quinta-feira, 28 de junho de 2018

Esta pequena aranha pode viver na sua casa e tem picada letal: o que fazer se a encontrar

Miles Boyer vía Shutterstock
A aranha violinista, ou aranha de canto, é uma das mais perigosas da América. Certamente você já ouviu falar sobre isso em algum momento, mas você poderia realmente identificá-la se você a encontrasse? Não entre em pânico: reunimos aqui informações de como você pode detectar tanto o aracnídeo quanto sua mordida.

Esses pequenos seres, apesar de muito temidos, fogem do contato humano. Eles geralmente são encontrados em lugares pequenos e escuros, tanto dentro como fora de casa.

Como identificar aranha violinista

Esta aranha é pequena, marrom e tem um ponto semelhante à silhueta de um violino no topo das costas. Ela pode medir de meio centímetro a quase dois, mas pode parecer maior por causa de suas longas pernas.

Sari ONea vía Shutterstock
  provável que, se você encontrá-la dentro de sua casa, esteja no porão, em um armário escuro ou em qualquer outro lugar remoto sem muita luz.

Picada

A mordida de uma laxosceles laeta, como é cientificamente conhecida, pode demorar algumas horas para fazer efeito, mas começa com uma mancha violeta na pele. Após 24 a 48 horas, a área ficará inchada e com bolhas.

Se demorar mais tempo para um atendimento, uma crosta necrótica começará a se formar. Além disso, a pessoa afetada terá febre, náusea, dor muscular, fadiga, insuficiência cardíaca, edema pulmonar e perda de consciência.

A Secretaria explica que, se o paciente for atendido dentro de 24 horas, pode ser tratado em nível ambulatorial, mas, se o veneno se espalhar, será necessário hospitalização. Portanto, o mais importante é identificar essa mordida o mais rápido possível.

Fonte: VIX - Escrito por Giulia Ebohon

4 benefícios de dormir com uma cebola nos pés


Dado que neles estão representados todos os órgãos do corpo, ao colocar uma cebola nos pés podemos obter vários benefícios tanto para a nossa saúde interna quanto externa

Alguma vez você colocou uma cebola aberta perto de si para evitar a tosse? Se não o fez, certamente já ouviu falar a respeito.

Todos nós lembramos do assombro, inclusive do riso, quando nos contaram o truque pela primeira vez, assim como a surpresa em ver que funcionava.


O sucesso do remédio se deve ao fato da cebola purificar o ar e, por isso, o tornar mais respirável. Logo, quando temos uma tosse incessante, esta hortaliça age com uma efetividade quase que milagrosa.

O único inconveniente é o cheiro que impregna no quarto. Para neutralizá-lo, existe uma infinidade de ambientadores naturais ou químicos.

A cebola tem qualidades extraordinárias, o que explica seu papel privilegiado dentro da medicina tradicional. Todas as culturas nos oferecem receitas com ela como protagonista.

Mostraremos agora por que é bom dormir com uma cebola nos pés.

Por que nos pés?

Os pés são os grandes esquecidos em termos de saúde. Em geral, reparamos neles quando doem ou sentimos formigamento por problemas circulatórios.
Tais circunstâncias nos levam a ignorar o fato de que na planta dos mesmos temos uma grande quantidade de terminações nervosas conectadas com os órgãos vitais.

Os centros de conexão se chamam meridianos. Se correspondem com os pontos de acupuntura. Contêm uma grande potência elétrica, de modo que, quando estimulados, temos acesso rápido ao resto do corpo.


Por isso, se colocarmos pedaços de cebola nas plantas dos pés, colocaremos todas as suas propriedades (depurativas, antissépticas…) em contato direto com nosso interior, mantendo-o em plena forma.

Benefícios de dormir com uma cebola nos pés 

Siga lendo e descobrirá algumas das inumeráveis vantagens deste fantástico remédio:

1. Adeus às infecções

É um antibiótico natural. Ao colocar a cebola na planta do pé, chegará a qualquer lugar afetado pela infecção.

No entanto, isto não quer dizer que seja um substituto dos antibióticos receitados pelo médico, a cebola tornará o tratamento mais eficaz e mais rápido.

2. Facilita a eliminação de toxinas

As toxinas são todos aqueles resíduos que temos no sangue que danificam nossa saúde quando estão em acúmulo. Graças ao ácido fosfórico da cebola, esta funciona como um imã para as substâncias tóxicas, de forma que acaba por absorvê-las.


Logo, utilizando a técnica de modo regular, conseguiremos melhorar a saúde em longo prazo.

