sábado, 29 de dezembro de 2018

Cores de calcinha para o Ano Novo: Saiba o significado das cores e como escolher a sua

No Ano Novo o que não falta é simpatia para trazer boas vibrações e energias para o ano que está chegando. E uma das mais seguidas pela mulherada é com certeza a da calcinha colorida.


Cada uma das diferentes cores de calcinha para o Ano Novo têm significados distintos e estão associadas a desejos específicos. Portanto, para garantir que seus desejos e anseios sejam realizados no ano que chega, é importante saber escolher a calcinha certa para a virada do ano.

Conheça neste post o significado de cada cor de calcinha para que você não erre na hora de transmitir seu principal desejo para ano que se aproxima. Confira!


Calcinha branca: paz e harmonia para o ano novo

A calcinha branca simboliza a paz, a calma, a tranquilidade e a harmonia em todos os aspectos da vida no ano que se aproxima.

Quem escolhe a calcinha branca para passar o Réveillon deseja um ano livre de conflitos, brigas e desentendimentos.

Calcinha azul: a cor da calma e serenidade

O azul é uma cor fria que transmite calma e tranquilidade.
É ideal para quem busca um ano cheio de luz e repleto de saúde, paciência e amizade.

Calcinha amarela: dinheiro no bolso

O amarelo é uma das cores de calcinha para o Ano Novo mais usada e – visto a condição em que o país se encontra – não será diferente neste ano.

Essa cor simboliza a fortuna, a riqueza e a prosperidade e é indicada para quem deseja sorte, dinheiro, sucesso profissional e realizações pessoais e financeiras no ano que vem chegando.

Calcinha rosa: o amor está no ar

Se você está em busca de um amor, a calcinha rosa deve ser a sua escolha.
O rosa é uma cor delicada, que remete à feminilidade e à afeição. É a escolha ideal de mulheres que desejam um ano novo cheio de romance, com um amor calmo e equilibrado.

Calcinha vermelha: a cor do fogo e da paixão

Muitas pessoas associam a calcinha vermelha com o amor, no entanto, quem busca uma relação romântica e calma, deve usar a cor rosa.

O vermelho é uma cor quente e que remete à paixões intensas e avassaladoras. Segundo a superstição, ela deve ser a escolha de mulheres que desejam um ano novo cheio de paixão, dinamismo e sexo.

Assim como o amarelo, também é uma das cores de calcinha para o Ano Novo preferida das mulheres.

Calcinha verde: mais esperança no ano novo

O verde é a cor da esperança, da saúde e da serenidade. Por ser uma cor fria, remete à calma, proteção e ao frescor.

A calcinha verde é ideal para quem deseja renovar os ciclos da vida e ter mais esperança no ano que vem chegando.

Calcinha roxa: a cor da espiritualidade

O roxo é a cor da espiritualidade e intuição. Deve ser a escolha de mulheres que desejam um ano tranquilo e sereno, mas com transformações, estimuladas pela inspiração e criatividade.

Além disso, os diferentes tons de roxo atraem energias associadas à prosperidade, respeito e aumento da autoestima.

Calcinha preta: livre-se do mau olhado

O preto está entre as cores de calcinha para o Ano Novo menos usadas, afinal, essa cor parece ser oposta ao Réveillon.

O preto é uma cor intensa e de proteção, que afasta o mau olhado, as más energias e os sentimentos ruins.

Além disso, remete ao luxo, ao mistério e à fantasia. Portanto, deve ser a escolha de quem quer começar o ano com muito luxo, glamour, autoconfiança e livre de más energias.

Por fim, uma dica preciosa: como no Ano Novo há uma tendência em usar roupas brancas ou de tom bem claro, um truque é utilizar um short cor de pele sobre a calcinha escolhida, para que esta não marque ou apareça sob a roupa. Se você ficar na dúvida entre duas ou mais cores de calcinha para o Ano Novo, use a cor do maior desejo na calcinha e amarre uma fitinha com a outra cor na lateral da calcinha, assim sua energia também estará presente na virada.
Qual cor de calcinha você vai usar no Réveillon?

