sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

8 fatos surpreendentes que você ainda não sabia sobre calcinhas

Quando se fala em roupas íntimas, nós sabemos que o estilo, formato e cor podem fazer toda a diferença. Mas na hora de escolher a calcinha ideal, também pode ser importante levar outras coisas em consideração, principalmente a influência da peça em sua saúde.

Pode ser que você simplesmente escolha sua calcinha favorita e vista antes de sair de casa, ou passe algum tempo escolhendo a mais apropriada para uma ocasião especial. Mas você sabia que a roupa íntima utilizada pode ter ligações diretas com a saúde do seu corpo?

Conheça aqui algumas curiosidades e revelações sobre a história das calcinhas ou a forma como elas influenciam diretamente seus órgãos íntimos.

1 – Sujeira indesejada

Existe uma grande porção de matéria fecal em praticamente todas partes de sua calcinha. Tente não se abalar muito com a informação, mas cerca de um décimo de grama de resíduos de fezes podem ser encontrados na maioria das roupas íntimas de qualquer pessoa.

2 – Suor

Você pode não querer arriscar utilizar uma calcinha que fique marcada quando estiver fazendo suas atividades físicas na academia, mas o fio dental nunca será a melhor opção. De acordo com a Dra. Shieva Ghofrany, obstetra e ginecologista do Hospital Stamford, não só a pele fica mais irritada por conta do movimento na área, como pode haver transferência de bactérias do ânus para a vagina.

3 – Infecções

Vestir calcinhas fio dental, combinando seu tamanho pequeno e os materiais abrasivos que geralmente fazem parte do tecido, você tem uma grande chance de contrair infecções. Segundo a Dra. Ghofrany, o uso frequente do modelo de calcinha pode aumentar o risco de infecções na área porque não são modelos que permitem uma melhor respiração da região. O ideal é utilizar calcinhas que não prendem a umidade, que ajuda a atrair bactérias.

4 – Algodão

Algodão é o melhor tipo de tecido para a sua vagina. O material permite a passagem de ar com mais facilidade, evitando acúmulo de suor e bactérias. Outros materiais podem não ter o mesmo efeito e atrapalhar a saúde do órgão genital. O uso esporádico de diferentes modelos não chega a ser maléfico, mas quando puder optar pelas mais confortáveis, busque essa opção.

5 – Disney

Até o ano de 2001, os funcionários escolhidos para interpretar personagens pelos parques da Disney tinham que devolver as roupas íntimas juntamente com as fantasias ao fim do dia. Isso chegou a provocar várias reclamações sobre contração de infecções e piolhos nas regiões íntimas, fazendo com que a regra fosse modificada.


6 – Fio dental

A calcinha fio dental foi inventada como uma resposta para a nudez em público. Em 1939, o prefeito da cidade de Nova York, nos Estados Unidos, Fiorello LaGuardia aprovou uma leia que obrigava dançarinas que se apresentavam sem roupa a utilizar modelos fio dental, cobrindo parte de suas intimidades.

7 – Mudança

É extremamente necessário que a calcinha seja trocada com extrema frequência, diariamente. Não só as peças limpas ajudam a evitar que bactérias e fungos se proliferem no local, como a troca de peças deixa a vagina mais arejada e higienizada.

8 – Sono

Se possível, evite o uso de roupas íntimas na hora de dormir. Ao tirar a camada extra de proteção, você ajuda a manter a região fresca, arejada e menos úmida. Como percebemos, o acúmulo de umidade cria um ambiente favorável às bactérias, que ninguém quer cultivar, ainda mais numa área tão sensível e importante.

Pode parecer que há muitos detalhes para serem percebidos quando se fala de roupas íntimas, mas em resumo, basta manter as peças higienizadas e trocá-las com frequência, unindo conforto, conveniência e saúde.

Fonte: Fatos Desconhecidos- por PH Mota

Nenhum comentário:

Postar um comentário