3. Hidrata o corpo

Você sabia que 90% da composição da cebola é água? Se obedecermos aos pontos da acupuntura, a energia elétrica dos meridianos tomará toda a água que nosso organismo precisa para que alcancemos os níveis desejáveis.


Levando isso em consideração, dormir com uma cebola nos pés é muito recomendado para aquelas pessoas que possuem dificuldade em beber água durante o dia, seja por trabalho ou por hábito.

4. Fortalece o sistema imune

A cebola é rica em vitaminas E e C, essenciais para nossas defesas. Além disso, estas vitaminas são estupendos antioxidantes, o que significa que atrasam o envelhecimento celular.

Assim, estaremos aplicando um tratamento antienvelhecimento sem cirurgias, nem químicos artificiais.

Instruções para dormir com uma cebola nos pés 


  • Existem muitos tipos de cebolas, porém as mais apropriadas são a branca e a roxa. Escolha a que encontrar com mais facilidade.
  • Depois, corte-a em rodelas e situe-as no arco da planta do pé, já que aí se encontram os meridianos.
  • Calce uma meia para que não se mova e durma.
Como dizíamos anteriormente, o maior incômodo de fazer isso é o cheiro da cebola que fica no pé. Para eliminá-lo, recomendamos passar algum objeto de aço inoxidável pelo pé.

Mesmo que pareça estranho, é um método infalível contra este incômodo cheiro.

Se você também notar o cheiro no ambiente, prepare uma infusão de cítricos e cravos. Coloque-a na mesa de cabeceira ou em um móvel do quarto e pouco a pouco, irá desaparecer.

Você também tem a disposição, nos supermercados, pulverizadores que eliminam os cheiros desagradáveis. Qualquer uma das duas alternativas funciona, mas a primeira é mais sustentável.

Apostar neste truque é garantia de sucesso. Pode fazê-lo uma vez por semana, como uma via para renovar a energia, depois de uma semana dura de trabalho. No entanto, é recomendado fazê-lo diariamente.

Não terá efeitos secundários em nenhum caso. Somente benefícios.

Fonte: Melhor com Saúde

terça-feira, 26 de junho de 2018

5 razões para consumir chocolate amargo

Além de promover a produção de endorfinas, consumir chocolate amargo pode nos ajudar a melhorar nossa saúde cardiovascular, desde que optemos por suas versões mais puras.

A origem do chocolate remonta, até onde se sabe, há quase 4.000 anos na América Central. Os maias já o consumiam, até mesmo em seus rituais, como uma bebida sagrada. Neste artigo falaremos sobre as razões para consumir chocolate amargo todos os dias.

O cultivo e a domesticação da planta de cacau, da qual o chocolate amargo e outras variedades são extraídos, ganharam importância significativa. Assim, ao longo do tempo, ele foi reavaliado devido à sua natureza espiritual, medicinal, política e econômica.

Este alimento ancestral, irresistível e delicioso é um remédio natural para alguns distúrbios. Além de ser um ótimo antioxidante, também melhora a saúde cardiovascular e regula o intestino.

Chocolate amargo e cacau

Para começar, devemos esclarecer que, neste artigo, nos referimos apenas aos benefícios do chocolate amargo. Este alimento tem propriedades medicinais graças ao seu alto teor de cacau, que é o componente curativo deste produto. Portanto, descartaremos o chocolate ao leite e outras variedades menos saudáveis.

Recomendamos escolher um chocolate amargo que tenha pelo menos 70% de cacau. Nós também podemos usar cacau puro para cozinhar, em vários tipos de bebidas e receitas. Desta forma, evitaremos outros ingredientes mais nocivos, como as gorduras do leite ou o açúcar.

Razões para consumir chocolate amargo

1. Um poderoso antioxidante

 O chocolate amargo é feito com as sementes do cacaueiro. Ele tem uma capacidade antioxidante maior do que a das frutas.

As próprias sementes do cacau e do chocolate contêm um grande acúmulo de polifenois, que são antioxidantes naturais. Não em vão, a semente de cacau é chamada de superalimento devido à sua composição nutricional.

Note que, no caso do chocolate cozido, ao ser aquecido, ele perde alguns dos seus nutrientes. Este método de processamento faz com que ele perca um pouco de sua capacidade antioxidante.

Quando o chocolate tem um alto teor de cacau, além de ser uma delícia gastronômica, também é um remédio para prevenir o envelhecimento.

2. Melhora a saúde cardiovascular

Um consumo moderado e regular de chocolate amargo nos ajuda a prevenir os distúrbios cardiovasculares mais comuns, como o colesterol, hipertensão e diabetes tipo 2.  No entanto, outros tipos de chocolate causam o efeito oposto em nosso corpo.