 Fonte: Tudo Ela

quinta-feira, 27 de dezembro de 2018

Novo estudo - bebês devem dormir na cama com a mãe até os 3 anos de idade porque faz bem ao coração e emocional deles

Pais e mães que gostam de dormir junto com seus bebês, na mesma cama, já podem respirar aliviados e sem culpa.

É que o pediatra Nils Bergman, da Universidade da Cidade do Cabo, na África do Sul, tem alertado para os benefícios de os bebês dormirem na cama da mãe até que tenham pelo menos 3 anos de idade.

Isso porque o médico descobriu que bebês de dois dias que eram colocados em camas sozinhos dormiam menos que os que cochilavam no peito da mãe.
O coração deles também sofreu mais estresse, destacou o médico.

 Dormir sozinho dificulta o vínculo entre mãe e filho - e prejudica o desenvolvimento do cérebro, levando ao mau comportamento à medida que a criança cresce, temem os pesquisadores.


Segundo o doutor Nils Bergman, para um desenvolvimento ideal, os recém-nascidos saudáveis ​​devem dormir no peito da mãe nas primeiras semanas.
 Depois disso, eles devem permanecer na cama da mãe até os 3 ou 4 anos de idade.

 Mas estudos relacionando o compartilhamento de cama com um aumento do risco de morte no berço e medos de a mãe rolar e sufocar o filho, sempre incentivaram as mulheres a fazem o contrário disso.

E não é por acaso.

Olha que impressionante: em um estudo britânico recente sobre mortes infantis súbitas, quase dois terços delas ​​ocorreram quando a cama estava sendo compartilhada (entre mãe e bebê).

Mas calma!
O doutor Bergman disse: "Quando os bebês são sufocados e sofrem mortes nos berços, não é porque sua mãe está presente. É por causa de outras coisas: fumaça tóxica, cigarros, consumo de bebida alcoólica, grandes travesseiros e brinquedos perigosos”.

Para a realização dos estudos, dezesseis bebês foram estudados enquanto dormiam no peito de sua mãe e em um berço ao lado da cama.

O monitoramento revelou que o coração do bebê estava com três vezes mais estresse quando ele dormia sozinho.

 Estudos em animais ligaram a combinação de estresse e falta de sono a problemas comportamentais na adolescência.
 
Bergman disse que mudanças no cérebro causadas por hormônios do estresse podem tornar mais difícil a formação de relacionamentos mais tarde.

O pesquisador, depois do estudo, passou a defender da partilha de cama, desde que os pais não tenham fumado, bebido ou usado drogas e não sejam obesos, doentes ou estejam excessivamente cansados.

Fonte: Cura pela Natureza

É por isso que os bebês chutam quando estão na barriga da mãe

As mamães, geralmente, adoram sentir os chutes dos seus bebês ainda na barriga.


Elas contam as peripécias de seus filhos para os amigos e familiares e se enchem de orgulho e de emoção.

E olha, agora, elas terão ainda mais motivos para comemorar tudo isso.
É que os chutes do bebê no útero podem estar relacionados ao desenvolvimento do cérebro dele, garante pesquisa.


O estudo recente da Scientific Reports descobriu que chutar pode ajudar o feto a “mapear” seu corpo e explorar o ambiente.

Os cientistas observaram as ondas cerebrais que os fetos produzem quando chutam durante o sono REM (rapid eye movement).

 Quando o feto move a mão direita, por exemplo, produz ondas cerebrais imediatamente depois, na parte do hemisfério esquerdo do cérebro que processa o toque para a mão direita.


Os chutes fetais no terceiro trimestre ajudam a criança a desenvolver áreas cerebrais ligadas à entrada sensorial.

Eles também estão ligados a ajudar o bebê a formar um senso de seu próprio corpo, dizem os cientistas.

