segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Como baixar a pressão: hábitos, alimentos e receitas caseiras para hipertensos

Crystal Eye Studio/mopic/shutterstock
Abaixar pressão alta é importantíssimo para evitar problemas como AVC e infarto. O problema, que é potencialmente grave e merece atenção, pode ser acarretado por fatores genéticos, alterações de glândulas endócrinas e renais, além de hábitos ruins para a saúde.


A hipertensão costuma ser uma doença assintomática, o que eleva a necessidade de acompanhamento constante. Todavia, o que fazer quando os níveis arteriais se elevam é uma das principais dúvidas. 


Por que a pressão aumenta?

Ao fazer a medida da pressão arterial, geralmente são achados dois números, "12 por 8", por exemplo. O 12 indica a pressão que o sangue faz sobre os vasos sanguíneos no momento em que o coração se contrai e expulsa o sangue, já o 8 diz respeito à mesma pressão em um segundo momento, em que o coração está "relaxado" após a contração. Na verdade, o 12/8 é uma maneira mais simples de dizer 120/80 milímetros de mercúrio, uma tradicional medida de pressão.

Essa intensidade do sangue sobre as paredes dos vasos deve estar regulada para poder alcançar todos os locais do corpo. Os níveis reduzidos podem fazer com que alguns órgãos e tecidos não sejam irrigados. Já sua alta pode causar sérios problemas no sistema cardiovascular e nervoso.

Mas o que faz com que a pressão se eleve? Além de fatores hereditários e alterações endócrinas e renais, costumes nada saudáveis contribuem para este problema. A nicotina presente no cigarro, por exemplo, aumenta o ritmo cardíaco e provoca a contração dos vasos, estreitando o canal em que o sangue passa e, consequentemente, aumentando a pressão.


O sedentarismo também é um dos agravantes - pois endurece as artérias, o que dificulta o fluxo da corrente sanguínea -, assim como o sobrepeso e a obesidade - que exigem mais esforço do coração. 

Como abaixar a pressão alta urgente?

De acordo com Hélio Castello, cardiologista intervencionista e diretor do grupo Angiocardio, não há maneiras caseiras para abaixar a pressão instantaneamente, visto que o ideal é controlá-la constantemente.


Rogério Marra, cardiologista do Hospital Samaritano de São Paulo, concorda e explica que o nível descontrolado merece atenção especialmente quando há um ou mais sinais preocupantes que podem indicar agravantes, como infarto e AVC. São eles: dor no peito, sudorese, dificuldade de movimentos, alterações visuais e confusão mental. Nestes casos, o mais indicado é buscar ajuda médica rapidamente.

Outro ponto lembrado pelos especialistas é a necessidade de se consultar periodicamente a fim de identificar e controlar a doença nas fases iniciais, o que geralmente é feito por remédios e recomendações passadas pelo médico.

Como diminuir a pressão alta com medidas simples

 

Apesar de não ter cura, a hipertensão pode ser regulada principalmente pela mudança no estilo de vida. Confira hábitos para fazer a pressão baixar:
  • Controle o excesso de peso
  • Adote uma alimentação mais saudável
  • Vá ao médico e faça check-ups periódicos
  • Tome medicamentos corretamente
  • Não abuse de sal
  • Não fume
  • Não use drogas
  • Evite o uso de pílulas anticoncepcionais
  • Pratique atividades físicas
  • Controle o estresse
  • Cuide da diabetes

Alimentos para diminuir a pressão

A alimentação é um dos pontos imprescindíveis para regular a pressão. Visitar um nutricionista para descobrir o menu mais adequado para você é o mais indicado. Todavia, alguns alimentos podem ajudar se forem incorporados junto a hábitos saudáveis e prescrições médicas.

A banana diminui a pressão alta pois é rica em potássio, que ajuda a melhorar a elasticidade dos vasos. Além dela, a semente de abóbora e a água de coco também possuem essa ação benéfica.

