pode causar desequilíbrios hormonais.


O que fazer a respeito?

  • Reduzir o hábito de comer antes de dormir.
  • Coma mais frutas e hortaliças frescas.
  • Descanse e durma mais.
  • Realize pelo menos 20 minutos de exercício por dia e massageie seu corpo para relaxar.
  • Consuma ervas que podem ajudar a equilibrar os hormônios , como alcaçuz, magnólia chinesa, manjericão santo, maca peruana, raiz de bardana, folhas de framboesa vermelha e o chá verde.

Acne no centro do queixo

Pode indicar problemas leves nos intestinos e no estômago. Este tipo de acne se deve a má alimentação e a alergias alimentares. Assegure-se de eliminar da sua dieta os alimentos considerados como ruins.

O que fazer a respeito?

  • Coma mais frutas e hortaliças frescas.
  • Descanse mais.
  • Aumente a ingestão de água e fibras em sua dieta.

Tórax e pescoço

rugas no pescoço
O desenvolvimento da acne em áreas como o tórax e o pescoço é causado geralmente pelo estresse, por isso não deixe de investigar o que está estressando você e trate de eliminar a causa. Também é importante estar confortável no ambiente de trabalho ou em casa.

O que fazer a respeito?

  • Trate de eliminar os fatores de estresse.
  • Use roupas mais confortáveis.
  • Aumente a ingestão de água e procure aumentar a ingestão de ácido ascórbico para combater as infecções.
 

Fonte: Melhor com Saúde