segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Pesquisa da UFPI estuda veneno do sapo para tratamento contra o câncer

Uma pesquisa desenvolvida por um professor do Departamento de Química da Universidade Federal do Piauí (UFPI) é mais uma esperança na busca pelo tratamento e a cura de alguns tipos de câncer. Os estudos são desenvolvidos com o veneno dos sapos e, segundo os pesquisadores, já foi possível encontrar grande potencial na substância produzida pelos anfíbios.

 
A pesquisa é encabeçada pelo professor doutor Gerardo Magela e foi iniciada há cerca de quatro anos, quando o piauiense ainda lecionava na Universidade Federal de Mato Grosso. Lá, as pesquisas foram realizadas com sapos das espécies Rhinella marina e Rhaebo guttatus, encontrados no bioma amazônico. Há cinco meses na UFPI, ele resolveu incluir nos estudos o sapo Rhinella jimi, conhecido como cururu, encontrado na caatinga.

Fonte: Robson Pires

Giz contra mofo: saiba como usá-lo para evitar marcas e manchas de umidade

O giz de lousa, ou quadro negro, tem a capacidade de absorver a umidade como uma esponja, fazendo com que ela se concentre nele e não fique exposta no ar, evitando que o mofo se espalhe. Você pode começar colocando apenas uma pedrinha de giz nos cantinhos, mas se precisar, pode aumentar a dose.


O mofo aparece quando o ambiente tem muita umidade e os armários e guarda-roupas que mais sofrem com o bolor são aqueles que ficam encostados em paredes úmidas e de pouca ventilação. Os bolores são capazes de manchar paredes, prejudicar a estrutura das superfícies compensadas e aglomeradas, além de causar manchas nas roupas e ainda ser prejudicial à saúde.


Você pode colocar os pedacinhos de giz dentro de um pote sem tampa onde precisar, quanto mais umidade, ponha mais giz. Ou, você também pode fazer pacotinhos e trouxinhas usando tecido TNT ou qualquer outro que seja bem ventilado, como tule, para absorver a umidade.


                                            Thinkstock


 Quanto mais umidade, maior quantidade de giz você pode colocar dentro de armários e guarda-roupas

 Assim que sentir que o giz está úmido, é sinal de que está retendo umidade do local. Então, é só levá-lo ao sol para secar que estará pronto para usar de novo! Faça esse procedimento de tempos em tempos para manter tudo bem sequinho.


Fonte: Bolsa de Mulher -  por Jaqueline Rodrigues

Quer deixar a unha crescer, mas nunca consegue? Siga esses 8 passos


Cuidar bem das unhas vai muito além de uma simples preocupação estética. O hábito de manter as unhas em dia transmite uma imagem de asseio e cuidado com todas as partes do seu corpo. Se você pretende deixar a unha crescer, mas nunca consegue, siga 8 passo que ajudam a ter unhas mais fortes, longas e saudáveis:



1 / 8
1. Aposte em removedores específicos para remover o esmalte, já que a acetona enfraquece as unhas, impedindo o crescimento saudável.

2 / 8
2. Evite o contato direto e frequente com produtos de limpeza. Use sempre luvas na hora de lavar a louça e fazer a faxina.

3 / 8
3.Procure lixar as unhas em um tamanho de médio a curto para deixa-las mais forte. Manter as unhas muito compridas ou as deixam mais suscetíveis à quebra.

4 / 8
4. O movimento de vaivém na hora de lixar estraga e enfraquece as unhas. Passe a lixa somente em um sentido para manter a lâmina firme.

5 / 8
5. Nunca altere o formato das unhas com tesoura, cortador, lixa ou alicate, pois o hábito prejudica a saúde das unhas e atrapalhar o crescimento.

6 / 8
6. Evite aplicar esmalte nas unhas logo após retirar a camada antiga. Deixe a unha um ou dois dias sem esmalte para “respirar”.
7.  Aposte em bases fortalecedoras para unhas indicadas por um dermatologista.

8 / 8
8. Apenas empurre a cutícula com uma espátula eliminando o excesso, em vez de retirá-la com alicate. Remover demais a cutícula pode causar infecções e enfraquecer as unhas.
Fonte: Bolsa de Mulher -  por Paulo Nobuo

Brasil terá mais 1,2 milhão de casos de câncer até 2017.