Desta forma, o chocolate amargo nos ajuda a controlar a pressão arterial e previne doenças que afetam as veias e o coração. Graças a uma substância ativa que ele contém, chamada flavomicina, o cacau melhora o sistema circulatório da mesma forma que muitos remédios.

3. Regula o intestino

fibra solúvel que o chocolate amargo contém, além de ajudar a controlar os níveis de colesterol, também beneficia nosso intestino. 10% de seu conteúdo é de fibra, que também produz um efeito quase imediato de saciedade. Portanto, consumir chocolate amargo diminui os desejos por comida.

Como a fibra não se rompe no corpo e passa intacta pelo intestino, ajuda a limpar o trato digestivo quando passa por ele. Portanto, comer chocolate amargo previne a constipação e a síndrome do intestino irritável, pois sua fibra age como uma vassoura intestinal.

4. Acalma a tosse

O chocolate amargo contém uma substância chamada teobromina que atua no nervo vago e reduz sua atividade. Este nervo tem, entre outras funções, o controle dos ataques de tosse.

Assim, por mais improvável que pareça, consumir alguns gramas de chocolate amargo por dia ajuda a aliviar os ataques de tosse. 

Neste sentido, quando estamos sofrendo com os sintomas da gripe ou do resfriado, podemos recorrer a uma reconfortante bebida de chocolate quente. No entanto, recomendamos evitar o leite, pois ele pode aumentar o muco e piorar a condição.

5. Proporciona felicidade

Por que tantas pessoas precisam comer chocolate e sentem uma grande felicidade ao fazê-lo? Por que podemos nos tornar viciados nele? Porque quando consumimos esse alimento, nosso cérebro produz endorfinas. Esses hormônios promovem uma sensação de alegria e felicidade.

Estas 5 razões são justificativas suficientes para que você não se entregue à tentação de comer chocolate. Lembre-se apenas de escolher uma alta porcentagem de cacau, uma boa qualidade, e consumi-lo em pequenas quantidades diariamente.

Coma sem culpa, porque agora você sabe que consumir chocolate amargo é muito saudável.

 Fonte: Melhor com Saúde

6 benefícios da música para a saúde

Para obter o máximo de benefícios da música, devemos escolher um estilo que nos agrade, ou aquilo que nosso corpo nos pede em cada momento, de acordo com o objetivo que buscamos.


Os benefícios da música para a saúde são inumeráveis. No entanto, hoje vamos descobrir os 6 mais relevantes e como eles beneficiam o corpo e a mente. Se você for apaixonado por esta atividade, seja praticando música ou apenas ouvindo, este artigo será de grande interesse para você.

Você pode ouvir música enquanto dirige ou quando se exercita. Além disso, você pode tocar um instrumento musical. Não importa que tipo de música você escute, os benefícios são para todos.


Vamos descobrir quais são eles.

1. A música te relaxa

Um dos benefícios da música para a saúde é que ela consegue nos relaxar.
Quando você está passando por um grande período de estresse e a ansiedade o espreita em cada esquina, a música pode ser uma atividade para fugir e limpar sua mente. Essa evasão fará com que, por um momento, as preocupações se dissipem.

Ouvir música durante uma pausa no trabalho ou ao voltar do trabalho de carro é uma excelente maneira de relaxar a mente e o corpo.

Se você se conscientizar desse benefício, perceberá que não apenas sua mente deixa de pensar no que lhe causa estresse, mas que seu corpo começa a relaxar.

2. Aumenta o desempenho intelectual

Por que muitas pessoas estudam ouvindo música? Para alguns, isso é impensável, porque é considerado um método que distrai e impede que você se concentre no que precisa estudar.

No entanto, para muitas pessoas, o oposto também é verdadeiro. Talvez seja porque a música estimula o cérebro.

Quando ouvimos música, certas áreas do nosso cérebro são ativadas, que aumentam nossa concentração e melhoram tanto o aprendizado quanto a assimilação de informações.

Portanto, a música pode ser uma grande aliada dos estudos. Agora, talvez, uma música suave e reconfortante ajude mais do que uma que estimule a dança.

Complemente essa leitura com o seguinte texto: Musicoterapia para baixar a pressão arterial alta

3. Nos deixa felizes

 Outro benefício da música para a saúde é que ela aumenta a felicidade. A música ativa, que faz você dançar e um sorriso ser desenhado em seu rosto. Muitas pessoas colocam uma música para tocar todos os dias quando acordam, porque isso as ajuda a se levantar de melhor humor.