As ondas cerebrais são extremamente rápidas em bebês prematuros.
(No caso deste estudo, eles notaram que os bebês prematuros que já nasceram, normalmente ainda estão no útero quando essas ondas cerebrais velozes ocorrem.)

Depois de algumas semanas de vida, as ondas cerebrais rápidas desaparecem naturalmente.

“O movimento espontâneo e o consequente feedback do ambiente durante o período inicial de desenvolvimento são necessários para o mapeamento cerebral adequado em animais, como ratos. Aqui, nós mostramos que isso pode ser verdade em humanos também ”, explica Lorenzo Fabrizi, principal autor do estudo.

De acordo com os especialistas, colocar os bebês recém-nascidos em berços também é importante para que eles "sintam" uma superfície aconchegada quando seus membros chutam, como se ainda estivessem dentro do útero.

O estudo apoia a ideia de que o sono deve ser protegido e as interrupções minimizadas, pois os resultados mostram a importância do movimento durante o sono do recém-nascido fetal e prematuro.

E olha que interessante: Kimberley Whitehead, pesquisador associado da Divisão de Biociências da University College London, disse que as descobertas do estudo podem ajudar os hospitais a fornecer um ambiente ideal para bebês nascidos prematuramente.

Vale dizer que, à medida que o cérebro se desenvolve, o feto chuta e responde à sua própria atividade cerebral, assim como  às mudanças no movimento materno, som, temperatura e outros estímulos.

Mas os médicos ainda não têm certeza sobre o significado das mudanças na frequência de movimento dos bebês.

Muitos fetos têm períodos de inatividade mais longos que o habitual.
Em alguns casos de bebês natimortos ou de morte intrauterina, eles podem vir como resultado da diminuição do movimento.

O ideal é que as mães sintam dez movimentos a cada duas horas.
"Todos os bebês saudáveis ​​se movem, mas algumas mães de bebês saudáveis ​​podem não sentir tanto quanto os outros", explica Kimberley.

Fonte: Cura pela Natureza

12 (super)alimentos que ajudam quem está com triglicérides alto

Naeblys/shutterstock
São consideradas triglicérides (ou triglicerídeos) as gorduras produzidas pelo próprio organismo e, principalmente, adquiridas através da alimentação, especialmente derivadas do consumo de carboidratos.

O triglicérides é responsável por garantir combustível aos músculos, mas, em excesso, se transforma em tecido adiposo que aumenta os riscos de problemas como diabetes, doenças cardiovasculares, obesidade, gordura no fígado, entre outros.


Manter o triglicérides sob controle, portanto, é fundamental para evitar complicações de saúde.

Confira uma lista de alimentos que ajudam quem está com triglicérides alto:

Alimentos que baixam o triglicérides

5PH/Shutterstcok
Apenas 1 colher de sopa por dia de vinagre de maçã pode ajudar a reduzir triglicérides e ainda contribuir para a perda de peso, segundo um estudo científico realizado no Japão.

O alimento queima a gordura visceral, um dos principais fatores de risco de triglicérides.

Nadianb/shutterstock

Salmão, assim como atum e outros peixes ricos em ômega 3, também reduz o nível de triglicérides do sangue.

O ideal é preparar o peixe com baixo teor de gordura, sendo a melhor alternativa grelhá-lo.

barmalini/shutterstock

Rico em gorduras boas, o abacate ajuda a controlar o colesterol e baixar os triglicérides, uma vez que possui antioxidantes e anti-inflamatórios.

Azeite, oleaginosas e sementes, como de girassol, linhaça e chia, também são excelentes fontes de gorduras boas.

Anna Shkuratova/shutterstock
 Quem tem triglicérides alto ainda deve consumir mais frutas, verduras e alimentos integrais que, ricos em fibras, melhoram o funcionamento do intestino e reduzem os picos de açúcar no sangue, melhorando assim o colesterol e o triglicérides.