Nos próximos dois anos, quase 1,2 milhão de pessoas receberão o diagnóstico de câncer no país. A informação é do Instituto Nacional de Câncer (Inca), que lançou nesta sexta-feira, 27, as estimativas nacionais para 2016 e 2017. 

Pelos cálculos dos pesquisadores, haverá o registro de 596.070 casos a cada ano - as mulheres serão mais afetadas, com 300.870 casos. Três em cada dez brasileiros receberão o diagnóstico de câncer de pele não-melanoma, doença de baixa letalidade. É o tipo de câncer mais comum para ambos os sexos. Excluindo-se o câncer de pele não-melanoma, as mulheres terão mais diagnósticos de cânceres e mama (57.960 casos/ano), cólon e reto (17.620), colo do útero (16.340), pulmão (10.860), estômago (7.600), corpo do útero (6.950), ovário (6.150), glândula tireoide (5.870) e linfoma não-Hodgkin (5.030).

Entre os homens, os cânceres mais incidentes são os de próstata (61.200), pulmão (17.330), cólon e reto (16.660), estômago (12.920), cavidade oral (11.140), esôfago (7.950), bexiga (7.200), laringe (6.360) e leucemias (5.540), também sem levar em consideração os cânceres de pele.
 
 Os dados do Inca mostram que há diferenças regionais. Entre as mulheres da Região Norte, o câncer de mama não será o mais incidente - a doença que mais as afeta é o câncer de colo de útero. A vida sexual precoce e a dificuldade de acesso a exames explica a diferença. Já na Região Sul, o câncer de colo de útero vai para a quarta posição, atrás de mama, cólon e reto e o de pulmão.

Entre os homens da Região Norte e do Nordeste, o segundo tipo de câncer mais comum é o de estômago. Os pesquisadores explicam que isso pode estar ligado ao tabagismo e ao consumo de alimentos conservados no sal, que aumentam o risco. As leucemias estão em sexto lugar na Região Norte, e em nono na classificação nacional. "A realidade do país demanda ações tanto gerais, quanto específicas para determinados grupos, regiões e seus respectivos fatores de risco, como o combate ao fumo de forma geral, mas com ações direcionadas às mulheres jovens, especialmente adolescentes, o combate à obesidade, o incentivo à prática regular de atividade física e a disseminação de informações", explica o vice-diretor-geral do Inca, Luiz Felipe Ribeiro Pinto.

[ Fonte: exame.abril.com.br ]
 
Via Momento Verdadeiro

Após ser baleada, criança pede ao Papai Noel que encontre o culpado




Poucas coisas podem ser tão verdadeiras quanto as manifestações de uma criança. A sinceridade na fala dos pequenos, muitas vezes acompanhada de situação embaraçosas para os pais, pode também emocionar muitas pessoas. Ainda mais em época de festas.

Como é praxe para milhões de crianças em todo o mundo, o pequeno Christian Hickey, de apenas 7 anos, também fez sua cartinha para o Papai Noel. O que ninguém esperava, no entanto, é o que o pequeno menino iria pedir ao bom velhinho. E o pedido emocionou a todos.

Em sua carta, o menino pediu ao Papai Noel uma série de coisas, formatadas como uma lista. No topo dela, estava lá: “Ajudar os policiais a encontraram a pessoas que me machucou”. Christian se referia ao criminoso que atirou em sua perna durante uma suposta briga de gangues em Manchester, na Inglaterra, onde ele vive.

Veja a carta:

                                                       Reprodução


 “É de partir o coração mesmo o fato de sabermos que existe um garotinho de apenas sete anos que deveria pedir apenas presentes legais ao Papai Noel e está colocando esse tipo de coisa no topo da lista. O que aconteceu com ele e sua família é deplorável e ficará marcado para todo o sempre em sua vida”, afirmou Russ Jackson, da divisão de crimes graves da polícia de Manchester.

Russ fez o comunicado poucos minutos depois de ter divulgado a carta de Christian para todos os cidadão de Manchester. Ele espera que, com a história comovente, a população participe mais do caso e ajude logo a polícia a chegar em algum suspeito de ter atirado no garoto.