 

De alguma forma, ouvir música reduz nosso cansaço e nosso desânimo. Talvez seja por isso que a usamos para nos exercitar, acordar e nos animar quando estamos tristes.

É claro que, se ela é capaz de reduzir nossos níveis de estresse, é bem provável que depois de escutá-la, a gente sinta bom humor.

4. Nos ajuda a desabafar

Embora a música possa nos deixar mais felizes, a verdade é que às vezes recorremos a ela para nos afundar profundamente em nossa tristeza. Portanto, quando estamos passando por um momento ruim, muitas vezes tendemos a colocar músicas tristes que, em vez de melhorar a situação, pioram.

No entanto, isso tem um propósito e é isso que nos permite expulsar todas as nossas emoções. Nós choramos, gritamos, nos sentimos profundamente mal…

Uma vez que nos libertamos dessas emoções e as deixamos ir, nos sentiremos muito melhor e mais relaxados.

Continue lendo mais sobre a música nesse artigo: Qual é o efeito da música em nosso humor?

5. Reduz a pressão arterial

Outro benefício da música para a saúde é que ela reduz a pressão arterial no caso de você sofrer com esse problema. Lembre-se de que a pressão alta pode torná-lo suscetível a ataques cardíacos, derrames, lesões oculares ou aneurismas.

  • Ouvir entre 15 e 30 minutos de música tranquila por dia ajudará a reduzir a pressão arterial.
  • Para que isso tenha efeito, você deve introduzir a música como um hábito. Lembre-se de que a música deve ser relaxante e silenciosa, como o som da chuva ou dos pássaros.

6. Ajuda pacientes com câncer

A música é uma grande ajuda para todos aqueles que sofrem de câncer.
Ela pode ajudar a melhorar o humor, assim como a autoestima, e eliminar a ansiedade e o estresse que você sofre devido à doença dolorosa pela qual está passando.

No entanto, a música também ajuda com algo muito importante: a dor. Como a música é capaz de fazer com que o cérebro liberte endorfinas, ajuda a diminuir a intensidade da dor. Algo que também é benéfico em caso de você sofrer de outras doenças, como enxaquecas, artrose ou outro desconforto físico.

Você é um amante da música? Já sentiu algum desses benefícios da música para a saúde? Nós encorajamos você a ouvir um pouco todos os dias, até mesmo antes de ir dormir; aquela que você mais gostar.
Nós temos certeza de que ela irá alegrar e relaxar você, permitindo que você durma ou enfrente o dia de uma maneira bem mais otimista.
 Fonte: Melhor com Saúde

segunda-feira, 25 de junho de 2018

Fátima Bernardes sobre decisão do ex, Bonner, de se casar de novo: 'Natural'

AGNews
Fátima Bernardes comentou a decisão do ex-marido, William Bonner, dar entrada no processo de união estável com a atual namorada, a fisioterapeuta Natasha Dantas, em entrevista ao jornal "O Globo" neste domingo (24). "O casamento dele não mexe comigo. Acho natural que ele reconstrua a vida dele. Assim como também estou tocando a minha", disse a apresentadora, atualmente em viagem a Pernambuco com o namorado, Túlio Gadêlha.

'Me colocaram na posição de vítima', pondera sobre divórcio

A separação também foi comentada pela apresentadora do "Encontro": em agosto de 2016, ela e o comandante do "Jornal Nacional" indicaram, pelo Twitter, o fim do casamento. "Embora eu e William tenhamos sido muito discretos, as pessoas intuíram que foi ele que se decidiu pela separação. Me colocaram na posição de vítima. E, no entanto, ninguém sabe quem deu o basta, quem disse 'a partir de agora é melhor não'", argumentou Fátima, premiada pelos 30 anos de carreira nos Estados Unidos, garantindo que tal questão não se tornaria pública: "Não vamos falar nunca sobre isso".

Fátima comemora 6 anos do programa: 'Mudei na hora certa'

Na segunda-feira (25), o "Encontro" vai completar 6 anos e, à publicação, Fátima explicou que se adaptou ao programa conforme o passar dos anos. "Se eu chegasse lá no primeiro programa e fizesse um pole dance, dançasse samba com alguém ou desafinasse cantando no karaokê, as pessoas iriam se perguntar: mas peraí, quem é a Fátima? Era aquela (do "JN") ou essa?", contou bem-humorada a jornalista, que já dançou com Ludmilla e soltou a voz com "Evidências" na atração.

