quinta-feira, 18 de maio de 2017

Gripe aumenta risco de infarto por até 1 mês após sintomas iniciais. Qual é a relação?

Lars Neumann/iStock
Um estudo australiano recentemente publicado pelo periódico científico "Internal Medicine Journal" confirma uma relação já há algum tempo suspeita: infecções respiratórias, como gripe e pneumonia, aumentam o risco de infarto. Mas qual é a relação? Explicamos a seguir.

Relação entre infecção respiratória e infarto

Os pesquisadores da Universidade de Sidney analisaram 578 pacientes que, confirmadamente, sofreram infarto do miocárdio e descobriram que 21% dos pacientes que tiveram o ataque cardíaco apresentaram sintomas de doenças respiratórias nos primeiros 30 dias antes do mal súbito.

Essa ligação tem motivo: segundo os estudiosos, a formação de coágulos no sangue tende a aumentar após as infecções respiratórias e inflamações e toxinas danosas aos vasos sanguíneos também ficam com graus elevados.

Bluebay/shutterstock

De acordo com os autores da pesquisa, anteriormente, outros estudos realizavam essa correlação sem a confirmação angiográfica do infarto. A angiografia é um exame que analisa o estado dos vasos sanguíneos através de uma inserção de uma pequena câmera nas artérias. É justamente por isso que essa nova descoberta - feita através desse exame - é tão importante.

“Estas conclusões confirmam que a infecção respiratória pode desencadear infartos. Estudos adicionais são indicados para identificar estratégias de tratamento para diminuir esse risco, particularmente em indivíduos que podem ter maior susceptibilidade”, conclui a pesquisa.

Período de risco para infarto

Outra questão descoberta é que o risco de infarto após gripe ou pneumonia não aumenta imediatamente após a infeção. Isso pode durar até os primeiros sete dias depois do surgimento de sintomas de doenças respiratórias. “Apesar de uma redução paulatina, o risco se mantém elevado durante um mês”.


Fonte: VIX - Escrito por Guilherme Athaide

Nenhum comentário:

Postar um comentário