Segundo a nutricionista funcional e esportiva Giovana Canno, alguns chás podem abaixar a pressão. Ervas como melissa, camomila e hibisco são algumas que têm ação calmante e diurética no organismo. Elas liberam neurotransmissores que reduzem o estresse e desidratam, o que diminui o volume sanguíneo e, consequentemente, abaixa a força arterial.
A soja orgânica ou no tofu possui uma substância chamada isoflavona, que também contribui para regular a pressão. Outra opção é o azeite de oliva, que contém ômega-3, que auxilia na saúde do coração.

Remédio caseiro

A hipertensão sempre deve ser tratada com acompanhamento médico. Todavia, algumas fórmulas prometem amenizar os níveis arteriais em longo prazo. A nutricionista Giovana Canno indica algumas:


Suco de beterraba
Entre outros benefícios do suco de beterraba, ele possui nitratos que ajudam a regular o volume de sangue. Para prepará-lo, basta bater de duas a três beterrabas com alguma fruta cítrica, como limão ou laranja, e um litro de água.

Chá de hibisco
Receitas com chá de hibisco são diuréticas e ajudam a controlar a pressão. Há diversas versões de preparo, mas a clássica leva duas colheres de sopa de flor de hibisco e um litro de água quente. Basta deixar a infusão agir por três minutos e tomar durante o dia.

Fonte: VIX - Escrito por Ligia Lotério

Inspirar pelo nariz estimula três regiões do cérebro

A respiração não serve apenas para encher nossos pulmões de ar e permitir a troca gasosa do nosso sangue, mas também afeta nosso pensamento e funcionamento cerebral, segundo um novo estudo da Northwestern University (EUA). O trabalho foi publicado na revista The Journal of Neuroscience.

Pesquisadores descobriram que o ritmo da respiração cria atividade elétrica no cérebro humano, e que os efeitos são diferentes dependendo se respiramos pela boca ou pelo nariz e se estamos inspirando ou expirando.

No início do trabalho, os pesquisadores analisaram dados de eletroencefalografia de sete pacientes com epilepsia. Esses pacientes tiveram eletrodos implantados em seus cérebros antes de passar por cirurgia para tentar determinar a origem das convulsões. Os dados mostraram que a atividade cerebral parece entrar em sincronia com a respiração.
 

Estímulo cerebral

Essa atividade foi observada em três regiões do cérebro: o córtex piriforme, que processa cheiros; o hipocampo, que controla a memória; e a amígdala, que está ligada ao processamento de emoções.

“Uma das principais descobertas desse estudo é que há diferença dramática na atividade cerebral na amigdala e do hipocampo durante a inspiração quando comparado com a expiração”, diz a neurologista Christina Zelano. “Quando você inspira, descobrimos que você está estimulando neurônios no complexo olfativo, amigdala e hipocampo”.

Os pesquisadores descobriram que a estimulação parece estar limitada à inspiração, e apenas quando a respiração acontece pelo nariz, e não pela boca.

Experimento de interpretação de expressões

 No experimento conduzido no estudo, participantes sentados na frente de uma tela de computador e usando uma máscara respiratória tinham que classificar imagens entre expressões de medo ou de surpresa. Assim que as fotografias de rostos apareciam, eles tinham que selecionar uma das duas emoções o mais rápido possível.

O objetivo era analisar como a amigdala – que está envolvida na interpretação de expressões faciais – é afetada pela respiração. Participaram desse experimento 70 voluntários com idades entre 18 e 30 anos.

O resultado foi que os participantes selecionavam a opção correta com maior velocidade quanto inspiravam pelo nariz. Essa diferença foi de apenas uma fração de segundo, e aconteceu apenas na identificação das expressões de medo. Já o tempo de identificação de expressões de surpresa não se alterou com os diferentes tipos de respiração.

Teste de memória

Um experimento separado envolvendo 42 participantes testou a memória dos voluntários, medindo a atividade no hipocampo. Os voluntários viam imagens de objetos na tela do computador e depois tinham que se lembrar deles.

No experimento, o grupo se lembrou melhor dos objetos quando inspirava pelo nariz, com 5% mais acertos do que quando estavam expirando.