Fonte: VIX-  Escrito por Paulo Nobuo

quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

5 benefícios para a saúde de usar pouco sal em sua comida

Sabia que, ao usar pouco sal, você terá muito mais energia e, inclusive, pode emagrecer mais facilmente? O sal pode ser substituído por ervas aromáticas para evitar perder o sabor.

Os médicos e nutricionistas recomendam sempre usar pouco sal na hora de cozinhar. No entanto, para muitas pessoas, é difícil reduzir o consumo, porque parece que a comida fica sem gosto.

Nesse artigo, vamos compartilhar os cinco benefícios da redução do consumo de sal, sobretudo do sal refinado. Em pouco tempo, você poderá melhorar e evitar diferentes problemas de saúde.

Como usar pouco sal sem que a comida fique sem gosto?

Usar pouco sal não precisa ser uma tortura. Temos que continuar cozinhando, reduzindo o consumo de maneira gradual. Além disso, há outros condimentos que podem potencializar o sabor, como mencionaremos a seguir. Em pouco tempo, seu paladar vai se acostumar.
  • Sal de ervas, feito com legumes em pó, como aipo, alho ou cebola
  • Vinagre
  • Suco de limão
  • Plantas aromáticas (manjericão, hortelã, orégano, etc.)
  • Especiarias picantes, como a pimenta caiena ou o gengibre
  • Levedura nutricional
  • Algas marinhas
Também recomendamos escolher sempre o sal marinho em vez do sal de mesa ou do sal refinado. Assim, o pouco sal que for consumido será melhor aproveitado pelo organismo devido aos minerais e dos oligoelementos.

5 benefícios de usar pouco sal

1. A pele se mantém hidratada e sem impurezas

Quando consumimos muito sal, nosso organismo exige mais água para equilibrar os líquidos. Por esse motivo, umas das principais consequências do alto consumo de sal é a desidratação da pele.

Nesse sentido, usar pouco sal e beber mais água deixa a pele mais hidratada. As impurezas que se acumulam nas camadas mais externas da pele também são eliminadas mais facilmente. Além disso, é possível prevenir o envelhecimento cutâneo prematuro.

2. Há um aumento de energia

O excesso de sal prejudica a função renal. Esses órgãos, quando se sobrecarregam ou se debilitam, causam uma falta de energia que pode chegar a ser crônica se não houver uma melhora nos hábitos. Por esse motivo, muitas pessoas que consomem estimulantes, como o café ou os refrigerantes de cola, não conseguem vencer a fadiga constante.
Para aumentar a vitalidade, é necessário:
  • Melhorar a alimentação.
  • Descansar bem.
  • Fazer exercícios para ativar o metabolismo.
  • Combater o estresse.
  • Usar pouco sal nos alimentos.

Em pouco tempo, você sentirá mais energia.

3. Evitar o inchaço

O inchaço em diferentes partes do corpo é um problema para várias pessoas. O acúmulo de líquidos é frequente nos pés e na barriga, principalmente. Isso faz com que as pessoas ganhem volume, se sintam pesadas e, em alguns casos, também sintam dor. A circulação sofre muito.

Para evitar o inchaço, é necessário reduzir o consumo de sal e de todos os alimentos com alto teor de sódio, conhecidos como processados, como pizzas, molhos, massas, aperitivos, etc. Além disso, para combater o excesso de sódio podemos aumentar o consumo de alimentos ricos em potássio, como:
  • Abacate
  • Banana
  • Brócolis
  • Alface
  • Batata
  • Cenoura
  • Maçã
  • Framboesa
  • Arando (também chamado de oxicoco ou cranberry)
  • Nozes
  • Lentilhas

4. Emagrecer com mais facilidade

Se você deseja emagrecer ou quiser manter um peso adequado sem passar fome, recomendamos que você deixe de consumir sal. O uso excessivo de sal favorece a retenção de líquidos e dificulta o processo de emagrecimento do organismo. Por isso, ao limitá-lo, você poderá emagrecer mais facilmente.