O tiroteiro que vitimou o menino aconteceu em outubro e, até agora, o responsável pelos disparos não foi encontrado. Já Christian passou por algumas cirurgias — assim como sua mãe — e passa bem, apesar de ainda carregar sequelas físicas do ocorrido. Hoje, o menino só consegue se locomover com o uso de muletas.

sábado, 28 de novembro de 2015

5 plantas de interiores que podem ser perigosas

Ainda que a maioria destas plantas só seja tóxica em caso de contato direto, convém não arriscar, sobretudo se tivermos filhos pequenos ou animais de estimação que podem ingeri-las.



 Gostamos de ter plantas em casa porque decoram os ambientes e nos proporcionam uma equilibrante cor verde, especialmente se morarmos em zonas urbanas. Contudo, mesmo acreditando que podem contribuir para limpar o ar de nossa casa, o certo é que algumas plantas podem tornar-se perigosas no interior de nossos lares.



Neste artigo, explicamos quais são e por que devemos mantê-las afastadas, principalmente, das crianças e dos animais de estimação, bem como quais são as plantas saudáveis que se que podem ter em casa sem nenhum risco.

Plantas de interiores que podem ser perigosas

As plantas que mencionaremos a seguir são, especialmente, perigosas quando existem crianças ou animais por perto, pois a sua ingestão é tóxica para o organismo. Contudo, algumas delas também são perigosas por inalação ou contato e, por isso, podem prejudicar de maneira acidental qualquer pessoa.
Por esse motivo, recomendamos optar por plantas que não só não sejam perigosas, mas que ajudem a purificar o ar.


Serpentária

A  Serpentária ou Dracunculus vulgaris é uma planta típica dos países mediterrâneos que convém destacar por ser  uma das mais venenosas. Além disso, o seu perigo é considerável porque o seu curioso aspecto e suas bagas vermelhas alaranjadas chamam muita atenção por sua originalidade.

Filodendro (Imbé)

 

 

Esta bonita planta, muito frequente em nossas casas, destaca-se por crescer de maneira natural sobre outras árvores, nas selvas tropicais. E tem muitas espécies diferentes.

O filoendro não representa nenhum perigo, exceto no caso de alguém ingeri-lo por acidente.

Nesse caso, temos a destacar que o seu teor em oxalato de cálcio pode provocar ardor na boca e nos lábios, dores de estômago  e irritação na garganta, em primeiro lugar e, no pior dos casos, convulsões, perda de consciência e morte.

Também existem casos em que, mesmo não causando a morte, a pessoa ficou afetada com insuficiência hepática ou renal crônica como sequela.

Hortência

 

A Hortência é uma bonita flor muito conhecida e originária do Japão. Existem mais de 100 espécies e pode ser cultivada dentro de casa ou  ao ar livre. Tanto a flor como as folhas da hortência contêm hidrangina, um composto que tem causado intoxicação às pessoas e animais com sintomas parecidos aos da ingestão de cianeto.


Suas raízes podem conter propriedades medicinais, mas não se recomenda o seu uso devido aos perigos que envolve.

Sálvia divinorum

 

 Colocamos o nome completo desta planta porque  não queremos que a Sálvia divinorum se confunda com a Sálvia officinalis (Sálvia) de uso e consumo comum.

 

Esta planta de grandes folhas verdes, originária do México, contém salvinorina, um composto que tem um forte efeito de provocar alucinações e delírios.  Esta planta se usa, em algumas zonas, para determinadas práticas rituais e como droga de origem natural.


A Sálvia Divinorum  produz importantes alterações de consciência que podem levar a estados de descontrole muito perigosos com consequências permanentes.

Beladona

 

Esta planta é muito conhecida como remédio homeopático porque se usa em doses microscópicas. Contudo, não se recomenda manter a Beladona no interior de casa, devido ao elevado grau de toxicidade de seus alcaloides, que podem contaminar também por sua manipulação.

Esta planta de flores roxas, em forma de sino, muito atrativas e de frutos negros de cheiro desagradável se usava, antigamente, como veneno. Sobre ela se contam muitos segredos e lendas.

Plantas inócuas

Se quisermos ter plantas  no interior de nossa casa e queremos aproveitar suas virtudes para purificar o ar de toxinas, podemos optar por estas alternativas que não representam riscos para a saúde:

Jiboia (Epipremnum aureum)

 

Conhecida comumente como jiboia,  não requer muitos cuidados e é ideal para eliminar do ar o formaldeído e outros compostos orgânicos voláteis.