 Ela não se arrepende de ter saído da bancada do telejornal: "Mudei na hora certa. Tenho agora o privilégio de ter um espaço em que posso tratar de assuntos tão importantes de um jeito mais pessoal, afetuoso, mais próximo, com um olhar para o outro. Nem nos meus melhores sonhos eu imaginava que podia rolar isso". A identificação com o público também foi comentada por ela: "Acho que sempre tive características na minha vida que me tornavam mais popular e próxima do público do que qualquer outra pessoa que exercesse a mesma função do que eu. 

O fato de ter me casado com um colega de bancada, o William, gerou curiosidade. Depois, quando tentei engravidar e tive três filhos de uma vez, mais curiosidade. E ainda teve toda a cobertura da Copa, eventos... Acabei trazendo para mim um holofote um pouco maior".

Fonte: Purepeople -Por Marilise Gomes
 

Diabetes tipo 2 tem cinco sinais silenciosos que você deve conhecer para se prevenir

Syda Productions/Shutterstock
Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 422 milhões de pessoas têm diabetes em todo o mundo. Se continuar assim, até 2030, a doença será a sétima causa de morte no planeta. Para evitar que isso ocorra com você, aposte em uma dieta saudável, abandone o estilo de vida sedentário, mantenha um peso saudável, não fume e, acima de tudo, consulte sempre seu médico.


Grande parte das pessoas que sofrem da doença demora para obter um diagnóstico, pois a condição pode ser assintomática ou ter sinais que passam despercebidos no dia a dia. Portanto, é importante prestar aos sinais do corpo para evitar complicações de saúde. Conheça alguns silenciosos sintomas de diabetes:

1. Vontade de fazer xixi com muita frequência

Uma consequência dos níveis elevados de açúcar no sangue é urinar com mais frequência. Por sua vez, também pode levar à desidratação e sede constante. Se você se levantar mais à noite para ir ao banheiro e tiver muita sede no seu dia, consulte seu médico.

2. Perda de peso sem motivo aparente

Quando você não tem insulina no sangue, sua massa muscular e gordura corporal podem ser drasticamente reduzidas. Se você perder peso e não mudou seus hábitos alimentares, pode ser devido a doença.


3. Cansaço excessivo

Quando você tem diabetes, seu corpo tem dificuldade em converter o açúcar em uma fonte de energia, resultando em fadiga e cansaço excessivo.

4. Formigamento nos pés e nas mãos

Os tecidos podem parar de responder se a glicemia estiver alta. Se os nervos forem danificados, haverá problemas com a sinalização nervosa e isso resultará em formigamento e dores nas extremidades.

5. Apetite exagerado

Sem receber energia adequadamente, o corpo então começa a pedir mais comida, fazendo com que você sinta mais fome do que de costume.

Fonte: VIX-  Escrito por Paulo Nobuo

sábado, 23 de junho de 2018

5 características de crianças superdotadas

A Organização Mundial da Saúde estima que há 2% de crianças superdotadas ou com alta capacidade. Assim, podemos vislumbrar que em toda família (em seu sentido mais amplo), em toda escola, em toda comunidade, há crianças com estas capacidades excepcionais.

As crianças superdotadas nem sempre são detectadas pelo sistema educacional ou pelos especialistas em psicologia ou psicopedagogia, e menos ainda recebem a atenção que precisam para estimular e impulsionar seu potencial. Se além disso são meninas ou vêm de setores sociais com índices de pobreza, são ainda mais difíceis de identificar.


 Também há muitos mitos e crenças falsas em torno desta condição que faz com que passem desapercebidos, sejam invisibilizadas ou, pior ainda, diagnosticadas com transtornos que não sofrem, como déficit de atenção (com ou sem hiperatividade), o transtorno bipolar ou a síndrome de Asperger.


Como detectar as crianças superdotadas?

A maioria dos especialistas coincide no fato de que para saber se uma criança é superdotada é preciso esperar até que alcance os 5 ou 6 anos. Porém, também há quem considerem que é possível detectar alguns sinais precoces de alta capacidade entre os 2 e 4 anos.


Também é frequente confundir alto rendimento acadêmico com ser uma criança superdotada. Ainda que uma criança superdotada seja entendida como muito inteligente, é uma inteligência diferente. Uma criança superdotada pode ter notas medíocres, mas não realmente ruins.


As principais características de uma criança superdotada com frequência são mal interpretadas. Para a psicóloga clínica Linda Kreger Silverman, fundadora do Centro de Desenvolvimento da Superdotação em Denver, Estados Unidos, as crianças superdotadas têm qualidades tais como:

  • Dão explicações muito inteligentes (e muito convincentes) para não fazer as atividades ou para não ir à escola.
  • Têm uma alta capacidade para criar contos ou piadas geniosas, ou jogos de palavras.
  • Perguntam com insistência, colocando os pais e professore em apuros.
  • Têm uma dedicação consciente a uma atividade que lhes apaixona.
  • Fazem coisas habituais de forma não usual.
  • Têm consciência do que é injusto e valor para defender aos indefesos.
  • São capazes de manter a calma nos momentos de caos.