Além disso, evitar o sal fará com que você use outros condimentos. A maioria dos temperos, como o limão e o vinagre não apenas não engordam, como ativam o metabolismo e ajudam a queimar mais calorias. Portanto, essa mudança de hábito pode gerar efeitos muito positivos na saúde e no corpo em pouco tempo.

5. Evitar transtornos cardiovasculares

As pessoas que sofrem de hipertensão já sabem que devem usar pouco sal na comida ou eliminá-lo por completo. No entanto, nem todo mundo conhece os riscos que isso representa para a saúde. A pressão alta e o sobrepeso são dois fatores de risco que levam as pessoas a sofrer doenças cardiovasculares.
Para evitá-las a tempo, é necessário eliminar o sal e o açúcar da dieta, uma mudança importante na alimentação e no estilo de vida. Começar pelo sal ajudará você a ver como possível melhorar a saúde com pequenas mudanças, para que a alimentação seja a sua própria cura.

Fonte: Melhor com Saúde

7 sinais de infarto que as mulheres ignoram

O problema de muitas mulheres é que elas não identificam os sinais de infarto como tais, e os desconsideram por acreditarem que se devem a questões cotidianas.

As doenças do coração, incluindo o infarto, afetam tanto homens quanto mulheres; no entanto, a forma como se manifestam em cada um pode ser diferente. Neste artigo falaremos sobre alguns dos sinais de infarto nas mulheres.

O número de vítimas femininas de infarto tem aumentado nos últimos anos, não apenas porque sua detecção é mais difícil, mas porque as mulheres demoram mais a procurar um médico quando sentem seus sintomas.

O problema é que muitos dos sintomas iniciais se confundem com problemas mais leves, e raramente são considerados uma razão para ir à emergência.

Apesar disso, há algum tempo vêm-se conhecendo alguns sinais que, embora nem sempre indiquem este transtorno, poderiam ser úteis para ligar os alertas.
Nessa ocasião, compartilhamos em detalhes os 7 principais sinais de infarto que não devem ser desconsiderados.
Conheça-os!

Sinais de infarto aos quais devemos estar atentas

1. Sensação de asfixia

A sensação de asfixia é um sintoma que costuma aparecer quando se apresentam certas infecções respiratórias; no entanto, se esse não é o caso, é provável que tenha a ver com dificuldades no coração.

  • A aparição deste incômodo, sobretudo ao realizar tarefas cotidianas, poderia estar alertando para o risco de sofrer um infarto.
  • Frequentemente vem acompanhado de uma pressão no peito e tosse recorrente.

2. Cansaço incomum

A sensação de cansaço pode ocorrer por transtornos do sono, má alimentação e excesso de atividade física.
No entanto, se começa a se manifestar de forma recorrente, sem razão aparente, poderia estar indicando problemas circulatórios e do coração.
  • A formação de placas de colesterol nas artérias interfere no fluxo sanguíneo e, ao sobrecarregar o coração, aumenta a pressão e o risco de infarto.
  • Por reduzir a oxigenação celular, tanto os músculos quanto as funções cognitivas se debilitam.

3. Insônia

Os transtornos do sono como a insônia costumam ocorrer pelo excesso de trabalho, o uso prolongado de dispositivos eletrônicos e pelo estresse.
No entanto, no caso da mulher, pode ocorrer quando há mudanças hormonais significativas ou interferências no bom funcionamento cardíaco.

Frequentemente quem tem risco de hipertensão e infarto costuma apresentar problemas para dormir bem, sobretudo nos dias prévios a um ataque.

4. Suor frio

A aparição repentina de uma sudoração fria pode ser um sinal de alerta de infarto e transtornos cardiovasculares crônicos.

Como os demais sintomas, também pode ser ocasionada por um grande número de problemas, mas não é demais fazer uma consulta para descobrir se sua origem é o infarto.
  • Neste caso, ocorre porque o corpo multiplica seus esforços para regular a temperatura, por apresentar mudanças bruscas pelo esforço que o coração faz.
  • Ao mesmo tempo, devido às interferências no fluxo de sangue, podem ocorrer tonturas e mal-estar geral.

