segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

Impotência sexual feminina

Você já ouviu falar sobre a impotência sexual feminina? Comenta-se muito pouco sobre o assunto, não é mesmo?! A disfunção sexual feminina sempre esteve relacionada com a falta de vontade da mulher, todavia, não é apenas uma indisposição que faz ela deixar de querer sexo. Há outros pontos que precisam ser analisados, pois podem alertar para um problema mais grave.

Sempre foi questionada a impotência sexual masculina, até porque, a nossa cultura machista não aceita o baixo rendimento sexual do homem, bem como, a mesma sociedade não permite que as mulheres demonstrem desejo por sexo.

E se não há desejo, não há impotência sexual feminina, pois ainda acredita-se que as mulheres devem apenas satisfazer a vontade dos homens (uma falácia). E a falta de vontade são apenas “coisas de mulheres”. Sim, são coisas de mulheres e são de ordem da saúde, ou seja, é algo muito sério, que precisa ser discutido!

A sociedade e o desejo da mulher

A classe de pesquisa pouco se têm debruçado sobre a sexualidade feminina, atmosfera que até algumas décadas atrás era impossível de se discutir, pois as mulheres deveriam ser descentes (não pensar em sexo). Portanto, toda a escassez de terapêuticas voltada para impotência sexual feminina está intrínseca ao fato de abafar as necessidades, até mesmo, reprimir tudo sobre a sexualidade da mulher.

De algumas décadas para cá, o cenário tem começado a demonstrar um novo restruturamento, todavia, ainda há muito para se conquistar.

A complexidade da impotência sexual feminina

Ao contrário da disfunção do homem, a impotência sexual feminina pode estar atrelada a inúmeras causas, que complicam o diagnóstico, bem como, em encontrar a terapêutica mais adequada.

As causas podem ser de ordem fisiológica ou mental, e está embasada em uma fase do ciclo de resposta sexual. Portanto, conversar com o médico sobre as suas condições é fundamental. Sugerimos que você tome a iniciativa! Dificilmente ele irá questionar como está a sua vida sexual, ainda somos criados para negligenciar a sexualidade da mulher.

Entretanto, se a disfunção está te incomodando, não perca tempo, procure o seu médico e exponha os fatos, pois será mais rápida a identificação da causa que está por traz desse processo disfuncional.

O ciclo de resposta sexual

O ciclo de resposta sexual é composto por quatro fases, é o caminho que se dá do estímulo que desperta o desejo, até a fase de resolução, em que o corpo relaxa e retorna para o estado prévio. Veja a seguir as fases do ciclo de resposta sexual da mulher:

Fase do desejo

É a largada para obter o prazer, o corpo da mulher recebe estímulos externos e internos que desencadeiam o desejo sexual. Ex: o toque da pessoa amada, olhar para o paquera e/ou lembrar-se do cheiro do corpo dele. O transtorno da fase do desejo, ocorre quando um trauma psicológico acontece, bloqueando os estímulos de eliciarem o desejo.

Fase de excitação

É quando o corpo se prepara para potencializar as chances de se obter o prazer, bem como, se estrutura para ter condições de realizar a relação sexual. O transtorno da fase de excitação ocorre quando a mulher não consegue adquirir a lubrificação natural, ou manter o desejo em latência. O ressecamento vaginal é uma causa que pode impactar muito nessa fase.

Fase orgásmica

É o ponto alto da relação sexual, é muito comum as mulheres se queixarem de não conseguirem chegar nessa fase, o fato é que o corpo feminino, possui uma outra dinâmica sexual, e ao contrário do masculino que obtém orgasmo apenas com a penetração, a mulher necessita de mais estímulos. Conhecer as zonas erógenas do seu corpo, pode facilitar a sua chegada lá.

Fase de resolução

Nessa fase o corpo retorna para o estado prévio. Ocorre o relaxamento da musculatura e a sensação de bem-estar. Toda a alteração que aconteceu volta para o estado normal.

                                             O ciclo de resposta sexual do corpo feminino.

Transtornos relacionados a dor

A dor pode ser um fator responsável pela disfunção, às vezes as mulheres até têm desejo e ficam excitadas, todavia, a relação sexual causa dor, que a deixa com um desconforto e/ou com medo, desencadeando com isso a impotência. As dores mais comuns são:

Causas

Devido à complexidade, a investigação das causas que estão propagando a disfunção deve ser bem apurada, pois, pode ser mais de um fator e necessitar de uma tratativa multiprofissional. As possíveis causas relacionadas a impotência sexual feminina são:
Esses são uns dos possíveis fatores desencadeadores, eles podem agir sozinhos, ou estarem atrelados formando uma equação, em que o resultado é a disfunção sexual.

