quarta-feira, 12 de outubro de 2016

A história do bebê que levou 14 facadas, foi enterrado vivo e sobreviveu

A sobrevivência de Aidin, um bebê de apenas 7 meses de idade, vem comovendo pessoas do mundo todo. Encontrado em uma cova em Khon Kaen, na Tailândia, e com 14 facadas pelo corpo, o então recém-nascido foi levado para um hospital e se recuperou milagrosamente. Na ocasião, em fevereiro deste ano, ele estava com apenas alguns dias de vida.

Antes de ser jogado e enterrado na vala, o bebê tinha sofrido cortes profundos de faca e possivelmente foi deixado no local para morrer. Quem o encontrou foi a pastora de gado Kachit Krongyut, que primeiro viu algo diferente embaixo de uma árvore e, na sequência, ouviu choros e gritos.

Rapidamente Krongyut desenterrou a criança, com as próprias mãos, e a levou para o hospital. Por incrível que pareça, foi justamente o fato de ter sido enterrado que impediu que Aidin morresse, já que a pressão da terra sobre seu corpo interrompeu o sangramento dos ferimentos.
Final feliz



Em um primeiro momento, Krongyut achou que a criança era um animal, e só percebeu que era um bebê quando o desenterrou completamente – ele estava de cabeça para baixo.

Após se recuperar, o bebê foi encaminhado a um orfanato e agora, meses após a tragédia, finalmente vai ser adotado por um casal da Suécia. De acordo com os responsáveis pela adoção, Supachai Pathimchart e Kaen Thong, foram tomadas todas as medidas de segurança para garantir que a criança será encaminhada para uma família estruturada e com boas referências.

A notícia também agradou Krongyut e seu marido Pornchai, responsáveis pelo resgate do bebê. Eles se dizem felizes ao saber que o pequeno Aidin finalmente vai ter uma família da qual receber carinho, atenção e cuidados.

A polícia local chegou ao paradeiro da mãe biológica de Aidin, logo após o crime, por meio de pegadas e de uma trilha de moto encontradas na região onde a criança tinha sido enterrada. A mulher foi acusada de tentativa de homicídio e de abandono.

Fonte(s) Daily Mail/JENNIFER NEWTON/  Via Josiel Dias

Nenhum comentário:

Postar um comentário