Respiração ofegante

O estudo sugere que nossas habilidades cognitivas melhorem com a inspiração, e isso pode explicar por que ficamos ofegantes em situações perigosas. Assim, uma reação como a fuga acontece mais rapidamente.

Observações mostram que um adulto respira em média entre 12 e 18 vezes por minuto, enquanto esse número aumenta para 20 quando a pessoa entra em pânico. [Science Alert]

Fonte: http://hypescience.com/

Dormir pode melhorar a memória – mas só para as coisas importantes

Enquanto tiramos um cochilo, nosso cérebro está ocupando guardando nossas memórias. Mas não todas elas, e sim aqueles flashes de pensamento previamente marcados como importantes. É o que indica uma pesquisa realizada na Alemanha, com a colaboração de 191 voluntários.

Durante o estudo, os cientistas pediram para que cada uma dessas pessoas completasse algumas tarefas envolvendo memorização, como a aprendizagem de pares de palavras. Nove horas depois, seria aplicado um teste para avaliar a atividade, mas somente metade dos participantes foi previamente informada do desafio. Durante o intervalo, alguns membros de cada grupo foram autorizados a dormir.

Os participantes que foram para a cama antecipando as perguntas conseguiram recordar 12% mais pares de palavras do que aqueles que dormiram sem nenhuma expectativa quanto ao teste. Além disso, os voluntários que sabiam da atividade experimentaram um sono de ondas lentas, conhecido por estar ligado à consolidação da memória.

No entanto, o sono não melhora a memória de forma significativa por si só. Os resultados também mostraram que os participantes que não sabiam do teste foram tão mal quanto os outros, independentemente se dormiram ou não antes do exame.

O estudo revela que há um processo ativo de memória durante o sono, que seleciona as informações que consideramos importantes e as armazena a longo prazo. Isso melhora a compreensão que os cientistas têm da memória – parece que se você avisar que algo é importante para uma pessoa, a informação será reforçada no cérebro. [NewScientist]
 
Fonte: http://hypescience.com/

sábado, 25 de fevereiro de 2017

7 cuidados que todo mundo precisa ter com a higiene íntima

Sabia que higiene íntima em excesso pode fazer mal? Que o sabonete normal não é bom para esta região? E que calcinha de algodão é a melhor opção? Sua resposta para todas as questões foi “não”? Sem problemas, te contamos tudo agora!

Grande parte dos jovens aproveita bastante o Carnaval, seja dançando, cantando, rindo e namorando. Considerada a temporada oficial da paquera, neste período, muitos adolescentes passam o dia inteiro na folia e acabam esquecendo dos cuidados básicos com a higiene íntima. Pensando nisso, conversamos com alguns profissionais que revelaram dicas que fazem toda a diferença. Olha só!

Contra os fungos!
Durante a folia, muitas meninas esquecem de ter atenção com a higiene e podem colocar a saúde em risco, como por exemplo, ao passar o dia inteiro com o biquíni ou short molhados. Segundo a ginecologista Iara Linhares, o calor e a umidade da região são ingredientes para a proliferação de fungos e, sem saber, elas estão contribuindo diretamente para o surgimento da candidíase. Estima-se que a doença afetará quase 75% das mulheres em idade reprodutiva pelo menos uma vez na vida, é o que diz o Centers for Disease Control and Prevention.

Termômetro de saúde
É assim que o pH vaginal é citado pela sexóloga Sônia Eustáquia. Esta sigla significa potencial hidrogeniônico, que mede o grau de acidez ou alcalinidade da vagina. Uma vagina saudável tem um pH ácido, mais baixo do que sete. O grau normal pode variar de 3,8 a 4,2, porque esta é a condição ideal de sobrevivência dos lactobacilos representantes da flora microbiana que povoa o ambiente vaginal saudável. A redução destes lactobacilos é a principal causa de irritações e infecções vaginais.

Cheirinho comum
Toda vagina tem cheiro, não adianta fugir dele. O odor comum chega até a se assemelhar ao cheiro do iogurte. Já a secreção vaginal comum é aquela composta de substâncias incolores. Ela é translúcida e sem impurezas.