5. Dor no lado esquerdo do corpo

 

A aparição de dor incomum no lado esquerdo do corpo é talvez um dos sinais mais claros de possíveis infartos na mulher.
  • Quem passa por esse problema pode sentir, inclusive desde de dias anteriores, uma dor no braço, nas costas e na mandíbula do lado esquerdo.
  • A manifestação deste sintoma pode ser gradual, ou seja, passando de leve a crônica conforme passam as horas.

6. Sensação de ansiedade

Há muitas situações que podem provocar um episódio de ansiedade repentina. Apesar disso, é fundamental ter cuidado com sua manifestação, já que, em muitos casos, pode afetar o ritmo cardíaco e levar a infartos.

  • Se a sensação de ansiedade vem acompanhada de pontadas no peito ou vertigem, o mais conveniente é ir ao médico.
  • Por outro lado, mesmo quando não ocasiona um ataque, é importante buscar um tratamento, pois sua recorrência pode alterar a pressão.

7. Refluxo ácido

A produção excessiva de sucos ácidos no estômago causa o que conhecemos como refluxo.

Este sintoma se manifesta com uma sensação de ardor no abdômen e no peito que, frequentemente, pode ser confundida com a dor que ocorre durante um infarto.
  • Embora poucos casos tenham a ver com este problema cardíaco, não se deve descartar a possibilidade, em especial se surge de forma recorrente e severa.
Você tem antecedentes de infarto na família? Sofre de obesidade ou vive no sedentarismo? Se tem estes fatores de risco e experimenta os sinais de infarto mencionados, vá ao médico o quanto antes.

De forma geral, ainda que não esteja exposta a estas condições, procure fazer checkups médicos e exames de sangue para verificar como está a sua saúde cardiovascular.

Fonte: Melhor com Saúde

Dicas simples para buscar uma vida mais saudável em 2019

Preparar a lista de resoluções pouco antes do Réveillon é um ritual que ajuda a fazer o inventário do ano que passou e renovar a esperança e busca por conquistas e mudanças positivas no que está se iniciando.

Então, vá em frente, elabore a sua e acredite na importância de cada um dos itens. Só não se esqueça de que, para ter energia para buscar suas metas, vale incluir também atitudes para garantir sua saúde física e mental.

Aproveite aqui as dicas de especialistas e busque mais qualidade de vida e equilíbrio em 2019:

Em busca do sono perfeito
OK, não vai ser bem na festa da virada do ano que você vai se planejar para dormir, mas ir para a cama sempre no mesmo horário faz muita diferença na qualidade do sono, senão o cérebro fica em estado de alerta, dificultando emplacar uma sequência de noites repousantes. Experimente também desligar os aparelhos eletrônicos e evitar bebidas estimulantes uma ou duas horas antes de dormir. “A chamada higiene do sono inclui ainda atividades neutras e relaxantes no dia a dia. Seja fazer meditação, cantar no chuveiro, plantar uma horta ou interagir com alegria com a família e os amigos”, diz Monica Andersen, diretora do Instituto do Sono e professora de biologia do sono da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). “Dormir bem traz como consequência uma pele mais bonita, defesas mais aguçadas, peso em ordem e melhor desempenho sexual”, assegura. A saúde cardiovascular também agradece, uma vez que a privação de sono é responsável, por exemplo, pelo aumento na pressão arterial.

Busque o convívio social e os bons relacionamentos
O psiquiatra Alexandre Saadeh, professor da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e médico do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, sugere atitudes simples que têm o poder de transformar o dia e as emoções ao redor. “Ser educado, polido, cumprimentar as pessoas, dar bom dia, boa tarde, pedir licença e desculpas. Além de facilitarem o convívio social, essas ações predispõem as pessoas ao contato humanizado e mais gentil”, afirma. Saadeh sugere, ainda, cuidar da aparência: “Sentir-se atraente e envolvente facilita o contato humano e propicia relacionamentos”.