Característica fundamental: super-excitabilidade

Educadores e psicólogos com frequência desconhecem a super-excitabilidade que as crianças superdotadas têm em diferentes aspectos de seu desenvolvimento, que com frequência dá origem a diagnósticos errados.

. Super-excitabilidade psicomotora

A criança superdotada se entedia e se move. Parece ter problemas de atenção e tem episódios de hiperatividade. Sua agitação verbal ou física faz com que pense que sofre de transtorno de déficit de atenção com hiperatividade (TDAH).

Quando a criança está motivada por uma tarefa, ou imersa em algo que lhe atrai e fascina, leva a níveis de concentração fora do esperado para a sua idade. Se esquece de tudo o que a rodeia.

Também pode se frustrar quando não consegue o que se propõe, e é uma emoção que devemos lhe ajudar a gerir.

2. Super-excitabilidade intelectual

As crianças superdotadas têm uma curiosidade voraz. Como em ocasiões concentram toda a sua energia em um único tema, ficam obcecadas com o que lhes atrai.


 Esse interesse único em temas e curiosidade voraz pode fazer com que tenha dificuldades para se relacionar com seus pares, o que pode ser confundido com o transtorno de Asperger.


3. Super-excitabilidade emocional

Os pais com frequência descrevem uma criança superdotada como “muito intensa e extrema” ou que “explode com facilidade”.

  • Sua intensa emocionalidade será um de seus grandes recursos ao ser adulto, mas na infância pode ser confundida com transtorno bipolar, quando estão muito distantes de serrem psicóticos.
  • Sua sensibilidade os faz chorar por um personagem de filme ou se preocupar com a injustiça social, a violência ou problemas ambientais. Têm consciência social.

4. Super-excitabilidade sensorial

Lhes incomoda muito as etiquetas de roupa, o barulho na sala de aula, os cheiros ou o volume excessivo. Estas sensações lhes são tão invasivas que não podem pensar em mais nada.

Geralmente nem pais e nem professores entendem esta sensibilidade extrema. São julgados como maníacos, quando na realidade são sensações que elas não podem suportar.

5. Superexcitação da imaginação

As crianças superdotadas parecem “vivem em seu mundo”. Tem uma enorme facilidade para inventar, fantasiar e criar situações e companheiros imaginários par escapar do tédio que, por exemplo, a escola lhes causa.

Nesse voo da imaginação podem chegar a confundir a realidade com a ficção. Costumam desenhar, escrever ou imaginar histórias com a finalidade de se abstrair de uma realidade que lhes é pouco atraente e estimulante.

Recomendações finais

Por mais estímulos que sejam dados às crianças durante a gravidez ou de forma precoce, não se forma uma criança com alta capacidade. As crianças superdotadas nascem, herdam suas potencialidades de sua carga familiar.

Se como pai você detecta que seu filho tem características para ser considerado superdotado, a primeira coisa que deve fazer é superar seu próprio medo e preconceito. Efetivamente, seu filho é diferente. É preciso ajudá-lo a gerenciar e investir em seu potencial.

Descobrir e potencializar essas diferenças é um grande desafio, que muitas vezes supõe enfrentar a familiares, professores e psicólogos acostumados com o “normal”. É preciso educá-lo para a felicidade, não para a perfeição, como a toda criança.

Não há sentido em isolar uma criança superdotada, ou pretender vinculá-la apenas a crianças similares. Em poucos países há instituições educacionais especializadas pra este tipo de crianças.

O ideal é ajudá-la a transitar pela escola tradicional, a se relacionar, enquanto lhe oferecem opções adicionais para impulsionar o seu potencial.

Fonte: Melhor com Saúde

Este homem fez tacos mexicanos com a carne de seu pé amputado e deu aos amigos

Os amigos de um usuário do Reddit, de 38 anos e identificado apenas como IncrediblyShinyShart, tiveram uma surpresa desagradável quando foram convidados para um café da manhã de domingo.

Esperando um baquete com doces e bolos, eles foram recebidos com tacos, uma popular comida mexicana. O problema, no entanto, estava na carne da iguaria, que basicamente foi feita com partes do pé amputado do anfitrião.