Chrysalidocarpus lutescens (Areca-bambu)

 

Também chamada de areca-bambu ou palmeira de jardim,  limpa o ar durante o dia e filtra formaldeído e outras substâncias que são emitidas pela pintura das paredes, dos móveis ou de outros elementos envernizados.

Espada de são Jorge (Sanseviera trifasciata)

 Também se conhece pelos nomes de Espada de São Jorge, Espada de Santa Bárbara, Língua de Sogra, Rabo de Lagarto e Sanseviéria.  Transforma o dióxido de carbono em oxigênio durante a noite sendo, por isso, ideal para colocar no quarto.

 

Fonte: Melhor com Saúde

6 provas de que bolo de chocolate é uma das PIORES coisas que você pode comer

Ele pode ser uma das coisas mais gostosas que existe, um dos piores pecados à mesa. O tradicional bolo de chocolate, feito de farinha branca, açúcar refinado, manteiga ou margarina e achocolatado, desse jeitinho, é quase 100% composto de calorias vazias. Se não fossem alguns benefícios dos ovos e do leite, seria a pior coisa que você poderia escolher para comer. Portanto, caso não resista a tentação, opte por preparações com farinha integral, açúcar mascavo e cacau de verdade.

Ingredientes vilões do bolo de chocolate:

Farinha branca
A farinha de trigo refinada engorda e traz riscos de obesidade, compulsão alimentar, diabetes e doenças crônicas, além de prejudicar o funcionamento do intestino. É um ingrediente pobre em nutrientes e de alto índice glicêmico. Tem ação semelhante ao açúcar no organismo, aumentando a taxa de glicose no sangue e, por isso, o consumo em excesso está associado ao aumento de triglicérides e incidência de diabetes, obesidade e doenças crônicas.


Leite integral
Também não é recomendado para quem tem colesterol alto, já que tem 3% de gordura e mais da metade dela é saturada - ruim para as artérias. Gordura em excesso pode ser prejudicial, mas quando ingerida com moderação ajuda a absorver nutrientes do leite, como a vitamina D.


Açúcar refinado
É possível relacionar a universalização do consumo do açúcar com o aumento na incidência das doenças mais comuns da atualidade, como câncer, obesidade, diabetes e problemas cardiovasculares. Para ficar mais branco e soltinho, o açúcar extraído da natureza é submetido ao refino, que utiliza inúmeros produtos químicos. Nesse processo, as fibras, os sais minerais, proteínas e demais nutrientes são eliminados, resultando em um produto químico cheio de calorias vazias. O consumo do açúcar refinado ainda produz um estado de superacidez que desmineraliza o nosso organismo, levando à carência de cálcio, magnésio, zinco, cobre e selênio.


Manteiga ou margarina
A manteiga é fabricada com creme de leite, um poço de gordura saturada e colesterol. Já a margarina passa por um processo onde recebe moléculas de hidrogênio sob alta pressão para ficar mais firme e durável. Por causa disso, passa a conter gorduras trans, tão prejudiciais ao coração quanto as saturadas. Além de elevar o colesterol ruim (LDL) e diminuir o bom (HDL), o excesso de gorduras trans pode causar inflamações nas paredes das células.


Achocolatado
Produtos que conhecidos como “achocolatados em pó” têm adição de açúcar dez vezes maior do que a de cacau. Para se ter ideia, 75% dos componentes de uma embalagem do achocolatado mais famoso do mercado são açúcares, na segunda marca mais famosa, o percentual chega a 90%. No primeiro caso, a cada 20g (2 colheres), 15g são de açúcar. E no segundo, a cada 20g, 18g são de açúcar.


Fermento
No fermento químico, as bolhas de gás carbônico (ou dióxido de carbono) que fazem a massa crescer são obtidas através das reações do bicarbonato de sódio com algum ácido. Na fabricação do fermento em pó, o bicarbonato é misturado a substâncias que se tornam ácidas ao entrar em contato com líquidos ou quando são aquecidas. O pó já começa a reagir na hora de bater o bolo. Quando utilizado em doses excessivas, o bicarbonato de sódio pode provocar edemas em pacientes que tenham predisposição à retenção de líquidos. Náusea e vômitos também são sintomas comuns. Pode ocorrer também a diminuição da urina e da absorção dos anticoagulantes.

