sábado, 25 de fevereiro de 2017

O que causa enxaqueca? Anticoncepcionais, alimentos e + desencadeadores de crises

Chiociolla/Sebastian Kaulitzki/Shutterstock e areeya_ann/iStock
Saber quais são as causas da enxaqueca, e evitá-las, é uma das principais medidas para evitar crises. Caracterizada por uma dor de cabeça tipicamente unilateral, o distúrbio pode incomodar tanto a ponto de ser incapacitante. Como não tem cura, saber o que desencadeia os episódios pode ser o melhor caminhos para amenizá-los.

O que é enxaqueca?

A enxaqueca é uma das centenas de doenças que têm a dor de cabeça como sintoma. Com características peculiares, o problema é tão forte que pode incapacitar ou limitar a vida do paciente. Em geral, dura até 72 horas, costuma ser latejante e atingir apenas um lado da cabeça. 

Além da cefaleia, ainda ocorrem outros sintomas, como náusea, vômito e sensibilidade ao barulho e à luz.

Uma das principais características é que ela costuma ocorrer ao longo da vida e em crises, que podem ser mais ou menos frequentes, a depender de cada paciente.

O que causa enxaqueca?

Ao contrário do que diz senso comum, o distúrbio não tem diversas causas, mas sim vários desencadeantes, conforme explica o neurologista Marcelo Calderaro, do Hospital Samaritano de São Paulo: "Sabemos que a enxaqueca tem base genética, que confere ao paciente uma suscetibilidade maior ou menor aos potenciais gatilhos para as crises". 

Ou seja, o que provoca enxaqueca é uma pré-disposição conferida pelos genes de cada indivíduo, já seu aparecimento pode ser influenciado por fatores desencadeantes, que também são chamados de gatilhos. Confira os principais:

Anticoncepcionais

Segundo o neurologista Marcelo Calderaro, qualquer tipo de pílula tem seus prós e contras e agem nas mulheres de diferentes maneiras. "Uma parte das pacientes possui mais enxaqueca com anticoncepcional, mas isso é uma coisa muito individual. Não é uma regra. Por exemplo, tem gente que toma determinado método contraceptivo há 20 anos e tem enxaqueca há 3, então o fator desencadeante não é o composto", explica.

Emocionais

A ação do estresse no corpo pode causar diversos problemas para a saúde, entre eles está a enxaqueca. A dica para quem sofre com o problema é apostar em tratamentos e terapias para relaxar, tais como ioga, meditação ou técnicas de terapia comportamental e biofeedback.

Jejum

Ficar sem comer por muitas horas também pode favorecer o aparecimento dos sintomas para algumas pessoas. Coma algo de 3 em 3 horas para evitá-la.

Falta ou excesso de sono

Mudanças em padrões de sono podem ser um dos motivos da enxaqueca. Portanto, o ideal é dormir o suficiente e tentar sempre deitar-se e acordar nos mesmos horários.

Luzes, barulhos e cheiros fortes

Sensibilidade à estímulos exteriores são gatilhos da enxaqueca presentes em alguns indivíduos. Além disso, eles também são sintomas do incômodo.

Menstruação

Há quem sofra da enxaqueca menstrual, que aparece devido à oscilação de hormônios desta fase. Nestes casos, é necessário avaliar junto ao médico se este é o único fator que causa a doença e como deve ser o tratamento. 

Alimentos que causam enxaqueca

"Muitas vezes, o gatilho é fruto de uma associação pouco sólida e identificável. Não há um alimento que desencadeie a dor de cabeça em todas as pessoas, mas há indivíduos que têm hipersensibilidade para alguns compostos, o que estimula a enxaqueca", explica o neurologista Marcelo Calderaro, que continua. "Por exemplo, comer chocolate pode desencadear para uma pessoa, mas não para outra", conclui o profissional.

Contudo, o consumo de determinados alimentos geralmente é relacionado a crises em alguns indivíduos. Os principais são:
  • Queijos
  • Álcool
  • Cafeína
  • Aspartame
  • Enlatados e embutidos
  • Alimentos gordurosos
  • Frutas cítricas

Como tratar a enxaqueca

Marcelo Calderaro explica que o problema não tem cura, mas uma fórmula costuma dar certo para evitar as crises: "praticar atividades físicas + definir padrões de sono + manejar o estresse". "Geralmente, essas três medidas costumam ser eficientes em uma grande parcela dos pacientes. Se elas não resolverem e o paciente for muito impactado pela doença, é necessário recorrer a outras formas de tratamento, como medicamentos. Porém, só um médico pode avaliar o que deve ser feito para amenizar este desconforto", finaliza.

Fonte: VIX - Escrito por Ligia Lotério

Nenhum comentário:

Postar um comentário