Busque o melhor da vida
“Tenho uma série de decisões que vão me ajudar a buscar um 2019 mais saudável”, conta Carlos Eduardo Barra Couri, endocrinologista e pesquisador da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP. “Apesar de contar com todas elas, já adianto: eu faria exames de saúde frequentes, pois, mesmo com toda a prevenção, podemos ter algumas surpresas silenciosas, daquelas que o corpo não nos avisa – mas que os exames mostram.” Dado o conselho para não pular as consultas de rotina, anote aí, e adapte à sua vida, o plano de Barra Couri por um ano com mais bem-estar: “Eu teria mais momentos para mim mesmo, como leitura, exercícios, cinema. Pensaria muito antes de comer, promovendo uma boa discussão entre meu cérebro e meu estômago a cada refeição. Dormiria mais, beberia uma taça de vinho da Serra Gaúcha com minha esposa em vários dias da semana. Procuraria, enfim, ver o lado positivo e alegre das coisas”.

Em busca de mudanças de hábito
É possível, sim, driblar as dificuldades e se engajar no compromisso de comer melhor e fazer exercícios físicos regularmente. “A principal razão para não transformar os planos em ações é que, na maioria das vezes, a pessoa faz um planejamento de um mundo ideal. Quando parte para a vida real, as coisas dependem de etapas anteriores para que possam acontecer”, frisa Antonio Lancha Jr., profissional de educação física e expert em alimentação. “Um exemplo bem simples: você decide que no ano novo vai passar a comer três frutas por dia. Ótimo, mas precisa organizar quando comprar a fruta, estabelecer o horário em que vai consumir, deixar o alimento preparado para comer – e lembrar-se de fazer isso”, ele instrui. “Da mesma forma acontece quando o sujeito parte do sedentarismo direto para a resolução de correr todo dia. Diante de decisão tão desafiadora, o risco de insucesso é grande e ele pode retroceder na ideia”, analisa. Comece buscando metas exequíveis, vendo se é possível chegar mais tarde ao trabalho ou acordar mais cedo alguns dias por semana. E parta para a ação, deixando em ordem camiseta, tênis, bermuda… “Tudo de forma realizável e sustentável”, sugere Lancha Jr.

Em busca de boas escolhas
“Do ponto de vista nutricional, existem várias escolhas que permitem uma vida com menor risco de doenças, previnem complicações clínicas, resultam em maior longevidade e, ao mesmo tempo, trazem o prazer, o sabor, o apetite e a qualidade de vida”, reflete o nutrólogo Mauro Fisberg, coordenador do Centro de Nutrologia e Dificuldades Alimentares do Instituto Pensi, em São Paulo. O médico elenca, então, suas principais dicas: “Seja equilibrado, coma de tudo, sem exageros. Consuma menos proteína de origem animal e mais lácteos. Menos açúcar e mais carboidrato complexo, de massas, cereais e grãos integrais. Doces, refrigerantes e gorduras não são proibidos, mas deveriam ser consumidos apenas ocasionalmente. Comida saudável não é comida sem sabor, ela sempre pode ser incrementada com temperos, combinações de alimentos e experimentação”. Por fim, Fisberg aconselha: “Reserve tempo para as refeições em família, divirta-se comendo, não creia em modismos e busque orientação com gente especializada”.

Busque alimentar o corpo e também a alma
A aproximação do fim de ano potencializa a preocupação em como manter os pilares de um estilo de vida com alimentação equilibrada, atividade física, controle do estresse, felicidade e sono. Para começo de conversa, diz a nutricionista Bianca Naves, de São Paulo, dá para aproveitar sem medo as festividades de fim de ano. “Se você quer obter peso saudável e saúde, os eventos sociais podem, sim, fazer parte da vida sem que haja nenhum prejuízo nos resultados finais”, garante. “Cozinhar é o que diferencia os seres humanos de outros seres vivos. Por isso, aproveitar as festas para preparar receitas de família ajuda a amenizar a ansiedade, contribuindo também para a nutrição do corpo e da alma”, ensina. “Procure comer devagar e saboreie o prato que montou, aproveite o momento e vivencie sem culpa as suas escolhas. Procure se reconectar com os alimentos e buscar equilíbrio e saúde todos os dias, e não só quando o calendário avisa que vai começar um novo ano.”