Olha o exagero
É comum a vagina ter alguns odores e secreção incolor, então vá com calma, tome cuidado para não exagerar na limpeza a fim de eliminar esse cheirinho. A limpeza em excesso pode tirar as defesas naturais da vagina e fazer mudanças radicais no pH e na região genital.

Papel x lenços umedecidos
Sempre que puder, após as idas ao banheiro, use lenços umedecidos não perfumados (os com perfume podem causar alergias), que são mais higiênicos que o papel, que pode deixar muitos resíduos e causar irritações e infecções.

Calcinha certa
Jamais ignore a ida ao shopping para comprar calcinhas, pois ela é superimportante e merece sua atenção. Para o dia a dia, prefira as de algodão, que são confortáveis e deixam a região “respirar”. Nos dias mais quentes, higienize a região genital mais vezes por dia e troque sempre a calcinha. Também prefira roupas que não abafem a região, como saias e vestidos.

Sabonete do bem
Se você higieniza a região genital com sabonete normal, bora mudar este hábito, pois está fazendo errado. O sabonete comum é adstringente e pode irritar, retirando as defesas naturais da região. Prefira os próprios para a área íntima, que contêm o pH necessário – em torno de 5 ou 6 – para manter a região equilibrada, e prefira sempre os líquidos para evitar a contaminação.

Quem deu as dicas: Sônia Eustáquia, sexóloga e psicóloga pós-graduada em sexualidade humana, Iara Linhares ginecologista docente da disciplina de ginecologia do departamento de ginecologia e obstetrícia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e o urologista Eduardo Bertero chefe de andrologia da Sociedade Brasileira de Urologia.


Fonte: http://atrevida.uol.com.br/beleza/meu-corpo/7-cuidados-que-todo-mundo-precisa-ter-com-a-higiene-intima/11977# - Texto: Aline Marchiori | Adaptação Web: Nathália Henrique - Foto: Shutterstock  /Via professor José Costa

O que causa enxaqueca? Anticoncepcionais, alimentos e + desencadeadores de crises

Chiociolla/Sebastian Kaulitzki/Shutterstock e areeya_ann/iStock
Saber quais são as causas da enxaqueca, e evitá-las, é uma das principais medidas para evitar crises. Caracterizada por uma dor de cabeça tipicamente unilateral, o distúrbio pode incomodar tanto a ponto de ser incapacitante. Como não tem cura, saber o que desencadeia os episódios pode ser o melhor caminhos para amenizá-los.

O que é enxaqueca?

A enxaqueca é uma das centenas de doenças que têm a dor de cabeça como sintoma. Com características peculiares, o problema é tão forte que pode incapacitar ou limitar a vida do paciente. Em geral, dura até 72 horas, costuma ser latejante e atingir apenas um lado da cabeça. 

Além da cefaleia, ainda ocorrem outros sintomas, como náusea, vômito e sensibilidade ao barulho e à luz.

Uma das principais características é que ela costuma ocorrer ao longo da vida e em crises, que podem ser mais ou menos frequentes, a depender de cada paciente.

O que causa enxaqueca?

Ao contrário do que diz senso comum, o distúrbio não tem diversas causas, mas sim vários desencadeantes, conforme explica o neurologista Marcelo Calderaro, do Hospital Samaritano de São Paulo: "Sabemos que a enxaqueca tem base genética, que confere ao paciente uma suscetibilidade maior ou menor aos potenciais gatilhos para as crises". 

Ou seja, o que provoca enxaqueca é uma pré-disposição conferida pelos genes de cada indivíduo, já seu aparecimento pode ser influenciado por fatores desencadeantes, que também são chamados de gatilhos. Confira os principais:

Anticoncepcionais

Segundo o neurologista Marcelo Calderaro, qualquer tipo de pílula tem seus prós e contras e agem nas mulheres de diferentes maneiras. "Uma parte das pacientes possui mais enxaqueca com anticoncepcional, mas isso é uma coisa muito individual. Não é uma regra. Por exemplo, tem gente que toma determinado método contraceptivo há 20 anos e tem enxaqueca há 3, então o fator desencadeante não é o composto", explica.