Fonte: Bolsa de Mulher -  por Camila Silva

Cientistas agora conseguem definir o gênero a partir de uma impressão digital




Impressões digitais podem ser únicas, mas sem um registro existente elas não ajudam na identificação de uma pessoa. Agora, no entanto, pesquisadores podem usar análise química das impressões para identificar o gênero de quem deixou-as para trás.

Uma equipe de pesquisadores da Universidade do Estado de Nova Iorque, em Albany, desenvolveu uma técnica que usa o composto químico de uma impressão digital para definir o gênero. Isso é possível por causa da diferença sutil na concentração de aminoácidos que vaza da pele humana: as mulheres tendem a liberar duas vezes mais e em distribuição levemente diferente do que os homens.

Os cientistas, liderados por Jan Halámek, decidiram ver se conseguiam identificar essas diferenças mesmo em coisas como impressões digitais. Primeiro, eles extraíram os aminoácidos da impressão digital ao transferi-la para um pedaço de plástico. 

Então eles lavaram a impressão com ácido hidroclórico enquanto aqueciam ela, encorajando os aminoácidos a se liberarem. Depois a equipe analisou a presença dos aminoácidos dentro do ácido hidroclórico.

E deu certo. A equipe realizou uma série de experimentos, recolhendo impressões digitais de maçanetas, telas de computador e outras superfícies. Em seus testes, eles conseguiram usar a técnica para identificar o gênero do dono da impressão digital 99% das vezes. Os resultados foram publicados na Analytical Chemistry.

Obviamente, combinar uma impressão digital – ou melhor, uma amostra de DNA – é algo mais útil para agentes da lei, mas a técnica ainda pode ter sua utilidade. Halámek diz que os resultados podem oferecer evidências vitais quando as impressões digitais estiverem manchadas ou distorcidas. Independentemente de como ela for usada, espere ver referências a isso em breve em programas de TV de investigação. 

 
Via Josiel Dias

Conheça nove temperos que são aliados da dieta

Pimenta, canela, gengibre, alho entre outros condimentos tornam pratos mais saborosos e ajudam no emagrecimento


Adicionar determinados temperos nas comidas, além de torná-las mais saborosas ainda pode contribuir para a perda de peso. Isto porque esses condimentos possuem diversas ações que ajudam na queima de calorias mais acelerada, na perda de gordura e que ainda melhoram o organismo de forma geral. No entanto, para obter tal benefício é preciso ter uma dieta balanceada, praticar atividades físicas e consumir estes temperos regularmente.

Saiba como a pimenta, a canela, o gengibre, a cúrcuma, o azeite, o vinagre de maçã, a salsa, o alho e o orégano podem ajudar na dieta e ainda proporcionar benefícios para a sua saúde.  

Pimenta

As pimentas contribuem para o emagrecimento. "Isto se deve a capsaicina, composto que contribui para o aumento da termogênese e consequentemente ajuda a reduzir o peso corporal", explica a nutricionista e fitoterapeuta Maria Angélica Fiut, membro do Conselho Diretor da Associação Brasileira de Fitoterapia (ABFIT).

Quanto mais ardida a pimenta, maior será a sua capacidade emagrecedora. Este tempero pode ser adicionado em carnes vermelhas, frango, no arroz com feijão e até na salada. "O importante é ingerir a pimenta constantemente, pois isso irá fazer com que o metabolismo fique mais acelerado", diz a nutricionista e chef Carina Boniatti, da Colherada Gourmet. As pimentas malagueta, jalapeno, dedo de moça, entre outras, são benéficas para a perda de peso. A únicas pimentas que não apresentam esse benefício são a pimenta biquinho e a cambuci, pois não apresentam capsaicina. 


Canela

A canela é uma aliada para a perda de peso por ser um alimento termogênico. Isto significa que ela é capaz de aumentar o gasto calórico do organismo durante a digestão e o processo metabólico. "Este tempero também diminui a vontade de comer doce e ajuda no controle de glicemia", observa Boniatti.

Este alimento vai muito bem com frutas. Um prato muito saudável pode ser a banana amassada com chia e polvilhada com canela. Você não resiste a um doce? então a canela pode ser sua aliada. Um estudo publicado no The American Journal of Clinical Nutrition observou que incluir três gramas de canela no arroz doce promove a redução dos níveis de insulina logo após a refeição e o aumento do GLP-1, hormônio que estimula a secreção de insulina. Esse processo ajuda a controlar as taxas de açúcar no sangue. 