Se você um dia se perguntou qual o sabor da carne humana, aparentemente, para quem experimentou, é uma mistura de carne de porco e vitela. Essa curiosidade também tomou IncrediblyShinyShart e seus amigos, que concordaram que um dia passariam por essa experiência. O que eles não sabiam, no entanto, era que essa oportunidade chegaria mais cedo do que imaginavam.

 ncrediblyShinyShart estava conduzindo sua bicicleta a 72 quilômetros por hora quando foi atingido por um carro. Os ossos de um de seus pés foram triturados e os médicos lhe disseram que não seriam capazes de recuperá-los. O homem concordou em amputar o pé, mas decidiu que ficaria com o membro.

Ao chegar em casa, colocou o pé no congelador e em seguida convidou cerca de 11 amigos para compartilhar uma aventura culinária. Apenas 10 concordaram. Então, um dos amigos que era um chef de cozinha, preparou a carne do pé marinando-a por 24h. Em seguida, refogou-a com pimentões, cebolas e limão, servindo-as em conjunto com tortilhas de milho e molho tomatillo.

Curiosamente, é perfeitamente legal comer carne humana em todos os estados dos EUA, exceto Idaho. No entanto, os processos “normais” para obter a carne – assassinato, profanação de cadáveres e venda e compra de carne humana – são considerados ilegais. Sendo assim, aparentemente, a única forma de consegui-la é comendo a própria carne.


IncrediblyShinyShart o fez, e descreveu a experiência em uma entrevista para o site Vice. “Tinha um sabor muito pronunciado, musculoso. O músculo que eu cortei era duro e mastigável“, disse.

Em um comentário no Reddit, ele contou que, apesar da origem nojenta, afinal a carne estava em seu pé, todo mundo conseguiu comer, de modo que apenas um a cuspiu em um guardanapo após mastigar por um tempo.


Para IncrediblyShinyShart, a experiência ajudou a superar uma fase complicada de sua vida, causada pela amputação do pé, e desde então tudo melhorou. Se você tiver estômago forte o suficiente para ver as imagens, elas foram disponibilizadas por ele no Imgur.

[ IFL Science ] - Foto: Reprodução / Pixabay
Via Jornal Ciência-  por Merelyn Cerqueira

Esta combinação de alimentos é viciante ao cérebro e nos faz engordar, diz estudo

Ravil Sayfullin/Shutterstock
Se mesmo de dieta você tem dificuldade em resistir a um pedaço de pizza, porção de batata frita ou hambúrguer, saiba que o fenômeno não tem nada a ver com força de vontade, mas sim uma resposta do cérebro ao alimento.

Um recente estudo feito pela Universidade Yale, EUA, e publicado pelo Cell Metabolism provou que o cérebro humano tem maior predisposição a desejar comidas que combinam carboidratos e gorduras.

Comidas que viciam o cérebro

De acordo com os pesquisadores, o sistema de recompensas do cérebro é ativado no momento em que nos deparamos com imagens de alimentos com essa combinação viciante, o que não ocorre diante de opções apenas ricas em gorduras ou somente carboidratos.

UNIKYLUCKK / Shutterstock

Para chegar à conclusão, os cientistas apresentaram a 56 participantes do estudo fotos de comidas ricas em gordura, carboidrato ou com uma combinação de ambos. Em seguida, o cérebro dos voluntários foi monitorado para verificar como os circuitos neurais no centro de recompensas do cérebro eram ativados diante das imagens.

Os resultados mostraram, então, que essas reações eram maiores quando os participantes observaram refeições que combinavam gorduras e carboidratos. E mais: a resposta era intensa ainda que os alimentos não fizessem parte da lista de alimentos preferidos pelos voluntários.

Fonte: VIX-  Escrito por Paulo Nobuo

Frio aumenta o risco de problemas cardíacos

Quando as temperaturas despencam, a probabilidade de internação por insuficiência cardíaca e infarto sobe 30%

Entre junho e agosto, meses marcados por temperaturas mais frias, as internações nos hospitais públicos da cidade de São Paulo por insuficiência cardíaca e infarto chegam a ser 30% maiores do que no verão. É o que mostra estudo inédito realizado por médicos da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein.

A pesquisa, liderada pelo cardiologista Eduardo Pesaro considerou todas as internações por insuficiência cardíaca (76 474 casos) e infarto agudo do miocárdio (54 561 casos) registradas em 61 hospitais públicos da capital paulista entre janeiro de 2008 e abril de 2015.