Emocionais

A ação do estresse no corpo pode causar diversos problemas para a saúde, entre eles está a enxaqueca. A dica para quem sofre com o problema é apostar em tratamentos e terapias para relaxar, tais como ioga, meditação ou técnicas de terapia comportamental e biofeedback.

Jejum

Ficar sem comer por muitas horas também pode favorecer o aparecimento dos sintomas para algumas pessoas. Coma algo de 3 em 3 horas para evitá-la.

Falta ou excesso de sono

Mudanças em padrões de sono podem ser um dos motivos da enxaqueca. Portanto, o ideal é dormir o suficiente e tentar sempre deitar-se e acordar nos mesmos horários.

Luzes, barulhos e cheiros fortes

Sensibilidade à estímulos exteriores são gatilhos da enxaqueca presentes em alguns indivíduos. Além disso, eles também são sintomas do incômodo.

Menstruação

Há quem sofra da enxaqueca menstrual, que aparece devido à oscilação de hormônios desta fase. Nestes casos, é necessário avaliar junto ao médico se este é o único fator que causa a doença e como deve ser o tratamento. 

Alimentos que causam enxaqueca

"Muitas vezes, o gatilho é fruto de uma associação pouco sólida e identificável. Não há um alimento que desencadeie a dor de cabeça em todas as pessoas, mas há indivíduos que têm hipersensibilidade para alguns compostos, o que estimula a enxaqueca", explica o neurologista Marcelo Calderaro, que continua. "Por exemplo, comer chocolate pode desencadear para uma pessoa, mas não para outra", conclui o profissional.

Contudo, o consumo de determinados alimentos geralmente é relacionado a crises em alguns indivíduos. Os principais são:
  • Queijos
  • Álcool
  • Cafeína
  • Aspartame
  • Enlatados e embutidos
  • Alimentos gordurosos
  • Frutas cítricas

Como tratar a enxaqueca

Marcelo Calderaro explica que o problema não tem cura, mas uma fórmula costuma dar certo para evitar as crises: "praticar atividades físicas + definir padrões de sono + manejar o estresse". "Geralmente, essas três medidas costumam ser eficientes em uma grande parcela dos pacientes. Se elas não resolverem e o paciente for muito impactado pela doença, é necessário recorrer a outras formas de tratamento, como medicamentos. Porém, só um médico pode avaliar o que deve ser feito para amenizar este desconforto", finaliza.

Fonte: VIX - Escrito por Ligia Lotério

O que "beijos" de orangotangos revelam sobre a fala humana? Ciência responde

Olga_gl / Istock
Um beijinho de orangotango pode explicar porque nós, humanos, somos capazes de nos comunicar verbalmente. Um recente estudo sobre evolução publicado pela revista Nature Human Behaviour afirma que os sons de “beijo” emitidos pelos animais podem dar grandes revelações sobre a fala humana.

De acordo com o trabalho científico realizado pela Universidade de Durham, na Inglaterra, o rangido dos lábios dos orangotangos, semelhantes a beijos, transmitem mensagens diferentes e são parecidos com a sonoridade de algumas de nossas consoantes.

Foi entendido que os animais, através dos “beijos”, transmitiam as mesmas informações de maneiras variadas, assim como os humanos fazem para falar sobre uma mesma coisa, utilizando sinônimos de palavras.

Orangotangos podem explicar fala dos homens

 

Os pesquisadores gravaram e analisaram 4.486 "beijos" de 48 orangotangos de populações selvagens durante anos e perceberam que movimentos de lábios, língua e mandíbula são os responsáveis por emitir os sons, e não propriamente a voz.

A comunicação através deste som poderia, portanto, explicar como os seres humanos formaram as primeiras palavras.