Gengibre

O gengibre possui o gengirol, substância que aumenta o gasto calórico em torno de 10%. "Na comida japonesa o gengibre está facilmente disponível. No dia a dia o gengibre vai bem para temperar carnes vermelhas, frango e peixe. Ele também pode ser ralado em frutas e na forma de chá. O calor não irá fazer com que o gengibre perca seus nutrientes", conta Boniatti. 



Cúrcuma

A cúrcuma possui uma série de benefícios para a saúde. "Ela tem a curcumina, substância que é um poderoso anti-inflamatório. Pessoas com obesidade e com sobrepeso se encontram em um quadro inflamatório devido ao excesso de gordura. Ao ajudar a reduzir a inflamação a cúrcuma faz com que o corpo fique mais adequado para a perda de peso", explica Boniatti.

Este tempero também é um aliado do fígado. "Ele tem ação no metabolismo das gorduras, diminui o colesterol e lipídios totais, eleva o colesterol HDL e diminui o triglicérides", afirma Fiut.

A curcumina se degrada em grandes temperaturas. Por isso, cozinhe os alimentos no tempo certo. Este tempero vai muito bem com o peixe e a versão em filé só precisa de 20 minutos no forno. Caso vá preparar um arroz com cúrcuma coloque o tempero no final. A cúrcuma também combina com filé de frango. Apenas uma colher de café do tempero é o suficiente. 


Azeite

Uma pesquisa feita pela Universidade de Viena, Áustria, e Universidade Técnica de Munique, na Alemanha, concluiu que o azeite de oliva contribui para a perda de peso. O estudo apontou os compostos de aroma deste óleo como os responsáveis pelo emagrecimento, pois eles são capazes de regular a saciedade.

Após uma refeição, o tempo que a sensação de saciedade dura depende de uma série de fatores, porém o nível de açúcar no sangue influencia significativamente. Quanto mais rápido ele cai, ou seja, quanto mais rápido as células absorverem a glicose do sangue, mais cedo a pessoa começa a sentir fome. A pesquisa concluiu que o azeite de oliva possui substâncias de aroma que reduzem a absorção de glicose do sangue para as células do fígado. Porém, o óleo não faz milagres, para perder peso é importante ter uma dieta balanceada e praticar atividades físicas. 

Os especialistas divergem sobre o aquecimento do azeite. Alguns acreditam que ao ser aquecido este óleo irá saturar e assim causar todos os malefícios das gorduras saturadas. Outros defendem que o azeite pode ser aquecido na preparação de pratos. Porém, isto só irá proporcionar sabor para a comida, pois os nutrientes deste óleo se perdem. "É preciso consumi-lo cru, nas saladas por exemplo, para obter todas as suas propriedades", diz Boniatti. 


Vinagre de maçã

Uma pesquisa da Universidade do Arizona e publicada na revista Diabetes Care observou que após ingerirem duas colheres de sopa de vinagre de maçã diluídos em água antes do almoço e do jantar, os participantes perderam em média dois quilos em um mês.

Isto ocorre porque o alimento ajuda a reduzir picos de insulina e o nível de glicose após refeições ricas em carboidratos. Os picos de insulina são inimigos do emagrecimento porque quando o carboidrato é absorvido rapidamente pelo sistema digestivo, o nível no sangue sobe subitamente. Assim o pâncreas libera muita insulina que, por sua vez, irá baixar drasticamente os níveis de glicose no sangue, levando a uma hipoglicemia reativa e consequente sensação de fome.

Além disso, o ácido acético presente no tempero é um bloqueador natural da absorção de amidos e açúcar. Quando estas enzimas são bloqueadas, os carboidratos passam direto através do trato digestivo, comportando-se como fibras insolúveis, que não podem ser digeridas. Assim são eliminadas muitas calorias, que se fossem absorvidas, certamente iriam dificultar a perda de peso.

O vinagre de maçã pode ser adicionado em saladas e para temperar carnes brancas. "Principalmente aves, pois o gosto ácido do vinagre ressalta o sabor do alimento. Basta uma colher de chá. A propriedades do vinagre não se perdem com o aquecimento", conta Boniatti. 