“Uma pesquisa recente feita pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo no Centro de Referência e Especialização em Sexologia (Cresex) do hospital estadual Pérola Byington, apontou que a falta ou diminuição do desejo sexual afeta 48,5% das mulheres. 18,2% das pacientes relataram dificuldade em alcançar o orgasmo, 9,2% tinham dispareunia (dor intensa durante a relação sexual) e 6,9%, inadequação sexual (níveis diferentes de desejo em relação ao parceiro). E somente 13% tiveram causas predominantemente orgânicas, como alterações hormonais ou problemas originados por alguma doença.” 
-Dra. Erica Mantelli, Ginecologista e Obstetra. 

Sintomas

Conforme foi mencionado, as causas podem ser de ordem fisiológica ou psicomentais, portanto, os sinais irão acompanhar a origem delas (causas). Os sintomas mais comuns são:
  • Falta de interesse ou aversão ao sexo;
  • Falta de receptividade à atividade sexual;
  • Inexistência de pensamentos sexuais;
  • Nojo;
  • Ânsia;
  • Vontade de chorar;
  • Medo;
  • Inexistência de fantasias sexuais.
Com base na sintomatologia, os especialistas irão identificar as possíveis causas que estão acarretando na impotência sexual feminina. O médico também irá determinar qual será o melhor tratamento, de acordo com o histórico da mulher.


Tratamento

Falar de tratamento para a impotência sexual feminina é pensar no gatilho responsável, pois dependendo do fator que está por traz da disfunção, o tratamento será projetado para mitigar esse problema. A impotência sexual feminina é complexa, necessita de uma apuração profunda para identificar o que está fazendo a mulher sofrer e evitar a experiência sexualmente.

Alguns especialistas estão receitando medicamentos direcionados para a tratativa da disfunção sexual masculina para as mulheres. Entretanto, esses remédios não apresentam uma terapêutica efetiva, bem como, não se sabe a quantidade necessária para o organismo feminino, pois esses fármacos foram pensados para o corpo do homem. Ou seja, medicamentos que tratam a impotência sexual feminina não existem, ou ainda, estão em fase de testes.

Quando o tratar da causa gera a melhora da disfunção

Não há dúvidas de que quando tratamos das causas, estamos mitigando as chances de sofrer com a impotência. Portanto, é de suma importância procurar terapêuticas para as outras enfermidades. Não adianta realizar técnicas de relaxamento para ansiedade, se você não está cuidando da diabetes, ou de uma vaginose. Portanto, trate da causa, pois só assim você terá condições de seguir com a sua vida sexual sem complicações.

O auxílio da Psicologia

Para os fatores psicomentais, a psicologia pode ser de grande valia. Compreender os gatilhos que estão engendrados no processo de sofrimento emocional é importante, pois é possível trabalhar os bloqueios, bem como, sinais que impedem a interação sexual.

O auxílio da psicologia também colabora no entendimento da somatização dos sinais mentais e corporais, pois um fator de origem física pode desencadear sintomas mentais, bem como, o mesmo pode ocorrer ao inverso. Ter o respaldo da psicologia é garantir que todas as angústias, medos e frustrações irão receber cuidados necessários para amenizar e aliviar o sofrimento, assim como, proporcionar a autonomia da mulher.

Impotência sexual feminina e a menopausa

Uma das causas da disfunção sexual da mulher está relacionada com a menopausa – com a queda do estrogênio algumas reações ocorrem no corpo feminino, que afetam drasticamente as suas relações sexuais propagando até mesmo a aversão ao sexo.

O ressecamento vaginal, a depressão, a ansiedade e o estresse são alguns dos sintomas da menopausa que podem afetar o desempenho sexual feminino. Portanto, recorrer a tratamentos naturais que reponham os níveis de hormônios é de grande valia.

Pois, além de proporcionar o alívio dos sintomas da menopausa, os tratamentos naturais irão mitigar as causas que desencadeiam a impotência sexual feminina.

Uma expedição pelo o seu próprio corpo!

Compreender as causas que te fazem não querer o sexo perpassa pelo autoconhecimento. Desbravar o corpo é entender como ele funciona, bem como, identificar o que te faz feliz ou não.

O corpo feminino foi um corpo no qual as suas donas não detinham o poder sobre eles, entretanto, estamos caminhando para um novo status e, a melhor maneira de conhecer aquilo que lhe pertence, todavia, foi reprimido, é através do autoconhecimento, ou seja, a masturbação.

Realize expedições pelo o seu próprio corpo, você verá o quanto isso lhe fará bem! Não deixe de procurar um médico caso o problema permaneça. O diálogo é a melhor maneira de expor o quanto a disfunção está impactando na sua vida.

Fonte: Saudável e Feliz

Nenhum comentário:

Postar um comentário