domingo, 13 de novembro de 2016

O que a língua pode revelar sobre sua saúde

Sem ela, não sentiríamos o sabor da comida nem conversaríamos com os amigos. E saiba que esse órgão ainda tem muito a dizer sobre a nossa saúde
 

A língua vive nos extremos. Só nos lembramos dela na dor ou no prazer. Quanta aflição quando a mordemos sem querer. Quanta felicidade em um beijo apimentado. Na maior parte da vida, porém, esse músculo (sim, músculo!) exerce um papel tão discreto quanto fundamental: atua na quebra e digestão dos alimentos, na coordenação da fala e também serve como espelho do resto do organismo. Pode delatar situações mais triviais como uma febre ou sinalizar até mesmo quadros sérios como anemia, gastrite e diabete.
 

“Não é apenas sabedoria popular dizer que a língua traz um reflexo do que ocorre no corpo”, afirma o dentista Cassius Torres, presidente da Sociedade Brasileira de Estomatologia e Patologia Oral (Sobep). Estomatologia é uma especialidade da odontologia dedicada a investigar tudo o que diz respeito aos tecidos da boca – caiu na pegadinha se pensou que tinha a ver com estômago. Ocorre que a aparência da língua não deveria ser examinada só na cadeira do dentista. Embora a ciência ainda não saiba explicar em minúcias, uma série de problemas sistêmicos se manifesta por alterações nessa estrutura. É o caso da anemia, que pode ser fruto de uma deficiência de ferro ou vitamina B12.


“Um dos primeiros sinais é a atrofia da língua. Ela fica lisa, parece perder as papilas”, descreve a estomatologista Fernanda Salum, professora da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Diante de uma anemia, também é comum o indivíduo se queixar de ardência e sensação de queimação na hora de comer. “É uma condição que se reflete diretamente no órgão, deixando-o mais sensível”, completa a especialista. Segundo Torres, essa ardência aparentemente do nada – você não está degustando um prato picante – também pode ser uma pista de que o diabete está à espreita. O descontrole da glicose, diga-se, ainda é capaz de gerar formigamento por ali, boca seca, além de danos à gengiva.
 

É por tudo isso e mais um pouco que a Sobep e seus membros recomendam o autoexame da língua. “Buscamos ensinar as pessoas a ficar atentas aos sinais estranhos e conhecer minimamente a anatomia do órgão para identificar as alterações e, se for o caso, procurar um profissional”, orienta o presidente da entidade. Sim, tem que mostrar a língua para o espelho. Até porque existem doenças que afetam ela mesma.
 

De acordo com Fernanda, que também atua no Hospital São Lucas, em Porto Alegre, é ali que ocorre a maioria dos casos de câncer de boca. Os tumores surgem principalmente nas bordas, com a aparência de pequenas lesões. São registrados mais de 15 mil novos episódios anualmente no Brasil. O drama é que, se flagrada em fase tardia, a enfermidade cobra tratamentos mutiladores e pode se espalhar, causando inúmeras complicações. Diagnóstico precoce, portanto, faz a diferença – espalhe por aí.
 

Com a língua, não é preconceito julgar pela aparência. O padrão considerado normal e saudável diz que sua coloração deve ser rosada e a textura, mais homogênea. Em um estudo feito com 896 moradores da cidade de Okinawa, no Japão, os pesquisadores observaram uma relação direta entre a cor da língua e a gastrite – no caso, o problema estava ligado a tons muito vermelhos ou amarelados. Eles acreditam inclusive que uma espiada no músculo durante a consulta médica seja uma estratégia eficiente e não invasiva para rastrear inflamações nas bandas do estômago.
 

O aparecimento de manchas e placas brancas é outro sinal de alerta. Pode ser indício de uma infecção fúngica, como a candidíase, ou de uma deficiência na imunidade, situação mais comum entre pessoas com HIV. Acontece que, muitas vezes, essas características significam apenas uma deposição de saburra, camada de resíduos gerados pelas próprias papilas e restos de alimentos – nada que uma boa higiene bucal não remova.
 

Por isso, se há suspeita diante de uma alteração persistente ou recorrente, só um profissional estará apto a tirar a dúvida. “Sozinho, o indivíduo não vai conseguir classificar uma lesão como normal ou perigosa”, reforça a otorrinolaringologista Cleonice Hitome, da Universidade Federal de São Paulo. De acordo com ela, um tabagista pode apresentar mais de 35 manifestações diferentes na boca e é difícil distinguir o que é passageiro do que é, de fato, preocupante.


Assim como acusa se alguém fuma, a língua pode revelar os hábitos alimentares e de higiene do cidadão. O projeto “Mostre a Língua”, do Centro para Regulação Genômica da Espanha, já identificou as bactérias mais presentes na boca das crianças e, agora, está cruzando os dados com informações sobre a rotina delas. A análise vai permitir descobrir quais micro-organismos habitantes da língua e suas redondezas estão mais presentes entre quem consome refris e salgadinhos, por exemplo, e como esse comportamento repercute na saúde local e sistêmica.

Apesar de virar atração científica mais recentemente, o papel da língua como espelho do corpo é conhecido da medicina chinesa há milênios. Essa escola ensina que o paciente deve botar a língua pra fora de maneira relaxada para o especialista avaliar tamanho, cor, rachaduras, lesões e a saburra. Os chineses enxergam em sua superfície uma projeção de outras áreas do organismo – a parte da frente reflete coração e pulmões; o centro, o sistema digestivo; e o fundão, os genitais. “Alterações nessas regiões indicam, assim, disfunções nos respectivos órgãos”, explica Marco Antonio Hélio da Silva, professor da pós-graduação em medicina chinesa da Universidade Federal Fluminense. O corpo tem várias formas de expressar suas aflições. E a língua tem muito a dizer.

Faxina lingual

Escovar os dentes e passar o fio dental é praticamente um mantra entre os dentistas. Mas essa não é a única regra obrigatória. A língua também precisa de uma boa higiene diariamente. Seja com a própria escova, seja com um limpador (ou raspador) – acessório vendido em farmácias -, a faxina elimina resíduos que ficam na língua e que, entre outras coisas, causam mau hálito.


 Fonte: http://saude.abril.com.br/medicina/o-que-a-lingua-pode-revelar-sobre-sua-saude/ - Por Paula Sperb e Alexandre de Santi - Ilustração: Fido Nesti / Via professor José Costa

Nenhum comentário:

Postar um comentário