terça-feira, 21 de junho de 2016

Porque as mulheres vivem mais do que os homens: estudo

No nosso país, de acordo com os dados de 2014 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as mulheres possuem expectativa de vida média de 78,8 anos, enquanto a dos homens é de 71,6 anos.


Por que as mulheres vivem 7 anos a mais? Isso não é algo muito fácil de identificar, devido a quantidade de fatores que podem influenciar a longevidade. O que sabemos é que esse fenômeno é geral e mundial.


Segundo Steven Austad e Kathleen Fischer, da Universidade do Alabama em Birmingham (EUA), que estudam o assunto, os seres humanos são a única espécie em que um sexo é conhecido por ter uma vantagem de sobrevivência onipresente. “De fato, a diferença de sexo na longevidade pode ser uma das características mais robustas da biologia humana”, escreveram em um artigo publicado na revista Cell Metabolism.


Só dá elas
Em outras espécies, de lombrigas a moscas a alguns mamíferos, certos estudos também viram diferenças de expectativa de vida que podem favorecer um sexo.

Porém, estudos contraditórios com diferentes dietas, padrões de acasalamento ou condições ambientais muitas vezes invertem essa vantagem ao outro sexo. Com os seres humanos, são sempre as fêmeas que parecem ter a vantagem.


Muitas evidências
O banco de dados de mortalidade humana (Human Mortality Database) reúne informações de mortalidade de homens e mulheres de 38 países que remontam até 1751 para a Suécia e 1816 para a França.

“Dada essa alta qualidade dos dados, é impressionante que, para todos os 38 países em cada ano no banco de dados, a expectativa de vida feminina ao nascer excede a expectativa de vida masculina”, notam Austad e Fischer.

A maior expectativa de sobrevivência do sexo feminino é vista ao longo de toda a vida, aliás. Inclusive, as mulheres são cerca de 90% dos super centenários, aqueles que vivem até os 110 anos de idade ou mais.


O caso Islândia
Um caso interessante para estudo é o da Islândia. Isso porque temos dados de 1800 até o início dos anos 1900 sobre esse pequeno país, que é geneticamente homogêneo e já foi assolado por catástrofes, como a fome, inundações, erupções vulcânicas e epidemias de doenças.

Durante esse tempo de desastres, a expectativa de vida ao nascer caiu tão baixo quanto 21 anos. Em uma época melhor, entretanto, chegou a 69 anos. O curioso foi que, em cada ano, independentemente da disponibilidade de alimentos ou da presença de epidemias, as mulheres no início da vida e perto do fim sobreviveram melhor que os homens.

Isso também foi percebido em outros países. Nos Estados Unidos, por exemplo, sabe-se que a mulher tem melhor resistência à maioria das principais causas de morte. “Das 15 principais causas de morte em 2013, as mulheres morreram em uma menor taxa ajustada por idade de 13 delas, incluindo todas as seis principais causas”, os pesquisadores informaram no artigo. “Para uma causa, acidente vascular cerebral, não houve viés de sexo, e apenas para uma delas, a doença de Alzheimer, as mulheres estavam em maior risco”.

Controlando as variáveis
Em animais usados em pesquisas de laboratório, como o verme C. elegans, a mosca da fruta Drosophila melanogaster e rato Mus musculus, padrões de longevidade por sexo podem variar de acordo com origens genéticas ou por diferenças na alimentação e nas condições de moradia e acasalamento.

Essas variáveis não controladas levam a resultados diferentes sobre longevidade. Uma revisão de 118 estudos com ratos de laboratório constatou que 65 estudos relataram que os machos sobreviveram mais tempo, 51 descobriram que as fêmeas foram mais longe, e dois não apresentaram diferença entre os sexos.

Mas, se as variáveis forem cuidadosamente controladas, ratos podem se tornar na verdade um modelo útil para estudar diferenças sexuais na fisiologia celular e molecular do envelhecimento.

Este entendimento pode ser útil para pesquisadores desenvolverem melhores medicamentos para uso humano.

As diferenças podem ser devido a hormônios, a diferenças do sistema imunológico, a respostas ao estresse oxidativo, ou até mesmo ao fato de que os homens têm um cromossomo X e um Y, enquanto as mulheres têm dois cromossomos X.


Elas ficam mais doentes
Um dos aspectos mais intrigantes dessa diferença, e que não tem equivalente conhecido em outras espécies, é que, apesar das mulheres viverem mais do que os homens, parecem ter pior saúde ao longo da vida adulta.

A maior prevalência de limitações físicas na vida adulta feminina é vista em sociedades ocidentais, e também nas mulheres de Bangladesh, China, Egito, Guatemala, Índia, Indonésia, Jamaica, Malásia, México, Filipinas, Tailândia e Tunísia.

Uma explicação intrigante para este paradoxo é uma possível conexão com problemas de saúde que aparecem mais tarde na vida. As mulheres são mais propensas a problemas nas articulações e ossos, tais como osteoartrite, osteoporose e dores nas costas, do que os homens. Tais condições tendem a ser mais graves nas mulheres, e isso pode significar privação de sono crônica e estresse.

Assim, as diferenças entre os sexos poderiam ser devido a doenças do tecido conjuntivo. O tecido conjuntivo em seres humanos é conhecido por responder a hormônios sexuais femininos.

Mas esta é apenas uma das várias hipóteses plausíveis para o mistério de por que as mulheres vivem mais, em média, do que os homens. Os estudos precisarão continuar para termos uma noção melhor dos fatores envolvidos. [Science20]

Fonte: http://hypescience.com/ - Natasha Romanzoti

Nenhum comentário:

Postar um comentário