Fonte: VIX - Escrito por Paulo Nobuo

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Anvisa manda recolher lote do extrato de tomate 'Quero' com pelo de roedor

Brian Yarvin/Shutterstock
*Matéria publicada em 20 de fevereiro de 2017

Um lote de extrato de tomate da marca Quero deve ser recolhido pela empresa, de acordo com determinação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa, por conter uma quantidade de pelo de roedor acima do permitido pela lei.


O produto é produzido pela empresa Heinz Brasil S.A. e, segundo a Agência, apresentou em análise “matéria estranha macroscópica e microscópica que pode provocar riscos à saúde”.



 O lote é o L. 11 07:35 e está proibido de ser comercializado. A determinação da Anvisa foi publicada nesta segunda-feira (20) no Diário Oficial da União.

Quantidade de pelo de roedores nos alimentos

Esta não é a primeira vez que molhos de tomate apresentam pelos de roedores e precisam ser recolhidos do comércio. 

Fato é que, desde 2014, há uma determinação da Anvisa sobre a tolerância de matérias estranhas em comidas industrializadas. O limite de quantidade destas matérias - entre elas, pelos de roedores - depende do processo de produção, características dos alimentos e até do consumo.
Há três categorias de resíduos: matérias estranhas de risco à saúde humana, as falhas das Boas Práticas e as inevitáveis. Os fragmentos de pelo de roedor se encaixam no segundo grupo.

Produtos de tomate

Veja a quantidade tolerada pela Agência para produtos de tomate (molho, purê, polpa, extrato, tomate seco, tomate inteiro enlatado, catchup e derivados) abaixo:
  • Fragmentos de pelos de roedor: proporção de 1 em 100g
  • Pedacinhos de insetos que não apresentam risco são tolerados: proporção de 10 em 100g.
A Anvisa também disponibiliza para a consulta do consumidor o limite de quantidade de resíduos em outros alimentos.

Resposta da empresa
Procurada pelo Vix, a Quero afirmou que o lote do produto que consta na determinação da Anvisa foi fabricado em dezembro de 2015 e que já tomou as "providências aplicáveis para retirar todo o referido lote do mercado em agosto de 2016", quando soube do caso. 

Em nota, informou que "fez grandes investimentos em novas tecnologias para aumentar ainda mais a qualidade do tomate no campo e de seus produtos" nos últimos anos e que os rigorosos controles no processo produtivo "garantem a eliminação de qualquer risco ou prejuízo à saúde".


Fonte: VIX -Escrito por Nathália Geraldo

Papagaio revela caso de marido infiel com a empregada

Ao repetir diálogos românticos de seu dono com a empregada doméstica, um papagaio acabou revelando acidentalmente o romance entre os dois para a mulher dele. A história foi publicada pelo jornal britânico Mirror. 
 
O pássaro começou a repetir sem parar as frases que o homem trocava com a empregada, levantando a suspeita da esposa, que passou a se perguntar onde a ave havia aprendido aquelas expressões.
 
Ao concluir que o papagaio só poderia ter ouvido aquilo dentro da casa em que morava, a mulher entendeu que o marido estava se relacionando com a outra mulher.
 
O casal vive no Kuwait, onde o adultério é ilegal. Então, a mulher foi até a polícia e levou junto o papagaio. Para a sorte do marido, a polícia rejeitou a evidência, argumentando que a ave poderia estar repetindo diálogos aprendidos da TV ou do rádio.
 
Ao jornal local Al Shahed Daily, a esposa disse que já suspeitava da traição do marido há algum tempo, mas não tinha provas da infidelidade. No Kuwait, o adultério é punido com pena de prisão ou trabalhos forçados.

Fonte: Correio Braziliense / Via João Moacir

6 benefícios incríveis de pular corda que você provavelmente não conhecia

Pular corda é uma forma muito efetiva, além de divertida, de nos mantermos em forma e otimizarmos nossa capacidade pulmonar, além de aumentar nossa resistência física.


Pular corda pode lembrar de alguns momentos de sua infância, mas a verdade é que é um dos exercícios cardiovasculares mais completos que você pode praticar.

Esta simples atividade que parece uma brincadeira de criança pode manter você em uma boa condição e aumentar consideravelmente sua resistência física.