Os dados fazem parte do Cadastro Nacional de Saúde, do Sistema Único de Saúde (SUS). Foram consideradas também as temperaturas mínima, máxima e média em cada período ao longo desses sete anos, registradas pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb). “Provavelmente isso se dá por fenômenos múltiplos, como o frio e a qualidade de ar como principais aspectos de risco. As pessoas que estão em maior risco e que já são doentes, com pressão alta, diabetes, devem ter uma atenção especial nesse período e maior controle como tomar corretamente o remédio e medir a pressão”, aconselhou o cardiologista.

A pesquisa mostrou ainda que o número médio de internações por insuficiência cardíaca no inverno foi maior em pacientes com mais de 40 anos. Já as hospitalizações por infarto foram registradas em maior número em pacientes com idade superior a 50 anos. De acordo com o cardiologista, as causas do aumento do risco cardiovascular no inverno não estão diretamente ligadas à queda do ponteiro do termômetro, mas às condições ambientais e socioeconômicas de São Paulo.

“Inverno não significa só frio, mesmo porque em São Paulo ele é ameno, com temperatura média de 18 graus e variação de apenas 5 graus. Ele também significa poluição aumentada, crescimento de epidemias provocadas pelo vírus da gripe, o Influenza, além do tempo seco”, diz Pesaro.

Poluição
Com uma população de quase 12 milhões de habitantes e uma frota de 8,64 milhões de veículos (incluindo caminhões e ônibus), São Paulo fica mais poluída no inverno. A baixa umidade, chuva reduzida e as frequentes inversões térmicas (quando o ar frio é bloqueado por uma camada de ar quente e fica preso perto da superfície) são condições que impedem a dispersão de poluentes como monóxido de carbono, dióxido de nitrogênio, dióxido de enxofre e material particulável inalável.

 “Temperatura baixa, pouca umidade e alta poluição contribuem para uma maior incidência de doenças respiratórias e gripe, com o consequente aumento do risco cardiovascular”, explica Pesaro.

Uma das hipóteses levantada no estudo é de que o aumento da probabilidade de infarto e de insuficiência cardíaca no inverno está relacionado às condições socioeconômicas da população. De acordo com o Censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, na região metropolitana de São Paulo, 596 479 casas são consideradas subnormais, como assentamentos irregulares, favelas, invasões, palafitas, comunidades com deficiência na oferta de serviços públicos básicos, como rede de esgoto e tratamento de água, coleta de lixo e energia elétrica. A capital paulista concentra dois terços desse total ou 397 652 lares.

“Em São Paulo, uma população mais desamparada, com casas improvisadas ou sem aquecimento, mais exposta à poluição e ao frio pode apresentar mais risco de ter doenças cardíacas no inverno que uma pessoa que mora em um país de clima temperado, mas está mais protegida por ter calefação na residência e roupas melhores”, diz Pesaro.

Para se proteger, ele recomenda que as pessoas que têm condições, aqueçam bem a casa. “Um aquecedor portátil ajuda em semanas mais extremas de frio. Outra coisa é tratar do vazamento de ar frio por janelas, portas e telhado. E também se agasalhar melhor, pois tudo isso contribui com a proteção, a ideia é não expor ao frio as pessoas que têm maior risco, como idosos e doentes cardiovasculares”.

Ele ainda ressalta a importância da vacinação. “As epidemias virais e as gripes aumentam o risco cardíaco. Vacinar-se especialmente nas vésperas do outono e inverno é importante também”.

O que acontece com o coração
O frio faz os vasos sanguíneos se contraírem e eleva a liberação de adrenalina, o que culmina na subida da pressão arterial. Além disso, o aumento da poluição contribui para doenças respiratórias que sobrecarregam o coração. Já o Influenza (vírus da gripe) é capaz de causar inchaço ou inflamação das coronárias, com a possibilidade de liberar as placas de colesterol nela depositadas. As placas, por sua vez, podem causar bloqueios e interromper o fluxo sanguíneo.

Para Pesaro, o governo precisa investir em políticas públicas que melhorem a qualidade de vida da população. “As pessoas e os governos têm que cuidar melhor daqueles indivíduos em maior risco durante o inverno. Quem tem risco deve regularizar o controle das suas próprias doenças, como por exemplo, pressão alta, que sabemos que aumenta no inverno, lembrar de tomar os remédios, fazer a medida da pressão com periodicidade e tentar não passar frio mesmo dentro de casa”, aconselha.

Esse texto foi publicado originalmente no site da Agência Brasil.

Fonte: https://saude.abril.com.br/medicina/frio-aumenta-o-risco-de-problemas-cardiacos/ - Por Ludmilla Souza - Ilustração: Rodrigo Damati/SAÚDE é Vital
Via Blog professor José Costa