Salsa

A salsa contribui para a perda de peso por ser diurética. "Ela também ajuda a 'limpar' o organismo de 'toxinas'", observa Fiut. Este alimento pode ser acrescentado na alimentação de diversas formas. "Adicione no final da preparação do arroz, legumes, carnes ou molhos. A salsinha combina com todos os tipos de alimentos, pois o sabor dela é neutro e não se sobressai", explica Boniatti.

A salsa também pode ser utilizada na preparação de chás, separe um maço da planta para um litro de água e faça a infusão. Outra alternativa é adicionar o alimento em sucos, como o suco verde. 


Alho

O alho proporciona uma série de benefícios para o organismo. "Trata-se de um dos alimentos que mais tem propriedades saudáveis. É antiviral, antioxidante, anti-inflamatório, protege o coração, melhora nossa glicemia e controla a pressão arterial. Como ele tem amplas funções, ajuda a restaurar o equilíbrio do organismo e assim contribui para a melhor queima de gordura", afirma Boniatti. 

A melhor maneira de aproveitar os nutrientes do alho é consumindo-o cru. Por isso, ao fazer comidas como arroz, a dica é refogar metade do alho que pretende utilizar para elaborar o alimento e adicionar a outra parte quando o arroz já estiver pronto. Assim, o próprio calor do alimento irá abrandar o forte sabor do alho e suas propriedades serão mantidas. 



Orégano

O orégano é um aliado de quem quer emagrecer por duas razões. "Ele estimula a digestão e tem ação diurética, por isso interessante para quem quer perder peso", explica Fiut.

O orégano vai bem com carnes e legumes, tanto nas versões refogadas na panela quanto assadas no forno. Uma opção que pode ajudar a matar a vontade da pizza é adicionar o orégano no tomate e assá-lo. 

Fonte: Minha Vida -  POR BRUNA STUPPIELLO

10 doenças que podem matar qualquer pessoa em um dia

A ciência sempre busca o progresso, o que significa que perseguimos constantemente melhores tratamentos e curas para doenças que afligem a humanidade. No entanto, existem vírus, bactérias e condições maléficas lá fora, que até agora passaram a perna nas nossas mentes mais brilhantes.
Temos que tomar muito cuidado com essas doenças, pois elas podem derrubar qualquer um em menos de 24 horas. Como:

10. Dengue

A dengue é uma doença que ameaça 40% da população mundial. Se você é brasileiro, já deve ter se deparado com instruções para prevenir a condição muitas vezes, uma vez que o mosquito transmissor do vírus é comum em climas tropicais.
O maior perigo é a versão hemorrágica da doença. Como o próprio nome sugere, com um dia da picada, a pessoa pode sofrer com febre alta, dores musculares e hemorragia interna. Sem tratamento imediato, a dengue hemorrágica pode destruir rapidamente as plaquetas da vítima, causando insuficiência circulatória em menos de 24 horas.
O pior: não há cura para a doença, e os cientistas ainda estão trabalhando em uma vacina que seja eficaz.

9. Ebola
Mais de 28.000 pessoas no oeste da África contraíram ebola desde 2014. O vírus não possui cura atualmente, e estima-se que 70% dos infectados acabam morrendo.
Horas após a contaminação, a doença causa a ruptura de células brancas do sangue, impedindo a coagulação. Isso faz com que as pessoas sangrem internamente, bem como através dos olhos, nariz, reto, boca e orelhas. Eventualmente, seus órgãos param de funcionar.

8. Peste bubônica
No século 14, a peste bubônica matou 50 milhões de pessoas. Mas isso não significa que a doença seja coisa do passado. Na última década, 20.000 casos da condição foram reportados em diferentes lugares do mundo, incluindo o continente americano.
A doença é transmitida através da mordida de uma pulga. A bactéria entra na corrente sanguínea e se multiplica nos linfonodos, causando bubões – bolhas inflamadas que produzem dor agonizante. Pacientes infectados vomitam sangue e têm convulsões, mas um dos piores sintomas é a necrose – os membros da pessoa começam a apodrecer enquanto ela ainda está viva.
Sem tratamento, 60% das pessoas com a doença vão morrer, frequentemente no mesmo dia em que são infectadas.