Além disso, é o complemento perfeito de alguns esportes ou de rotinas de exercícios.


O melhor de tudo é que não precisa ir à academia, nem contar com máquinas, halteres ou nenhum outro tipo de elemento para ter bons resultados.
Só é necessária uma corda e vontade de se mexer e se divertir.

Pular corda, um exercício cardiovascular

Os exercícios cardiovasculares são muito importantes para manter uma boa saúde física. Neste caso, pular corda aumenta a frequência cardíaca, assim como quando caminhamos, corremos, subimos ou descemos escadas ou andamos de bicicleta.

Este tipo de exercício permite que o corpo use o oxigênio eficientemente, de modo que oferece benefícios ao coração, aos pulmões e ao aparelho circulatório.

Coordenação e movimento

Se você pulou corda de criança, deve-se lembrar de que este exercício exige coordenação e movimento.

  • Inicialmente é aconselhável praticar os movimentos do pé e do braço separadamente.
  • Comece segurando a corda em uma mão e os dois pés juntos.
  • Mova a corda ritmicamente e pule quando se aproximar de seus pés.

6 benefícios de pular corda que talvez não conheça

Além de ser simples e econômico, pular corda nos oferece muitos benefícios. Vejamos quais são:

1. Tonifica os músculos

Quando você pula a corda, todos os músculos de seu corpo trabalham, começando com o grupo muscular central, os superiores e os inferiores.

Os homens usam na parte superior dos bíceps e o trapézio para manter a corda em movimento constante. Esta prática endurece e tonifica estes músculos.
Por sua vez, o abdômen também contrai pela força dos pulos.

Dos grupos musculares inferiores, é evidente que o movimento coordenado das pernas e a corda gera tensão muscular, o que tonifica e desenvolve os quadríceps, glúteos, femorais e as panturrilhas.

2. Melhora a circulação sanguínea

O movimento gerado quando pulamos corda beneficia diretamente nosso sistema circulatório.


O coração trabalha para cumprir o bombeamento do sangue para todo o corpo de maneira eficaz. Igualmente, o faz circular pelas artérias, o que diminui o risco de sofrer um infarto ou uma parada cardíaca.

Aumenta a capacidade pulmonar

Ao pular corda nossos pulmões recebem maior quantidade de ar, o que ajuda se existirem problemas respiratórios.

Ainda assim, melhoramos nossa resistência física, o que permitirá nos exercitarmos por mais tempo, sem nos fatigarmos.

4. Queima calorias

Pular corda por 30 minutos queima, aproximadamente, 400 calorias assim como gorduras de todo o corpo. Isso transforma este exercício em um grande aliado quando queremos perder peso.

5. Eliminação de toxinas

Quando pulamos corda, expulsamos as toxinas de nosso corpo por meio do suor. Estes permitem que as células se regenerem e que funcionem de forma adequada.

6. Evita o estresse e melhora a atividade cerebral

Ainda que não seja provado cientificamente, diz-se que a coordenação necessária para pular a corda cria novas conexões neuronais.

Além disso, as endorfinas que são liberadas se fazemos esse exercício nos ajudam a relaxar e aliviam o estresse e a angústia.

Isso gera uma mentalidade positiva que aumenta as possibilidades de ter uma qualidade de vida melhor.

Alguns conselhos para pular corda

Ainda que pular corda seja um exercício fácil, é preciso tomar algumas precauções para evitar o impacto das articulações.

No momento de começar, o mais recomendável é fazer alguns alongamentos. Comece com pulos suaves e períodos curtos. Logo poderá ser capaz de pular mais rápido e por períodos mais longos.

Se você não está em forma, é normal que a princípio se sinta fadigado. O mais recomendável é que aumente o tempo pouco a pouco para ir ganhando mais resistência.

Outra recomendação é que combine pular corda com uma rotina de exercício de baixa intensidade. Podem ser aeróbicos ou pesos suaves: isso permitirá que possa pular por períodos mais longos.

Sem dúvida, este exercício é um dos melhores que você pode fazer ou adicionar em sua rotina.