Busque exercitar-se. E boas companhias
Não é segredo: entre as mudanças possíveis em busca de mais energia, força e bem-estar, a adoção e manutenção de um estilo de vida ativo não ficam fora de nenhuma lista de propósitos. “Não existe atividade ideal. Diferentes combinações geram benefícios semelhantes”, já avisa Tony Meireles, coordenador do programa de pós-graduação em educação física da Universidade Federal de Pernambuco. Por isso, a recomendação é se entregar a um mix de práticas que estimulem os sistemas cardiovascular e muscular, com treinos de força e de potência. “Se elas forem feitas em grupo, em condições de baixo risco de lesão e alto nível de divertimento, é muito, mas muito, melhor. A dica é começar 2019 descobrindo que tipo de prática cabe no seu bolso e que pode ser compartilhado com pessoas legais”, propõe Meireles. E que não seja complexo demais, afinal, diversão faz parte da experiência.

Em busca da ida ao dentista sem sofrimento
Visitas frequentes ao dentista podem salvar muito mais do que apenas os dentes. Afinal, não param de sair estudos mostrando o elo entre a higiene bucal e a saúde como um todo. Então, para se preparar para um ano longe de encrencas no organismo, não dá para menosprezar a importância da escova e do fio dental. “Sem os devidos cuidados, as bactérias tomam conta da boca, e elas não vão apenas causar gengivite e periodontite. O produtos dessas inflamações passeiam pela corrente sanguínea e podem prejudicar o controle de problemas cardíacos e diabetes”, diz Giuseppe Romito, professor de periodontia da Universidade de São Paulo. Se não der para abrir sua agenda de 2019 com uma visita ao dentista, pelo menos reserve um espaço para o checkup bucal assim que for possível. Afinal, a ideia é também sorrir mais ao longo do ano, certo?

Busque os seus propósitos
“Perceber que sua vida tem sentido faz toda diferença para a saúde física e mental”, diz a bióloga Elisa Harumi Kozasa, pesquisadora do Instituto do Cérebro do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. Há estudos comprovando uma maior longevidade entre pessoas que se sentem participativas, seja numa carreira bem-sucedida ou se envolvendo na educação dos filhos ou netos. Outro ponto importante é “apagar os incêndios emocionais”. Kozasa explica: “Por exemplo, se dermos atenção aos sinais que antecedem uma explosão de raiva, poderemos mudá-la para um rumo mais construtivo, escolhendo como reagir e melhorar significativamente nossa qualidade de vida emocional”.

Acalme sua mente e busque o controle do estresse
O ideal é colocar o plano em ação já antes da virada: “Procure minimizar as exigências que esteja se impondo. As expectativas, por um lado, são nossa força motora, mas, por outro, podem causar ansiedade e afetar o bem-estar”, analisa a psicóloga Ana Maria Rossi, presidente da International Stress Management Association no Brasil. Para engrenar um bom início de ano e estender a energia física e emocional ao longo dos meses, preste menos atenção naquilo que deixou de cumprir e foque sua mente no aqui e agora, para as coisas que de fato dependam de você. “Práticas meditativas e atividades como ioga são bem-vindas para relaxar e acalmar a mente nos momentos em que as cobranças exageradas desencadeiam o estresse. Com elas, é possível focar no que temos e no que somos, e não no que nos sentimos obrigados a ter. E isso se reflete em empoderamento, autoestima, prazer e felicidade”, orienta a psicóloga.

Fonte: https://saude.abril.com.br/bem-estar/dicas-simples-para-buscar-uma-vida-mais-saudavel-em-2019/ - Por Abril Branded Content - iStock/Abril Branded Content
Via Blog professor José Costa