quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Se há 1,5 bilhões km³ de água na Terra, por que podemos ficar sem?

Embora seja uma substância abundante em nosso planeta, especialistas alertam para um possível colapso das reservas de água doce, que vêm se tornando uma raridade em vários países. A quantidade de água no mundo permanece constante, produzida pelo seu ciclo natural, é hoje basicamente a mesma que em 1950 e que deverá permanecer inalterada até 2050. Ou seja, ela é finita.

Só um terço dos 3% de água doce é acessível

Apesar de 75% da superfície do planeta ser recoberta por massas líquidas, que somam um total que cerca de 1,5 bilhões km³, água doce não representa mais do que 3% desse total. Desse percentual, apenas um terço da água doce - presente nos rios, lagos, lençóis freáticos superficiais e atmosfera - é acessível. O restante está concentrado em geleiras, calotas polares e lençóis freáticos profundos.


Ou seja, a água potável mesmo disponível na natureza é bastante restrita. Cerca de 97,61% da água total do planeta é proveniente dos oceanos; calotas polares e geleiras representam 2,08%, a água subterrânea 0,29%, água doce de lagos 0,009%, água salgada de lagos 0,008%, água misturada no solo 0,005%, água dos rios 0,00009% e vapor d’água na atmosfera 0,0009%.


Desse restrito percentual, uma grande parcela encontra-se poluída, diminuindo ainda mais as reservas disponíveis. Nessa perspectiva, a ONU (Organização das Nações Unidas) divulgou uma nota com uma previsão de que até 2050, aproximadamente 45% da população não terá a quantidade mínima de água.
Por isso, o alerta de conscientização precisa ser não apenas no sentido de economizar e racionalizar o seu uso, como também não poluir, desmatar, passar a investir em reflorestamento, reconstituição de matas ciliares e em ações básicas de saúde pública como saneamento básico e tratamento de lixo e esgoto.

Fonte: VIX - Escrito por Jaqueline Rodrigues

Nenhum comentário:

Postar um comentário