Praticá-lo traz benefícios excelentes, por isso se tornou um dos preferidos dos amantes do fitness e atletas.
Imagem principal oferecida por © wikiHow.com

Fonte: Melhor com Saúde

6 coisas que você nunca deve fazer antes do sexo

Conheça os verdadeiros anti-afrodisíacos e os riscos à saúde

Ações simples do dia a dia podem trazer surpresas bem desagradáveis durante o sexo e até mesmo após a relação sexual. Mas calma, alguns imprevistos podem ser evitados e, por isso, pedimos a ajuda de especialistas para saber tudo o que você deve evitar antes daquele momento à dois:

1. Tomar medicamentos anti-histamínicos
Remédios que combatem alergias, os famosos antialérgicos, podem levar a um ressecamento temporário das mucosas do corpo. "Como a função dessas medicações é diminuir a coriza ou o excesso de muco, isso acaba levando a uma diminuição da lubrificação vaginal", conta o ginecologista e obstetra Ricardo Luba, do Hospital e Maternidade Leonor Mendes de Barros.

2. Consumir alguns alimentos específicos
O especialista explica que o sabor e odor vaginal podem variar muito por causa de diversos fatores, como: pH da região, equilíbrio entre fungos e bactérias que vivem na vagina, fase de vida da mulher (pós-menopausa, por exemplo), ciclo menstrual, higiene e, claro, alimentação. "Alimentos ácidos, como frutas cítricas, aspargos e carne vermelha podem alterar o aroma e o sabor vaginal", conta Luba. Para manter a saúde da vagina em equilíbrio, ele recomenda a ingestão de iogurtes ricos em lactobacilos e probióticos, que ajudam no controle do pH e de infecções vaginais, como a candidíase. Água, chás, frutas e fibras também ajudam a manter o pH controlado e controlam os odores vaginais.

3. Passar do ponto nas bebidas alcoólicas
Um estudo da Universidade de Missouri-St. Louis, nos Estados Unidos, descobriu que 11% das pessoas que consomem bebidas alcoólicas têm dificuldades em atingir o orgasmo. Os homens demoraram mais para ejacular, enquanto as mulheres precisaram de um estímulo a mais. O ginecologista explica a razão: "Um dos efeitos do álcool é a inibição dos estímulos excitatórios. Por isso a dificuldade para atingir o orgasmo".

4. Fazer depilação poucas horas antes do sexo
Fazer aquela depilação imediatamente ou poucas horas antes de transar não é nem um pouco recomendável, ainda mais se a pele for mais delicada. "Na depilação, a camada córnea é removida e isso faz com que a pele fique especialmente sensível. O ideal é que não se faça a depilação logo antes da relação sexual, pois o atrito pode irritar a epiderme. Espere entre 12 e 24 horas entre os eventos, sempre hidratando a região", alerta a dermatologista Tatiana di Perrelli.

5. Perder a noção nas brincadeiras com alimentos
É preciso ter cuidado com qualquer tipo de alimento usado nas preliminares. "Isso pode mudar o pH vaginal e facilitar infecções. Além disso, deve-se ter um cuidado especial na higiene desses itens, com lavagem adequada", alerta o ginecologista Ricardo Luba. Na dúvida, aposte em itens feitos especialmente para esse momento, que podem apimentar o clima de forma segura.

6. Exagerar na escovação dos dentes e causar machucados na boca
Ok, você quer manter o hálito refrescante e agradável nesse momento, mas nada de usar força na escovação ou na hora de passar o fio dental, por exemplo. "Qualquer ação que possa machucar a gengiva apresenta riscos à saúde. Caso a pessoa pratique sexo oral desprotegida, as chances de transmissão de DSTs são grandes", alerta a dermatologista Tatiana di Perrelli. Por isso, nunca esqueça da camisinha!


Fonte: http://www.minhavida.com.br/bem-estar/listas/21386-6-coisas-que-voce-nunca-deve-fazer-antes-do-sexo - POR AMANDA CRUZ /  Via professor José Costa