7. Enterovírus D68
O D68 é um vírus respiratório mortal, uma espécie de versão agressiva da poliomielite. É transmitido via saliva, ou por superfícies como toalhas e maçanetas que tiveram contato com fluidos corporais.
A doença pode matar da noite para o dia, atacando a função motora e respiratória do infectado. Não há tratamento específico para a condição, considerada rara. Ainda assim, um surto recente nos EUA, em 2014, registrou 691 casos e 5 mortes.

6. Cólera
A cólera causa desidratação severa, vômito e diarreia. A bactéria ataca o intestino, atrapalhando a excreção fecal. As vítimas podem perder um litro de fluidos por hora, o que causa desiquilibro de sais e convulsões. Ao longo do tempo, o sangue dos infectados engrossa, e seus órgãos começam a falhar.
Em todo o mundo, estima-se que 5 milhões de pessoas sofram com a doença, por conta de água e comida contaminadas. Dessas, 120 mil morrem, apesar de existirem antibióticos e vacina.

5. SARM ou MRSA
MRSA é a sigla em inglês para “Staphylococcus aureus resistente à meticilina” (também conhecida como SARM). A doença é causada por uma bactéria que se tornou resistente a vários antibióticos – primeiro à penicilina, em 1947, e depois à meticilina.
Como consequência, nos infectados, a bactéria rapidamente destrói o pulmão e as células do sangue. A doença não possui tratamento e é predominante principalmente hospitais ocidentais. Ela se aproveita de feridas abertas, como cicatrizes de cirurgias.
Dentro de 24 horas da contaminação, uma forma gangrenosa de pneumonia pode asfixiar o paciente, causando falência de órgãos.

4. Doença cerebrovascular
Essa doença é terrível: corta oxigênio e nutrientes vitais no corpo. Como resultado, mata 6 milhões de pessoas por ano, deixando outras 5 milhões permanentemente incapacitadas.
Se as pessoas não procurarem tratamento dentro de três a seis horas do derrame, o ataque pode ser fatal. Ele destrói 32 mil células cerebrais por minuto, causando dormência no rosto e membros imediatamente.
Sobreviventes muitas vezes ficam cegos ou mudos. Nos piores casos, ficam mentalmente intactos, mas totalmente paralisados, dos pés à cabeça.

3. Doença de Chagas
Essa doença é causada por um parasita transmitido através de insetos como o barbeiro. É comum no continente americano.
Quando o parasita entra na corrente sanguínea de uma vítima, começa a destruir seu sistema circulatório. Muitos infectados são completamente inconscientes de que possuem a doença – 50.000 sucumbem à síndrome da morte súbita quando seus corações ficam fracos demais, e um ataque cardíaco inesperado ocorre. Se uma ressuscitação cardiorrespiratória não for ministrada imediatamente, não há esperança de sobrevivência.

2. Doença meningocócica
No mundo todo, estima-se que 1,2 milhões de pessoas sejam infectadas com essa perigosa bactéria. Uma vez na corrente sanguínea, ela ataca a membrana do cérebro. Vítimas apresentam dores de cabeça severas, erupções roxas e sensibilidade à luz.
O cérebro incha e toxinas da bactéria destroem vasos sanguíneos em órgãos vitais. Sem tratamento imediato com antibiótico, os pulmões se enchem de fluido, e sepsia causa gangrena pelo corpo todo.
Mesmo com os melhores cuidados, até um terço dos infectados morre. Além disso, 20% dos sobreviventes ficam surdos, mentalmente deficientes ou precisam amputar membros.

1. Fasciíte necrosante
Essa infecção é causada por uma bactéria conhecida como “devoradora de carne”, uma vez que ataca vigorosamente as camadas da pele. É mais comum em pacientes hospitalares com feridas abertas, mas pode ser transmitida até mesmo através de um corte feito com papel.
Quando entra na corrente sanguínea, as toxinas da bactéria rapidamente se espalham e apodrecem os tecidos do corpo. No mundo todo, cerca de 1.500 pessoas contraem a doença por ano. Em diversos casos, amputação de membros é a única forma de prevenir que a bactéria se espalhe por todo o indivíduo.
Mesmo com tratamento cirúrgico e antibióticos, um terço das vítimas morre.

Fonte: http://hypescience.com/ - Autor: Natasha Romanzoti